conecte-se conosco


Saúde

Os principais sintomas de Covid em quem tomou duas ou mais doses

Publicado

source

BBC News Brasil

Os principais sintomas de covid em quem tomou duas ou mais doses de vacina
André Biernath – Da BBC News Brasil em Londres

Os principais sintomas de covid em quem tomou duas ou mais doses de vacina

André Biernath – Da BBC News Brasil em Londres

Nariz escorrendo, dor de cabeça, espirros, dor de garganta e tosse persistente. Esses são os cinco sintomas mais comuns entre as pessoas que tiveram covid após tomarem duas ou mais doses de vacina.

Já nos indivíduos que não foram imunizados, os incômodos mais frequentes da doença são, em ordem decrescente, dor de cabeça, dor de garganta, nariz escorrendo, febre e tosse persistente.

Esses achados vêm de um acompanhamento feito há mais de dois anos no Reino Unido através de um aplicativo criado pela empresa de tecnologia Zoe.

Os dados são analisados em parceria com pesquisadores do King’s College, universidade localizada em Londres, com apoio do NHS, o sistema de saúde pública do país.

Os mais de 4,7 milhões de usuários cadastrados na plataforma online precisam apenas reportar os sintomas que sentem quando testam positivo para covid.

A partir daí, os especialistas analisam todas essas informações e montam uma espécie de ranking dos sintomas mais corriqueiros, que mudaram consideravelmente ao longo das semanas e meses de pandemia.

O trabalho, que até março de 2022 recebia financiamento do governo do Reino Unido, foi fundamental para identificar com rapidez alguns dos incômodos menos esperados da covid, como a perda de olfato e paladar.

Confira a seguir os sintomas mais frequentes da doença de acordo com a quantidade de doses de vacina aplicadas.

Mudança tênue, mas relevante

Entre as pessoas que tomaram ao menos duas doses de vacina, os sintomas de covid mais comuns são:

  1. Nariz escorrendo
  2. Dor de cabeça
  3. Espirros
  4. Dor de garganta
  5. Tosse persistente

Já entre aqueles não tomaram nenhuma dose, o top 5 sofre algumas mudanças:

  1. Dor de cabeça
  2. Dor de garganta
  3. Nariz escorrendo
  4. Febre
  5. Tosse persistente

A principal diferença é a presença da febre entre aqueles que não foram vacinados, o que indica um quadro mais grave. Eles também relatam mais dor de cabeça e dor de garganta em comparação com aqueles que tomaram duas ou mais doses do imunizante.

Vacina

Getty
Vacinação é a principal forma de evitar as complicações mais graves da covid

“Existem algumas razões para explicar essa mudança, como o fato de que indivíduos vacinados têm sintomas menos severos”, analisam os responsáveis pelo experimento, em numa publicação feita no site oficial do aplicativo Zoe em 25 de abril.

“Também precisamos considerar que um volume maior de casos é reportado nos indivíduos mais jovens, que apresentam sintomas diferentes e menos graves”, complementam.

Os autores ponderam que o ranking de sintomas é baseado apenas nas informações compartilhadas dentro do aplicativo. Isso, portanto, não leva em conta a circulação de variantes específicas do coronavírus.

E vale lembrar também que os sintomas de covid podem variar bastante. A lista completa das manifestações típicas da doença, de acordo com o serviço de saúde pública do Reino Unido, inclui:

  • Febre
  • Calafrio
  • Tosse persistente
  • Perda ou mudança de olfato
  • Perda ou mudança de paladar
  • Dificuldade para respirar
  • Cansaço ou exaustão
  • Dor no corpo
  • Dor de cabeça
  • Dor de garganta
  • Nariz entupido ou escorrendo
  • Perda de apetite
  • Diarreia
  • Se sentir mal, com náusea e enjoo

O que devo fazer se estiver com sintomas de covid?

De acordo com autoridades nacionais e internacionais, se você apresentar um ou mais dos sinais típicos da infecção pelo coronavírus, o primeiro passo é ficar em casa e restringir a interação com outras pessoas.

Isso é ainda mais importante se você tem contato com indivíduos vulneráveis às complicações da covid, como idosos ou pacientes com o sistema imunológico comprometido.

Nesse contexto, outro passo importante é fazer um teste para confirmar ou descartar a doença.

Além do RT-PCR, que é considerado o principal e mais confiável método de diagnóstico, é possível encontrar testes rápidos de antígeno em farmácias e laboratórios espalhados pelo país.

Caso o resultado seja mesmo positivo, é importante seguir em isolamento por cinco a sete dias.

Se os incômodos melhorarem depois desse tempo, é possível retomar a rotina. Agora, se eles piorarem (ou aparecerem outros mais graves, como falta de ar), é importante buscar um pronto-socorro.

Mulher fazendo teste de covid

Getty Images
Os testes que detectam a covid analisam a saliva ou as células da garganta atrás de evidências da presença do coronavírus

Essas informações são particularmente relevantes agora, em um momento em que o Brasil apresenta uma nova subida de casos de covid: de acordo com o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), a média móvel diária de novas infecções está em 39,8 mil. Há um mês, em 20 de maio, essa taxa estava em 13,7 mil.

Ficar atento aos sintomas — e como eles podem variar de acordo com a quantidade de vacinas aplicadas — também é importante para o contexto brasileiro. Até o momento, 78% da população do país tomou as duas doses do esquema inicial e 48% receberam o reforço.

Por que vacinados pegam covid?

As vacinas contra a covid disponíveis atualmente foram desenvolvidas com um propósito principal: diminuir o risco de desenvolver as complicações mais graves da doença, relacionadas à hospitalização, intubação e morte.

Independentemente do tipo de tecnologia usada, as vacinas têm um objetivo principal: fazer com que nosso sistema imune seja exposto com segurança a um vírus ou a uma bactéria (ou pedacinhos específicos deles).

A partir desse primeiro contato, que não vai prejudicar a saúde, nossas células de defesa geram uma resposta, capaz de deixar o organismo preparado caso o agente infeccioso de verdade resolva aparecer.

Acontece que esse processo imunológico é extremamente complicado e envolve um enorme batalhão de células e anticorpos. A resposta imune, portanto, pode variar consideravelmente segundo o tipo de vírus, a capacidade de mutações que ele tem, a forma como é desenvolvida a vacina, as condições de saúde da pessoa…

No meio de todos esses processos, portanto, é muito difícil desenvolver um imunizante que seja capaz de evitar a infecção em si, ou seja, bloquear a entrada do causador da doença nas nossas células.

Mas aí vem um ponto muito importante: mesmo nos casos em que a vacina não consegue prevenir a infecção, muitas vezes a resposta imune criada a partir dali pode tornar os sintomas menos graves nas pessoas que foram imunizadas, prevenindo assim doenças mais severas e óbitos.

Isso ocorre, por exemplo, com as vacinas contra o rotavírus e a gripe: quem as toma pode até se infectar, mas o risco de desenvolver formas mais graves dessas doenças é reduzido consideravelmente.

E é exatamente esse mesmo fenômeno que observamos agora com a covid-19: ainda que os imunizantes disponíveis não sejam capazes de barrar novas ondas de casos, eles estão funcionando muito bem para impedir o agravamento da maioria das infecções.

Prova disso são as ondas mais recentes que ocorreram entre o final de 2021 e o início de 2022, relacionadas com o espalhamento da variante ômicron: embora muitos países tenham batido recordes absolutos de casos, a taxa de internações e mortes nesses lugares foi significativamente menor em relação a momentos anteriores da pandemia.

Um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos publicado em março calculou o tamanho dessa proteção. Os dados revelam que adultos que tomaram três doses de vacina contra a covid tem um risco 94% menor de precisar de internação, ventilação mecânica ou morrer, quando comparados àqueles que não se imunizaram.

Uma terceira evidência desse efeito protetor vem do próprio acompanhamento feito pela Zoe e pelo King’s College, mencionado no início desta reportagem.

Sintomas graves da covid, como dificuldade para respirar e febre alta, eram bem mais frequentes no início da pandemia, quando as vacinas ainda não estavam disponíveis.

Com as ondas de casos e, principalmente, a aplicação das doses em boa parte da população, essas manifestações despencaram no ranking, e foram aos poucos substituídas no topo dos relatos por incômodos relativamente mais leves, como nariz escorrendo, dor de cabeça e espirros.

Do ponto de vista prático, em indivíduos vacinados com duas ou mais doses, o coronavírus até consegue invadir as células da boca, do nariz e da garganta, onde vai causar aqueles sintomas típicos de um resfriado.

Felizmente, na maioria desses casos, o sistema imune logo é ativado e impede a progressão do patógeno para os pulmões e para o resto do corpo, onde ele causaria falta de ar, febre, inflamação e outros desdobramentos mais sérios.

Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda uma quarta dose da vacina contra a covid para quem tem mais de 40 anos ou para quem apresenta algum problema imunológico.

Para indivíduos de 13 a 49 anos, são preconizadas três doses. Para crianças de 5 a 11 anos, o esquema inicial com duas doses continua a ser indicado.

‘Este texto foi originalmente publicado https://www.bbc.com/portuguese/geral-61783065


Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal .

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Covid foi duas vezes mais letal em países de baixa renda, diz estudo

Publicado

Trator abre covas para mortos por Covid-19, em Manaus
Michael Dantas/Divulgação

Trator abre covas para mortos por Covid-19, em Manaus


O auge da pandemia de  Covid-19 foi um período onde diversos países do mundo sofreram com a sobrecarga dos seus respectivos sistemas de saúde e, consequentemente, com um grande número de mortes em decorrência da doença. 

Contudo, um estudo conduzido por cientistas e médicos de diversas regiões apontou que a Covid foi duas vezes mais mortal em países de baixa e média renda do que em países desenvolvidos. 

Os resultados e conclusões da pesquisa foram publicados  no BMJ Global Health, importante periódico do Reino Unido voltado a artigos de medicina.

O grupo de pesquisadores foi liderado por Gideon Meyerowitz Katz, epidemiologista da Universidade de Wollongong, na Austrália. Eles analisaram dados de infecções e mortalidade coletados em 25 países em desenvolvimento entre abril de 2020 e fevereiro de 2021, um contexto onde ainda não havia vacinação contra o coronavírus nestes países.

Os cientistas, então, calcularam o IFR (taxa de mortalidade por infecção, em tradução livre) das nações de baixa e média renda. Ao observarem os resultados, eles verificaram que os IFRs por idade específica foram duas vezes maiores nos países em desenvolvimento do que nas nações desenvolvidas. Estudos anteriores feitos pelo grupo já tinham calculado essa taxa em países mais ricos.

Eles observaram também que a soroprevalência, quantidade de anticorpos contra determinada doença, era muito semelhante entre jovens e idosos nestes locais. 

Isso significa que as pessoas mais velhas se contaminaram da mesma maneira que os mais jovens em nações de baixa e média renda, aponta Ana Carolina Peçanha, médica intensivista brasileira do Hospital das Clínicas de Porto Alegre e coautora do estudo.

“Esse resultado deixou claro as dificuldades dos países em desenvolvimento de proteger os idosos do contágio. A gente sabe que muitos desses idosos precisam trabalhar para sobreviver, e muitos deles coabitam domicílios com os mais jovens sem a possibilidade de isolamento, muitas vezes morando em casas com apenas um dormitório”, destacou Peçanha. 

Em contrapartida, nos países desenvolvidos a prevalência de anticorpos diminuía com o avançar da faixa etária analisada. “Isso mostra que, nestes locais, os idosos foram mais protegidos da contaminação pelo vírus.”

Doutora em Ciências Pneumológicas, Ana lança luz ainda para problemas estruturais de acesso aos sistemas de saúde nos países de baixa e média renda, onde se encaixa o Brasil.

“É bem possível que a mortalidade atribuída à Covid-19 mais elevada nesses países em desenvolvimento represente, então, problemas de acessos à saúde, uma vez que a população tem acesso a menos recursos, tanto terapêuticos como de prevenção”, enfatiza.

Convite para participar de estudo e gravidez na pandemia

Ana explica que foi convidada por Gideon Katz para ser coautora da pesquisa após eles se conhecerem nas redes sociais. Os profissionais da saúde ficaram conhecidos por suas análises críticas de artigos relacionados à Covid e, após algumas conversas, o epidemiologista entendeu que seria importante ter uma médica da linha de frente da pandemia no Brasil no seu grupo de pesquisadores.

“Eu fui contatada por ele e por um grupo que estava fazendo uma coleta de avaliação de soroprevalência em países em desenvolvimento. Ele me convidou por saber que eu era médica da linha de frente e que eu conhecia o sistema de saúde do Brasil e as suas complexidades”, explicou.

A médica intensivista relata que no início da pandemia se mostrava ceticista em relação às proporções que a doença poderia tomar, uma vez que em Porto Alegre os casos eclodiram somente por volta de maio de 2020. “Nem sonhava que seria da forma que foi.”

Neste período ela descobriu que estava grávida do segundo filho e passou a trabalhar de forma remota. Ana atuou no contato com familiares dos pacientes que estavam internados.

“Uma das minhas atividades era dar notícias para as famílias dos pacientes, porque visitas não eram permitidas e naquela época a gente não tinha uma ideia clara de como se dava a transmissão do vírus da Covid, ainda usávamos muito bloqueio de contato”, afirmou. 


“Um colega meu nessa época dizia ‘a gente não vai conseguir salvar todos esses pacientes, mas a gente pode salvar 100% das famílias’. Então foi um desafio eu aprender a dar notícias de forma remota, por videochamada ou por telefone, inclusive notícias de óbitos. Mas foi nisso que eu me esmerei, em transmitir as notícias diariamente da maneira mais humanizada possível.”

O filho de Ana nasceu em setembro de 2020 e ela conta que, em meados de fevereiro de 2021, passou a receber muitos relatos de colegas de trabalho falando sobre a sobrecarga no sistema de saúde gaúcho diante do aumento do número de casos graves da doença. 

“Eu vi os meus colegas extremamente queixosos da carga excessiva de trabalho, alguns ameaçando abandonar a profissão e muito desmotivados. Eu ouvi pessoas dizendo que estavam ‘secando gelo’, sem ter o que fazer. As pessoas estavam se sentindo impotentes com o número crescente de óbitos.”

O retorno ao hospital

A profissional da saúde solicitou à chefe o retorno ao hospital diante da situação crítica das UTIs de Porto Alegre, mesmo com mais um mês de licença maternidade para cumprir. Ela contou com o apoio do marido para tomar a decisão e estava muito preocupada com a possibilidade dele ser contaminado pela doença.


Assim que voltou para as atividades presenciais, Ana foi vacinada. Ela foi convidada a exercer um cargo de gestão clínica no hospital Independência de Porto Alegre para coordenar uma UTI que foi aberta emergencialmente com 28 leitos de covid.

“Eu olho para trás e nem acredito que a gente conseguiu superar essa fase. Porque realmente foi muito difícil, era muito trabalho, nós perdemos muitos pacientes e era muito doloroso e emocionalmente pesado. E a gente conseguiu.”

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

‘Estou exausto do diabetes’

Publicado

A luta pelo controle da glicemia é constante
Arquivo pessoal

A luta pelo controle da glicemia é constante

Não! Eu não gostaria de ter diabetes. Aliás, ninguém gostaria de conviver com uma doença crônica que exige cuidado e disciplina todo dia. Por mais que lide bem com tudo isso, tem momento que você se sente cansado ou exausto de tudo isso. Pode não parecer, mas em alguns casos o diabetes chega a ocupar cinco horas do dia de uma pessoa. Isso significa mais de um terço do dia pensando e tomando decisões em relação ao diabetes. Ficar reclamando também não vai ajudar, é preciso fazer algo para tornar essa demanda mais leve e aproveitar a vida da melhor forma.

Qualquer pessoa está sujeita a ter diabetes ou outras doenças. Isso faz parte da nossa existência. Mas o que fazer para deixar a vida mais leve e menos cansativa quanto se tem diabetes?  Separei cinco coisas fundamentais que me ajudam a melhorar o controle do diabetes e consequentemente deixa minha vida mais leve.

Com disciplina e dedicação, os momentos bons chegam
Arquivo pessoal

Com disciplina e dedicação, os momentos bons chegam

Informação

Conhecimento é a base para se ter um bom tratamento de diabetes. Estudar e se informar sobre diabetes vai te ajudar a tomar melhores decisões. O médico não está o tempo todo do seu lado para te auxiliar e quando temos informação ficamos mais seguros para saber o que fazer quando algo acontecer. Nosso corpo é único e pode reagir de forma diferente.


Alimentação

Ter uma alimentação balanceada, com melhores escolhas, é importante para manter o controle da glicose. Muitas pessoas acreditam que a alimentação do diabético é diferente de quem não convive com o diabetes, mas isso não é verdade. Refeições equilibradas, com boas combinações são recomendadas para todas as pessoas e não só para diabéticos. Os grandes vilões são o exagero e o não saber tomar uma decisão correta quando comer algo que pode elevar a glicose.


Atividade Física

O exercício físico deve ser parte do tratamento de quem convive com diabetes. O ato de movimentar o corpo ajuda a manter o diabetes controlado. Além de melhorar a ação da insulina, traz vários benefícios para saúde que vão além do diabetes. Quando estamos nos exercitando o nosso corpo precisa de energia e a glicose é a principal fonte de energia.

Controle Metabólico

Fazer acompanhamento médico é fundamental para manter o tratamento do diabetes em dia. A medicação precisa ser eficiente e, quando isso não acontece ou não está mais funcionando, ajustes precisam ser feitos pelo seu médico. Às vezes, você está há muito tempo mantendo um tratamento que não funciona mais e isso deve ser reavaliado pelo seu médico. Sim, pode acontecer de precisar tomar de medicamento ou de insulina porque o que você está usando já não age mais ou não funciona no seu caso.

Saúde emocional

Cuidar da saúde mental também é muito importante e desafiador. Isso não é apenas para quem tem diabetes, mas para quem precisa tomar decisões importantes toda hora é de fundamental para se ter qualidade de vida. Além de refletir diretamente no diabetes como aumentar a glicose no caso de estresse, tristeza, alegria etc. Outras questões emocionais influenciam no autocuidado, necessário para quem convive com diabetes. Quando a pessoa não está bem emocionalmente, o autocuidado não existe, ou seja, a pessoa deixa de fazer coisas básicas no tratamento porque o diabetes passa a ser algo secundário o que significa um risco maior de complicações.

Bom, esses são os cinco pilares que fazem parte da minha vida e me ajudam a controlar o diabetes e a viver com mais tranquilidade. 

Siga o canal Um Diabético no Instagram  e no Youtube :


Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana