conecte-se conosco


Saúde

‘O que tomar para covid?’: 4 questões sobre doença

Publicado

source

BBC News Brasil

'O que tomar para covid?': a resposta a essa e outras 4 questões sobre doença
Reprodução: BBC News Brasil

‘O que tomar para covid?’: a resposta a essa e outras 4 questões sobre doença

Para quem conseguiu atravessar os mais de dois anos de pandemia sem ter pegado covid-19, o atual momento não parece muito propício: desde meados de maio, os casos no Brasil voltaram a aumentar.

Uma boa notícia, porém, é que o número de mortes continua baixo.

Em meio à chamada quarta onda, o interesse pela covid-19 no Google subiu em maio no Brasil em relação ao mês anterior, com alta de 20%.

Segundo o buscador, um termo em particular registrou aumento significativo: “teste covid”.

A procura por esse termo aumentou 70% na comparação de maio com abril, e 190% ante a março. Nos últimos 90 dias, o pico de interesse foi alcançado na primeira semana de junho, e as pesquisas vêm aumentando desde o início de maio.

Nesse contexto, o Brasil subiu de posição no ranking mundial de interesse pela covid-19.

Na primeira semana de junho (01/06 a 07/06), o país foi o 11º país a mais buscar pela covid-19 no ranking mundial.

Para se ter uma ideia, nos 30 dias anteriores a 7 de junho, ocupávamos a 22ª posição. Noventa dias antes dessa data, estávamos na 34ª posição.

A pedido da BBC News Brasil, o Google compilou as perguntas mais recentes buscadas sobre a covid-19 no Brasil. Muitas delas mencionam o teste ou como agir no caso de ter a doença.

Confira abaixo o que os brasileiros mais perguntaram ao Google entre 1º e 7 de junho, bem como as respostas a essas dúvidas.

1. O que tomar para covid?

Não é novidade que o brasileiro gosta de se automedicar. Mas é preciso tomar cuidado.

O uso de remédios em casa por quem está com covid deve ter como finalidade aliviar os sintomas da doença. Pense, portanto, em antipiréticos (para diminuir a temperatura e controlar a febre) e analgésicos (aliviar possíveis dores musculares pelo corpo). Ou seja, paracetamol e ibuprofeno, por exemplo.

Medicamentos antivirais, como rendesivir, paxlovid ou molnupiravir, com eficiência comprovada para o tratamento contra o coronavírus, são direcionados para uso em contexto hospitalar.

E não custa lembrar: o chamado kit covid (cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina e, até, algumas vitaminas e minerais, como vitamina D, vitamina C e zinco), cujo uso chegou a ser defendido diversas vezes pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) durante o auge da pandemia, não tem sua eficácia comprovada para combater o vírus e não é recomendado pela Associação Médica Brasileira (AMB). Além disso, pode acarretar graves problemas de saúde, mostram estudos.

Ilustração do vírus da covid-19

Getty Images
Casos de covid-19 vêm aumentando no Brasil

2. Quando fazer o teste de covid?

Vai depender do tipo de teste e se você apresenta sintomas ou não.

São três tipos de teste:

PCR: É considerado o mais eficiente para diagnosticar a covid-19, porque detecta o material genético do vírus na amostra em tempo real. Mas é mais caro, uma vez que precisa ser enviado a um laboratório especializado, e seu resultado pode demorar até 72 horas. Normalmente, é indicado para quem precisa saber se está contaminado e ainda não apresentou sintomas.

A coleta é feita por meio de um swab nasal e deve ser feita em até oito dias após o início de sintomas. Nesse caso, costuma ter 90% de precisão.

Se não houver sintomas, o ideal é esperar cinco dias após o último contato com a pessoa infectada. Caso contrário, é mais alta a chance de falso negativo (ou seja, quando o diagnóstico para a covid é negativo, mas o paciente está infectado com o vírus).

Antígeno: Feito por meio de um swab nasal em farmácias e nas unidades de saúde, também é chamado de “teste rápido”. É indicado para quem tem sintomas, pois detecta a presença do vírus em sua fase de replicação.

Para quem tem sintomas, o teste deve ser feito entre o 1º e o 7º dias. Já quem não teve sintomas, a recomendação é realizá-lo a partir do 5º dia do contato com a pessoa contaminada pelo Sars-CoV-2.

A vantagem desse teste é que ele fica pronto em 30 minutos. Porém, se a carga viral for baixa, aumenta a probabilidade de um falso negativo.

Autoteste: funciona da mesma forma que o teste antígeno, mas você compra na farmácia e faz em casa, por conta própria. As orientações para a realização desse teste são as mesmas das do teste rápido.

O Ministério da Saúde adverte, no entanto, que não se deve utilizar o autoteste “caso você apresente sintomas como falta de ar, baixos níveis de saturação de oxigênio (abaixo de 95%), cianose (cor azulada nas unhas, pele, lábios), letargia (sono profundo), confusão mental, sinais de desidratação”.

Nesses casos, recomenda-se procurar um serviço de saúde o mais rápido possível.

3. Como é feito o autoteste covid?

No autoteste, o indivíduo realiza todas as etapas da testagem, desde a coleta da amostra até a interpretação do resultado, sem a necessidade de auxílio profissional, seguindo atentamente as informações das instruções de uso.

No caso da covid-19, são permitidas as autocoletas de amostras de saliva ou de swab nasal não profundo.

O swab nasal é uma haste fina que tem uma ponta de algodão na qual a amostra vai ser coletada a partir da introdução no nariz (nas duas narinas) de forma não muito profunda.

Por isso, caso o seu autoteste indique esse tipo de amostra, a orientação de como obtê-la adequadamente estará disponível nas instruções de uso.

4. Onde fazer o teste de covid?

Depende do tipo de teste. Testes PCR são normalmente realizados em hospitais, pois dependem de laboratórios, enquanto os antígenos profissionais em farmácias e postos de saúde. Os autotestes podem ser comprados e feitos em casa, por conta própria.

Homem com máscara na mão

Getty Images
Medidas não farmacológicas (distanciamento e uso de máscaras) ‘devem ser encorajadas no atual momento epidemiológico’, segundo o Ministério da Saúde

5. Quantos dias de isolamento covid?

O isolamento deverá ser feito por sete dias, desde que não haja sintomas respiratórios e febre, há pelo menos 24 horas e sem o uso de antitérmicos, segundo a mais recente orientação do governo federal, de janeiro deste ano.

Quem realizar testagem (RT-PCR ou teste rápido de antígeno) para covid-19 com resultado negativo no 5º dia, poderá sair do isolamento, antes do prazo de 7 dias, desde que não apresente sintomas respiratórios e febre, há pelo menos 24 horas, e sem o uso de antitérmicos.

Se o resultado for positivo, é necessário permanecer em isolamento por 10 dias a contar do início dos sintomas.

Para quem no 7º dia ainda apresentar sintomas, é obrigatória a realização da testagem.

Caso o resultado seja negativo, a pessoa deverá aguardar 24 horas sem sintomas respiratórios e febre, e sem o uso de antitérmico, para sair do isolamento.

Com o diagnóstico positivo, deverá ser mantido o isolamento por pelo menos 10 dias contados a partir do início dos sintomas, sendo liberado do isolamento desde que não apresente sintomas respiratórios e febre, e sem o uso de antitérmico, há pelo menos 24h.

Quem não realizou a testagem até o 10º dia, mas estiver sem sintomas respiratórios e febre, e sem o uso de antitérmico, há pelo menos 24 horas, poderá sair do isolamento ao fim do 10º dia.

Para todos os casos em que o isolamento for encerrado no 5º ou no 7º dia, deve-se manter as medidas adicionais até o 10º dia, como usar máscaras, higienizar as mãos, evitar contato com pessoas imunocomprometidas ou que possuam fatores de risco para agravamento da covid-19.

‘Este texto foi originalmente publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-61910972


Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal .

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Saúde

Varíola dos macacos: calendário de vacinação deve sair nesta semana

Publicado

O Ministério da Saúde (MS) deverá saber nesta semana quando terá as primeiras vacinas disponíveis contra a varíola dos macacos.

Segundo a representante da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) no Brasil, Socorro Gross, a fase de tratativas com o laboratório produtor da vacina terminaram, mas falta uma posição do laboratório sobre o calendário de entrega.

“Esperamos ter o calendário das vacinas nesta semana”, disse ela. “Não temos como apresentar um calendário [de entrega de vacina] neste momento. Sabemos que uma parte das vacinas vai chegar em breve. Esperamos que o fornecedor nos especifique quando nós poderemos transportar a vacina para o Brasil”, disse ela, em coletiva de imprensa, no Ministério da Saúde.

A aquisição dessas vacinas deve ser feita através da Opas, uma vez que o laboratório responsável por elas fica na Dinamarca e não tem representante no Brasil. Assim, o laboratório não pode solicitar o registro do imunizante junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e caso o país queira comprá-lo, a OPAS deve intermediar a transação.

Socorro Gross estava acompanhada do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e de secretários da pasta. Queiroga esclareceu que as 50 mil doses solicitadas pelo Brasil, caso cheguem, irão para profissionais de saúde que lidam com materiais contaminados.

“Se essas 50 mil doses chegarem aqui no ministério amanhã, não terão o condão de mudar a história natural da situação epidemiológica em relação à varíola dos macacos. Essas vacinas, quando vierem, serão para vacinar um público muito específico”.

Queiroga também não considera, até o momento, declarar Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin) por causa da doença. Segundo ele, a área técnica do ministério não se manifestou nesse sentido.

Além disso, de acordo com Queiroga, mecanismos de vigilância em saúde já foram reforçados; pedidos de registros de testes rápidos já foram feitos junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); e outras providências podem ser tomadas fora do âmbito da Espin, caso seja necessário.

Até o momento, Estados Unidos e Austrália já declararam emergência em seus territórios.

Dados

Na coletiva de imprensa, o Ministério da Saúde também divulgou dados atualizados sobre a doença. No mundo inteiro foram registrados 35.621 casos em 92 países.

Os países com mais casos são Estados Unidos (11,1 mil), Espanha (5,7 mil), Alemanha (3,1 mil), Reino Unido (3 mil), Brasil (2,8 mil), França (2,6 mil), Canadá (1 mil), Holanda (1 mil), Portugal (770) e Peru (654).

Até o momento, 13 mortes foram registradas, em oito países. São eles: Nigéria (4), República Centro-Africana (2), Espanha (2), Gana (1), Brasil (1), Equador (1), Índia (1) e Peru (1).

No Brasil, foram confirmados até o momento 2.893 casos. Além disso, existem 3.555 casos suspeitos de varíola dos macacos, com uma morte.

Entre os contaminados, 95% são homens e a maioria está na faixa dos 30 anos de idade. Apesar de ser uma doença que acomete, em sua maioria, homens que fazem sexo com homens, o ministro faz um alerta para não se estigmatizar a doença a esse grupo específico ou mesmo discriminá-lo.

“Essas referências feitas aqui a homens que fazem sexo com homens é uma constatação tão somente epidemiológica. Não podemos incorrer nos erros do passado. Nós já sabemos o que aconteceu na década de 80 com HIV/Aids. Não é para discriminar as pessoas, é para protegê-las”.

Queiroga também afirmou que apesar do nome, a doença não é transmitida pelos macacos e fez um apelo para a não agressão desses animais, por medo da doença.

“A varíola dos macacos é uma zoonose e o roedor é a provável origem da zoonose. Não é o macaco. O macaco é tão vítima da doença quanto nós, que também somos primatas. Portanto, não saiam por aí matando os macacos achando que vão resolver o problema da varíola dos macacos”.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

Saúde

Ministério compra 1 milhão de doses de CoronaVac para crianças

Publicado

Vacinação de crianças de 3 a 5 anos com CoronaVac já começou no Brasil
Tânia Rêgo/Agência Brasil – 26/01/2022

Vacinação de crianças de 3 a 5 anos com CoronaVac já começou no Brasil

O Ministério da Saúde comprou 1 milhão de doses de CoronaVac do Instituto Butantan para crianças de 3 a 5 anos. O anúncio foi feito nesta segunda-feira, data que marca um mês do aval à vacinação, após O GLOBO mostrar que a falta de imunizantes fez com que a imunização do grupo não avançasse.

A instituição prevê entregar as doses em setembro:

“A pasta oficializou a compra de um milhão de doses, que devem ser entregues até meados de setembro. Vale lembrar que o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção do imunizante, que está sendo importado da China, é capaz de suprir a demanda de seis milhões de doses de CoronaVac”, diz a nota do Butantan.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana