conecte-se conosco


Mato Grosso

Piscicultura tem grande potencial de expansão em Mato Grosso, aponta diagnóstico apresentado pela Sedec

Publicado


A cadeia produtiva da piscicultura está em pleno desenvolvimento em Mato Grosso, tem potencial de expansão e um mercado promissor. Diante destas perspectivas, somadas ao aumento da população mundial e da crescente demanda por alimentos, a produção de peixes como fonte de proteína é uma opção para diversificação de negócios para pequenos, médios e grandes produtores, além de ser uma das alternativas para o desenvolvimento da agroindustrialização do Estado, geração de postos de trabalho e de renda para toda a sociedade mato-grossense.

“O grande desafio econômico e social da cadeia da Piscicultura de Mato Grosso é dar o salto qualitativo para promoção de uma economia industrializada, agregando valor à produção e impulsionando a geração de riqueza e criação de emprego. É um setor que tem muito a crescer de forma rentável e sustentável, com uma grande capacidade de inclusão social e geração de renda em pequenas propriedades e localidades”, explanou César Miranda, secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso.

Nesta terça-feira (20.04), ocorreu live sobre a piscicultura para representantes de setores públicos e privados que teve o objetivo de apresentar o diagnóstico da cadeia, exibir as oportunidades e mostrar os desafios que podem ser mitigados por meio de políticas públicas, bem como pela organização da cadeia, como por exemplo, criação de cooperativas e investimentos em todos os setores do segmento.

De acordo com César Miranda, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) trabalha no fomento e estruturação do setor produtivo, através também dos incentivos programáticos com o objetivo de alavancar e verticalizar a cadeia, agregando valor a produção, gerando empregos e aumentando a renda do produtor rural.

“Em paralelo as atividades desenvolvidas pelas autarquias, a Sedec organizou os Conselhos e a legislação da cadeia. Estabeleceu-se o Proder para a piscicultura, tendo alíquotas estabelecidas para o excedente de mercadorias comercializadas interestadual. Estabeleceu-se também o Prodeic específico para frigoríficos da piscicultura e fábricas de ração, o qual define benefícios para operações internas e operações interestadual”, ressaltou o secretário.

Conforme o superintendente de Programas de Incentivos da Sedec, Anderson Lombardi, o estado de Mato Grosso reviu os incentivos fiscais para dar mais segurança jurídica aos investidores, tanto para o produtor rural quanto para o empresário da indústria. “São incentivos que dão competitividade para venda do pescado produzido em Mato Grosso”, disse.

Foram mostradas também as ações realizadas pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea). Renan Tomazele, diretor técnico do órgão, destacou sobre Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar de Pequeno Porte (SUSAF), sobre o recadastramento dos piscicultores e sobre o lançamento da guia de trânsito animal (GTA) eletrônica do peixe.

“Estamos trabalhando para contribuir com a cadeia dos peixes através de certificação do que é produzido de forma simplificada e eficiente”.

A coordenadora da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Maria Cristina Ramos, explanou sobre a autorização para criação de peixe exótico, no caso da tilápia, e a disponibilização, realizada no ano passado, para o licenciamento virtual, auto declaratório, facilitando as licenças para empreendimentos de baixo impacto. “Eram anseios da classe produtora. Havia muitas dificuldades para licenciamento das atividades pesqueiras. Estamos empenhados para ajudar o setor a crescer”, afirmou.

Patricia D´Oliveira Marques, diretora administrativa da Associação dos Aquicultores do Estado de Mato Grosso (Aquamat), falou sobre os trabalhos que vem sendo desenvolvidos junto aos órgãos públicos e destacou que a piscicultura será uma das maiores culturas do Estado em pouco tempo, apesar dos inúmeros desafios da cadeia. “Temos tudo para continuar crescendo de maneira sustentável e com benefícios para toda a sociedade mato-grossense”.

Esta expectativa também foi partilhada por Otávio Conselvan da Peixe BR. “Há muito potencial para o crescimento do setor e para atendimento da grande demanda por peixe”.

De acordo com o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Mato Grosso (Fetagri-MT), Nilton Macedo, nos últimos anos aconteceram muitos avanços na organização da cadeia da piscicultura graças às parcerias de todos os setores econômicos do estado.

“Sabemos da grande necessidade de melhorar nossa atuação e adequar de acordo com a legislação vigente. Estamos muito confiantes. Temos tudo para ter grande êxito. É uma cadeia muito promissora. O produtor poderá melhorar seu negócio com aumento de vendas e investimento do setor público e privado. ” 

Este também foi o pensamento exaltado pelos representantes das instituições do terceiro setor. Para Valéria Neves, analista técnica do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso (Sebrae/MT) a união dos órgãos é fundamental para o desenvolvimento econômico de Mato Grosso.

“Nosso desejo é ter todos os elos da cadeia produtiva interligados”. Segundo Frederico Azevedo, da Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso (OCB/MT), a posição estratégica do estado no setor agrícola contribui muito para o fortalecimento da produção de pescado. “Estamos trabalhando na organização das cooperativas para o setor de peixes com informação e suporte”.a

Diagnóstico da piscicultura

De acordo com dados do Observatório do Desenvolvimento da Sedec, atualmente, Mato Grosso é 5º maior produtor do Brasil, em 2013 ocupava a 1º posição com 75 mil toneladas. Dos 141 municípios, cerca de 139 produzem peixes, isso equivale a 98,58% dos municípios, totalizando a produção do estado em 34 mil toneladas por ano de pescado. Há em Mato Grosso 24 plantas frigoríficas de pescados operantes, cinco possuem o Serviço de Inspeção Federal (SIF), oito possuem o Serviço de Inspeção Estadual (SISE).

Os peixes mais cultivados no estado são os redondos, formados pelas espécies pacu, tambaqui, tambacu e tambatinga; os bagres de couro, formados pelo pintado e surubim. Tambacu e tambatinga correspondem a 62% da produção do estado; pintado, cachara e surubim 15% e tambaqui representa 13% do que é produzido em Mato Grosso.

A live “Psicultura no estado de Mato Grosso” foi coordenada pela Superintendência de Agronegócio da Sedec e contou com participação de vários órgãos públicos e privados, bem como representantes do seguimento econômico da cadeia da piscicultura.

Para assistir novamente, clique aqui.

Fonte: GOV MT

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mato Grosso

Domingo (09): Mato Grosso registra 373.121 casos e 10.149 óbitos por Covid-19

Publicado


A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste domingo (09.05), 373.121 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 10.149 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Foram notificadas 260 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 373.121 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 8.140 estão em isolamento domiciliar e 353.259 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 417 internações em UTIs públicas e 343 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 78,68% para UTIs adulto e em 43% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (79.065), Rondonópolis (27.379), Várzea Grande (25.604), Sinop (19.538), Sorriso (12.911), Tangará da Serra (12.284), Lucas do Rio Verde (11.537), Primavera do Leste (10.187), Cáceres (7.939) e Alta Floresta (7.173).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link.

O documento ainda aponta que um total de 323.270 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 69 amostras em análise laboratorial.

Cenário nacional

No sábado (08), o Governo Federal confirmou o total de 15.145.879 casos da Covid-19 no Brasil e 421.316 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 15.082.449 casos da Covid-19 no Brasil e 419.114 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados deste domingo (09).

Recomendações

Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança.

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Laboratório de comunicação e cultura promove inclusão digital e fomenta economia local

Publicado


Há dois meses, a cartela de clientes cresceu consideravelmente depois que a Horta Santa Edwiges despontou na internet. Foi Diomara Gabrielle, filha de uma das 18 famílias de agricultores que fez com que o negócio entrasse no radar de potenciais consumidores, atraídos pelo conteúdo disponibilizado por ela nas redes sociais.

Aluna do Laboratório de Comunicação e Cultura (LabCom) A Lente, Diomara descobriu um novo mundo de possibilidades e aplicou o aprendizado em favor da comunidade. As vendas de hortaliças e verduras oriundas da agricultura familiar tiveram um salto. 

“Foi uma forma que encontrei de retribuir. Minha família está lá desde seu surgimento, há 30 anos. Agora, estamos recebendo novos clientes. Muita gente chega lá porque nos encontrou na internet”.

Ela conta que o estímulo veio da equipe do projeto, que além de subsidiar jovens em situação de vulnerabilidade, motivou a criação de uma rede colaborativa. Além do auxílio na horta e na quitanda da mãe, a jovem de 20 anos dedicou os últimos quatro meses às aulas do LabCom.

“Eu nunca soube como usar o Instagram, o Facebook. Aplicativos de celular então, não tinha noção de como fazer. Nem o Word eu dominava. Mas isso tudo mudou”, diz confiante. Diomara não apenas criou as redes da horta como também desenvolveu a logomarca, produz as peças de divulgação e publica.

O projeto foi selecionado no edital Conexão Cultura Jovem promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) para implantação e gestão de laboratórios de comunicação e cultura (LabCom) em comunidades com índices de vulnerabilidade social. O LabCom A Lente atendeu jovens de três comunidades periféricas de Chapada dos Guimarães, que fica a 65 km de Cuiabá.

O titular da Secel-MT, Alberto Machado, acompanhou a realização do projeto e se surpreendeu com o alcance do LabCom. 

“A gente vê a política pública de cultura sendo executada no seu mais alto grau. Além de garantir o auxílio aos bolsistas e ensiná-los conteúdo que pode garantir oportunidades no mercado de trabalho, a equipe impulsionou uma rede colaborativa que agitou o cenário de Chapada. Bonito de se ver”, destaca o secretário.

Transformando vidas

A idealizadora do projeto Bruna Obadowski, avalia que ainda há muito por vir. “A semente foi lançada. Tanto para eles quanto para nós. Aprendemos mutuamente com esse processo e estamos prontos para desenvolver novas edições do LabCom. O conteúdo pedagógico foi lapidado de uma maneira surpreendente para nós. A comunicação e a cultura transformam vidas”.

Além do caráter social da inclusão digital, Bruna destaca ainda que no chamamento público que fizeram e também na seleção, a prioridade foi atender jovens de bairros periféricos de Chapada dos Guimarães. 

“Não foram apenas 20 bolsistas contemplados com o recurso de R$ 1.600,00, foram 20 famílias que precisavam do auxílio em um momento tão crítico da pandemia. Muitos, só tinham esse suporte, então para nós, foi uma questão de garantir que essa política pública cultural garantisse a sobrevivência deles”, ressalta Bruna. 

E deste modo, o LabCom atendeu todas as premissas do edital, que era de distribuição de renda, transversalidade cultural e assistência social.

“E como é o caso de Diomara, a contrapartida do Estado e da nossa equipe possibilitou também agentes comunitários que impulsionaram negócios em um momento em que pequenos empreendedores precisavam dessa ajuda, de dar visibilidade e impulsionar vendas”.

Além disso, até mesmo as compras de suprimentos para a realização e manutenção do projeto foram realizadas dentro da própria comunidade, fomentando a economia local. Indo além, ao comentar os valores agregados à iniciativa, o LabCom também garantiu apoio a profissionais da comunicação e cultura que ministraram cursos ao longo de sua realização.

Auxílio na pandemia

Para Samara Moreira dos Santos, o projeto cumpriu seu objetivo. A estudante de 18 anos quer garantir melhores perspectivas de vida ao filho. Ela foi mãe aos 14 anos e teve que desistir da escola para cuidar do filho e trabalhar como camareira. Dividindo a casa com o irmão e realizando trabalhos de serviços gerais em casas de família que se tornaram cada vez mais escassos, o auxílio ajudou muito a jovem que mora no bairro São Sebastião.

“Além de aprender tanta coisa que eu nem imaginava fazer, o recurso veio em boa hora para que eu pudesse garantir uma comprinha básica para alimentar o meu filho”. Do conteúdo absorvido, além de aprender a se comunicar, ela destaca que não vê mais os noticiários como antes. “Nem prestava atenção, agora eu penso na informação, como o jornalista fez para produzir aquela matéria. Eu mesma produzi uma durante as aulas do LabCom”, orgulha-se do olhar mais crítico.

Colega de projeto, Breno Bezerra dos Santos, 18, não está estudando, nem trabalhando. Está à espera de uma vaga em uma pousada local. Para ele, o recurso foi essencial. “Ajudei em casa e separei um dinheiro para eu investir em um negócio. Quero comprar equipamentos e montar um estúdio para produção musical. E então, eu sei fazer tudo o que precisa para divulgar os artistas”.

O jovem que mantém um canal no Youtube, não descarta virar streamer. “Eu aprendi a editar vídeos, então eu acredito que agora eu tenho várias possibilidades. Se aparecer alguma coisa na área, sei que posso ser útil. Fora que é um sonho também virar um influenciador digital. De pouquinho acho que vou investir também no meu canal”.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana