conecte-se conosco


Turismo

Paraty oferece história, natureza e também luxo para os turistas

Publicado

Se você ainda não conhece a bela cidade histórica e colonial no Rio de Janeiro, Paraty é o reduto de belas praias, pousadas e até mesmo de cultura, a cidade sedia a Flip (Festa Literária de Paraty), que, a cada edição, se confirma como um dos eventos literários mais importantes do país. 

Leia também: Procurando pacotes para Páscoa? Opções saem por parcelas a partir de R$107,90


 Centro histórico de Paraty
Márcio Masulino/CidadeeCultura

Centro histórico de Paraty

Como se isso fosse pouco, as belezas naturais da cidade, que preserva até hoje encantos naturais e arquitetônicos, são um convite para uma visita em qualquer época do ano. Passear pelo centro histórico de Paraty , onde é proibido o tráfego de automóveis, é como entrar em um túnel do tempo, rodeado de belas paisagens.

Passeios de barco e escunas também são imperdíveis. Eles duram de 4 a 5 horas, e saem diariamente do cais da cidade. Quanto maior for o grupo, mais barato sai o passeio.

Aos amantes da natureza não faltam roteiros, já que na área da cidade estão o Parque Nacional da Serra da Bocaina , a Área de Proteção Ambiental do Cairuçú, onde fica a Vila da Trindade, e a Reserva da Joatinga. Para completar a lista de atrativos, Paraty faz limite com o Parque Estadual da Serra do Mar.

Leia também: Casal de executivos larga tudo aos 50 anos para viajar pelo mundo

Leia Também:  Disney anuncia hotel em formato de espaçonave com atrações de Star Wars

A cidade também se destaca pelos belos hoteis e pousadas. Entre as principais está a Pousada do Sandi. O espaço nasceu como um refúgio familiar na Villa Bom Jardim. Mas foi o amor e o lado de visionário de Alexandre Adamiu (presidente da Paris Filmes) que transformaram um casarão abandonado no Centro Histórico em uma da mais famosas paradas da cidade.

Foram seis anos de reforma, até que Alexandre presenteasse a esposa Sandra com a Pousada do Sandi.

O espaço conta com uma decoração tropical, com obras de artistas locais, juntamente com uma decoração cinematográfica (devido à ligação da família com este ramo), com memorabília de cinema, incluindo um lindo projetor 35 mm, cartas originais escritas à mão de Rita Hayworth para Jack Warner e recordações de Alfred Hitchcock, assim como pôsteres de clássicos, os quais você pode ver pela pousada.

O nome “Pousada do Sandi” é uma homenagem ao Pai de Alexandre, o imigrante Romeno e fundador da Paris Filmes, Sandi Adamiu. Mesmo nome é dado ao filho único do casal, que hoje cuida dos negócios da família. Inclusive, em 2007, ele e seu sócio na Paris Filmes conseguiram algo inédito: fazer de Paraty cenário de um blockbuster mundial! Eles levaram para a cidade as filmagens do Filme Amanhecer – 4° parte da Saga CREPÚSCULO, sendo o destino de lua de mel escolhido pelos românticos vampiros.

Leia Também:  Comissário de bordo revela item que passageiros não podem esquecer na viagem


A pousada também está na Associação de Hotéis Roteiros de Charme que congrega atualmente 66 hotéis no Brasil. Onde os membros são selecionados pela variedade de suas características, segundo rígidos critérios quanto à qualidade de serviços e responsabilidade sócio-ambiental.

Leia também: Companhia aérea britânica equipará classe executiva com cabines privativas

​Os hóspedes da Pousada do Sandi podem escolher entre 28 quartos – Standards, Apartamentos, e Suítes. Cada uma de nossas acomodações foi restaurada para refletir o charme do nosso prédio de 300 anos e, ao mesmo tempo, haver confortos contemporâneos como Wi-Fi cortesia, TV a cabo e frigobar.

Como chegar 

Do Rio de Janeiro até Paraty, o acesso é pela Rodovia Rio-Santos (BR- 101). Saindo de São Paulo, chega-se até São José dos Campos pela rodovia Presidente Dutra (BR-116). Depois o acesso até Caraguatatuba se dá pela rodovia dos Tamoios (SP-099), seguindo até Paraty pela BR-101.

De São Paulo também é possível pegar a Rodovia Anchieta (SP-150) ou Imigrantes (SP-160), chegando até Cubatão, Guarujá, Bertioga e depois pela BR-101 até Paraty. O acesso aéreo é possível através de aviões mono ou bimotor. Paraty tem um pequeno aeródromo com pista de 30 metros de largura e 585 metros de comprimento.

Fonte: IG Turismo
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Turismo

Aventura amazônica: veja roteiro de 4 dias por Alter do Chão, no Pará

Publicado

source

Santarém, no Pará, é considerada uma das cidades que vão bombar em 2020.  Levantamentos divulgados pelas plataformas Viajala e Hurb – Hotel Urbano mostram que o destino na Amazônia é um dos destaques de tendência nacional de viagem.

alter do chão arrow-options
Divulgação

Alter do Chão, Santarém

Com uma cultura forte e belezas naturais “de cair o queixo”, a cidade abriga Alter do Chão , o “caribe brasileiro”. Escolhido como um dos 10 melhores destinos do mundo para conhecer no ano passado, pelo jornal O Estado de S. Paulo, o distrito as margens do Rio Tapajós é uma ótima pedida de viagem para o verão.

Para quem se interessou por conhecer o local, o iG Turismo, junto com o Hotel Urbano, organizou um roteiro de quatro dias com o que fazer, como chegar e a melhor época para ir a Alter do Chão. Confira abaixo e programe suas férias!

Como Chegar?

santarém arrow-options
Divulgação/ infraero

O Aeroporto de Santarém, no Pará, recebe voos de poucos estados brasileiros

Avião

Para quem optar pelo transporte aéreo, o aeroporto mais próximo de Alter do Chão fica em Santarém , a 33 Km de distância. Santarém recebe voos diretos de Brasília, Belém e Manaus.

Ao chegar ao Aeroporto Internacional de Santarém – Maestro Wilson Fonseca, é preciso pegar um ônibus urbano de Santarém até Alter do Chão, porém não tem ônibus direto do aeroporto. Então pegue outro ônibus até Avenida Tapajós e de lá pegue o transporte para a vila. Os ônibus partem da Praça Barão de Santarém. A viagem dura em média 40 minutos.

Aos que preferem uma viagem mais rápida e individual, é possível contratar um serviço de transfer ou táxi. Os transfers saem em torno de R$70 por pessoa e o táxi cobra cerca de R$130 pelo trajeto.

Outra opção é alugar um carro no aeroporto. Partindo de Santarém: via Estrada Santarém a viagem dura cerca de 40 minutos. Para quem estiver em Belém, o caminho é pela BR 230 – cerca de 22h30min; via BR 010 e BR 230 – em torno de 27 horas. 

Barco

A partir de Manaus e Belém saem barcos para Alter do Chão. De Manaus a viagem dura dois dias e de Belém, três dias.

Os preços variam conforme a embarcação e acomodação que optar, podendo ir de uma simples rede até uma suíte. Dá para se informar sobre o serviço através do Porto de Manaus (92 3233-7061), Porto de Belém (91 3182-9136) ou o de Santarém (93 3512-8500). 

Quando ir?

santarém arrow-options
Reprodução/ TripAdvisor

Alter do Chão já foi escolhida por duas vezes como a praia mais bonita do Brasil pelo “The Guardian”

Com duas estações bem definidas, uma de chuva e uma de seca, Alter do Chão não deixa a desejar com suas belezas naturais em nenhuma delas. A mais bonita é a época de cheias, porém não haverá praias determinadas. Por isso, o melhor período para turismo é durante a seca.

Leia Também:  Disney anuncia hotel em formato de espaçonave com atrações de Star Wars

Alta Temporada: o verão amazônico, temporada de seca, vai de agosto a dezembro e é a época em que surgem as praias, com faixas de areia bem extensas. Há mais opções de restaurantes e hospedagens nessa época e o turista pode aproveitar o Çairé, famoso evento folclórico e religioso, que acontece em setembro.

Baixa Temporada: o inverno amazônico abre a temporada de chuvas, indo de janeiro a julho, ideal para quem quer fazer passeios de barco em meio à floresta, tomar banho de rio e conhecer as comunidades da região. Nessa época o cenário na vila é bem diferente: as águas cobrem as praias e faixas de areia, inclusive a Ilha do Amor. O mês de janeiro sinaliza o início das chuvas, mas ainda promete que os viajantes conheçam as praias. 

O que fazer?

1º dia em Alter do Chão – Lago de Tapari e Praia da Ponta de Pedras

praia arrow-options
Reprodução/ exploraai

A praia da Ponta da Pedra é uma das mais conhecidas em Alter do Chão

O primeiro dia pode começar pelo Lago do Tapari, acessível pela Praia de Itapari (vizinha à Praia da Ponta de Pedras). Para chegar à Praia de Itapari, o trajeto pode ser feito de barco pelo Rio Tapajós ou por estrada.

O lugar é conhecido como Lago Preto por conta da sua cor mais escura. Quem der um mergulho no lago tem sempre uma surpresa, já que passam correntes de água fria e morna. Por lá também dá para ver pequenos peixes. É uma boa opção para quem busca privacidade e sossego total em meio à natureza.

No mesmo dia é possível conhecer – e almoçar – na Praia de Ponta das Pedras. Localizada às margens do Rio Tapajós, a Praia da Ponta de Pedras é um belo cenário para curtir o resto do dia. Com uma grande variedade de restaurantes, é indicado para os turistas que preferem praia com infraestrutura. Ainda dá para cruzar o Tapajós em direção ao Canal do Jari e visitar a comunidade local.

Se fizer o passeio de barco, a última parada será a Praia Ponta do Cururu. Sem estrutura turística, quiosques ou ambulantes por perto, o atrativo da praia é o pôr do sol, que segundo muitas pessoas, é o mais bonito da Amazônia.

À noite vale a pena jantar na praça central da cidade, onde se concentram restaurantes, lanchonetes e barracas de comida. A culinária paraense é criativa e peculiar e é impossível visitar o Estado sem provar o aviú, um micro camarão de água doce. Os peixes amazônicos, como o pirarucu, tambaqui e tucunaré também não podem faltar no seu cardápio.

2º dia em Alter do Chão – Praia do Pindobal

No segundo dia, aproveite para conhecer a praia queridinha de turistas que buscam boas fotos: Pindobal. Com águas tranquilas e cabanas de palha, a praia é perfeita para repor as energias e tem boa estrutura de bares e quiosques. Quem quiser praticar exercícios, é possível alugar stand up paddle e caiaques. Para chegar à Praia do Pindobal é possível ir de carro ou barco pelo Rio Tapajós. O percurso de barco vai custar em torno de R$50 ida e volta.

Para a programação noturna, Espaço Alter do Chão funciona como casa de shows e restaurante, oferecendo apresentações de Carimbó. O ‘Restaurante Mãe Natureza’ tem música ao vivo, além de saladas, panquecas e drinques deliciosos.

3º dia em Alter do Chão – Ilha do Amor

alter do chão arrow-options
Reprodução/ amazoniasemfronteiras

A Ilha do Amor fica inundada no período de cheias

Um dos principais cartões-postais da vila, a Ilha do Amor não pode faltar no seu roteiro. Localizada em frente à orla da cidade com suas areias brancas e águas claras e cristalinas, não é exatamente uma ilha e sim uma pequena península no meio do Rio Tapajós.

Lá o turista encontrará diversas barracas, mesas e guarda-sóis à disposição. Para quem gosta de esportes, a pedida é montar um time de futevôlei ou praticar canoagem. Para chegar até a Ilha do Amor, é preciso pegar uma catraia (espécie de canoa) ou lancha rápida. A travessia é curta. No auge da seca, em novembro, é possível ir caminhando até a Ilha do Amor, saindo da orla de Alter do Chão.

Um atrativo para os que acordam cedo. Nas primeiras horas do dia dá para fazer a trilha da Serra da Piraoca. No lado esquerdo da orla e terá uma placa indicando o início do atalho. A caminhada dura cerca de 30 minutos e, do alto da Piraoca, você aprecia a melhor vista da Ilha do Amor e de praias próximas, como a Ponta do Cururu.

 4º dia em Alter do Chão – Floresta Nacional dos Tapajós

alter do chão arrow-options
Reprodução/ Melhores Destinos

A floresta nacional tapajós é um dos cenários mais bonitos em Alter do Chão

Feche o último dia em Alter do Chão com a famosa Floresta Nacional dos Tapajós te dá o privilégio de fazer uma trilha em plena floresta amazônica.

Saindo de Alter do Chão, são aproximadamente 35 Km em estrada de terra até a Flona. Também é possível fazer a viagem de barco, de preferência lancha rápida. Para fazer a caminhada, você deverá pagar um guia nativo que cobra R$100.

Existem duas comunidades na Flona: Maguari e Jamaraquá. Para cada uma há uma trilha diferente. Além de conhecer as famílias que vivem ali, o passeio apresenta cipós, lagos, frutas da floresta e praias. Porém são os igarapés e as sumaúmas, árvores de quase 70 metros de altura, os maiores atrativos do local.

Leia também: 15 motivos para visitar Belém do Pará

Dica importante! A trilha é longa e leva horas de caminhada, por isso leve água, frutas e repelente. E não deixe de se refrescar com um banho gelado de igarapé. Por fim, a única parte difícil em conhecer Alter do Chão é que, depois de tanto contato com a natureza, a volta para casa pode ser dolorosa.

Fonte: IG Turismo
Continue lendo

Turismo

Coronavírus: governo fecha parte da Muralha da China e afeta turistas

Publicado

source
muralha da china arrow-options
shutterstock

Muralha da China

Nesta sexta-feira (26), o governo chinês anunciou o fechamento de parte da  Grande Muralha  na tentativa de conter a propragação dos casos de coronavírus  no país. O monumento é visitado anualmente por mais de 10 milhões de turistas. 

Leia também: Número de infectados por coronavírus chega a 830 na China

Além da  Muralha da China , outros monumntos emblemáticos de Pequim foram fechados, integrando as medidas para controlar a propagação do vírus que já matou 26 pessoas. 

O Estádio Nacional de Pequim, construído para os Jogos Olímpicos em 2008 e conhecido como Ninho de Pássado, também foi fechado. A partir de sábado (25), a floresta Yinshan Pagoda e os túmulos da dinastia Ming também serão fechados. 

A expectativa é que outros monumentos e atrações turísticas sejam fechadas nos próximos dias.

Fonte: IG Turismo
Leia Também:  Estudo aponta que “jet lag” é culpa dos passageiros; veja como evitá-lo
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana