conecte-se conosco


Meu Pet

Pensão alimentícia é um direito do seu pet; advogada explica

Publicado

Quando um casal passa por um divórcio e tem filhos menores de idade, uma das partes deve pagar pensão e a guarda da criança muitas vezes é compartilhada com um acordo entre os pais. Mas e com os animais de estimação? Muitos pets podem tanto sentir falta de um dos tutores que não está mais presente 100% na vida deles, assim como precisar de ajuda financeira para idas ao veterinário, ração, e mais.

Leia também: Você sabe cortar unha de gato? Aprenda como fazer da forma certa

casal e cachorro
shutterstock

Animais têm direito à pensão e guarda compartilhada após divórcio dos donos?



 Assim, durante o processo de divórcio pode ficar acordado entre as partes a guarda unilateral ou compartilhada e até uma pensão alimentícia . A advogada Claudia Nakano, especializada em direito pet, afirma que apesar de as medidas não estarem na lei, hoje em dia, se o juiz entender que o animal faz parte da família, ele pode exigir algumas delas. 

“Na legislação, hoje, temos a guarda unilateral e compartilhada. A unilateral é aquela que só um é responsável. Já na compartilhada ambos tem a responsabilidade, e quando falamos responsabilidade é saúde, educação e outras questões que vão acontecendo no dia a dia, isso no caso das crianças. Quando são animais de estimação, as responsabilidades são de saúde, alimentação, entre outras”, explica Claudia.

Leia Também:  Devo ou não castrar o animal de estimação? Veterinário responde

Leia também: Estresse do dono pode refletir no cachorro, afirma estudo

Como o Brasil não tem uma legislação específica para pets , as medidas tomadas são baseadas no código civil. “Outra modalidade de guarda é a alternada, que um dos tutores fica 15 dias com o animal, e o outro fica mais 15 dias. Isso não funciona com criança e adolescente porque prejudica a rotina, mas no caso de cães e gatos têm acontecido bastante”, conta a advogada.

Quando o assunto é a pensão alimentícia, um valor em dinheiro que um dos tutores paga ao outro que mora com o cachorro, a decisão depende muito do juiz que está conduzindo o caso de divórcio. “A gente vê muito acontecer em relação às despesas. Esse pedido é feito de acordo com cada caso, como no caso de resolução de conflitos e regulamentação de visita”, diz Claudia. “Pensão alimentícia é mais rara de acontecer, mas tudo depende do juiz. A maior parte dos tribunais reconhecem animais dentro das varas de família, mesmo sem a legislação específica”, completa.

Leia Também:  Dona tenta mudar visual de cão, mas resultado da tosa não sai como o esperado

Para finalizar, Claudia explica que diferente de divisão de guarda normal, que acontece com filhos humanos, a tutela dos animais depende do interesse do tutor, não do pet. “O pedido de guarda para animais é do interesse da pessoa e não do animal. O acesso tutelado também. Ele é deve vir do interesse de um dos tutores”, finaliza.

Fonte: Canal do Pet
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Meu Pet

A alergia te impede de ter um pet? Saiba como isso pode mudar

Publicado

Muitas pessoas deixam de ter um animal de estimação por causa de crises de alergia. Mas de acordo com a pediatra Déborah Rocha,  do Plunes Centro Médico, isso não deve ser um impedimento para ter um cachorro ou um gato dentro de casa. 

Leia também: Pensão alimentícia é um direito do seu pet; advogada explica

Déborah explica que as alergias são causadas por substâncias alergênicas originárias do corpo ou da mucosa dos bichos, que fixam-se no ambiente. Assim, dar mais atenção para a limpeza da casa pode solucionar o problema. 

menina espirrando do lado de um cachorro
shutterstock

A alergia impede muitas pessoas de ter um animal de estimação em casa

“É possível ter um pet mesmo manifestando crises alérgicas desde que sejam tomados alguns cuidados específicos no local onde o animal vive. A primeira dica é manter uma rotina de limpeza em todas as áreas onde o bichinho circula. Isso ajuda a evitar ácaros e substâncias alergênicas. Já para os sintomas, pode-se usar medicações de efeito antialérgico ou a imunoterapia, que diminui a sensibilidade do paciente a determinadas substâncias”, explica a especialista.

Leia Também:  5 erros comuns que os donos de calopsitas costumam cometer

O que acontece é que muitas vezes esse cuidado mais específico com a limpeza não é rotina das casas com animais de estimação, o que favorece a proliferação de ácaros – os principais causadores de alergias. No fim das contas os pets acabam levando a culpa das alergias que, na realidade, são causadas por esses ácaros.

Leia também: Como escolher a ração ideal para seu cachorro

O ácaro é um inseto que vive em carpetes, tecidos, sofás, cortinas, colchões, onde absorve umidade do ambiente e se alimenta de matéria orgânica, especialmente da descamação da pele humana e de animais. As principais formas de evitá-los são: lavar as cobertas com água morna e secar na secadora em alta temperatura, ter o mínimo possível de carpetes, móveis estofados e cortinas de tecido (prefira persianas de vinil facilmente laváveis), além de evitar bichos de pelúcia nos quartos.

“O único mal que o ácaro causa ao humano é desencadear reações alérgicas. Então a limpeza constante realmente funciona, já que diminui os ácaros e as substâncias alergênicas dos pets”, finaliza a pediatra. 

Leia Também:  Conheça 4 cães que evitaram tragédias e se tornaram heróis em suas famílias

Fonte: Canal do Pet
Continue lendo

Meu Pet

Estudantes de faculdade pedem que pessoas parem de alimentar gato gordo

Publicado

Os estudantes de Física da Universidade da Califórnia tem um pet comunitário, um gato laranja chamado Cheeto. Porém, de uns meses para cá, eles perceberam que o gatinho estava ficando mais ‘cheinho’, e cada vez mais pesado, mesmo continuando comendo o mesmo tanto de ração de sempre.

Leia também: Após dizer que não quer gato, homem se torna inseparável com o pet

Gato gordo Cheeto
Facebook/Reprodução

Gato gordo Cheeto


O que estava acontecendo é que outros estudantes e pessoas da faculdade davam comida para Cheeto mesmo ele não passando fome, e isso o fez ficar acima do peso . Para tentar combater o problema, os donos do gato colaram avisos pela universidade mostrando infográficos e imagens que comprovam o quanto o felino está ficando obeso.

A ideia viralizou na internet, fazendo com que as imagens dos avisos ficassem famosas. “Por favor, não o alimente, não importa o quanto ele mie”, escreveu um. Eles esperam que o gato gordo comece a ficar saudável depois dos comunicados colados pela universidade.

Leia também: Alimentação ideal da cacatua deve ser variada; veterinária explica

Leia Também:  Cadela tem reação hilária ao ver sua funcionária favorita fora de pet shop

Confira:

Gato gordo
Facebook/ Reprodução

Gato gordo





Gráfico
Facebook

Gráfico em que o formato de Cheeto é o circulado

“O nome dele é Cheeto, e ele tem um sistema de ração próprio no departamento da Física. Ele come todo dia de manhã! Nós gostamos desse gato, já que ele nos dá apoio emocional quando a matéria acaba com a gente. Ele ficou muito gordo para sua saúde, por favor não o alimente, não importa o quanto ele peça! E ele vai pedir, porque sabe que não resistiremos. E os esquilos que comem a ração extra que vocês dão para Cheeto estão desenvolvendo problemas no coração.”


gráfico
Facebook

Gráfico de alimentação de Cheeto

Fonte: Canal do Pet
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana