conecte-se conosco


Mato Grosso

Pioneiros do agronegócio impulsionam desenvolvimento de Mato Grosso

Publicado

Entre 1900 e 1960, a população mato-grossense nem chegou a triplicar, saindo de 118 mil para 330,6 mil habitantes, tamanho o isolamento do Estado em relação ao restante do país, especialmente a parte litorânea.

A situação começa a se modificar a partir dos anos de 1970, coincidentemente a década da divisão e do início da expansão do agronegócio estadual, quando salta para 612,8 mil habitantes. Desde então, vem praticamente dobrando a cada década, até atingir 3,4 milhões de habitantes em 2018, conforme o IBGE.

Embora a densidade demográfica seja ainda pequena (3,36 habitantes por km2). O fato é que a ocupação do território mato-grossense se deu graças à ação dos vários pioneiros, que por aqui aportaram e contribuíram para o seu desenvolvimento.

Como foram inúmeros, impossível falar sobre todos eles neste pequeno espaço. Mas, é possível conhecer um pouco da história de alguns deles, como Ariosto da Riva, Norberto Schwantes, Ênio Pipino, Munefume Matsubara e o atual vice-governador Otaviano Pivetta.    

Norberto Schwantes, desbravador do Médio Araguaia  

Quem visita Canarana, no Médio Araguaia, distante 837 km de Cuiabá, ainda pode conhecer o DC-3 Dakota, que na década de 1970 fez a ponte aérea entre o sul do país e aquele município, então uma pequena vila, trazendo migrantes sulistas que lá se instalaram. O aparelho está exposto na praça Siegfried Roewer

Por trás desta epopeia, estava o pastor luterano Norberto Schwantes (cujo busto, inaugurado em 2011, também está exposto nesta praça), que, por meio de uma parceria público-privada com o governo federal, ficou responsável pela colonização do leste mato-grossense, conhecido como Médio Araguaia, mais especificamente onde hoje se localizam os municípios de Canarana, Água Boa e Nova Xavantina.

Os três municípios respondem atualmente por 1,487 milhão de toneladas de soja, 641,4 mil toneladas de milho e 829 mil cabeças de gado bovino. Morto aos 53 anos, vítima de câncer, em 1988, em Brasília, 47 dias após assumir como suplente, o mandato de deputado constituinte, Norberto Schwantes nasceu em Carazinho (RS).     

Foi como gerente geral da Cooperativa de Colonização 31 de Março (Coopercol), entre 1971 e 1977, que promoveu a colonização do Médio Araguaia. Neste meio tempo, foi diretor administrativo da Colonização e Consultoria Agrária (Conagro) e diretor-presidente da Cooperativa Agropecuária Mista de Canarana (Coopercana).

Por meio da Coopercana, fundou um novo município, o de Terra Nova do Norte (localizado no “Nortão”, a 644 km de Cuiabá), ao trazer, em 1978, novos colonos gaúchos para Mato Grosso. A cooperativa ficou responsável pelo trabalho de abertura prévia da região, preparação da infraestrutura e transporte dos migrantes. Foram destinados 435 mil hectares para os assentamentos, com a abertura de 1.062 lotes e nove agrovilas.

Enio Pipino, fundador de cidades  

Talvez poucos saibam, mas o fato é que o nome do município mato-grossense de Sinop (distante 500 km de Cuiabá, no sentido Norte) se refere à sigla da Sociedade Imobiliária Noroeste do Paraná (SINOP), criada por seu fundador, Ênio Pipino, em 1948 e considerada a mais antiga empresa de colonização do país.

Em 1970, surge a Colonizadora Sinop S/A, com a proposta de desenvolver projetos tanto na região Centro-Oeste quanto na Amazônia. 

Em 1971, em uma área de 645 mil hectares, denominada Gleba Celeste, inicia a colonização, na altura do km 500 da BR-163 (Cuiabá-Santarém), dividindo-a em sítios, fazendas e chácaras, propiciando o surgimento de cidades como Sinop, Vera, Santa Carmem e Cláudia.     

Quase cinco décadas depois, a região formada pelos quatro municípios soma quase 170 mil habitantes (2018), respondendo por uma produção de mais de dois milhões de toneladas de milho, 1,6 milhão de toneladas de soja e 143,7 mil cabeças de gado bovino, segundo dados do IBGE de 2017. O Produto Interno Bruto (PIB) é de R$ 6,35 bilhões.    

Além de Mato Grosso, Ênio Pipino, nascido em 1917, na paulista Penápolis, e falecido 1995, na também paulista Bebedouro, fundou outras 11 cidades no estado do Paraná. Como todo este currículo, recebeu os títulos de cidadão benemérito tanto de Mato Grosso quanto do Paraná, além de ser nome de escola e rua em Sinop, considerada a capital do “Nortão” mato-grossense.  

Ariosto da Riva, o último dos bandeirantes  

Antes de chegar a Mato Grosso, onde fundou os atuais municípios de Alta Floresta (distante 793 km de Cuiabá no sentido norte), Apiacás e Paranaíta, o colonizador Ariosto da Riva, apelidado de “o último dos bandeirantes”, pelo jornalista (da antiga Revista Cruzeiro, de Assis Chateaubriand) David Nasser, andou por boa parte do Brasil.

Aos 16 anos, saiu de casa para tentar a vida nos garimpos de diamante. Sua primeira parada foi em Santa Teresa, no Espírito Santo. Em seguida, foi para a Chapada Diamantina, na Bahia; Diamantina, Minas Gerais (onde se casou e nasceram seus quatro filhos); Belo Horizonte, onde montou uma lapidadora de pedras preciosas; e Marília (SP), onde plantou café e conheceu Geremia Lunardeli, então conhecido como Rei do Café.

Em 1952, fundou a Colonizadora Vera Cruz e adquiriu parte dos 300 mil hectares da Colônia Agrícola Nacional em Dourados (MS), distribuídos no Governo de Getúlio Vargas. Fundou Naviraí (MS) e nos anos de 1960 esteve na região do Araguaia mato-grossense, mas permaneceu pouco tempo.

Em 1974, veio definitivamente para Mato Grosso e adquiriu 418 mil hectares no Nortão, onde fundou a Indeco (Integração, Desenvolvimento e Colonização) e implantou os três projetos embriões de Alta Floresta, Apiacás e Paranaíta.

Atualmente, os três municípios, cuja população total é de 72,787 habitantes (dos quais 51.615, em Alta Floresta), respondem por 1,466 milhão de cabeças de gado bovino, 4.107 estabelecimentos agropecuários distribuídos em 1,686 milhão de hectares e um PIB (Produto Interno Bruto) de R$ 2,12 bilhões.    

Munefume Matsubara, incentivo à pesquisa  

Um dos pioneiros no incentivo à pesquisa e ao desenvolvimento do agronegócio em Mato Grosso foi Munefumi Matsubara, ou “Seo” Mune. Reconhecido internacionalmente, é considerado o pai da soja no eixo da rodovia Cuiabá-Santarém (BR-163).

Foi um dos primeiros a investir forte em tecnologia e na mecanização da lavoura, ainda em 1972. Chegou a destinar uma área, entre 250 e 300 hectares, para experimentos da Embrapa, Empaer e outras instituições do setor. 

Em sociedade com parentes, Matsubara comprou 10 mil hectares do Governo de Mato Grosso, às margens da rodovia, que, embora próxima a Lucas do Rio Verde, pertenceria a Sorriso (distante 398 km de Cuiabá no sentido norte).  Foi onde abriu a Fazenda Progresso, uma espécie de berço da soja no Médio-Norte mato-grossense.

Matsubara veio de Maringá (PR), onde atuava na agricultura e na compra de cereais. Decidiu por Mato Grosso ao ouvir falar do “Eldorado”, que poderia se transformar a região onde se instalaria.

O primeiro passo foi a abertura da área e a formação de pastagem. Mesmo com o capim plantado (brachiaria decumbens) não se adaptando ao clima, e gerando prejuízo, seguiu em frente.

Da pastagem passou para a agricultura, plantando arroz para, como todos os sojicultores da época em Mato Grosso, criar as condições para a cultura da soja. Como ainda não havia pesquisas sobre a orizicultura naquela região, conviveu com mais um fracasso.

Na safra de 1977/78 plantou 3,.600 hectares de soja da variedade UFV-1, mas não foi além de 15 sacas por hectare. Em seguida, passou a cultivar a variedade “doko”, da Embrapa Cerrados, quando pela primeira vez conseguiu 35 sacas por hectare.

Atualmente, apenas o município de Sorriso produz, segundo o IBGE, mais de dois milhões de toneladas de soja, com produtividade de 58 sacas (de 60 kg) por hectare.

Otaviano Pivetta, de produtor a vice-governador

Vice-governador, prefeito por três mandatos em Lucas do Rio Verde (1997/2000, 2001/2004, 2013/2016), Otaviano Pivetta chegou em Mato Grosso em 1982, seguindo direto para a região onde seria líder político.

Se dedicou à agricultura e ao movimento comunitário, investindo na produção de arroz, soja, algodão, milho, suínos e bovinos. Foi assim que criou a Vanguarda do Brasil S/A (hoje Vanguarda Agro S/A), considerada a maior empresa do ramo no país.

Além de empresário e empreendedor nas áreas de agricultura, suinocultura, indústria de alimento e nos ramos imobiliário, da construção civil, também optou pela política.

Com esta visão empresarial, implantou o sistema de gestão em Lucas do Rio Verde (distante 333 km de Cuiabá, no sentido norte), que se tornou uma das melhores cidades do país em qualidade de vida, com destaque para a economia, educação, saúde, habitação, saneamento básico e infraestrutura.

Também incentivou no município o empreendedorismo, o cooperativismo e a formação de cadeias produtivas, fortalecendo o agronegócio. Seu modelo de gestão tornou-se referência em todo o país.

“Em 1983, eu vim de mudança para cá, comecei a minha vida de mato-grossense. Já se foram 37 anos. Nós começamos sem saber exatamente onde chegar. O que nos movia na época era o sentimento de fé, esperança e o entusiasmo de olhar as planícies, a boa estrutura física dos solos, os ciclos de chuva bem definidos, insolação boa. Os fatores naturais para se produzir, exceto a fertilidade do solo, que o solo era muito pobre, inóspito. Fora isso, todas as outras condições estavam e estão reunidas nas terras de Mato Grosso”, contou Pivetta.

Atualmente, Lucas do Rio Verde, com 63.411 habitantes, tem um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 3,69 bilhões e PIB per capita de R$ 62.202,25, bem superior à média mato-grossense, calculada em R$ 37.462,74. É também um dos maiores produtores brasileiros de milho safrinha, com 1,26 milhão de toneladas colhidas em 2017. Neste mesmo ano, produziu 744,14 mil toneladas de soja e 99,31 mil toneladas de algodão em caroço.

Além de prefeito, Otaviano Pivetta assumiu, em 2005, no governo de Blairo Maggi, a Secretaria estadual de Desenvolvimento, quando se destacou pela criação dos consórcios intermunicipais.

Em 2006, elegeu-se deputado estadual e, em 2012, em seu último mandato como prefeito de Lucas do Rio Verde, foi premiado nacionalmente pela gestão de recursos públicos, por possuir um dos mais modernos serviços de controle e pela aplicação destes recursos em prol dos cidadãos.    

Filho de um caminhoneiro e uma professora e catequista, Pivetta nasceu em Caiçaras (RS), em 10 de maio de 1959, portanto, um dia após o aniversário de Mato Grosso, que se comemora hoje.  

“Eu cheguei em Lucas pela primeira vez em 1982, para conhecer, para trazer mudança de um tio meu. Foi pioneiro na cidade de Lucas, que era distrito de Diamantino ainda. Nós plantávamos apenas lavouras pequenas de arroz, que seguidamente frustravam por causa dos pequenos veranicos e as doenças fúngicas. Mas, nós, com esperança e também com vergonha de voltar para o Sul como derrotados, persistimos e nos mantivemos nessa região do Mato Grosso”, relatou o vice-governador.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Mato Grosso

Quarta-feira (27): Mato Grosso registra 1.909 casos e 47 óbitos por Covid-19

Publicado


.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta quarta-feira (27.05), 1.909 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 47 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. As últimas quatro mortes confirmadas envolveram residentes de Cuiabá (o sistema IndicaSUS apontou o óbito como sendo de Cuiabá, no entanto o caso era de Várzea Grande e será corrigido no próximo Boletim), Alto Araguaia, Rondonópolis e Alta Floresta. 

Dentre os 20 municípios com maior número de casos de coronavírus estão: Cuiabá (612), Várzea Grande (192), Rondonópolis (148), Tangará da Serra (84), Primavera do Leste (84), Barra do Garças (67), Lucas do Rio Verde (59), Confresa (49), Sorriso (49), Sinop (43), Rosário Oeste (38), Jaciara (34), Alta Floresta (32), Peixoto de Azevedo (25), Nova Mutum (24), Campo Verde (23), Cáceres (22), Pontes e Lacerda (22), Querência (15) e Mirassol D’Oeste (12). 

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado à essa matéria.

Nas últimas 24 horas, surgiram 168 novas confirmações em Acorizal (5), Alta Floresta (13), Alto Araguaia (1), Cáceres (1), Campo Verde (8), Canarana (1), Confresa (2), Cuiabá (49), Denise (1), Guiratinga (1), Ipiranga do Norte (1), Jaciara (4), Jangada (2), Juara (1), Juína (1), Lucas do Rio Verde (11), Mirassol D’Oeste (2), Nova Guarita (3), Nova Mutum (3), Nova Ubiratã (1), Pedra Preta (2), Pontes e Lacerda (3), Primavera do Leste (3), Rondonópolis (12), Rosário Oeste (1), São Pedro da Cipa (1), Sapezal (3), Sinop (7), Sorriso (8), Tangará da Serra (2), Várzea Grande (14) e municípios de outros estados (1).

O setor técnico ainda informou que foram corrigidos três casos de duplicação em Cuiabá (1), Campo Verde (1) e Nobres (1).

Dos 1.909 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 1.140 estão em isolamento domiciliar e 601 estão recuperados. Há ainda 121 pacientes hospitalizados, sendo 67 em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 54 em enfermaria.

No boletim, a SES também divulga que a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) dispõe, atualmente, de 258 leitos de UTI e 864 leitos de enfermaria especificamente para pacientes com coronavírus no Estado. 

Considerando o número total de casos em Mato Grosso, 49,9% dos diagnosticados são do sexo feminino e 50,1% masculino; além disso, 557 pacientes têm faixa-etária entre 31 a 40 anos. O documento ainda aponta que um total de 6.407 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 294 amostras em análise laboratorial.

Os pacientes são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES disponível neste link, a partir das 17h.

Cenário nacional

Nesta quarta-feira (27), o Governo Federal confirmou 411.821 casos da Covid-19 no Brasil e 25.598 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, divulgado pelo Ministério da Saúde, o país contabilizava 24.512 mortes e 391.222 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente;
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Governo firma PPPs Sociais e convênio para pavimentar 90 Km de rodovias em MT

Publicado


.

O governador Mauro Mendes assinou, durante evento na tarde desta quarta-feira (27.05), dois termos de colaboração com associações sem fins lucrativos e um convênio com a prefeitura de Tapurah, para pavimentar quase 90 quilômetros e realizar a manutenção de outros 103 quilômetros de rodovias estaduais não-pavimentadas.

Serão asfaltados 79 quilômetros das rodovias MT-129 e MT-422 nos municípios de Gaúcha do Norte e Santa Carmem, respectivamente, por meio do Programa de Parcerias Socais, chamadas de PPP Sociais. Já em Tapurah serão asfaltados 10,9 quilômetros da Estrada do Capixaba e será realizada a manutenção das rodovias não-pavimentadas MT-010, MT-488 e MT-560.

A assinatura dos termos ocorreu durante evento que reuniu o vice-governador Otaviano Piavetta,  o secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, o prefeito de Tapurah,  Iraldo Ebertz, e os presidentes das  Associação dos Beneficiários da Rodovia João Adão Scheeren e a Associação de Manutenção e Extensão da MT-129 (AMEX), Agenor Pelissa e Ari do Prado, respectivamente, além de parlamentares de Mato Grosso.

De acordo com o governador Mauro Mendes, as parcerias sociais foram normatizadas em sua gestão justamente como uma forma de a administração pública reencontrar o caminho dos investimentos no Estado, com apoio das Organizações da Sociedade Civil (OSC), que agora  passam a dar a sua contrapartida de contribuição para  execução de obras importantes. 

 “As PPPs sociais são modelos que simplificam e trazem redução de custos e aumento de eficiência. Com essas parcerias poderemos fazer muito mais asfalto. Há até pouco tempo, o Governo tinha fama de caloteiro e ninguém queria fazer parceria. Em um ano e cinco meses, conseguimos recuperar a credibilidade”, disse o governador.

Ainda segundo o governador, a assinatura das parcerias com associações e a prefeitura é essencial para que o Estado possa implementar ações de infraestrutura importantes para as regiões, para assegurar o direito de ir e vir do cidadão mato-grossense, contribuir para o desenvolvimento econômico e modificar a realidade de Mato Grosso. 

Assinatura de termos de colaboração e convênios vão trazer desenvolvimento para Mato Grosso

“Tenho certeza de que os prefeitos e associações tocarão muito bem essas obras. Agradeço a todos os nossos parceiros. Estamos mostrando que o trabalho sério muda as realidades, melhorando em todas as áreas do Governo, fazendo o que é certo e colhendo os frutos”, afirmou.

O vice-governador Otaviano Pivetta lembrou que a PPP Social foi uma iniciativa que iniciou há mais de 15 anos e que se perdeu no tempo, sendo retomada por esta gestão, com a premissa de que as organizações da sociedade civil interessadas possam contribuir financeiramente, em apoio ao Governo do Estado. Com isso, as organizações passam a não ser somente a investidora para a execução da obra, mas também a principal fiscalizadora.

  “As PPP Sociais são um esforço enorme. Foi uma lei que o governador regulamentou e que temos que aproveitar. O Estado deixou de obedecer a interesses que obedecia até pouco tempo e agora obedece ao interesse da sociedade. Antigamente se faziam os interesses dos grandes exploradores do Estado. Nós quebramos isso. Basta agora fazermos nosso dever de casa e essas parcerias vão fluir”, destacou Pivetta.

O secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, destacou a importância da união de Estado, Município, associações e cidadão para o desenvolvimento de Mato Grosso. Uma união de esforços que já está mudando e vai mudar ainda mais a realidade do Estado.

“O modo como o governador Mauro Mendes está administrando o Estado e como o Pivetta encara essas parcerias, mostra que o Governo está indo no caminho certo. As associações e a Prefeitura nos trouxeram os projetos, com todas as dificuldades, e acreditaram neste novo momento que o Estado está vivendo. Essa parceria que estamos retomando vai beneficiar inúmeras regiões. Uma oportunidade de fazer o melhor para o Estado”, destacou o secretário.

Secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, agradece apoio de prefeituras e associações

Apoio das organizações – Com o apoio da Associação de Manutenção e Extensão da MT-129 (AMEX), em Gaúcha do Norte serão pavimentados outros 39,04 quilômetros da MT-129, no trecho da MT-020 (Rio Alegre) até chegar no município.  Ao todo, os investimentos serão da ordem de R$ 32 milhões. Desse montante, R$ 27 milhões serão repassados pela Sinfra e os outros R$ 4,9 milhões serão a contrapartida da associação.

Para o presidente da AMEX, Ari do Prado, a execução da pavimentação vai ser a realização de um desejo de décadas e vai representar o desenvolvimento da região, que hoje é reconhecida pela produção agrícola, pela pecuária e pelo cultivo de seringueiras para fabricação de borracha.

“Nosso município depende muito dessa ligação asfáltica. Somos um dos poucos municípios de Mato Grosso que ainda não tem ligação asfáltica para chegar na cidade.  Essa obra vai ser um marco. Vai ser a primeira ligação asfáltica, fruto de uma parceria muito importante para o Governo, que acaba economizando, e para nós produtores que investimos hoje, para termos retorno lá na frente, além de todo cidadão de Gaúcha do Norte”, disse.

Já em Santa Carmen, com a colaboração da Associação dos Beneficiários da Rodovia João Adão Scheeren, serão pavimentados 40 quilômetros da MT-422, no trecho que vai do entroncamento da MT-140 até o entroncamento da MT-423, no município. 

Nesta obra serão investidos R$ 34,4 milhões, sendo que R$ 28 milhões serão destinados diretamente pela Sinfra e outros R$ 5,6 milhões serão oriundos de contrapartida da associação.
Segundo Agenor Pelissa, presidente da Associação dos Beneficiários da Rodovia João Adão Scheeren, se não fosse a parceria social seria praticamente impossível conseguir executar a pavimentação, que vai beneficiar toda a região, que espera ansiosa pelo asfalto.

“Essa parceria vem sendo trabalhada há um bom tempo. Nós, produtores, fizemos o projeto e agora estamos sendo privilegiados em ser contemplados. Temos uma grande responsabilidade e estamos confiantes de que vamos fazer um bom trabalho e bem feito, pois sabemos que o Governo do Estado não consegue sozinho atuar em todos os cantos de Mato Grosso”, disse.

Asfalto novo vai fazer alavancar economia dos municípios  

Apoio da Prefeitura – Já com o convênio firmado com a prefeitura de Tapurah serão asfaltados 10,92 quilômetros da Estrada do Capixaba e os serviços de manutenção serão feitos na MT-010, no trecho que vai de Tapurah em direção a São José do Rio Claro e também no Distrito de Novo Eldorado, sentido Ipiranga do Norte. 

Além disso, será realizada a manutenção na MT-560, no Distrito de Novo Eldorado em direção a Sorriso. Já na MT-488, a manutenção será executada no trecho entre Tapurah e Nova Maringá. Para isso, a Sinfra vai repassar R$ 2,9 milhões à prefeitura, que será responsável por executar diretamente os serviços de pavimentação e manutenção das rodovias não-pavimentadas.

Serão repassados R$ 2,7 milhões para que seja feita a pavimentação e mais R$ 245 mil para a aquisição do óleo diesel e materiais de consumo necessários para executar a manutenção das rodovias.

Segundo o prefeito de Tapurah, Iraldo Ebertz, as obras e serviços de infraestrutura serão realizadas no município, mas vão beneficiar ao menos seis cidades vizinhas,  que se utilizam diariamente das rodovias, principalmente, para o escoamento da produção.

“Estamos muito felizes com esse empenho do Governo e com todo esse trabalho que estão fazendo. Uma parceria muito grande entre Governo do Estado, Prefeitura e produtores.  Um convênio que traz um benefício muito grande para o município e toda a região”, encerrou.

Participaram ainda do evento de assinaturas dos termos de colaboração e convênio o prefeito de Gaúcha do Norte, Voney Goiano, e o prefeito de Santa Carmen, Rodrigo Audrey Frantz, beneficiados diretamente com as parcerias.

Também participaram  o senador Carlos Fávaro e os deputados estaduais Dilmar Dal’Bosco, Silvio Favero, Xuxu Dalmolin  e Doutor Eugênio, além dos prefeitos municipais de Querência, Fernando Gorgen, o prefeito de Claúdia, Altamir Kurten, e o prefeito de Novo São Joaquim,  Antônio Augusto Jordão.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana