conecte-se conosco


Agro News

Pescadoras buscam visibilidade e garantia de direitos

Publicado

Quando falamos de mulheres rurais e do seu importantíssimo trabalho para a soberania e segurança alimentar, a primeira imagem que nos vem à cabeça são mulheres nos roçados, plantando, carpindo, colhendo e processando. Com esforço, estendemos o nosso olhar para as matas e florestas onde milhares de mulheres vivem do extrativismo. Mas, dificilmente, adentramos esse olhar nas águas, sejam elas doces e salgadas.

Contudo, há milhares de mulheres rurais vivendo sob as ondas e maretas dos rios, lagos e mares no mundo. Só no Brasil, dos quase um milhão de pescadores artesanais, 45% são mulheres. As mulheres que ocupam espaços no universo da pesca são: pescadoras, fileteiras, descascadeiras, marisqueiras, catadoras, remendeiras, vendedoras … mulheres e filhas de pescador.

Nesse universo é comum se deparar com mulheres confeccionando redes, capturando mariscos, moluscos, peixe, processando e beneficiando produtos à base de pescados e realizando a comercialização. Atividades essas denominadas “atividades de apoio a pesca”, que por Decreto em 2017, foi excluída das atividades que possibilitava as mulheres fazerem sua inscrição no Registro Geral das Atividades Pesqueiras, decreto esse que passou a conceder direitos ao referido registro, exclusivamente, a atividade de tirar o peixe da água. O restante da cadeia produtiva do pescado não tem mais amparo legal, e é justamente nesse espaço onde há uma maior inserção das mulheres.

Maré cheia da invisibilidade

A lógica da divisão sexual de trabalho, que hierarquiza e valoriza o trabalho masculino em detrimento do trabalho realizado por mulheres, são algumas das formas de invisibilização das mulheres na atividade pesqueira, que só tiveram o direito ao registro de pesca a partir de 1980, com a Lei 6.807 do referido ano.

Leia Também:  Mapa vai atualizar normas de controle e erradicação do Mal da Vaca Louca

A invisibilidade das pescadoras, infelizmente percorre o mesmo caminho das demais mulheres rurais, tidas em muitos espaços como simples “ajudantes”. No caso da pesca, essas “ajudantes” respondem por 90% do quantitativo de pessoas que trabalham com as atividades secundárias da pesca, de acordo com a FAO.

Como coloca Cida Pescadora – primeira mulher a ter Carteira de Pescadora: “hoje as mulheres já vão em reuniões, já opinam. Mas, ainda continuam sendo ajudantes. Muitas poucas mulheres são vistas como profissionais da atividade da pesca”. Cida ressalta ainda que as atividades produtivas e reprodutivas das pescadoras não são visibilizadas, valorizadas e ressarcidas financeiramente. Reforçando desse modo o estereótipo de ajudante e/ou reforçando as ideias de que as atividades pesqueiras “não pertencem à mulher”, assim como as afirmações que “os homens fazem o trabalho mais pesado”, mesmo quando esse trabalho pesado é realizado por mulheres.

Reconhecer o trabalho das pescadoras é ir além de garantir os direitos ao registro da atividade, ao seguro defeso, a participação nas tomadas de decisões, esse reconhecimento, deve estender-se ao seu primordial papel no beneficiamento e comercialização dos produtos da pesca; na geração de renda familiar e divisas para os municípios e estados através dessas atividades de beneficiar e comercializar; na manutenção da atividade pesqueira com a fabricação e concerto das redes e demais equipamentos da pesca; na manutenção dos hábitos alimentares que os povos das águas detém; nas histórias de pescadores e pescadoras, que fazem parte da nossa história enquanto povo; na manutenção e reprodução das famílias pescadoras – cuidar da família não é uma obrigação feminina, deve ser uma atividade partilhada com o núcleo familiar, se o homem sai para o rio e/ou mar, alguém necessita realizar esse trabalho familiar; e como agente de desenvolvimento rural sustentável que através das diárias atividades complementares, possibilita as famílias a segurança e soberania alimentar.

Leia Também:  PIB-Agro/CEPEA: PIB do agronegócio cresce em março, mas acumula queda no 1º tri

Todo trabalho feminino deve ser reconhecido como tal. Ajudantes deverão caracterizar apenas as/os que realizam trabalhos voluntários, as/os que trabalham diariamente realizando trabalhos que tem retorno econômico, para as famílias, municípios e estados. Isso, denominamos trabalho!!!

Campanha 2019 #MulheresRurais, Mulheres com Direitos

De 1º a 15 de outubro, a Campanha #Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos promove 15 dias de mobilização para valorizar a contribuição das trabalhadoras do campo ao cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável relacionados à igualdade de gênero e ao fim da pobreza rural. O tema norteador da quinzena ativista é “O futuro é junto com as mulheres rurais”, com a hashtag #JuntoComAsMulheresRurais.

O principal objetivo da campanha é destacar o trabalho promovido por pescadoras, agricultoras, extrativistas, indígenas e afrodescendentes. A campanha no Brasil é coordenada pela Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em parceria com a FAO, a ONU Mulheres, a Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar do Mercosul (REAF) e a Direção-Geral do Desenvolvimento Rural do Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca do Uruguai.

Texto: Simone Santarém (Blog Flor de Umbuzeiro)

 

Fonte: MAPA GOV
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Agro News

CITROS/CEPEA: Clima reduz qualidade da safra atual e preocupa quanto à próxima temporada

Publicado

Cepea, 18/10/2019 – O clima quente e seco tem prejudicado a qualidade das laranjas maduras da safra atual (2019/20) – muitas estão murchas, miúdas e já começam a se cristalizar. Nesse cenário, os preços têm sido sustentados pelas maiores médias de comercialização das frutas com melhor padrão. Na parcial desta semana (segunda a quinta-feira), a pera registrou média de R$ 22,34/cx de 40,8 kg, na árvore, alta de 3% em relação à passada. Segundo colaboradores do Cepea, as condições climáticas atuais também têm preocupado citricultores do estado de São Paulo quanto à próxima safra, já que as plantas estão atualmente em fase de fixação dos frutos (“pegamento”) que serão colhidos em 2020/21, período bastante crítico e muito influenciado pela disponibilidade de água no solo, pela temperatura e pela umidade do ar. As condições atuais já têm resultado em queda dos chumbinhos em parte das propriedades sem sistema de irrigação – embora chuvas tenham ocorrido em alguns locais, foram pontuais e insuficientes para restituir a umidade do solo necessária para o pegamento. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: Diárias de Mercado
Leia Também:  Mapa vai atualizar normas de controle e erradicação do Mal da Vaca Louca
Continue lendo

Agro News

FRANGO/CEPEA: Maior procura eleva preços de cortes para churrasco

Publicado

Cepea, 18/10/2019 – As vendas de carne de frango no atacado da Grande São Paulo estão abaixo das expectativas de agentes do setor para esse período. Observa-se, no entanto, maior demanda doméstica por cortes utilizados especialmente em churrascos, como asa, drumet, tulipa e coração. Com isso, os preços desses cortes têm subido em outubro, com a média deste mês já superando a de setembro. Dentre os produtos congelados, a asa é o corte que mais se valorizou no atacado paulista na média parcial de outubro (até o dia 16), passando de R$ 6,98/kg em setembro para R$ 7,48/kg neste mês, alta de 7,2% no período. De acordo com colaboradores consultados pelo Cepea, além do aumento da procura interna, a firme demanda por parte de países asiáticos por esses tipos de cortes também tem contribuído para enxugar a oferta doméstica e, consequentemente, elevar os preços desses produtos. Já para o frango inteiro congelado e resfriado, os valores até registram alta, mas de forma menos intensa. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: Diárias de Mercado
Leia Também:  MELÃO/CEPEA: Preparativos para a safra 2019/20 se iniciam no RN/CE
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana