conecte-se conosco


Tribunal de Justiça MT

Palestrantes falam do futuro, das relações e da evolução da auditoria interna

Publicado


A valorização e a evolução da atividade de auditoria interna nos tribunais e conselhos que formam o Judiciário brasileiro, a discussão da qualidade e inovação de boas práticas e estudos de casos compartilhados, temas que levam à reflexão e a troca de experiência nortearam o segundo dia do 6º Fórum de Boas Práticas de Controle Interno e Auditoria do Poder Judiciário. Sediado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, o evento virtual, que ocorre de 21 a 23 de outubro, contou com palestras e apresentação de cases de outros tribunais, como forma de compartilhar conhecimento.
 
Um conhecimento que foi difundido para uma grande quantidade de pessoas. De acordo com a coordenadora de Controle Interno do TJMT, Simone Borges da Silva, responsável pela organização do fórum, foi registrada no primeiro dia do evento a participação de vários tribunais de justiça, tribunais regionais do trabalho, tribunais regionais eleitorais, controladorias-gerais dos estados, da União, Procuradoria-Geral da Justiça, Superior Tribunal de Justiça. Foram 716 pessoas inscritas, mais de 1300 acessos pela plataforma Webex e 344 visualizações pelo Youtube.
 
“Consultoria – o que é, como fazer, quando não fazer” foi a primeira palestra ministrada por Rossana Guerra, membro do Conselho de Administração do Instituto de Auditores Internos do Brasil (IIA Brasil) e Diocésio Sant’Ana, secretário de auditoria do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).
 
Defensora da consultoria já há algum tempo, Rossana Guerra disse que esse é um tema que tem crescido muito. Ela falou sobre a evolução dos conceitos de atividade da auditoria interna, que seguem as mudanças do mundo organizacional, falando sobre o ontem, o hoje o amanhã, o que fazer, o que não fazer, como o próprio tema da palestra propôs. Outro ponto foi quanto ao mito de que os auditores internos que atuam em consultoria não podem atuar em avaliação. “Pela regra, pela norma, os auditores internos podem sim prestar serviço de consultoria em relação às operações pelas quais tenham sido responsáveis. Existem algumas restrições que a própria IPPF destaca. Alguma outra restrição que a gente tem que atentar é quando não fazer é a que esta presente nas normas de atributo, ou seja, se não possuo habilidade ou competência necessárias não devo fazer o trabalho.”
 
Dentro desse assunto, Diocésio Sant’Ana apresentou o resultado de uma pesquisa que foi realizada junto aos tribunais sobre consultoria em auditoria. “Eu queria saber qual a percepção dos auditores e gestores relacionada a consultoria. Consultoria agrega muito valor, vai fazer parte do presente e futuro”, afirmou.
 
Os benefícios da psicologia positiva nas relações humanas, a empatia e o olhar para o outro esteve dentro do contexto da palestra “Relação auditores x auditados – gestão de conflitos – psicologia organizacional aplicada”, proferida pelo advogado Fernando Camargo, que trabalhou como auditor Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro por 14 anos.
 
Para ele, a psicologia positiva é fundamental, pois pessoas felizes trabalham mais, lidam melhor com a equipe. “Nos tribunais temos a lide que normalmente traz conexão negativa muito forte na instituição como um todo. Como implementar a psicologia positiva? Através de entender melhor a equipe, me colocar no lugar dele, criar conexão e empatia, atuar com técnicas da psicologia positiva, ter abertura pro novo. Trabalhar esses conceitos ajudam nos relacionamentos. Pessoas felizes tornam organizações mais felizes.”
 
A terceira palestra tratou sobre o tema “O auditor do futuro”, apresentada pelo auditor interno do Banco da Amazônia, Wendel Abreu, que já de início falou sobre como trabalhar com os perfis comportamentais, habilidades e competências que vão levar a profissão de auditor para o futuro. A palavra do futuro, segundo ele é equilíbrio. “Não dá para cumprir nossa missão se a gente não sabe de fato o que é valor. Valor é definido pelas partes interessadas. Não é a própria auditoria, mas sim quem recebe nosso trabalho. Auditoria é um instrumento de democracia. Precisamos de interação continua para entregar valor.”
 
De acordo com Wendel, transformar a auditoria é transformar a tríade do controle interno: pessoas, processos e tecnologia. “Se a gente pensa na auditoria do futuro só pela perspectiva de tecnologia, as nossas responsabilidades estão aumentando. E o que estamos fazendo com a perspectiva das pessoas, como estamos tratando as pessoas? Pessoas você lidera, recursos você controla. Se você trabalha processos e tecnologia, sem pessoas gera alienação e sistemas subutilizados que não atendem nossas necessidades. Se você trabalha tecnologia e pessoas, você gera o caos automatizado. Se você junta pessoas e processos, você tem frustação, ineficiência, lentidão. A gente tem o desafio de encontrar o equilíbrio e equilíbrio é a palavra do futuro. É preciso equilíbrio para entregar o valor às partes interessadas”, afirmou.
 
Cases dos tribunais – o auditor interno do Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) Daniel Rodrigo Dinelly Araújo apresentou a Consultoria de governança TRE-PA /Formalização da cadeia de valor.
 
O Projeto estratégico – governança dos colegiados temáticos no Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais teve como expositor o gerente do projeto, Olavo de Oliveira Dantas.
 
O fórum, que conta com a participação de duas intérpretes Da Língua Brasileira de Sinais (Libras), é transmitido ao vivo pelo canal do Youtube do TJMT @tjmtoficial e também pela plataforma Webex para os inscritos.
 
Para tornar o 6º Fórum de Boas Práticas de Controle Interno e Auditoria uma fonte de consulta sobre todas as edições, foi criado um hotsite, contendo informações sobre o Fórum, incluindo a origem do evento, depoimentos dos organizadores de cada edição e de servidores que compareceram a todas as edições, Programação, Galeria de Fotos, Banco de Boas Práticas, Biblioteca Virtual e a ficha de inscrição (acesse AQUI).
 
 
Leia mais:
 
 
Dani Cunha
Coordenadoria de Comunicação do TJMT
 
 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tribunal de Justiça MT

Poder Judiciário de Mato Grosso

Publicado


 Dezembro chegou e com ele as festas de fim de ano também. Pensando nisso, já comprou os presentes de natal? Que tal um presente para a vida toda? O projeto Verde Novo do Juizado Volante Ambiental (Juvam) promoverá nessa sexta-feira (4 de dezembro) uma grande ação de distribuição de mudas de árvores nativas e frutíferas do cerrado. A distribuição será gratuita e acontecerá na Praça da República, à partir das 8h.
 
Presenteie seus amigos e parentes queridos com o plantio de uma árvore pelo programa. “Você estará colaborando com o combate ao aumento do efeito estufa e ainda encontrará uma solução barata, criativa e ecologicamente correta para os presentes de natal”, pontuou assessor do Juvam de Cuiabá, Sérgio Savioli Resende.
 
A distribuição contará com a presença do Papai Noel Verde Novo e disponibilizará espécies com a jabuticaba, goiaba, pitanga, acerola, bacupari, jenipapo, pitomba, jacarandá, além é claro de uma espécie apreciada por todos e tida como um dos símbolos do cerrado, o ipê (branco, roxo e rosa).
 
Verde Novo – O projeto é desenvolvido pelo Poder Judiciário de Mato Grosso, por meio do Juvam, em Parceria com a Prefeitura de Cuiabá, Instituto Ação Verde e o Grupo Petrópolis, responsável pela doação das mudas de árvores nativas e frutíferas.
 
Até hoje o Verde Novo realizou mais de 374 ações e foram distribuídas e plantadas cerca de 81 mil mudas em diversos pontos de Cuiabá.
 
Veja tudo sobreo o projeto AQUI.
 
 
Ulisses Lalio
Coordenadoria de Comunicação do TJMT
 

Continue lendo

Tribunal de Justiça MT

Poder Judiciário de Mato Grosso

Publicado


O prazo das inscrições para o II Processo Seletivo de credenciamento de conciliador da Comarca de Várzea Grande foi prorrogado até as 23h59 da próxima terça-feira (8 de dezembro). Todas as disposições para o certame constam no Edital N. 06/2020/RH, assinado pelo juiz Eduardo Calmon de Almeida Cézar, diretor do Foro. Ficam inalterados os demais itens e subitens do Edital de Abertura n. 01/2020/RH/VG, de 3 de fevereiro de 2020.
 
A inscrição é gratuita e deve ser realizada exclusivamente pela internet, no endereço eletrônico www.tjmt.jus.br/Servicos/C/61500#.X8fNTc6SnIU .
 
Conforme o Edital, o candidato deverá preencher o campo “matrícula ou login/e-mail” utilizando seu e-mail cadastrado e o campo “senha” com a senha do referido e-mail. Depois deve clicar em “entrar” – “concursos abertos” – “processo seletivo” e preencher todos os dados do formulário de inscrição.
 
Mesmo com o feriado nacional de Nossa Senhora da Conceição, no dia 8 de dezembro, o departamento de Recursos Humanos da Comarca de Várzea Grande informa que o sistema ficará disponível para receber as inscrições até as 23h59, conforme consta no Edital.
 
De acordo com o que está expresso, o Edital N. 06/2020/RH poderá sofrer eventuais alterações, atualizações ou acréscimos enquanto não consumada a providência ou evento que lhe disser respeito, circunstância que será comunicada em Edital ou aviso a ser publicado.
 
 
Leia AQUI o Edital N. 06/2020/RH
 
Acesse AQUI o DJE e confira o edital na íntegra, disponível no caderno de anexos, páginas 532 a 541. 10670-2020 C9 Comarcas – Entrância Especial – Demais Comarcas.pdf (tjmt.jus.br).
 
Dani Cunha
Coordenadoria de Comunicação do TJMT
 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana