conecte-se conosco


Economia

Pela aprovação da reforma, governo negocia idade mínima menor para professores

Publicado

rodrigo maia arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 10.7.19

Idade mínima dos professores cairia de 58 anos para 55 anos no caso dos homens e de 55 para 52 no caso das mulheres

Para facilitar a votação dos destaques ao texto-base da reforma da Previdência, aprovado pela Câmara dos Deputados na noite dessa quarta-feira (10) , o governo está negociando com os líderes do centrão e da oposição para reduzir a idade mínima dos professores em uma das regras de transição da categoria.

A ideia é apoiar o destaque do PDT. A idade mínima cairia de 58 anos para 55 anos no caso dos homens e de 55 para 52 para as mulheres. Isso seria válido na regra de transição que prevê pedágio de 100%. Para os demais trabalhadores, a idade mínima nessa regra segue sendo de 60 anos (homens) e 57 anos (mulheres) mais pedágio de 100%.

A mudança está sendo costurada com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM). A modificação deverá constar em uma emenda aglutinativa que vai incorporá também regras mais brandas para aposentadoria de policiais federais e um benefício maior para as mulheres a partir dos 15 anos de contribuição.

Leia Também:  Afinal, o que é o “Centrão” e por que ele é decisivo na reforma da previdência?

O governo e os líderes pretendem reduzir o impacto financeiro das mudanças para policiais , mulheres e professores em um outro artigo inserido na mesma emenda. O texto prevê concentrar na Justiça Federal as ações contra o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Apenas quando não houver vara federal a ação estaria na Justiça Estadual.

Leia também: Acumulou! Placar da Previdência deixa bolão de deputados sem ganhadores

A mudança traria uma economia de R$ 20 bilhões em dez anos, já que a Justiça Estadual é considerada mais cara para o governo se defender.

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Caminhoneiros dizem que governo pode suspender tabela de frete

Publicado

caminhões arrow-options
shutterstock

Homem diz que o ministro da Infraestrutura teria informado que a tabela que entrou em vigor no sábado seria suspensa

A informação de que o governo federal pretende cancelar a nova tabela de frete, que entrou em vigor nesse sábado (20), circulou por diversos grupos de caminhoneiros no aplicativo de troca de mensagens WhatsApp.

Leia também: Ministro da Infraestrutura recebe caminhoneiros na semana que vem

Um dos líderes da greve do ano passado, Wanderlei Alvez, conhecido como Dedeco, disse ao GLOBO que ouviu a promessa do próprio ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomes de Freitas, durante uma conversa por telefone neste domingo (21).

“Conversei com o ministro por telefone hoje, assim que ele terminou a reunião com a ANTT (Agência Nacional dos Transportes Terrestres). (Ele disse que) amanhã vão suspender a resolução. E na terça-feira sai no Diário Oficial”, diz.

Na agenda oficial do ministro, disponível no site do ministério da Infraestrutura, não há compromissos oficiais previstos para hoje.

Segundo Dedeco, o ministro disse a ele que pode ter havido erro nas diretrizes para a tabela de frete feitas pela ANTT, com apoio do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG).  “Ele disse que está disposto a conversar com a classe e resolver”, afirmou Dedeco.

Leia Também:  Jerônimo Antunes renuncia do cargo no Conselho da Petrobras

Outro líder dos caminhoneiros , Ivar Luiz Schmidt, disse que circula áudio entre alguns grupos de caminhoneiros de uma liderança que se identifica como Marcondes, de Recife (PE). O homem diz que o ministro Tarcisio Gomes de Freitas (Infraestrutura) teria informado, após uma reunião, que a tabela que entrou em vigor no sábado seria suspensa.

Leia também: Empreendedorismo feminino passa longe das cidades brasileiras

Na sexta-feira (19), diante da possibilidade de uma nova paralisação dos caminhoneiros, Tarcísio de Freitas informou que vai receber na próxima semana, em Brasília, lideranças da classe dos caminhoneiros. O objetivo é discutir, entre outros pontos, a nova tabela de preços mínimos do frete rodoviário, que causou insatisfação entre os motoristas. 

Ministério diz que não há como confirmar o áudio ainda

Segundo o Ministério, será feita uma reunião na quarta (24) com as lideranças do setor para se chegar a um consenso. Sobre o áudio, o Ministério disse que “o ministro vem falando diretamente com alguns caminhoneiros pelo WhatsApp, mas não há como confirmar esse áudio ainda”.

A movimentação entre os caminhoneiros começou depois que, nesta quinta-feira, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou uma resolução com uma nova tabela para o frete.

Leia Também:  Bolsonaro assina decreto que cria 13º salário do Bolsa Família

A nova versão foi feita a partir de um estudo da área de logística da Escola de Agronomia da Universidade de São Paulo (USP). O objetivo foi adequar os preços aos diferentes tipos de carga, rotas e veículos. Pela regra, ela entra em vigor a partir deste sábado, dia 20.

Tanto Dedeco quando Schimidt disseram que estaria circulando entre os caminhoneiros também um áudio do próprio ministro.  “Essa tabela foi feita após audiências publicas. Está coberta pela lei. A minha posição é contrária a uma paralisação. O melhor é manter as conversas com o governo”, disse.  

Para Schmidt, desde a paralisação de maio do ano passado, uma grande número de lideranças surgiu entre os caminhoneiros e isso deixou a categoria ainda mais desorganizada.  

Leia também: Uma reforma, muitos projetos: mudanças tributárias atraem diversos interesses

“Sou absolutamente contra a paralisação. Eu defendo a redução da carga horária. Hoje os caminhoneiros trabalham 16 horas por dia. Uma carga horária menor diminuiria o número de caminhões ociosos, que hoje é de 300 mil. Mas uma ignorância impera entre os caminhoneiros que não deixa com que entendam isso”, apontou.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

MP da liberdade econômica traz impacto para a inovação tecnológica

Publicado

A Medida Provisória 881, de 2019, da liberdade econômica, traz em seus artigos um conjunto de dispositivos com potencial de impacto na inovação de empresas de tecnologia, a exemplo das conhecidas como startups. O texto trata dos direitos dos agentes econômicos e impõe limites à ação do Estado em diversos aspectos, da solicitação de autorizações à emissão de regulamentos com obrigações das empresas.

A MP foi aprovada em 12 de julho na comissão mista criada para analisar o seu mérito. Para ser confirmada, precisa ainda de aprovação nos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. O projeto de lei de conversão votado na comissão incluiu pontos e ampliou o escopo da redação original.

A proposta estabelece a “imunidade burocrática” para novos produtos e serviços. As empresas podem colocar inovações no mercado juntamente a um grupo de consumidores mais reduzido. Pelo texto, isso pode ocorrer “sem requerimento ou ato público de liberação de atividade econômica”, com exceção de casos previstos em lei federal “se segurança nacional, segurança pública ou sanitária ou de saúde pública”.

Segundo o diretor de Desburocratização da Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Geanluca Lorenzon, o objetivo dessa flexibilização é retirar a carga burocrática de empresas no momento em que estão nas fases iniciais de implementação de um bem ou serviço.

“Hoje a maior parte das pessoas que têm que começar um novo negócio e uma startup não conseguem dar conta de passar da fase inicial, porque os custos burocráticos são muito grandes. Na fase de testar a gente já cobra um monte de burocracia, como alvará de funcionamento, registros. Mas tem carga que outros países não enfrentam”, explicou Lorenzon.

Leia Também:  Bitcoin e outras criptomoedas desvalorizam; confira cotações em tempo real

Segundo ele, o Ministério da Economia deve detalhar a aplicação prática dessa flexibilidade nas próximas semanas. A não exigência de licenças também valerá para empresas consideradas “de baixo risco”.

Com a edição da MP, o governo já anunciou 257 atividades classificadas nessa categoria. Dentre elas estão diversas relacionadas à tecnologia, como consultoria em tecnologia da informação, tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na internet e web design.

Atualização tecnológica

Outro item da MP com impacto na área de tecnologia é a possibilidade de não aplicação de uma norma que tenha se tornado desatualizada do ponto de vista técnico ou esteja em desacordo com os padrões internacionais.

O texto determina que as empresas podem “desenvolver, executar, operar ou comercializar novas modalidades de produtos e de serviços quando os atos normativos infralegais se tornarem desatualizados por força de desenvolvimento tecnológico consolidado nacional ou internacionalmente, na forma do regulamento”.

No caso, por exemplo, em que determinada obrigação ou regra for superada por novos parâmetros, a empresa pode solicitar ao órgão competente que seu efeito deixe de ter validade e novos padrões sejam adotados.

Leia Também:  Banco Central mantém juros básicos no menor nível da história

Parques tecnológicos

A medida provisória criou a possibilidade de implantação de zonas com regras diferenciadas voltadas à promoção da inovação, algo semelhante a um parque tecnológico. Diferentemente da imunidade burocrática, na qual deixam de ser exigidas autorizações e registros, nesse caso há uma flexibilização da validade da legislação.

Essas zonas não poderão exceder 0,01% do território da Unidade da Federação que desejar criá-la. Nelas, os estados podem isentar os agentes de obrigações de leis estaduais no plano econômico e urbanístico. Além disso, estarão sujeitas a um regime de simplificação de cumprimento de obrigações de direito civil, empresarial, agrário, ambiental e do trabalho. Essas normas especiais deverão ser detalhadas em um regulamento específico.

As condições especiais estabelecidas nessas áreas poderão ser estendidas para instituições de ensino e pesquisa privadas e públicas tanto estaduais quanto federais.

Investidores

Na avaliação do diretor do Ministério da Economia, Geanluca Lorenzon , um outro ponto da MP com potencial de estimular a inovação é a retirada do risco de responsabilização de investidores em caso de alguma sanção contra uma empresa de tecnologia. “Se o investidor não geriu junto não pode ser responsabilizado. Isso é uma das coisas que faz com que as empresas não consigam se lançar no mercado”, disse Lorenzon.

 

 
Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana