conecte-se conosco


Polícia Federal

Operação Passa a Régua combate fraude em recursos do INSS

Publicado


Goiânia/GO – A Polícia Federal, em conjunto com a Força-Tarefa Previdenciária, deflagrou nesta terça-feira (30/11) a Operação PASSA A RÉGUA, com o objetivo de desarticular esquema criminoso especializado em fraudar benefícios de aposentadorias por idade e por tempo de contribuição para pessoas que supostamente não detinham as condições exigidas para a obtenção dessas espécies de recursos.

Aproximadamente 54 policiais federais e 12 servidores do Ministério do Trabalho e Previdência estão cumprindo 16 mandados judiciais, expedidos pela 11ª da Justiça Federal em Goiânia, sendo 11 mandados de busca e apreensão, 4 mandados de prisão preventiva e 1 mandado de medida restritiva, além do sequestro de bens, a serem cumpridos em Goiânia/GO, Serra Talhada/PE, Paranã/TO e São José dos Campos/SP.

A investigação, iniciada em setembro/2021, constatou que o modo de agir do grupo criminoso consistia principalmente em: a) inclusão de tempo de contribuição e salários nos cálculos dos benefícios sem registros dos vínculos empregatícios e/ou recolhimentos como contribuinte individual ou empregado doméstico no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS); b) inexistência do registro digital na base de Gerenciamento de Tarefas do INSS-GET, dos documentos que comprovassem os tempos de contribuições utilizados na concessão dos benefícios; c) retroação da data de início do benefício em quase um ano antes da concessão para gerar alto montante de valores atrasados que eram repassados aos participantes do grupo na fraude.

Ficou constatada a atuação de uma servidora do Instituto Nacional do Seguro Social-INSS, que atuava como concessora do seu suposto companheiro/esposo, de dois irmãos deste e de um sobrinho, além de diversos agenciadores.

A última consolidação dos dados apresentada pelo Núcleo Regional da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista em Goiás (NUINTGO) indicou 1.505 benefícios obtidos fraudulentamente, cujo pagamento provocou um prejuízo aproximado de R$ 76 milhões aos cofres públicos.

A economia proporcionada, considerando-se a expectativa de sobrevida projetada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), chega a R$ 1,4 bilhões, relativos aos valores que seriam desembolsados para pagamentos futuros aos beneficiários.

Os investigados poderão responder na Justiça por organização criminosa, estelionato contra o INSS, peculato, inserção de informações falsas em sistemas de informação da previdência, lavagem de dinheiro, além de outros crimes que venham a ser identificados com a conclusão da investigação, cuja penal máxima total ultrapassa 41 anos de prisão.

A Força-Tarefa Previdenciária é integrada pela Secretaria Executiva do Ministério do Trabalho e Previdência, pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, combatendo crimes contra o sistema previdenciário. Na Secretaria Executiva, a Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista – CGINT é a área responsável pela identificação e a análise das distorções que envolvem indícios de fraudes estruturadas contra a Previdência e Trabalho.

O nome da operação se deu em razão da intensidade da fraude, “passando a régua” nos recursos do INSS.

Será realizada coletiva de imprensa, às 10h00, no auditório da Superintendência Regional da Polícia Federal em Goiás.

Destaca-se que em razão da pandemia de COVID 19, foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, visando preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.

Comunicação Social da Polícia Federal em Goiás

[email protected] | www.pf.gov.br

Contato: (62) 3240-9607 (62) 99216-6260

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia Federal

PF deflagra Operação Reach Stackers para combater o crime organizado no Terminal Portuário de Paranaguá

Publicado


Curitiba/PR – A Polícia Federal e a Receita Federal deflagraram hoje (28/1) a Operação Reach Stackers, que tem como objetivo desarticular grupos criminosos que atuam dentro do terminal portuário de Paranaguá/PR. O grupo operacionalizava e promovia a remessa de carregamentos de cocaína para o exterior em contêineres, sem o conhecimento do exportador, na modalidade conhecida internacionalmente como “RIP ON/RIP OFF”.

Foram expedidos 8 mandados de prisão temporária e 9 mandados de busca e apreensão, para cumprimento nas cidades de Paranaguá/PR, Matinhos/PR e Piraquara/PR. Também foram decretadas medidas patrimoniais de sequestro de imóveis e bloqueio de valores existentes em contas bancárias e de aplicações financeiras.

Trata-se de desmembramento da Operação Enterprise, deflagrada pela Polícia Federal, no dia 23/11/2020, em diversos Estados da Federação e no exterior, para combater um conglomerado de organizações criminosas especializado em tráfico internacional de drogas.

Os investigados são responsáveis por fornecer informações privilegiadas sobre posições, rotas e cargas dos contêineres, para subsidiar organizações criminosas em ações no Porto de Paranaguá, além de movimentarem os contêineres de forma a possibilitar a inserção dos carregamentos de cocaína dentro do pátio do terminal portuário. As ações criminosas ocorriam de forma dissimulada e sem o consentimento da administração do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), que auxiliou no desenvolvimento das investigações.

Os investigados responderão pelos crimes de tráfico transnacional de entorpecentes, com penas que podem chegar até 25 anos de reclusão para cada ação perpetrada, bem como pelos crimes de organização criminosa e de associação para o tráfico, que podem chegar a 24 anos de reclusão.

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

Contato: [email protected]

(41) 3251-7810

*** A operação foi batizada Reach Stackers em alusão ao equipamento de mesmo nome utilizado em terminais portuários para o deslocamento de contêineres.

Continue lendo

Polícia Federal

PF investiga esquema de tráfico internacional de peixes ornamentais no Pará

Publicado


Belém/PA – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (28/1) a operação “Volta Grande do Xingu”, para cumprimento de mandados de prisão e apreensão, em duas cidades paraenses. As ações são decorrentes de investigações sobre o tráfico internacional de peixes ornamentais, organização criminosa e lavagem de capitais.

A Justiça Federal expediu 2 mandados de prisão preventiva e 8 mandados de busca e apreensão, com alvos nas cidades de Altamira/PA e Rurópolis/PA. As medidas cautelares tiveram origem nas prisões em flagrantes realizadas no município de Altamira/PA, no final do ano de 2021 e nas constantes ações de fiscalização ambiental.

São investigados os crimes de organização criminosa, lavagem de capitais, além de crimes ambientais.  As penas podem chegar ao patamar de 21 anos de condenação. 

Comunicação Social da Polícia Federal no Pará

Contato: 91 98586-5044
Email: [email protected]

*** A operação recebeu esse nome em razão das espécies raras de peixes comercializados, as quais são encontrados apenas na região da Volta Grande do Xingu.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana