conecte-se conosco


Nacional

PM pede abertura de inquérito para apurar regalias de Cabral na prisão

Publicado

source
Agentes da Corregedoria da PM fizeram nova inspeção em presídio onde está o ex-governador Sérgio Cabral
Divulgação/Polícia Militar – 03.05.2022

Agentes da Corregedoria da PM fizeram nova inspeção em presídio onde está o ex-governador Sérgio Cabral

O secretário de Estado da Polícia Militar, coronel Luiz Henrique Marinho Pires, determinou que a corregedoria da corporação instaurasse um Inquérito Policial Militar (IPM) para investigar se houve conivência da direção do Batalhão Especial Prisional (BEP) ao permitir  supostas regalias ao ex-governador Sérgio Cabral e ao tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira, acusado da morte da juíza Patrícia Acioli. Segundo a Vara de Execuções Penais, foram encontrados talheres inox na cela de Cabral e, numa área próxima à cela dele e de mais seis presos, foi apreendido um saco com celulares e grande quantia em dinheiro. O juiz-corregedor, Bruno Rulière, ainda não decidiu para onde será levado o ex-governador e os demais detentos. A transferência pode ocorrer a qualquer momento.

Na tarde desta segunda-feira, foi realizada a segunda vistoria na unidade, exclusiva para policiais militares — o político é uma exceção, por determinação judicial — e administrada pela PM, desta vez, pela própria corregedoria da instituição. Atrás de aparelhos de televisão, que são autorizados na cadeia, havia dispositivos que foram apreendidos, por haver a suspeita de permitirem conexão à internet. O material foi mandado para a perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Se for constatado que os itens tinham Wi-Fi, será caracterizada a irregularidade nas celas dos detentos, por ser proibido o uso destes equipamentos. A PM informou que os 13 aparelhos com kits de smart TV foram apreendidos durante a inspeção. Cães farejadores deram apoio à ação, em busca de objetos escondidos e drogas, inclusive nas áreas externas do presídio.

Segundo a PM, na cela do tenente-coronel Cláudio foi encontrada até uma secretária virtual de voz. Por nota, a assessoria da corporação informou que “todas as decisões da Vara de Execuções Penais (VEP) estão sendo rigorosamente cumpridas e com relação a transferência de internos, o comando da unidade prisional aguarda determinação da VEP”.

Há dois anos tem um processo de compra de dois aparelhos de raios-X que ajudariam na detecção da entrada de objetos proibidos. A unidade tem apenas um aparelho de raio-X , que está quebrado e é fruto de doação. O GLOBO obteve acesso a um relatório feito em 2020, com o pedido ao comando da corporação a compra de dois aparelhos para a revista de pequenos e médios volumes levados pelas visitas, que podem entrar com até dois itens de alimentação. O processo de aquisição ou de aluguel está em aberto até hoje. A PM diz que todas as decisões da VEP estão sendo cumpridas e que está fazendo licitação para comprar um scanner corporal.

Por meio de nota, o Ministério Público do Rio, o qual participou de inspeções nas quais tiveram apreensões de bens encontrados, afirma sobre este caso mais recente que a “fiscalização foi realizada pela Vara de Execuções Penais que ainda não encaminhou informações oficiais para as Promotorias de Justiça que atuam junto à Auditoria de Justiça Militar e para a 2ª Promotoria de Justiça junto à Vara de Execução Penal. Tão logo recebidas as informações prestaremos mais esclarecimentos”.

Objetos proibidos

Na cela do ex-governador, havia ainda toalhas bordadas com o nome de Sérgio Cabral, talheres de inox e prateleira com fundo falso justamente para esconder celulares. Além de Cabral, o tenente-coronel Cláudio, o tenente Benitez e o soldado Cleiton, serão transferidos: o vereador Mauro Rogério Nascimento de Jesus, o Maurinho do Paiol, que é PM inativo; os capitães Marcelo Baptista Ferreira e Marcelo Queiroz dos Anjos.

Durante as inspeções também foram encontrados cigarro eletrônico, assistente virtual e um caderno de anotações com as compras de um banquete adquirido via aplicativo, no valor de R$ 1.500.

Tais achados motivaram a decisão de transferir Cabral e os outros seis detentos. A expectativa é de que os sete sejam levados para Bangu 1, presídio de segurança máxima por onde já passaram os mais perigosos criminosos do estado. Cabe ao juiz-corregedor da Vara de Execuções Penais, Bruno Rulière, escolher a unidade.

Ordem do STF

Condenado a 407 anos por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, Cabral está no BEP desde setembro do ano passado. Antes, ele cumpria pena em Bangu 8, onde ficam políticos e presos com curso superior. Essa transferência foi autorizada pelo juiz federal Marcelo Bretas, cumprindo uma decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que impede o ex-governador de ficar perto de pessoas citadas por ele no acordo de delação premiada.

Leia Também

A Penitenciária Laércio da Costa Pellegrino, conhecida como Bangu 1, foi construída em 1987 para abrigar presos de maior periculosidade, por isso, também passou a ser chamada de cofre. O presídio é dividido em 48 celas distribuídas por quatro galerias.

Em uma nova inspeção no BEP, de acordo com imagens divulgadas pelo “Fantástico”, da TV Globo, agentes encontraram uma sacola com R$ 4 mil em espécie e cigarros de maconha. A fiscalização foi feita de surpresa pelo juiz titular da Vara de Execuções Penais (VEP), Marcello Rubioli, que contou com o apoio da Corregedoria da PM e do Ministério Público do Rio (MPRJ). Rubioli confirmou à TV Globo a ida de Cabral para uma unidade de Bangu.

De acordo com imagens analisadas pela VEP, a sacola com o dinheiro e a droga foi lançada em uma área onde estavam somente Cabral e o tenente-coronel Cláudio Luiz, além de um policial que arremessou o saco plástico após a chegada do juiz. Numa nova vistoria feita pela Corregedoria da Polícia Militar foi descoberto o uso de aparelhos que conectam televisões à internet.

Regalias gastronômicas

A fiscalização na semana passada já havia encontrado uma lista que mostra que os presos não vivem da quentinha distribuída pelo governo. As anotações foram achadas em um caderno que estava em uma mesa numa área usada por Cabral e Cláudio Luiz. Em nove páginas, há detalhes das encomendas que totalizam R$ 1.418, a última feita em 27 de abril. Na relação, por exemplo, estavam dez unidades de kafta de cordeiro (R$ 158), 60 esfirras (R$ 300) e nove quilos de acompanhamentos. A conta poderia ser ainda maior, já que também foi anotada uma porção de cem miniquibes (R$ 90) que foi riscada da lista.

O nível de detalhamento do pedido chama a atenção. Em uma das páginas do caderno há o valor unitário ou de 100 gramas das porções. As esfihas saem por R$ 5, o falafel por R$ 0,90 e o valor unitário do cordeiro para sanduíche custou R$ 12.

Sobre as vistorias, a defesa de Cabral afirma que nada foi encontrado na cela do ex-governador. Os advogados de Cláudio Luiz também alegam que nenhum dos materiais estava em sua cela.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Nacional

MEC corta R$ 619 milhões de colégios e universidades federais

Publicado

source
Universidade Federal de Alagoas
Divulgação

Universidade Federal de Alagoas

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) anunciaram nesta sexta-feira que as instituições federais de ensino perderam, juntas, mais de R$ 600 milhões do orçamento discriminado em junho.

As universidades federais tiveram um corte de R$ 217 milhões na última sexta-feira (24) e R$ 220 milhões no começo do mês. Metade desse dinheiro, segundo a Andifes, foi remanejado para o Programa de Garantia de Atividade Agropecuária. Já os colégios da rede federal perderam R$ 92 milhões agora e outros R$ 92 milhões no começo do mês. Juntos, os cortes somam R$ 619 milhões.


O Proagro é um programa do governo federal que garante o pagamento de financiamentos rurais de custeio agrícola quando a lavoura amparada tiver sua receita reduzida por causa de eventos climáticos ou pragas e doenças sem controle. Ele tem como foco principalmente os pequenos e os médios produtores, mas pode ser utilizado por todos dentro do limite de cobertura.

“Nestas portarias, os valores das emendas do relator do orçamento, da rubrica RP9 (o chamado ‘orçamento secreto’), que somam aproximadamente R$ 17,2 milhões, não foram afetadas por nenhum remanejamento”, observa a Andifes, em nota.

Com isso, todo o orçamento das instituições que estavam bloqueados não serão recuperados. Isso significa que eles tiveram outras destinações e o contingenciamento virou, de fato, um corte.

O orçamento discriminado é aquele no qual o governo federal consegue cortar porque não são gastos obrigatórios — como salários e aposentadorias. No entanto, essa verba é fundamental para o funcionamento das universidades. É com ela que se paga contas de água, luz, segurança e manutenção, além de investimentos em pesquisa, bolsas e auxílios a estudantes carentes.

“Foram retirados recursos que impactam em todas as nossas ações. A manutenção das nossas escolas, a realização de atividades de pesquisa, de ensino, de extensão, de assistência estudantil que garanta a permanência e êxito dos nossos estudantes”, afirma Cláudio Alex Jorge da Rocha, presidente do Conif e reitor do IFPA.

Atualmente, são 618 campi de colégios federais espalhados pelo país, e inclui institutos federais (que possuem educação básica e superior), Cefets, escolas técnicas de ensino profissionalizante e os colégios Pedro II, no Rio.

Em 2015, o orçamento para os gastos discricionários era o dobro de 2021. Com isso, além das contas básicas, também ficam prejudicadas as compras de materiais para pesquisa, manutenção dos prédios e o pagamento de bolsas que garantem a permanência dos estudantes pobres.

O orçamento de assistência estudantil, que chegou a ser de R$ 1 bi em 2014, caiu para R$ 460 milhões em 2021. Enquanto isso, o número de estudantes mais do que dobrou: passou de 373 mil para 819 mil. Já a Andifes sinalizou, em nota, que se reuniu com representantes do MEC e foram informados dos detalhes técnicos da decisão tomada pela equipe econômica do governo.

“Os diretores da Andifes, inclusive fazendo menção a vários dos debates ocorridos na sessão do conselho pleno desta quinta-feira (23), deixaram clara a gravidade da situação e a inviabilidade do funcionamento das instituições sem a recomposição dos orçamentos. Novos movimentos e ações da Andifes em face desse gravíssimo deslocamento de recursos da educação pública superior serão em breve noticiados”, informou o grupo.

Continue lendo

Nacional

Aneel realizará leilão que prevê até R$ 15,3 bilhões em investimentos

Publicado

source
Serão ofertados 13 lotes de linhas de transmissão de energia
Pixabay

Serão ofertados 13 lotes de linhas de transmissão de energia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai leiloar na próxima quinta-feira (30) 13 lotes de linhas de transmissão de energia. As empresas que obtiverem a concessão ficarão responsáveis por construir, operar e manter as linhas, que somam um total de 5.425 quilômetros e uma capacidade de 6.180 mega-volt-ampères (MVA). O leilão vai ocorrer às 10h, na sede da B3, em São Paulo. Os contratos de concessão estão previstos para serem assinados em 30 de setembro, e as empresas vencedoras terão prazos de 42 a 60 meses para iniciar a operação comercial das linhas de transmissão. A Aneel prevê que os contratos de concessão gerem R$ 15,3 bilhões em investimentos, gerando de 31.697 empregos diretos.

Os lotes dos empreendimentos estão localizados em 13 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe. O lote de maior extensão e que deve gerar mais empregos é o de número 2, que corta os estados de Minas Gerais e São Paulo em um percurso de 1,7 mil quilômetros. O lote tem finalidade de expandir a capacidade de transmissão da região norte de Minas Gerais e, se concretizado, deve empregar 9,8 mil pessoas. A disputa dos lances se dará pelo valor de Receita Anual Permitida (RAP). Quando houver mais de uma proposta pelo mesmo lote, vencerá a que propuser o menor valor anual de receita. Os proponentes deverão depositar para a Aneel uma garantia de proposta no valor de 1% do investimento estimado, com prazo de validade igual ou superior a 120 dias após o leilão e renovável por mais 60 dias. Para a assinatura do contrato de concessão, o proponente vencedor deverá substituir a garantia anterior por uma correspondente a 5%, 7,5% ou 10% do valor do investimento previsto, a depender do deságio oferecido no leilão.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana