conecte-se conosco


Internacional

OMS destaca a produção de antivirais genéricos contra a covid-19

Publicado


A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, informou que há dois remédios sendo produzidos por laboratórios para o tratamento da covid-19. Um da farmacêutica Merck, chamado Molnupiravir, e outro da Pfizer, o Paxlovid.

Foram assinados acordos com essas empresas para a produção em versões genéricas por outras companhias. Segundo Swaminathan, isso pode contribuir para agilizar a disseminação dessas alternativas terapêuticas.

“Eles [os medicamentos] estão sendo fabricados por companhias de produtos genéricos, então esperamos que possam ter a distribuição ampliada. As recomendações da OMS deverão vir na próxima semana sobre como usar esses medicamentos”, declarou, em uma entrevista coletiva nesta sexta-feira (21) transmitida pelo canal oficial da OMS.

A cientista-chefe acrescentou que os antivirais atuam na fase inicial da infecção, quando os sintomas ainda estão leves. Os remédios conseguem dificultar a evolução para quadros graves e para a hospitalização. “Mas é preciso diagnosticar as pessoas entre três e cinco dias”, pontuou a representante da OMS.

Durante a entrevista, ela e a diretora do Departamento de Imunização da OMS, Kate O´Brien, ressaltaram a importância da vacinação para conter a disseminação do novo coronavírus, especialmente no cenário de crescimento dos casos com a variante Ômicron.

As duas representantes da OMS também criticaram a produção e difusão de conteúdos falsos sobre a covid-19, o que dificulta a compreensão das medidas preventivas, tanto a vacinação como as chamadas não farmacológicas, como uso de máscara e distanciamento social.

Edição: Aline Leal

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Economia da China se retrai com lockdowns sobre fábricas e varejistas

Publicado

A atividade varejista e industrial da China caiu bruscamente em abril, uma vez que os lockdowns contra a covid-19 confinaram trabalhadores e consumidores em suas casas e afetaram gravemente as cadeias de abastecimento, lançando uma sombra sobre as perspectivas para a segunda maior economia do mundo.

Em março e abril, foram impostos lockdowns totais ou parciais nos principais centros do país, incluindo Xangai, atingindo a produção e o consumo e aumentando os riscos para aquelas partes da economia global fortemente dependentes da China.

As vendas no varejo despencaram 11,1% em abril em relação ao ano anterior, a maior contração desde março de 2020, mostraram dados da Agência Nacional de Estatísticas nesta segunda-feira (16), um declínio mais acentuado do que o previsto em pesquisa da agência de notícias Reuters.

Produção em queda

A produção das fábricas caiu 2,9% em relação ao ano anterior, contrariando expectativa de aumento e marcando o maior declínio desde fevereiro de 2020, já que as medidas contra o vírus afetaram as cadeias de abastecimento e paralisaram a distribuição.

Analistas agora advertem que a atual retração da China pode ser mais difícil de ser superada do que a observada durante o início da pandemia do coronavírus no começo de 2020, sendo improvável que as exportações aumentem e com as autoridades limitadas em suas opções de estímulo.

“O resultado final é que, embora o pior já tenha passado, acreditamos que a economia chinesa terá dificuldades para voltar à sua tendência pré-pandemia”, disseram analistas da Capital Economics.

Os investimentos em ativos fixos, com os quais Pequim conta para sustentar a economia à medida que as exportações perdem impulso, subiram 6,8% nos primeiros quatro meses do ano, em comparação com um aumento esperado de 7,0%.

Continue lendo

Internacional

Áustria diz que não vai entrar na Otan, mas mantém críticas a Putin

Publicado

source
Bandeiras de países-membros da Otan na sede da aliança, em Bruxelas
Getty Images – 13.04.2022

Bandeiras de países-membros da Otan na sede da aliança, em Bruxelas

O governo da Áustria reiterou nesta segunda-feira (16) que não pretende ingressar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mas criticou o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Assim como Finlândia e Suécia, a Áustria é integrante da União Europeia, porém não da Otan, e prega uma postura de neutralidade militar entre o Ocidente e Moscou.

No entanto, os dois países escandinavos mudaram de ideia em função da invasão russa à Ucrânia e já abriram caminho para suas candidaturas a membros da aliança euro-atlântica.

“A estratégia de Vladimir Putin, com o ingresso de Finlândia e Suécia na Otan, escorregou por suas mãos. A Áustria permanecerá neutra, mas isso é, sem dúvidas, mais um sinal da unidade europeia”, afirmou o ministro austríaco das Relações Exteriores, Alexander Schallenberg, antes de uma reunião da UE em Bruxelas.

Os parlamentos sueco e finlandês votarão as candidaturas dos dois países à Otan nesta semana, que devem ser aprovadas com ampla maioria em ambos os casos.

Por sua vez, a Rússia disse que a entrada dos países escandinavos na aliança será um “grave erro com consequências de vasto alcance”.

“O nível geral de tensões militares aumentará, e haverá menos previsibilidade nesse campo. É um pecado que o bom senso seja sacrificado”, ressaltou o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Ryabkov.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana