conecte-se conosco


Economia

Pequenos negócios geram renda de R$ 420 bilhões por ano

Publicado

Os pequenos negócios geram renda em torno de R$ 420 bilhões por ano, o equivalente a cerca de um terço do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) brasileiro. A estimativa consta do Atlas dos Pequenos Negócios, lançado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que hoje (5) completa 50 anos.

Segundo o levantamento inédito, os negócios de menor porte injetam R$ 35 bilhões por mês na economia brasileira. A pesquisa analisou a participação na economia de microempresas, pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEI).

De acordo com a publicação, os MEI geram R$ 11 bilhões todos os meses, o que significa R$ 140 bilhões por ano. As micro e pequenas empresas geram mensalmente R$ 23 bilhões, movimentando R$ 280 bilhões por ano.

Atualmente, os negócios de menor porte correspondem a 30% do PIB. Segundo o presidente do Sebrae, Carlos Melles, a participação poderá chegar a 40% do PIB, caso o país cresça 3% ao ano nos próximos anos. “Em países desenvolvidos, a participação dos pequenos negócios no PIB fica em torno de 40% a 50%. Se em 10 anos conseguirmos promover esse crescimento, toda a economia sai beneficiada, graças ao poder que as MPE [micro e pequenas empresas] têm de gerar renda e empregos”, avaliou.

A pesquisa constatou que, de 15,3 milhões de donos de pequenos negócios em atividade no Brasil, 11,5 milhões dependem exclusivamente da atividade empresarial para sobreviver. Em relação aos MEI, a proporção chega a 78%, o que equivale a cerca de 6,7 milhões de pessoas. Entre os donos de micro e pequenas empresas, 71% têm no negócio de pequeno porte a principal fonte de renda, o que representa cerca de 4,7 milhões de pessoas.

Crescimento

De 2012 a 2021, o número de trabalhadores por conta própria no Brasil cresceu 26%, passando de 20,5 milhões para 25,9 milhões. No mesmo período, o número de formalizações entre os MEI passou de 2,6 milhões para 11,3 milhões, alta de 323%. Isso significa crescimento mais de 12 vezes maior entre os microempreendedores individuais, comparado com os donos de negócios que não se formalizaram.

Segundo a pesquisa do Sebrae, 28% dos MEI atuavam fora do mercado formal ao adotar o regime especial de pagamento de imposto. Desse total, 13% tinham como ocupação principal o empreendedorismo informal e 15% atuavam como empregados sem carteira assinada. A proporção de informais vem caindo ao longo do tempo. Cerca de 2,5 milhões de pessoas foram retiradas da informalidade (28% de 8,7 milhões de microempreendedores individuais em atividade), por causa do registro do MEI.

Em relação às micro e pequenas empresas, 13% dos empreendedores eram informais antes da abertura do negócio. Desse total, 6% exerciam a atividade como empreendedores informais e 7% eram empregados sem carteira assinada.

Regiões e estados

O Atlas dos Pequenos Negócios também revelou peculiaridades entre regiões e estados. O Norte tem uma das maiores proporções de jovens e negros à frente de um negócio. No Nordeste, Sergipe é um dos estados com a maior proporção de empreendedores. No Centro-Oeste, o Distrito Federal tem uma das maiores proporções de donos de negócios com ensino superior.

O Sul é a região com a maior proporção de empreendedores que contribuem para a Previdência Social. O Sudeste tem o maior número de pequenos negócios, com três estados – São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro – concentrando 40% dos donos de empresas de pequeno porte no Brasil.

Em relação aos estados, Rio de Janeiro, Alagoas, Paraíba e Sergipe têm as maiores participações de microempreendedores individuais entre os empreendimentos abertos. Maranhão, Amapá, Paraná e Piauí têm a maior proporção de microempresas na abertura de negócios. Na abertura de empresas de pequeno porte, lideram Mato Grosso, Pará, Amazonas e Amapá.

O estado do Rio de Janeiro, o Distrito Federal e o Sergipe têm as maiores proporções de mulheres entre donos de negócio, com 38%, 37% e 37% do total, respectivamente. A proporção de empreendedores que se classificam como negros (pretos e pardos) chega a 84% do total dos donos de negócios no Amazonas e no Acre. Em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, a proporção de negros chega a apenas 15%.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

10 dicas para se sair bem na dinâmica em grupo

Publicado

10 dicas para se sair bem na dinâmica em grupo
Redação EdiCase

10 dicas para se sair bem na dinâmica em grupo

Saiba como se preparar para essa fase do processo seletivo

Por Eco Editorial

A dinâmica em grupo é a etapa do processo seletivo em que os candidatos interagem uns com os outros para desenvolver determinadas tarefas em equipe. Esse tipo de teste costuma ser muito cobrado, por isso, é fundamental estar preparado para ele. Confira a seguir 10 dicas para se sair bem e garantir uma vaga.

Invista na carreira profissional que você gosta

1. Conheça a empresa

Procure se informar sobre a empresa e a vaga antes de iniciar a dinâmica. Pode haver perguntas sobre isso.

2. Preste atenção ao vestuário

Procure descobrir como as pessoas nessa empresa se vestem. Na dúvida, opte por roupas clássicas.

3. Seja você

Não tente fingir o que você não é, buscando “acertar” qual é o perfil desejado para a vaga. Os profissionais da seleção costumam saber quando alguém está fingindo. Seja autêntico!

4. Fale o essencial

Não fale demais, tentando “roubar” o tempo dos outros ou interrompê-los o tempo todo. Mas também não fique quieto demais. Apresente e defenda as suas ideias.

Entenda a importância da inteligência emocional no trabalho

5. Faça parte do grupo

Participe ativamente das atividades em grupo, dando ideias e colaborando com os demais.

6. Cuidado com as gírias

Não use gírias e palavrões. Evite vícios de linguagem , como o excesso de gerúndio.

7. Escute com atenção

Para não repetir o que já foi dito, escute com atenção os demais candidatos.

8. Preste atenção na explicação do recrutador

Atente-se à explicação do recrutador. Há várias atividades que avaliam justamente a atenção do candidato.

Saiba como se comportar nas entrevistas e evite gafes

9. Seja pontual

Chegue 15 minutos antes do início da dinâmica.

10. Deixe a timidez de lado

Por mais que você seja tímido e não goste de participar de dinâmicas em grupo , entenda que em algum momento vai ter que passar por isso. Apenas faça o seu melhor e lute pela vaga desejada.

Confira mais dicas de carreira na revista ‘Sim, você pode!’

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Economia

8 etapas para montar o plano de negócios da sua empresa

Publicado

8 etapas para montar o plano de negócios da sua empresa
Matilde Freitas

8 etapas para montar o plano de negócios da sua empresa

Veja como detalhar os objetivos e as estratégias para alcançar o sucesso

Ao abrir uma empresa, você precisa planejar cada passo que irá dar. É necessário detalhar os objetivos e estratégias para alcançar o sucesso do empreendimento. Para isso, você deve montar um plano de negócios.

Ele funciona como um organizador de ideias, cujo objetivo é direcionar suas ações. “É o conjunto de informações que o empresário deve arrecadar e que vai mostrar todas as particularidades relativas ao negócio, são informações relevantes para o bom andamento da empresa”, explica João Batista Duarte, do Instituto JBDuarte – Coach e Empreendedorismo.

> Entenda a importância da inteligência emocional no trabalho

Conheça o seu ramo de atuação 

Para montar o seu plano de negócios, você precisa entender muito bem o ramo em que vai atuar. “Não é o caso, no primeiro momento, em ser um expert, mas é o caso de pesquisar e conhecer o mercado, suas tendências, casos de sucesso e insucesso, propensos clientes, fornecedores, concorrentes, perfil de cada um deles e alterações ocorridas no mercado nos últimos anos. Com essas informações básicas, você estará pronto para elaborar o plano”, esclarece Jorge Bahia, do Grupo Bahia & Associados.

Montando o plano de negócios

O plano de negócios será o seu guia, uma espécie de sumário executivo. “Dados como referências dos empreendedores com suas experiências acadêmicas e profissionais, dados do empreendimento (indústria, comércio, serviços, foco em algum mercado específico), missão da empresa, tipo de formatação jurídica, enquadramento tributário, capital social, fontes de recursos, principais clientes e fornecedores, localização e perfil dos colaboradores são fundamentais na composição do plano”, lembra o Jorge Bahia.

De acordo com Luiz Eduardo Rego, presidente do Grupo Nyoá, o plano de negócios deve seguir algumas dessas etapas:

1. Descrição da empresa 

Nessa primeira etapa, deverá ser feita a delimitação do negócio e da sua origem.

2. Planejamento estratégico 

Serão expostas aqui as ações para alcançar os objetivos da empresa, com definição da missão, visão e valores, assim como a análise SWOT (objetivos e metas com a criação de controle e retorno de informações).

> Semana de trabalho com 4 dias tem ganhado espaço em empresas

3. Produtos e serviços 

Lista de itens comercializados.

4. Análise de mercado 

Delimitação do cenário atual e projeção de futuro, se existem e quais são os concorrentes, fixação de fornecedores e público-alvo e o diferencial da empresa .

5. Plano de marketing 

A partir dos 4Ps (produto, preço, praça e promoção) será criada a estratégia para propagar a marca.

6. Plano operacional 

Aqui deverão ser listadas minimamente todas as funções da empresa e qual setor será o responsável por cada tarefa.

> Empoderamento feminino avança também no ambiente corporativo

7. Plano financeiro 

Deverá apontar como a empresa chegará ao lucro.

8. Plano de investimentos 

Lista de escolhas financeiras que darão origem à solidez futura da empresa. Deve ser um elemento utilizado em toda sua vida para que o negócio possa crescer e passar confiança para o público, assim como para possíveis investidores. 

Confira mais dicas de carreira na revista ‘Sim, você pode!

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana