conecte-se conosco


Saúde

Pessoas baixinhas podem ser mais propensas à diabetes tipo 2, diz pesquisa

Publicado

Má notícia para os baixinhos. De acordo com uma pesquisa recente publicada pelo Instituto Alemão de Nutrição Humana Postdam-Rehbruecke, as pessoas mais altas estão melhor protegidas contra a diabetes tipo 2 , caracterizada pela resistência aos efeitos da insulina, o hormônio que controla a entrada de açúcar no sangue.

estetoscópio sobre prancheta azul que indica diabetes arrow-options
shutterstock

Risco de diabetes tipo 2 pode ser menor em indivíduos mais altos


De acordo com o estudo, o motivo seria o fato de que corpos mais altos têm maior sensibilidade ao hormônio.

Leia mais: Metade da população com diabetes não sabe que tem a doença

A pesquisa traz dados precisos: a cada 10 centímetros adicionais, o risco de contrair diabetes tipo 2 reduz em média 41% entre os homens e 33% entre mulheres. Os pesquisadores apontam que pessoas mais baixas ainda têm maior teor de gordura no fígado e p ressão arterial mais alta.

Por outro lado, as pessoas mais altas apresentam células beta mais eficientes – um tipo de célula encontrada no pâncreas, capaz de produzir insulina . Para chegar a esses resultados, os pesquisadores acompanharam 28.000 pessoas. 

Leia Também:  Hospital devolve rim em garrafa após atrasar exame

O estudo também apontou que a relação entre o risco de diabetes e a altura dos entrevistados era mais evidente entre pessoas com o peso dentro da média: a cada 15 centímetros de altura, o risco ficou 87% menor para homens e 67% menor para as mulheres. 

Leia mais: confira dicas de como evitar a diabetes tipo 2

A relação entre a circunferência dos quadris – relacionada ao acúmulo de gordura – e a diabetes tipo 2 , porém, continua um fator relevante. Por isso, o estudo destaca que “independente de estar atrelado ao consumo de muitas calorias, o acúmulo de gordura nessa parte do corpo pode neutralizar os efeitos benéficos da altura do indivíduo”.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Como a família pode ajudar quem tem Alzheimer? Entender a doença é fundamental

Publicado

O dia 21 de setembro foi a data escolhida para a conscientização sobre a doença de Alzheimer em todo o mundo. Caracterizada pela perda gradual da memória, a doença atinge 47 milhões de pessoas e, até 2050, a estimativa é que esse número atinja os 75 milhões. Os dados são da Organização Mundial de Saúde – OMS. 

dedo com barbante vermelho arrow-options
Thinkstock/Getty Images

Alzheimer muitas vezes é confundido com uma perda de memória, mas é vai muito além disso

Leia mais: Adesivo que auxilia tratamento para Alzheimer é distribuído gratuitamente no SUS

A babá Kátia Candeia acompanha a doença de Alzheimer de perto. Sua mãe, Emília Candeia, de 76 anos, foi diagnosticada com a doença há cinco anos e, desde então, requer cuidados constantes. Para Kátia, a maior das dificuldades foi descobrir que conviveria com uma doença sobre a qual pouco conhecia. 

“Eu já tinha ouvido falar, já sabia que afetava a memória , mas até saber que minha mãe estava com a doença não sabia o quanto era sério ou que precisava ser feito. Quando fiquei sabendo, entrei em pânico”, recorda Kátia. 

De acordo com o médico geriatra Natan Chehter, o caso da família Candeia é uma realidade em muitos outros lares do país, que ainda convivem com a desinformação sobre a doença e têm sua dor agravada. “No Brasil, o diagnóstico do Alzheimer costuma ser tardio porque existe uma crença de que a perda de memória, principalmente na velhice, é normal. Entender a existência da doença é fundamental para saber o que deve ser feito e entender seus limites”

Leia Também:  Ministro faz apelo para público-alvo se vacinar contra a gripe

Leia mais: No Alzheimer, depressão pode vir antes da perda de memória

Como a família pode ajudar quem tem Alzheimer?

Hoje, Kátia e Emília vivem uma dinâmica organizada que visa a melhor qualidade de vida possível para a mais velha. “Ela não pode ficar sozinha em casa e precisa da nossa ajuda para a maioria das tarefas. Também não posso deixar por perto facas, fósforo ou nada com o que ela possa se machucar”, diz a filha. “Apesar disso, estamos sempre conversando e passeando juntas”.

O acompanhamento atento está entre os cuidados recomendados pelo geriatra, que também aconselha uma atenção especial ao ambiente de quem convive com a doença. “Com a progressão do Alzheimer , é fundamental estar atento ao lugar em que a pessoa vive. Observar fios desencapados, objetos cortantes, lugares muito altos ou qualquer instalação que possa causar acidentes”.

E como acontece a progressão do Alzheimer?

Um das características da doença de Alzheimer é a piora progressiva dos sintomas. A evolução pode ser dividida em três fases: leve, moderada e grave. A associação Brasileira de Alzheimer, porém, alerta para o fato de que em muitos casos sintomas caracterizados em diferentes fases se mesclam no mesmo período. 

As principais características da fase leve são a perda da memória recente; dificuldade de se expressar (problemas de linguagem); facilidade para se perder, mesmo em locais familiares; dificuldades em saber os dias e horários, entre outros sintomas. 

Leia Também:  Mais de 53,5 milhões de pessoas já se vacinaram contra a gripe

Já na fase moderada, os sintomas ficam mais graves, afetando atividades cotidianas. Dificuldades para cozinhar, fazer compras, lembrar nomes e eventos importantes estão entre os problemas mais comuns. Além disso, problemas de ordem de comportamento como depressão e agressividade podem acontecer, uma vez que o paciente começa a enxergar-se dependente de terceiros. 

A fase mais grave, estágio final da doença, envolve dificuldades para comer, caminhar, falar, incontinência fecal e urinária. Essa fase pode demorar até 12 anos para chegar após o diagnóstico inicial e, de acordo com o profissional, exige maturidade e paciência dos familiares. 

Existem maneiras de evitar o avanço da doença? 

Sim. Embora seja uma doença neurodegenerativa e sem cura, existem tratamentos que podem minimizar os distúrbios, retardar a evolução do Alzheimer e prolongar a qualidade de vida dos pacientes. 

Leia mais: Estudo lista 5 ‘regras de ouro’ para prevenir demência 

No Brasil, o tratamento multidisciplinar para a doença, assim como os medicamentos que barram o avanço dos sintomas, é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Quais são os fatores de risco para o Alzheimer? 

De acordo com o Ministério da Saúde, existem alguns fatores de risco para a doença. Identificá-los pode permitir um diagnóstico precoce desses grupos. Saiba quais são: 

– A idade e a história familiar: a demência é mais provável se a pessoa tem algum familiar que já sofreu de Alzheimer ;

– Baixo nível de escolaridade: pessoas com maior nível de escolaridade geralmente executam atividades intelectuais mais complexas, que oferecem uma maior quantidade de estímulos cerebrais.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Saúde

Painel internacional diz que estamos despreparados para nova epidemia mundial

Publicado

O Conselho de Monitoramento para a Preparação Global (CMPG), publicou seu primeiro relatório sobre a saúde no mundo. O documento é menos otimista do que muitos esperavam e faz um alerta importante: estamos sob ameaça de novas doenças pandêmicas e não há preparo para elas. 

Epidemias podem se espalhar rapidamente no mundo arrow-options
BBC

Mais de 600 amostras de sangue de pacientes da Guiné serão analisadas

Leia mais: Segunda maior epidemia de ebola já matou mais de 500 no Congo

De acordo com o painel – montado em conjunto pelo Banco Mundial e Organização Mundial de Saúde (OMS) –  epidemias como ebola, gripe e sars estão cada dia mais difíceis de gerenciar devido ao cenário de longos conflitos e imigração forçada. 

“Um patógeno rápido teria potencial de matar dezenas de milhões de pessoas, desorganizando economias e prejudicando a segurança nacional”, diz um trecho do relatório. 

Leia mais: Por que é importante tomar vacina contra Sarampo?

O documento ainda critica a ação dos países contra o surto de ebola que devastou a África Ocidental entre os anos de 2014 e 2015 e diz que “por muito tempo, permitimos que se instalasse um ciclo de pânico e negligência quando há epidemias”.

Leia Também:  Mais de 53,5 milhões de pessoas já se vacinaram contra a gripe

Outra preocupação do Conselho de Monitoramento seria a velocidade com que, hoje, as doenças podem se espalhar através do grande fluxo de pessoas em aviões. Um surto equivalente à gripe espanhola, por exemplo – doença que matou 50 milhões de pessoas em 1918 – hoje poderia se espalhar por diferentes países e deixar até 80 milhões de vítimas fatais em menos de 36 horas. 

Leia mais: Vacina contra bactéria em gestantes poderia evitar 100 mil mortes de bebês

O documento faz um apelo aos governos e pede que seja dada a necessária atenção “às lições que esses surtos estão nos ensinando”, além de um maior investimento para fortalecer sistemas de saúde e pesquisas. Também existe uma lista de propostas e soluções que podem ser adotadas pelos países para reduzir os danos de novas epidemias.

Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana