conecte-se conosco


Esportes

Ouro em 2003, Meligeni vai torcer por sobrinha no Pan: “Sensação muito louca”

Publicado

Carol Meligeni arrow-options
Gaspar Nóbrega/Inovafoto/COB

Carol Meligeni também aposta na garra para levar o ouro no Pan

Os Jogos Pan-Americanos 2019 começaram nesta quarta-feira (24), e para a família Meligeni, esta edição terá um gostinho especial. Comemorando16 anos de sua medalha de ouro, Fernando vê sua sobrinha Carol ser convocada para representar o Brasil em Lima, no Peru.

Leia também: Da periferia de SP aos EUA: Como o tênis transformou a vida de um brasileiro

Assim como o tio, Carolina Meligeni também é tenista, e representará o esporte lutando por uma medalha junto a mais cinco tenistas brasileiros. Outra semelhança entre os dois é o estilo de jogo sempre aguerrido, que desta vez será sentido também das arquibancadas.

“A torcida pra Carol vai ser gigantesca, estou tentando ir assisti-la, e lógico, a torcida vai ser totalmente diferente. Quando você torce para o Brasil ou alguém, você torce de uma maneira diferente. Torcer para um familiar é totalmente inusistado e maluco, a sensação é muito louca”, disse Fernando Meligeni em entrevista ao iG Esporte .

“Nunca torci para um familiar meu em um campeonato tão importante quanto o os Jogos Pan-Americanos, que tem tanta lembrança quanto tem pra mim. Espero que ela consiga seu melhor, jogue o melhor possível e conquiste seus sonhos. Sem pressão, mas com muita alegria e vontade de estar lá torcendo pra ela”.

O ouro em Santo Domingo

Meligeni comemora o ouro em 2003
COB

Meligeni comemora o ouro em 2003

Há 16 anos, em 10 de agosto de 2003, o “Fino”, como é conhecido Meligeni, vencia Marcelo Rios após quase três horas de uma partida muito emocionante, que permanece viva na memória de muitos brasileiros. O jogo marcou também a sua despedida das quadras.

“A emoção é diferente, hoje é muito mais de orgulho e lembrança. O que mais me impressiona é que 16 anos se passaram e tanto se fala ainda da minha conquista. As pessoas ainda têm na memória aquele jogo. Isso é muito legal. O carinho das pessoas e a lembrança desse jogo são o que mais me chamam a atençaõ e me deixam feliz”, conta o tenista .

Leia Também:  Zizito ou Capibi? Conmebol abre votação para nome de mascote da Copa América

Leia também: Tenista Caroline Wozniacki surpreende ao revelar que sofre de doença incurável

Maior conquista da carreira?

Apesar do ouro nos Jogos Pan-Americanos ser o feito mais lembrado de sua carreira por muitos, Meligeni, que permaneceu 10 anos entre os 100 melhores tenistas do mundo, aponta outra campanha, que não terminou com título, como a mais importante de sua trajetória no tênis.

“As pessoas deram uma importância gigantesca ao Pan , e eu respeito muito isso, mas ‘tenisticamente’ falando eu botaria a semifinal de Roland Garros, um torneio onde poucos caras conseguem chegar entre os quatro melhores e imaginar que você esteve lá em 1999, ganhando de um monte de cara bom, acho que foi minha maior conquista da carreira”, revelou.

Tênis brasileiro na atualidade

Questionado sobre a ausência de grandes nomes brasileiros no cenário mundial, Meligeni valorizou o cearense Thiago Monteiro e a paulista Beatriz Haddad, mas criticou o tratamento recebido pelo tênis no país.

Leia também: Bia Haddad é flagrada no exame antidoping dias após brilhar em Wimbledon

“A gente tem que tomar um pouco de cuidado ao falar que não tem nenhum representante. Temos dois jogadores entre os 100 melhores do mundo.No Brasil a gente não dá a devida importância, mas ser 100 do mundo é um resultado muito bom. Lógico que a gente se acostumou mal porque a gente teve grandes nomes, principalmente com o Guga sendo o número 1 do mundo, mas a gente sabe que não é o normal”.

“A respeito de base, pra ter mais jogadores, a gente tem que mudar a nossa maneira de fazer tênis no Brasil, é uma coisa mais incrustrada no problema do que é o esporte no Brasil, do que apenas o tênis. Os outros esportes não são tratados da maneira que deviam. Hoje a gente tem também um grande dificultador que é o dólar a quatro reais e o euro a cinco. Isso para um jogador de tênis do Brasil, que viaja o tempo inteiro, não é fácil”, ressaltou o tenista.

Leia Também:  City vence o Tottenham, “se vinga” e volta à liderança do Campeonato Inglês

Projetos para o esporte

Fernando Meligeni arrow-options
Divulgação

Fernando Meligeni

No projeto “Bate bola com o tênis brasileiro”, Meligeni recebe semanalmente dois jogadores para sessões de treinos sem custo aos jogadores, em sua maioria juvenil e em transição para o profissional, onde transmite sua experiência, dá informações aos atletas e promove o debate com os técnicos e jogadores após as horas de “ralação”.

Além disso, o tenista está lançando um livro em que tenta responder a maior quantidade de perguntas que todo jogador já se fez ou se faz muitas das vezes que está em quadra. Com uma linguagem simples e objetiva para que todos os públicos possam desfrutar das observações, o livro é focado em todos aqueles que adoram praticar o esporte, de vez em quando, iniciantes na carreira ou ainda que almejam uma carreira profissional.

Leia também: Procuram-se novos Gugas no tênis brasileiro

“Não é facil ser tenista, muito menos no Brasil. A minha ideia de desenvolver, de ajudar, é simplesmente por ajudar. Eu acho que o ídolo tem que se aproximar das pessoas. É muito legal receber tapinhas nas costas, obrigados e parabéns, mas ao mesmo tempo você tem uma responsabailidade com tudo que conquistou, com tudo que te ajudaram, e eu tenho muito claro que quando for embora deste mundo quero ter entregado para as pessoas a minha experiência, nao quero ir embora com ela, e se isso ajudar a desenvolver o tenis, vou ficar muito feliz”, disse Meligeni .

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Esportes

Na Arena Pantanal, Cuiabá bate Mutum e no Gigante do Norte Sinop deixa Araguaia de 4 e assume a ponta

Publicado

Sob muitta chuva, o Cuiabá venceu o Nova Mutum por 1 a 0, gol de Maxwel, ao 11 dda primeira etapa e iniciou a campanha bem, embora tenha tomado muita pressão do time visitante. A partida foi uma das duas qque fecharam a Primeira Rodada do Campeonato Mato-grossense de 2020. O Nova Mutum é estreante no campeonato. Mas o  jogo foi equilibrado e a equipe do Médio Norte não se intimidou com a força do atual campeão estadual. Tentou por diversas vezes, mas não conseguiu o empate.

Na próxima rodada, o Cuiabá vai encarar o Mixto no próximo sábado, às 17h. Já o Nova Mutum enfrentará o Luverdense, às 15h30, no mesmo dia.

Já no Gigante do Norte, na outra partida da rodada, o Sinop goleou por 4 a 0, o Araguaia. Os gols foram marcados por Robinson (2 vezes), Victor Hugo e Allan. Com o placar, a equipe da capital do Nortão assumiu a liderança do Estadual. No número de pontos, está empatado com União, Operário e Cuiabá, no entanto, assume a ponta da tabela por conta do saldo de gols maior que os oponentes.

Leia Também:  Confira curiosidades sobre o Maracanã, estádio que já foi o “maior do mundo”

O primeiro tempo foi inteiro dominado pelo Sinop. O adversário chegou apenas uma vez com perigo e só teve protagonismo com as faltas que distribuiu na equipe da casa. Já o Galo, correspondeu o apoio vindo das arquibancadas e soube trabalhar bem a bola, criando jogadas bonitas e levantando o torcedor.

Continue lendo

Esportes

Mato-grossense 2020: Cuiabá pega Nova Mutum e Sinop recebe Araguaia nesta quarta

Publicado

Técnico do Nova Mutum, Willian Dema

Atual campeão estadual, o Cuiabá recebe na noite desta quarta-feira 22, às 20h10, na Arena Pantanal, o Nova Mutum, clube que está estreando no Campeonato Mato-grossense 2020, já que foi campeão da Segunda Divisão, no ano passado, conquistando o acesso. Será o primeiro jogo entre as duas equipes na história.

O jogo será duro, prevê o técnico do Nova Mutum, Willian Dema, que foi campão no ano passado e está à frente da preparação desde o fim de novembro do ano passado. O Nova Mutum é um time bem posicionado e está muito focado na competição.

Considerado uma revelação no comando técnico de equipes e técnico promissor da niova geração, Dema vê o embate como uma “prova de fogo” e uma maneira de avaliar a preparação.  “Estamos iniciando as atividades em um campeonato tradicionalmente forte, contra o atual campeão, mas estamos otimistas”, disse o técnico do “Azulão” do norte.

Pelo lado do Cuiabá, o otimismo impera. O Dourado  detém uma invencibilidade que dura 30 jogos. A última derrota do Cuiabá aconteceu no segundo jogo da final de 2017, quando perdeu no tempo normal para o Sinop, mas ficou com o título nos pênaltis.

Leia Também:  Gum, da Chapecoense: o Guerreiro Condá

O técnico Marcelo Chamusca realizou um último treinamento na tarde desta terça, no CT do Dourado, mas não declarou o time titular que pretende mandar a campo na estreia.

SINOP X ARAGUAIA

Outro jogo que as expectativas são grandes será no GIganbte dio Norte, onde o Sinop, time da casa, recebe o Araguaia. O técnico Birigui, que chegou em 2016 e 2017 ao vice-campeonato, montou uma equipe forte. Já Kiko Araújo, do Araguaia, não teme a pressão que vai sofrer e diz que o “Galo da Serra” está motivado. O jogo acontece em mesmo horário.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana