conecte-se conosco


Política MT

“O objetivo deles com o VLT era roubar, e roubaram muito”, afirma governador ao defender a troca de modal

Publicado

Mauro Mendes voltou a afirmar que decisão pela troca do VLT pelo BRT só foi tomada após estudo de viabilidade técnica

Em entrevista na rádio CBN Cuiabá, na manhã desta quarta-feira (13), o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, afirmou que o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), foi uma decisão errada desde o seu nascedouro. Segundo Mendes, a definição por VLT foi para roubar o Estado: “roubaram muito, foram R$ 18 milhões em propina”, argumentou.

“Sempre disse que nós daríamos uma solução para o VLT. Para terminar esse problema gigante que criaram aqui no Estado. No início, lá atrás, era BRT. O objetivo deles com o VLT era roubar, e roubaram muito, R$ 18 milhões de propina. Arrumaram um laudo falsificado. Essa história começou errado na origem. O ex-governador Silval Barbosa confessou que foram R$ 18 milhões de propina”, disse o governador democrata.

Conforme Mendes, “tudo que nasce errado, para consertar é complicado. Inclusive, o contrato com o consórcio do VLT não existe mais”, declarou.

Mendes argumentou que sua decisão para mudar de VLT para BRT foi totalmente técnica. “A decisão está baseada em um estudo técnico, com mais de 1.400 páginas, realizado pela Comissão de Mobilidade Urbana do Governo Federal e pelo Governo de Mato Grosso”.

O governador democrata fez questão de citar, entre outras coisas, que o estudo compara as diferenças entre os modais VLT e BRT – com vantagens financeiras para este último – além de menor prazo para licitação e conclusão, menor custo de operação e passagens a R$ 3,04. Com o VLT a tarifa seria de R$ 5,28.

O BRT, segundo o governador, deve ser implantado em até 24 meses, ao custo de R$ 430 milhões (para a compra dos veículos). Mendes recordou que gostaria de ter tomado essa decisão ainda em 2019, mas descobriu que o problema do VLT “era muito mais complexo, com oito ações correndo na Justiça”.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Emanuel cobra contribuição do agronegócio para o desenvolvimento dos municípios da Baixada Cuiabana

Publicado

Questão foi levantada pelo prefeito de Cuiabá nesta sexta-feira ao ser eleito
presidente do Consórcio do Vale do Rio Cuiabá [Foto – Luiz Alves]

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), em discurso de posse como presidente do Consórcio do Vale do Rio Cuiabá, na sexta-feira (15), subiu o tom em relação ao agronegócio mato-grossense. Conforme Pinheiro, é necessário discutir o agronegócio. Pinheiro quer que o agronegócio, um dos mais importantes setores da economia mato-grossense, retorne mais divisas para os municípios da Baixada Cuiabana.

“O agronegócio está explodindo, um vetor importantíssimo para a balança comercial e desenvolvimento do País, por isso, é necessário entender o que a nossa região está ganhando com o boom do agronegócio. É necessário discutir o agronegócio. Temos que ver o que o agronegócio está retornando para a Baixada Cuiabana”, questionou.

“Preparamos esse desenvolvimento para o Estado, renunciamos investimentos para a nossa região. Precisamos de uma distribuição melhor de renda”, disse o prefeito.

“Não sou contra a concentração de renda, mas é preciso distribuí-la melhor. Os municípios do Vale do Rio Cuiabá precisam ter esse tema em pauta”, destacou.

“Só entendo o processo desenvolvimentista da região da Grande Cuiabá com um plano de desenvolvimento integrado entre os 13 municípios consórcio. Nós temos história, tradição”, afirmou.

Criado em dezembro de 2005, o Consórcio Vale do Rio Cuiabá é formado por Cuiabá, Várzea Grande, Acorizal, Barão de Melgaço, Chapada dos Guimarães, Jangada, Nobres, Nossa Senhora do Livramento, Nova Brasilândia, Planalto da Serra, Poconé, Rosário Oeste e Santo Antônio de Leverger. Com uma área aproximada de 76 mil quilômetros quadrados, esses municípios somam mais de 1 milhão de habitantes.

 

 

Continue lendo

Política MT

TCE amplia teletrabalho e orienta servidores a adotarem quarentena antes do retorno às atividade presenciais

Publicado

Atividades presenciais no órgão estão previstas para voltar em 25 de janeiro, após recesso de fim de ano

Diante do aumento preocupante dos casos do novo coronavírus (Covid-19) em Cuiabá e levando em consideração a projeção de colapso na rede de Saúde, o presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), conselheiro Guilherme Antonio Maluf, determinou novas regras para o funcionamento do órgão. As medidas constam na Portaria 001/2021, assinada em conjunto com o Ministério Público de Contas (MPC-MT), publicada no Diário Oficial de Contas desta sexta-feira (15).
De acordo com o documento, o retorno das atividades presenciais, que aconteceria no dia 18 de janeiro, será transferido para o dia 25 de janeiro, com exceção das atividades essenciais, que já estão em funcionamento. Para a próxima semana, foi prorrogado o período do plantão estabelecido nas Portarias nº 005/2020 e 122/2020 do TCE-MT de 15 de janeiro até 22 de janeiro de 2021,mantendo-se a atual escala de plantonistas.

O TCE-MT orienta a todo o corpo funcional que, nos próximos 9 dias, reforce o isolamento social e promova uma quarentena antes do retorno.
Os Protocolos de Biossegurança estabelecidos pelo Comitê de Biossegurança, instituído pela Portaria nº 122/2020, deverão ser observados pelos membros, líderes, servidores, colaboradores, prestadores de serviços, bem como pelos fornecedores, jurisdicionados e demais pessoas que acessem e permaneçam nas instalações do TCE-MT.
Entre as instruções descritas na portaria, está a de os servidores comunicarem os respectivos líderes seu enquadramento em situações como: regresso de viagem depois do dia 15/01/2021; apresentação de sintomas da Covid-19 pelo próprio servidor ou por alguém de seu convívio direto; visita, como paciente ou acompanhante, à clinicas ou hospitais depois do dia 15/01/2021. Os servidores que se enquadram nestas situações deverão ser mantidos em teletrabalho até que se completem 10 dias da ocorrência.
Os líderes das unidades ficarão responsáveis por definir e informar à Secretaria de Gestão de Pessoas e à Assessoria Estratégica de Segurança até 20 de janeiro, quais servidores irão atuar de forma presencial, e deverá se limitar a 30% do quadro funcional, respeitando todos os protocolos de biossegurança implantados pelo órgão.

Os servidores que se enquadram nos grupos de risco ou de vulneráveis à Covid-19 deverão continuar suas atividades em regime de teletrabalho, assim como servidores que habitam, na mesma residência, com pessoas que se enquadram nos grupos de risco ou de vulneráveis.
O retorno da totalidade dos servidores ao cumprimento do expediente presencial será realizado de modo gradual e ficará condicionado à evolução das medidas de afrouxamento do distanciamento social pelas autoridades públicas, conforme diretrizes a serem expedidas pela presidência.
O horário do expediente presencial será das 08 às 12h. O atendimento ao público, advogados e gestores será realizado somente em casos excepcionais, com pré-agendamento, sempre priorizando o atendimento virtual.

PRAZOS 

Os prazos processuais voltam a correr normalmente no dia 20 de janeiro, sendo retomados no estágio em que se encontravam no momento da suspensão, sendo restituídos por tempo igual ao que faltava para a sua complementação. As sessões do Tribunal Pleno e das Câmaras serão realizadas conforme regulamento próprio, de forma virtual, a partir de fevereiro.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana