conecte-se conosco


Mato Grosso

Pediatra do Mato Grosso Saúde orienta mães sobre cuidados com a saúde dos filhos

Publicado

Neste domingo (12), comemora-se o Dia das Mães, e a pediatra do Mato Grosso Saúde orienta sobre cuidados com a saúde dos filhos e também das mães de primeira viagem. Para Lucineide Santos, que é atendida pelo Plano há 6 anos, o acompanhamento do obstetra durante as suas duas gestações, e agora dos pediatras aos seus filhos, é fundamental para um bom desempenho da saúde infantil. Elaé mão da Helena, de 4 anos e do Carlos, 2 anos.  

“Toda a minha gestação, pré-natal, parto, tudo foi pelo Plano. E agora, o suporte dos pediatras é importante, pois a criança sempre precisa ser atendida, devido a alguma infecção que acaba contraindo, ou até mesmo os exames de rotina”,conta. 

Para a pediatra credenciada ao Mato Grosso Saúde, Natasha Slhessarenko, as mães devem ficar mais atentas à saúde das crianças desde o início para evitar as doenças recorrentes da primeira infância. “É muito comum crianças pequenas desencadearem problemas respiratórios como as sinusites, mas também tem as otites, as amigdalites, os resfriados comuns, ou até mesmos as gripes”.

 A médica ainda informa que as crianças que vão à creches e escolas estão mais propensas a contrair infecções respiratórias e gastrointestinais, em decorrência do contato com as outras que compartilham o mesmo ambiente.

“As vacinas auxiliam na diminuição desses casos de infecções, mas os cuidados básicos de higiene como evitar encaminhar a criança para a escola ou creche caso estiver gripada ou com febre; sempre lavar as mãos; ao tossir sempre cobrir as vias respiratória com a dobra do cotovelo e não com as mãos, para evitar maior disseminação dos vírus; e manter as vacinas sempre atualizadas”.

Uma orientação importante feita pela Dra. Natasha Slhessarenko é que a mãe jamais ignore a imunização dos seus filhos, que deve ser iniciada o quanto antes, respeitando os períodos das doses, bem como a idade de cada vacina. Outra dúvida frequente é no momento em que a criança deixa de ser criança e passa para a fase da adolescência. E que médico as mães devem procurar? O médico continua sendo o pediatra durante a adolescência? 

Natasha informa que nesta fase a criança começa a fazer um desligamento, como se fosse um novo corte do cordão umbilical, que dura até os 10 anos. Depois ele entra na fase de adolescência, que vai até os 19 anos.  

“A orientação é que, nessa fase, o adolescente pode ser cuidado pelo pediatra que se sente muito à vontade em continuar atendendo, mas também têm os hebiatras, que tratam dos adolescentes, e tem o clínico da família, que pode ajudar. Então varia muito a relação que o pediatra estabeleceu com essa criança para poder atendê-la”.

O indicado para as meninas, segundo a médica pediatra, é que as meninas comecem a frequentar o ginecologista a partir da menarca, a primeira menstruação. “É extremamente importante que essa menina vá regularmente, pelo menos uma vez no ano, porque no início, assim que começa a vir a menstruação costumam ter os seus ciclos bastante irregulares e com muito sangramento, então é importante o acompanhamento do ginecologista desde essa época. Já os meninos podem ser acompanhados pelos pediatras, pelos hebiatras, médico da família, ou até mesmo o clínico geral”.

Leia Também:  Secretário acompanha deputados em vistoria ao Hospital Regional de Rondonópolis

Mães de primeira viagem

O nascimento do primeiro filho é sempre um momento de celebração para a mulher e para a família, que receberá esse novo integrante. Mas muitas mães acabam ficando sem um norte e não sabendo como lidar com algumas situações com o primogênito, por ser um mundo novo e cheio de inseguranças.

A Dra. Natasha esclarece que nesse primeiro momento, a mãe deve se manter calma e sempre seguir as orientações do profissional pediatra, para evitar práticas equivocadas, que podem prejudicar a saúde da criança recém nascida.
 

1) Aleitamento materno 

Os cuidados mais importantes no início da vida são com a alimentação, então essa mãe deve ter muita cautela e não desprezar o aleitamento materno, por ser rico em nutrientes necessários para as crianças e conter todas as necessidades calóricas, energéticas, nutricionais e imunológicas.

“A mãe deve procurar, com todas as forças, amamentar aquela criança, exclusivamente ao seio, e para isso ela também precisa fazer a parte dela, que é a grande ingestão de líquidos, ter uma boa ‘pega’, onde a criança deve pegar todo o mamilo e toda a auréola”, explica.

A médica informa que a criança deve mamar pelo menos 10 minutos em cada seio, e a mãe deve intercalar o seio entre as mamadas. “A partir desse período a criança já começa a ingerir o leite mais nutritivo, rico em gordura, que é o que dá saciedade para a criança e nutrição”.

O aleitamento materno deve ser estimulado, evitando as fórmulas infantis ou outro tipo de leite para não gerar qualquer tipo de implicação no trato digestivo da criança. “É importante evitar esses alimentos que não sejam o leite materno, pois geralmente sua ingestão está ligada a traumas intestinais e, principalmente, alergias, devido a uma alimentação incorreta nos primeiros anos de vida de uma crianças”.

2) Outros alimentos

A introdução de alimentos mais pastosos e sólidos devem acontecer somente depois do sexto mês de vida, até lá, a médica enfatiza apenas o leite materno como única fonte de alimentação. “O ideal é que até o sexto mês se alimente exclusivamente do leite materno, não precisa dar nem água para elas, mesmo aqui em Cuiabá, que é um lugar quente, então, e somente, o leite materno substitui tudo o que a criança precisa”.

3) Hora do banho

O banho nas crianças recém-nascidas deve ser dado apenas uma vez no dia, segundo a médica. “Na hora do banho, o quarto deve estar fechado, a água não pode estar muito quente, então, é preciso testar a temperatura da água, e muito cuidado, pois a criança pode se afogar”, explica.

4) Importância do arroto da criança  

Esse cuidado vai além do que muitos pensam, já que o procedimento, somado à uma correta posição ao colocar a criança no berço para dormir, pode evitar, o que o especialistas chamam, de Síndrome da Morte Súbita – quando os bebês se afogam, principalmente, com o regurgito.

“É ideal sempre colocar a criança para arrotar, e na hora do sono do bebê, sempre deitá-lo com a barriga para cima, ou de lado, nunca de barriga para baixo, porque isso aumenta mais risco da criança vomitar e broncoaspirar esse líquido”, alertou a especialista em cuidado com a criança.
 

Leia Também:  Projeto Sentinela da PM atenderá moradores da região do Coxipó

5) Visitas em casa? Melhor evitar.

Após o nascimento, os recém-nascidos não têm todos os tipos de anticorpos, então, as crianças devem evitar sair de casa, e até mesmo receber visitas dos familiares antes do início do esquema vacinal.

“Embora a mãe transfira grande quantidade de anticorpo para a criança, por meio da placenta, é ideal que a criança pequena fique em casa, evitando receber muita visita e saindo para locais com muita circulação de pessoas e ambientes fechados, como shoppings. Essas atitudes fazem com que as infecções transmitidas às crianças sejam minimizadas antes do início das vacinações”, orienta a Dr. Natasha.

6) Hora do médico 

O nosso contato com as rotinas médicas começam muito rápido. A Dra. Natasha orienta que, logo na primeira semana de vida da criança, a mãe procure um pediatra para os acompanhamentos da saúde do recém-nascido.
 

“As mães devem procurar um pediatra tão logo completem uma semana de vida, pois quando a criança nasce a criança perde de 7 a 10% do seu peso e isso se recupera a partir do décimo dia de nascimento, e isso o pediatra é quem deve acompanhar, além dos exames de rotina que, por ventura, possa necessitar”.

7) Exames importantes 

Alguns exames são obrigatórios para todas as crianças nascidas no território nacional, entre eles o mais conhecido: o exame do pezinho. “O teste do pezinho é uma triagem importante, pois faz um diagnóstico de uma série de doenças como hipotiroidismo, da fenilcetonúria, deficiência de biotinidase, hemoglobinopatias, mucoviscidose. Outros exames importantes são o da orelhinha, onde é feita a examinação da acuidade auditiva; o do coraçãozinho, para avaliação de má formação cardíaca e o teste do olhinho, para avaliar a transparência em todas as câmaras oculares deste recém-nascido”.

Sobre o Plano de Saúde

Para a presidente do Mato Grosso Saúde, Thalita Coutinho, o Plano promove grande encontro da necessidade da mulher com esses momento tão especial.

“Procuramos sempre promover o melhor para as nossas beneficiárias, em especial às nossas gestantes, pois sabemos das necessidades que elas encontram e ampará-las é fundamental. Inclusive ampliamos os nossos prestadores, agora temos um pronto atendimento (PA) 24 horas exclusivo para obstetrícia, no Hospital Santa Helena, o Hospital Complexo Hospitalar de Cuiabá e o Hospital Santa Rita também são capacitados para receber essas gestantes. As gestantes e os seus filhos podem contar com toda a nossa rede especializada, como clínicas, laboratórios e médicos especializados”.

Natasha Slhessarenko é credenciada ao Mato Grosso Saúde e atende os beneficiários do Plano na Clínica Vida Diagnóstico e Saúde, em Várzea Grande. Para conferir esse e os demais especialistas conveniados, acesse o site (www.matogrossosaude.mt.gov.br), ou o Aplicativo MT Cidadão, disponível para Android e iOS. Lá está disponível o documento completo com o Guia Médico.

Fonte: GOV MT
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Mato Grosso

Baleado em roubo por investigador e preso pela PM suspeito é reconhecido em mais dois assaltos

Publicado

Preso por policiais militares na noite desta sexta-feira (23.08), por volta das 23h, logo depois de tentar assaltar e atirar diversas vezes na direção de um investigador da Polícia Civil, o suspeito C.E.B. (25 anos), já foi reconhecido como autor de mais dois assaltos ocorridos em Cuiabá.

Na noite de ontem, ele tentou cometer o mesmo crime atacando o investigador no momento em que a vítima chegava na casa da sogra, em um bairro na região do Coxipó. Ele agiu na companhia de um outro homem, cada um em uma motocicleta.

O policial reagiu, atirou contra os dois assaltantes. A dupla abandonou as motos e fugiu a pé. Baleado na perna, C.E.B. acabou preso logo depois por uma equipe da 2ª Companhia de Polícia Militar do bairro Parque Cuiabá em um bairro da mesma região, o Altos do São Gonçalo.

Os policiais militares checaram as placas das duas motocicletas. Uma, a Honda CG 160, apontou adulteração e a descoberta da numeração original apontou para queixa de roubo.

Leia Também:  Profissionais da educação aceitam proposta do governo e decidem encerrar greve

Até agora o suspeito já foi reconhecido como um dos autores do roubo sofrido por uma policial militar, soldado, no 30 de junho deste ano. Também seria o autor do roubo a uma farmácia da Avenida Fernando Corrêa, no Coxipó, que aconteceu na semana passada, no dia 17.

O preso está internado no Pronto Socorro Municipal sob custódia da polícia e deve ser autuado em flagrante por tentativa de roubo e de homicídio e indiciado por outros crimes como porte de arma de fogo, furtos, entre outros.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Mato Grosso

Famílias são essenciais para inclusão dos portadores de necessidade

Publicado

Embora o Censo de 2010 tenha mostrado que no Brasil vivam 45,6 milhões de pessoas – 23,9% de sua população – com alguma deficiência, uma nota técnica da instituição, divulgada no ano passado, reduziu este número para 12,7 milhões de pessoas ou 6,7% da população. Pelos números do IBGE, cerca de 2,9 milhões de brasileiros (1,4% da população) seriam deficiente intelectuais – assim chamadas as pessoas que costumam apresentar dificuldades para resolver problemas, compreender ideias abstratas, estabelecer relações sociais, compreender e obedecer a regras e realizar atividades cotidianas, como ações de autocuidado.

Se, num passado não muito distante, os deficientes intelectuais eram discriminados socialmente, esta realidade vem se transformando desde a criação de movimentos como o pestalozziano, ainda na primeira metade do século passado, e apaeno, na década de 1960.

“Apesar das conquistas já alcançadas, a condição de protagonistas precisa ser aprimorada, implementada e acontecer por inteiro”, revela uma frase pinçada do texto de apresentação do tema da Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla: Família e pessoa com deficiência, protagonistas na implementação das políticas públicas.

Aliás, o tema deste ano é o mesmo do ano passado, lembra Silvia Cristina Artal, presidente da unidade de Cuiabá da Associação dos Paes e Amigos dos Excepcionais (Apae). Entre os dias 21 e 28 de agosto, a Associação promove o seminário Apae Protagoniza, simultaneamente em suas 2.213 unidades no país. O tema do encontro é “Família, instituições e profissionais, aproximações necessárias”.

“Precisamos da família. Foi por isso que a Federação Nacional das Apaes repetiu o tema do ano passado. Fazer com que a família se envolva mais, porque a inclusão começa no berço. Aceitar a condição de uma criança que nasceu assim. Sabemos o quanto é difícil, mas este é o primeiro passo para a inclusão deste deficiente na sociedade”, diz Silvia Artal.

Leia Também:  Seminário sobre simplificação na abertura de empresas está com inscrições abertas

Ela destaca que o movimento apaeano foi criado por famílias com pessoas portadoras de deficiências e sem um espaço, uma escola para socializá-las. “Nossa proposta é resgatar essa essência, fazer com que a família participe mais. Hoje é bem diferente de 50, 60 anos atrás. Existem várias instituições voltadas para a inclusão destas pessoas. O próprio movimento mostra para a sociedade e, principalmente para a família, que são cidadãos capazes”.

Com uma pessoa da família portadora de deficiência intelectual, Silvia está há 15 anos na Apae, onde, diz, constata diariamente as mudanças em cada um deles. “É resultado da inclusão. Isso é gratificante para nós que vivemos este dia a dia. Somente neste ano, sete foram para o mercado de trabalho. Estão cada vez mais protagonistas de sua própria existência”.

Protagonismo exercido na defesa de seus próprios direitos. Uma característica do movimento, explica Silvia Artal, é autodefensoria. Cada unidade tem seu casal de autodefensor. São eleitos, como a diretoria, para um mandato de três anos. “Fazem um excelente trabalho”, diz, cuja unidade que preside atende 130 pessoas com deficiência intelectual e múltiplas, iniciando como trabalho de estimulação precoce, de zero a três anos 11 meses.

“A inclusão não se resume estar na escola e ser alfabetizado. É também a socialização. Ser aceito como é. Ter respeito e igualdade de direitos. Apesar dos muitos avanços e conquistas, ainda há muito a trabalhar”, conclui.

Leia Também:  Secretário acompanha deputados em vistoria ao Hospital Regional de Rondonópolis

Semana Estadual  

Entre os dias 17 e 26 de setembro, o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conede), em parceria com o Governo do Estado, promove a V Semana Estadual da Pessoa com Deficiência, com o tema “Fortalecimento dos Direitos das Pessoas com Deficiências”.

Segundo o seu presidente, o deficiente visual, Luiz Carlos Grassi, entre os eventos programados estão a entrega do Prêmio Maria Auxiliadora  (Dodora) a personalidades de relevância na inclusão de pessoas com deficiência; o Dia do Atleta Paraolímpico, com 10 modalidades esportivas; e o primeiro Desfile de Moda Inclusiva e Acessível de Mato Grosso.

Luiz Carlos Grassi, presidente do Conede (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência). Foto de Tchelo Figueiredo 

Também estão programados a inauguração do elevador para deficientes físicos no Palácio Paiaguás, a entrega simbólica de cadeiras de rodas, encontro de gestores municipais e audiência pública, na Assembleia Legislativa, sobre o Dia Nacional de Luta e Inclusão da Pessoa Surda na Educação Bilíngue.

“O prêmio Dodora é uma homenagem à Maria Auxiliadora, uma pessoa com deficiência, inspiradora da criação do primeiro espaço de atendimento de habilitação e reabilitação para pessoas com deficiência em Mato Grosso, o atual Centro de Reabilitação Dom Aquino, o Cridac, por Maria Lygia de Borges Garcia, então primeira-dama do governo de Garcia Neto (1975-1978). Dodora era amiga de Gláucia, filha do casal”, explicou Luiz Grassi.

Fonte: GOV MT
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana