conecte-se conosco


Internacional

Otan: Finlândia e Suécia não chegam a acordo com Turquia em missão

Publicado

source
Missão diploática de Finlândia e Suécia junto a Turquia termina sem sucesso
Reprodução/Otan

Missão diploática de Finlândia e Suécia junto a Turquia termina sem sucesso

Terminou sem acordo a missão diplomática enviada por Finlândia e Suécia para garantir o apoio da Turquia à adesão dos dois países escandinavos à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Após a conclusão da rodada de conversas em Ancara nesta quarta-feira (25), Ibrahim Kalin, porta-voz do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que os três lados não conseguiram chegar a um consenso, mas destacou que o diálogo “vai continuar”.

De acordo com Kalin, a Turquia pede o fim do apoio de Finlândia e Suécia a grupos “terroristas” para endossar a candidatura dos dois países à Otan.

Ancara acusa Helsinque e Estocolmo de dar refúgio a militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), movimento que luta pela criação de um Estado curdo e que é considerado uma organização terrorista pelo governo turco.

“Não enviamos dinheiro a organizações terroristas, obviamente, nem armas”, afirmou a premiê sueca, Magdalena Andersson, durante uma coletiva de imprensa em Estocolmo nesta quarta-feira.

Além disso, uma fonte de dentro da aliança euro-atlântica contou à ANSA que a ameaça de veto da Turquia incomodou os Estados Unidos, principal financiador da organização militar.

“Se a estratégia é a de obter concessões dos EUA e de outros aliados, estão alcançando o efeito contrário”, afirmou.

Finlândia e Suécia mantinham uma histórica política de neutralidade militar entre o Ocidente e Moscou, porém abandonaram essa estratégia depois da invasão russa à Ucrânia, que não faz parte da Otan.

As duas nações escandinavas devem participar da próxima reunião da aliança, em Madri, no fim de junho, mesmo com o processo de adesão ainda em andamento.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, já disse que não considera a entrada de Finlândia e Suécia na Otan como uma “ameaça”, porém alertou que a resposta de Moscou dependerá da presença militar da organização nos dois países. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Vídeo: aliados russos exibem bandeira de brasileiro morto na guerra

Publicado

Bandeira de brasileiro morto na guerra da Ucrânia exibida por militares
Reprodução

Bandeira de brasileiro morto na guerra da Ucrânia exibida por militares

A bandeira do Brasil levada para a Ucrânia por André Hack Bahi, primeiro brasileiro morto na guerra contra a Rússia , está em poder de militares da Chechênia. Um vídeo publicado nas redes sociais no fim de semana mostra um combatente checheno, que atua ao lado dos russos no conflito, segurando o símbolo nacional.

As imagens mostram o checheno com a bandeira assinada por Bahi e outros voluntários – brasileiros e de outros países – que foram para a Ucrânia lutar contra os russos. O vídeo foi publicado pelo portal UOL.

Bahi, de 43 anos, lutava ao lado das forças da Ucrânia desde o final de fevereiro e morreu vítima de ataques russos, no começo de junho. Em nota, o Itamaraty informou ter recebido a informação sobre o falecimento da Embaixada do Brasil em Kiev.

No vídeo, o combatente checheno afirma que as legiões estrangeiras chegam à Ucrânia com a expectativa de ter suporte da Otan, mas “assim que este pessoal chega aqui eles se deparam com outra realidade. Eles começam a entrar em pânico”.

Morte em conflito O Itamaraty também informou que o brasileiro morreu “em decorrência do conflito” em território ucraniano. E destaca que mantém contato com os familiares para prestar “toda assistência cabível, em conformidade com os tratados internacionais vigentes e com a legislação local”.

Nascido em Porto Alegre e criado em Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul, ele chegou à Ucrânia no final de fevereiro pela fronteira com a Polônia, tendo ido até lá pagando a passagem do próprio bolso. Antes de ir para a Ucrânia ele esteve em Portugal, vindo de Fortaleza, onde morava.

Segundo a família, um soldado português testemunhou quando Hack Bahi foi alvejado.

Por já ter experiência de combate — além de ter servido e trabalhado como segurança privado no Brasil, ele já tinha feito parte da Legião Estrangeira da França —, rapidamente passou a integrar as Forças Especiais do Exército ucraniano, ao lado de outros dois brasileiros, Leanderson Paulino e André Kirvaitis.


Em entrevista ao GLOBO, Jamille Salati, mãe de dois filhos de Hack Bahi, contou que ele sonhava em participar de confrontos militares e fantasiava morrer no campo de batalha:

“Ele sempre teve esse sonho. Gostava muito de ver o filme “O resgate do soldado Ryan” e dizia que o seu sonho era ir para a guerra, lutar e morrer como herói”, afirmou Salati ao GLOBO. “Eu achava um delírio. Como ele podia pensar uma coisa dessas?”

Salati e Hack Bahi tiveram dois filhos, Leonardo, de 14 anos, e Manuelle, de 9. Eles se conheceram em Eldorado do Sul, na região metropolitana de Porto Alegre, há 19 anos, e se separaram há 9. Ele ainda teve outra filha, Álexyà, de dois anos, com sua atual esposa, que vive em Fortaleza, onde ele também morava antes de ir para a Ucrânia, passando por Portugal.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Internacional

Tiroteio em Illinois: ‘Estou chocado’, diz Joe Biden

Publicado

Tiroteio em Illinois no Dia da Independência
Reprodução: Redes Sociais

Tiroteio em Illinois no Dia da Independência

Durante esta tarde, o presidente norte-americano, Joe Biden, disse estar chocado com o ataque no Desfile do Dia da Independência em Illinois , nos Estados Unidos, e prometeu dar “o total apoio do governo federal” aos investigadores.

“A violência armada sem sentido mais uma vez trouxe sofrimento a uma comunidade americana neste Dia da Independência”, disse, lembrando que assinou recentemente uma lei de segurança de armas.

“Há muito mais trabalho a fazer e não vou desistir de lutar contra a epidemia de violência armada”, finalizou.

O ataque

Um ataque a tiros deixou seis mortos e mais de 20 feridos e fez com que centenas de pessoas fugissem do Desfile do Dia da Independência, em Illinois, nos EUA, na manhã desta segunda-feira (04).

O incidente aconteceu cerca de 10 minutos após o início da cerimônia no centro da cidade de Highland Park, por volta das 10h (horário local).

O atirador, que segundo autoridades usou um rifle de cima de um telhado, não foi preso. Autoridades de Highland Park continuaram em busca do atirador, com a ajuda de autoridades federais.

O que se sabe sobre o atirador

A polícia de Highland Park, Illinois, disse que o suspeito do tiroteio é um homem branco de 18 a 20 anos, com cabelo preto comprido, baixa estatura e vestindo uma camiseta branca ou azul. A arma de fogo foi apreendida no local.

Cadeiras e carrinhos de bebês abandonados

Por volta do meio-dia, as ruas ao redor da rota do desfile foram fechadas e poucas pessoas ainda permaneciam na área. Policiais cercaram a área, alguns deles carregando rifles. Mais cedo, centenas de participantes do evento, alguns ensanguentados, fugiram do local, deixando para trás cadeiras, carrinhos de bebê, brinquedos e cobertores.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana