conecte-se conosco


Polícia Federal

PF prende em flagrante servidor público federal em Recife/PE

Publicado

Recife/PE – A Polícia Federal prendeu em flagrante na terça-feira (12/11) um servidor público federal que estava exigindo pagamento de vantagem indevida de empresário do ramos de manutenção de prédio e condomínio.

Segundo o empresário, o fiscal teria vistoriado uma de suas obras e indicado a existência de várias irregularidades que resultariam em multas no valor de R$ 7 mil. Para que não fosse lavrado um auto de infração, o fiscal teria cobrado uma propina de R$ 3,5 mil. Ao alegar não dispor do dinheiro, ficou estabelecido que o empresário pagaria R$ 1 mil, divididos em duas parcelas de R$ 500. No dia seguinte, o empresário procurou o CREA/PE e, em seguida, a Polícia Federal, que começou a acompanhar o desenrolar dos fatos com o objetivo de realizar a prisão em flagrante no momento do pagamento da quantia.

A ação teve seu desfecho quando, acompanhado pelos policiais, o empresário entregou o dinheiro ao servidor, que foi abordado ao tentar deixar o local do encontro. Os policiais confirmaram o recebimento da propina. Ao ser feita uma busca pessoal no suspeito, também foi encontrado em sua carteira R$ 1,6 mil em espécie, o que pode configurar também, o recebimento de outras propinas. Também foram apreendidos seus dois telefones celulares.

O envolvido foi preso em flagrante e conduzido para a Superintendência da Polícia Federal no Cais do Apolo. Ele responderá pelo crime de corrupção passiva e, caso seja condenado, poderá pegar penas que variam de 2 a 12 anos de reclusão, além de multa.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Pernambuco

Contato: (81) 2137-4076
E-mail: [email protected]

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Polícia Federal

PF deflagra Operação Falso Registro para investigar fraudes em benefícios previdenciários

Publicado


.

Presidente Prudente/SP – A Polícia Federal deflagrou hoje (1/7) a operação Falso Registro, com o objetivo de coletar provas sobre a prática de falsidades na obtenção de benefícios previdenciários indevidos. Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, expedidos pela Primeira Vara Federal de Presidente Prudente, tendo sido encontrada farta documentação relativa às fraudes.

Durante a investigação, foi identificada a utilização de cinco empresas para a inserção de vínculos empregatícios falsos nos sistemas da Previdência Social mediante entregas de GFIPs (Guia de Recolhimento e Informações à Previdência Social) extemporâneas. Este fato permitiu o recebimento de benefícios previdenciários fraudulentos embasados em relações trabalhistas inverídicas por diversas pessoas.

A investigação teve início em razão de fatos suspeitos trazidos ao conhecimento da Polícia Federal pela Procuradoria-Geral Federal e contou com o apoio da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista – CGINT – da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Segundo a CGINT, foram identificados 18 benefícios recebidos irregularmente, tendo o valor do prejuízo apurado totalizado a quantia de R$ 1,9 milhão. Este valor, conforme foi apurado, pode atingir montante superior a R$ 5 milhões em valores futuros a serem pagos aos beneficiários, levando-se em conta a expectativa de sobrevida média da população brasileira, segundo o IBGE.

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Presidente Prudente/SP

Contato: (18) 3344-3021 / 3344-3001

Continue lendo

Polícia Federal

Polícia Federal resgata trabalhadores em situação de escravidão em Minas Gerais

Publicado


.

Belo Horizonte/MG – A Polícia Federal realizou, na última semana, uma grande ação repressiva, que culminou com o resgate de 39 pessoas que estavam sendo mantidas em condições de trabalho análogas à escravidão, em Minas Gerais.

Trabalhadores, inclusive quatro menores de idade, faziam colheita de café na cidade de Delfinópolis/MG, sem condições minimamente adequadas. A ação conjunta teve a participação da Auditoria-Fiscal do Trabalho e do Ministério Público do Trabalho.

De acordo com os auditores fiscais que participaram da ação, o grupo não recebia equipamentos de proteção individual adequados aos riscos a que estavam expostos. Na fazenda não existia local adequado para refeições, tampouco instalações sanitárias, o que expunha os trabalhadores a situações vexatórias, especialmente mulheres e idosos.

Foi constatada, ainda, a ausência de fornecimento de água potável aos trabalhadores e falta de medidas de prevenção contra a COVID-19.

Os vencimentos dos trabalhadores eram pagos exclusivamente de acordo com a produção, fazendo com que muitos deles recebessem valores menores do que o salário mínimo.

Os auditores-fiscais do trabalho calcularam, em cerca de R$ 90 mil, o valor das verbas salariais e multas rescisórias devidas aos trabalhadores, e notificaram o empregador e realizar esse pagamento.

Os trabalhadores foram pagos, recebendo integralmente as verbas devidas na última quinta-feira (25/6). Além disso, foram orientados e preencheram as guias de Seguro-Desemprego para o Trabalhador Resgatado, fazendo jus a três parcelas do benefício.

Cópias do relatório circunstanciado da inspeção serão encaminhadas ao Ministério Público do Trabalho e ao Ministério Público Federal para as providências que entenderem cabíveis, no âmbito de suas competências.

Denúncias de trabalho escravo podem ser feitas, de forma remota e sigilosa, no Sistema Ipê.

 

Comunicação Social da PF em Minas Gerais
Fone: (31) 3330-5270 (atendimento exclusivo à imprensa).
E-mail: [email protected]

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana