conecte-se conosco


Internacional

Organização Internacional do Trabalho comemora 100 anos de existência

Publicado

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) comemora hoje (11) 100 anos de existência com uma série de eventos denominada “A volta ao mundo em 24 horas”, com apresentações de música, teatro, palestras, debates e homenagens ao redor do globo.

As atrações começaram em Suva, capital das Ilhas Fiji, com danças e músicas típicas, e terminarão em Lima, capital peruana. A série de eventos, em 24 países, está sendo transmitida ao vivo pela plataforma web da OIT.

Em Pretoria, na África do Sul, por exemplo, foi feita uma homenagem a Nelson Mandela com apresentações culturais, além de palestra e debate com o presidente do país, Cyril Ramaphosa.

Além de Suva e Lima, eventos acontecerão em cidades como Bangkok (Tailândia), Nova Delhi (Índia), Adis Abeba (Etiópia), Abidjan (Costa do Marfim), Moscou (Rússia), Paris (França), Washington e Nova York (Estados Unidos), Buenos Aires (Argentina), Genebra (Suíça), entre outras.

As comemorações de hoje coincidem com o aniversário da sessão plenária da Conferência da Paz de Paris, realizada em 11 de abril de 1919, onde se adotou a Constituição da OIT, que passou a fazer parte do Tratado de Versalhes, assinado em 28 de junho do mesmo ano, e que pôs fim à Primeira Guerra Mundial.

Leia Também:  Doze manifestantes são presos em Hong Kong após protestos violentos

A OIT, uma das agências mais antigas das Nações Unidas, fará este ano numerosos eventos comemorativos em todo o mundo. De acordo com a agência, é fundamental exaltar as conquistas e o papel que o organismo exerce na vida das pessoas.

Em janeiro desse ano, como parte das comemorações, foi lançado o informe da Comissão Mundial sobre o Futuro do Trabalho. O documento, que começou a ser preparado em 2016, traz uma reflexão sobre a maneira de se conquistar trabalho decente e sustentável para todos os cidadãos do planeta.

Desafios

Dados do documento “Perspectivas sociais e de emprego no mundo: tendências 2019”, mostram que a maioria das 3,3 bilhões de pessoas empregadas no mundo não tinha um nível suficiente de segurança econômica, bem estar material e igualdade de oportunidades. Além disso, a redução do desemprego observada ao redor do mundo, não refletiu em uma melhora na qualidade do trabalho.

“Ter emprego nem sempre garante condições de vida dignas”, disse Damian Grimshaw, diretor do Departamento de Investigações da OIT. “Por exemplo, um total de 700 milhões de pessoas vivem em situação de pobreza extrema ou moderada mesmo tendo emprego”.

Leia Também:  Onda de calor mata 45 pessoas em Tóquio em uma semana

Outro problema apontado no informe é a diferença de participação de homens e mulheres no mercado de trabalho. Em 2018, a participação feminina foi de apenas 48%, muito abaixo dos 75% da participação masculina.

O trabalho informal também persiste como um grande desafio. São atualmente cerca de 2 bilhões de trabalhadores nessa situação (61% da população ativa mundial).

Outro aspecto preocupante apontado pelo informe é em relação aos jovens. Um em cada cinco jovens (menores de 25 anos) não trabalha, não estuda, nem recebe formação. As perspectivas de trabalho desse grupo acabam por ser bastante comprometidas.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Internacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Internacional

Ativista é esfaqueado em Hong Kong

Publicado

Em Hong Kong, um jovem de 19 anos que estava distribuindo folhetos sobre um protesto pró-democracia foi esfaqueado várias vezes no início da noite desse sábado (19).

Segundo a polícia e a imprensa locais, o jovem foi levado às pressas para um hospital, onde se encontra em estado grave.

O jovem distribuía panfletos pedindo a participação das pessoas numa grande passeata de protesto programada para hoje (20).

Segundo a polícia, um homem de 22 anos se entregou e foi preso como suspeito do ataque.

De acordo com uma testemunha, depois do ataque o homem com uma faca gritou: “Não mexa com Hong Kong. Ela é parte da China.”

Aumenta a ansiedade entre moradores de Hong Kong depois que ativistas pró-democracia se transformaram em alvos de ataques violentos.

Na última quarta-feira (16), um ativista havia sido atacado e seriamente ferido por vários homens.

*Emissora pública de televisão do Japão

 

Edição:

Fonte: EBC Internacional
Continue lendo

Internacional

Após protestos, Chile põe Exército nas ruas

Publicado

Três mortos, mais de 300 detidos e uma onda de incêndios e saques. Diante de protestos violentos, a capital do Chile, Santiago, amanheceu patrulhada por militares, o que não acontecia desde o final da ditadura do general Augusto Pinochet, em 1990.

Quase 10 mil membros das Forças Armadas estão nas ruas da capital. Após o presidente chileno, Sebastián Piñera, decretar estado de emergência, Santiago e outras regiões do país, como Valparaíso e Concepción, estão sob toque de recolher.

As primeiras manifestações começaram de forma pacífica no dia 14 contra o aumento de preço do metrô de Santiago, que passaria do equivalente a US$ 1,12 para US$ 1,16. Ontem (19), o governo anunciou a suspensão do reajuste.

Desde sexta-feira (18), entretanto, os protestos se intensificaram e os chilenos expressam insatisfação com as políticas do governo Piñera, com o sistema previdenciário chileno, administrado por empresas privadas, o custo da saúde, o deficiente sistema público de educação e os baixos salários em relação ao custo de vida.

 

Leia Também:  Equador decreta estado de exceção por causa de protestos

*Com informações da RTP (televisão pública de Portugal).

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Internacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana