conecte-se conosco


Opinião

PERCIVAL PUGGINA – Os verdadeiros terraplanistas

Publicado

A linha de frente do atraso é formada por aqueles que cultuam, entre nós, as ideias mais erradas que a humanidade produziu. Ouvi-los e lê-los permite prever o que acontecerá quando aberta a porta para desembarque no mundo com que sonham: as mentes intoxicadas, a dependência psicológica dos erros, o totalitarismo e o precipício.
Há ideias políticas que são, mesmo, como as drogas. Afetam o usuário, comprometem seu ambiente e estragam vidas. Algumas têm efeito cumulativo e causam danos generalizados. Vivemos tempos em que pais e mães, educadores, religiosos, formadores de opinião deveriam estar atentos em relação a conteúdos tão em voga no mundo aparentemente inocente das ideias.

Exemplifico. Certa feita, enquanto frequentava aulas de Teologia numa universidade católica, um douto amigo surpreendeu-se com a permanente utilização pelo professor, não por acaso um religioso, de farto material didático de extração marxista e de análise marxista em suas dissertações à turma. Tão monocórdio conteúdo levou o aluno a interpelá-lo: “Professor, por que o senhor apela tanto para a doutrina marxista em suas aulas?”.  Conta ele que o sujeito olhou-o detidamente, como que surpreso com a indagação, pensou um pouco e o desafiou: “Quem eu usaria, em lugar de Marx?”. Diante da turma em expectante silêncio, meu amigo retrucou: “Professor! O senhor percebe que usou as palavras de Pedro para Jesus? – ‘Mestre, a quem iremos?’ –. O senhor acabou de revelar a quem vai sua fidelidade, professor!”.
O marxismo é uma dessas drogas servidas por terraplanistas ideológicos em repetidas doses como suplemento alimentar das mentes. É ele, e só ele, que justifica o culto aos disparates pedagógicos de Paulo Freire.
Outra droga sustenta não existir uma “lei natural” decorrente da natureza humana. O combate debochado aos bons princípios e valores vem dessa negação. O terraplanismo filosófico leva ao relativismo moral e à desordem em que vivemos.

Segundo o relativismo moral, nada se deduz daquilo que somos em relação ao que devemos ser. Será que os bons pais e mães que me leem concordarão com isso ao meditarem sobre suas funções paternais? Esse mal ataca e prospera, levando à letargia das consciências. Droga desastrosa e de fácil acesso.
Terrível terraplanismo filosófico!

Se não existirem normas que se possam extrair da natureza do ser humano, tudo será segundo a vontade dos príncipes, sem que haja qualquer sentido em interrogá-los sobre seus fundamentos morais.
É por isso que o STF e o Congresso têm feito muito do que fazem.
Ao transferirmos para o Estado a edição e administração de uma errática lei moral, renunciamos ao tesouro da Lei Natural. Vale dizer: abdicamos a muito de nossa essência humana e transformamos o Estado em poderoso “educador moral”, coisa que ele, como não cansa de nos demonstrar, tem nenhuma condição de ser. É o que está acontecendo no Brasil e foi contra isso, à beira do precipício, que nos insurgimos em 2018.

Percival Puggina é membro da Academia Rio-Grandense de Letras.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião

ANA RICARTE – A advocacia mato-grossense tem uma oportunidade histórica com Gisela Cardoso na OAB-MT

Publicado

Quando noticiaram que a doutora Gisela Cardoso aceitou se colocar à disposição da advocacia mato-grossense para liderar a Ordem do Advogados de Mato Grosso – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) como presidente, algo me chamou a atenção de forma muito positiva e logo pensei: “será que chegou a hora da OAB-MT ter uma presidente com a fortaleza desta mulher?”.

Pois é, colegas, a resposta é sim. Tudo tem sua hora e Agora é Ela. Acredito que chegou a hora de termos uma colega advogada na liderança da Ordem dos Advogados do Brasil –Seccional Mato Grosso depois de 28 anos.

Conheço a doutora Gisela desde quando ela começou a advogar e posso informar e afirmar que a história de vida de Gisela Cardoso é digna de ser contada, pois ela chegou em Cuiabá quase menina para estudar e  trabalhar para pagar os próprios  estudos.

Pude observar a doutora Gisela se tornar uma líder, uma profissional competente, séria, ética, pois como advogada se dedicou a advocacia trabalhista, ao magistério e depois começou a servir à classe na OAB-MT.

Ao contrário de alguns comentários misóginos que ouço, e que muito me entristecem, a colega Gisela não foi forjada por alguém: ela é líder, ela é Gisela Cardoso! Ao invés de desqualificar a intenção legítima desta colega advogada, seria melhor que opositores focassem nas propostas e metas.

Eu falo isso porque não é fácil a jornada para uma eleição da Ordem, principalmente para uma mulher, e quanto a isso não existem dúvidas, pois quem já se candidatou entende o que falo.

Acontece que a pré-candidatura da doutora Gisela Cardoso contraria a cultura eleitoral na OAB-MT, pois é mulher, não vem de família tradicional no Direito, não tem escritório com uma banca grande, não tem ligação política partidária, não é bajuladora e muito menos demagógica. Portanto, uma candidata atípica. Tenho certeza que muitos e muitas colegas se espelham nela.

A colega Gisela é uma de nós, ela nos representa, ela me representa porque sua história se confunde com a minha e de tantos advogados e advogadas que conhecemos.

É importante dizer que estar a serviço da sociedade e a serviço da advocacia não é uma tarefa fácil para nós mulheres, uma vez que as renúncias são maiores e as cobranças também.

Quem discursa ou comenta que a doutora Gisela será presidente de fachada com certeza não a conhece e comete uma indelicadeza sem precedentes, porque antes de ser candidata ela é nossa colega. Não se esqueçam disso, ela tem personalidade própria, propósito e é única. Assim, não cabem comparações.

Temos uma oportunidade histórica nestas eleições: a OAB-MT pode ser liderada por uma profissional competente e mulher. Não devemos abrir mão desta oportunidade, principalmente por conta de discursos infundados.

A pré-candidata Gisela Cardoso apresenta as habilidades necessárias ao cargo, além do conhecimento específico do sistema OAB e conhece quais as dificuldades a serem enfrentadas no pós-pandemia.

Além da pré-candidatura de Gisela Cardoso, o movimento que ela lidera está florescendo e fortalecendo em todo Estado, com inúmeras pré-candidaturas de colegas advogadas em subseções relevantes em nosso Estado e um enorme apoio de advogadas e advogados.

Por isso, colegas, a doutora Gisela Cardoso tem o meu apoio e respeito. A oportunidade é agora.  Agora é Gisela! Vamos crescer este lindo Movimento “Advocacia Unida, Avanço Presente”.

Ana Lúcia Ricarte é advogada há 27 anos e diretora da Associação Brasileira de Advogados em Mato Grosso (ABA-MT)

 

Continue lendo

Opinião

GIOVANA FORTUNATO – A primeira consulta ao ginecologista

Publicado

Ir ao ginecologista regularmente é um dos cuidados essenciais para a saúde de mulheres de praticamente todas as idades, pois ajuda a detectar doenças e evitar problemas futuros. Mas você sabe com que idade uma menina deve ir na primeira consulta ao ginecologista?
O ideal é que a partir dos 9 aos 12 anos a menina já tenha uma consulta com o ginecologista ou com a ginecologista da mãe. Por quê? Porque logo ela vai menstruar. Então essa consulta serve como uma orientação sobre esse período que está para chegar com sua primeira menstruação.
A partir deste momento a menina se torna fértil, ou seja, torna-se capaz de engravidar e ter um bebê. Por isso deve aprender sobre o funcionamento de seu corpo, como é a ovulação, como são as cólicas menstruais, como se prevenir de uma gravidez indesejada e como se cuidar para não contrair doenças sexualmente transmissíveis, entre elas o HPV, HIV entre outras.
A ideia de que uma menina vá começar, em algum momento de sua história, a ter vida sexual ativa é algo que assusta muitos pais. Por isso, adiam a primeira visita ao ginecologista. Porém, mesmo sem uma vida sexual ativa, a menina deve ter um acompanhamento especializado com um médico ginecologista. É normal a adolescente sentir vergonha e pedir para ir ao especialista apenas quando está prestes a ter relações sexuais, mas o ideal é que a visita aconteça após a primeira menstruação.
Vale ressaltar que é muito importante que seja um médico de confiança. Sua filha precisa se sentir segura e confortável com o ginecologista.
A primeira consulta muitas vezes é apenas uma conversa para saber um pouco mais sobre a paciente: hábitos da rotina, problemas de saúde da infância, ciclo menstrual, se há histórico de doenças como câncer de mama na família, entre outras.
O exame preventivo ginecológico no primeiro encontro com o ginecologista é bem simples e vai depender do histórico de cada menina.
Quando a menina iniciou a sua vida sexual é importante que ela vá pelo menos uma vez ao ano ao seu ginecologista para fazer um exame preventivo, para ver como está sua saúde em geral.
O principal deles é o Papanicolau, que é um rastreamento de câncer de colo, além do exame das mamas. Também é importante avaliar fazer um ultrassom transvaginal, ou ultrassom pélvico para ver como é que está o útero, o ovário. Ou seja, para fazer um check-up ginecológico.

Endometriose

Quando surge na adolescência, a endometriose é de difícil diagnóstico, pois muitos dos sintomas como as cólicas frequentes, podem ser confundidos com problemas intestinais ou serem considerados normais da fase de vida da adolescente.
Muitas meninas que tem endometriose ainda não entraram na idade reprodutiva e não iniciaram sua vida sexual, portanto, não apresentam sintomas da doença que se manifestam nessa fase como dor durante as relações sexuais e dificuldade para engravidar, o que pode dificultar ainda mais o diagnóstico. Estudos comprovam que é importante realizar uma investigação adequada, já que entre o início dos sintomas e a confirmação da doença em adolescentes pode decorrer até 12 anos, tempo suficiente para comprometer a fertilidade da paciente.
Se a sua filha está na puberdade ou menstruou recentemente, marque uma consulta com o ginecologista, especialista indicado para orientar as adolescentes nessa fase de mudanças no copo e muitas dúvidas sobre a saúde da mulher.

Giovana Fortunato é ginecologista e obstetra, especialista em endometriose e infertilidade, professora da UFMT, coordenadora de Residência no HUJM.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana