conecte-se conosco


Saúde

Número de mortes por covid-19 cai 7% em uma semana

Publicado


.

O número de novos óbitos pela covid-19 na 31ª semana epidemiológica (última semana de julho) foi de 7.114, uma redução de 7% na comparação com a semana anterior (7.677), mesmo após o recorde de mortes do dia 29 de julho, que registrou 1.595 casos. É a primeira vez desde o final de junho que o número semanal de óbitos cai no país, segundo balanço epidemiológico apresentado pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira (5).

“O Brasil, que vinha durante cinco ou semanas epidemiológicas em um número estável, embora muito alto, teve uma queda entre a 30ª e a 31ª semana epidemiológica”, afirmou secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros. Com isso, na comparação mundial, os Estados Unidos, que chegaram a experimentar uma forte queda no número de mortes pela doença, voltaram a registrar números crescentes e ultrapassaram o Brasil na última semana, em número de óbitos, com 7.768 novos casos, de acordo com os números da pasta.

Apesar da redução, o Brasil está há mais de dois meses em um patamar acima de 7 mil mortes por semana, em decorrência da covid-19. Ao todo, já são 97,2 mil óbitos e um total de 2,85 milhões de infecções registradas no país desde o início da pandemia. 

Evolução de casos

De acordo com o Ministério da Saúde, a covid-19 segue se desenvolvendo de forma diferente em cada estado. O número de novos casos da doença vem apresentando redução em 11 unidades da federação: Roraima (-17%), Amapá (-9%), Pará (-26%), Acre (-13%), Rondônia (-39%), Mato Grosso do Sul (-6%), Rio Grande do Sul (-8%), Rio de Janeiro (-48%), Bahia (-14%) e Paraíba (-12%). 

Há oito estados onde o número de novos casos apresenta um resultado estável: Amazonas, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Piauí e Ceará. Já em outros oito estados, houve aumento no número de casos: Santa Catarina (39%), São Paulo (8%), Espírito Santo (12%), Sergipe (22%), Alagoas (21%), Rio Grande do Norte (33%), Tocantins (19%) e Maranhão (7%). 

Evolução de óbitos   

A maioria dos estados apresentou redução no número de novos óbitos por covid-19 na última semana. Segundo o balanço do Ministério da Saúde, houve queda de óbitos em Roraima (-9%), Amazonas (-16%), Amapá (-71%), Pará (-71%), Rondônia (-43%), Maranhão (-40%), Piauí (-13%), Ceará (-27%), Paraíba (-20%), Pernambuco (-20%), Alagoas (-10%), Sergipe(-24%), Rio de Janeiro (-16%), São Paulo (-8%) e Paraná (-7%).

Em Goiás, Tocantins, Minas Gerais e Espírito Santo, o número de novos óbitos na última semana permaneceu em situação estável na comparação com a semana anterior. Já o aumento do registro de novas mortes foi verificado em oito Unidades da Federação: Acre (100%), Mato Grosso (8%), Mato Grosso do Sul (28%), Bahia (9%), Rio Grande do Norte (107%), Santa Catarina (26%) e Rio Grande do Sul (21%).

Veja entrevista online na íntegra

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Saúde

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS lamenta marca trágica de 1 milhão de mortes por Covid-19

Publicado


source
O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus
Foto: Reprodução/Instagram

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), lamentou nesta terça-feira (29) que o mundo tenha atingido 1 milhão de mortes por Covid-19, mas afirmou que “nunca é tarde para reagir”.

Tedros afirmou que a marca é “um momento difícil para o mundo”. No entanto, destacou que sinais de esperança encorajadores para o futuro.

Em um artigo publicado no jornal britânico “The Independent”, o diretor-geral da OMS cita exemplos de países que responderam de forma eficaz e integrada à pandemia.

Na América do Sul, deu o exemplo do Uruguai, que tem o menor número de casos e mortes da região. “Isso não é um acidente. O Uruguai tem um dos sistemas de saúde mais robustos e resilientes da América Latina, com investimento sustentável baseado em um consenso político sobre a importância de investir em saúde pública”, disse Tedros.

Para o diretor-geral da OMS, a situação pode ser revertida. “Nunca é tarde para mudar o curso das coisas”, afirmou ele.

Tedros reiterou as recomendações que têm sido feitas pela OMS desde o início da pandemia, como a adoção de regras para que as pessoas evitem espaços fechados e lugares lotados, além da criação de sistemas para rastrear contatos com infectados.

O representante da OMS voltou a pedir apoio para o programa da entidade para distribuir de forma igualitária vacinas contra a Covid-19. O projeto precisa de US$ 35 bilhões, apenas 1% do que os países do G-20 já injetaram em suas respectivas economias em pacotes de estímulo.

“A história nos julgará pelas decisões que tomaremos e não tomaremos nos próximos meses. Vamos aproveitar a oportunidade e transpor as fronteiras nacionais para salvar vidas e meios de subsistência”, escreveu.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

1 milhão de mortos: gráficos mostram onde a Covid-19 se espalha e mata mais

Publicado


source

BBC News Brasil

undefined
Equipe de jornalismo de dados – BBC News

Vítima de coronavírus é enterrrada em Jacarta, na Indonesia.

O novo coronavírus levou à morte mais de 1 milhão de pessoas ao redor do mundo. Essa marca foi atingida pouco mais de dez meses depois da primeira morte confirmada oficialmente na China, em janeiro de 2020.

O vírus continua a se espalhar pelo mundo, com mais de 32 milhões de casos em 188 países. E regiões e países que aparentemente haviam tido sucesso na contenção inicial da pandemia passaram a enfrentar o crescimento das infecções mais uma vez.

mortes por regiao

BBC

Onde os casos e as mortes estão crescendo?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o número de mortes pode chegar a 2 milhões antes de uma vacina estar amplamente disponível para a população.

Algumas regiões têm enfrentado novos avanços da doença nos últimos meses, a exemplo da Índia e do continente asiático.

Dados oficiais do governo indiano apontam que o número de infecções passou de 6 milhões, o segundo maior do mundo em números absolutos, depois dos Estados Unidos, com 7,1 milhões de casos.

Em terceiro aparece o Brasil, com 4,7 milhões de casos confirmados. Especialistas apontam, no entanto, que o número de pessoas infectadas nesses países é muito maior do que as cifras oficiais.

O vírus parece se espalhar muito mais rápido na Índia do que em qualquer outro lugar, com mais de 90 mil casos por dia da doença no início de setembro.

O número de infecções tem aumentado no país em meio à decisão das autoridades de suspender medidas adotadas para conter o avanço da doença, com o objetivo de tentar reanimar a economia.

Por outro lado, a Índia tem conseguido aumentar o número de testes realizados para detectar que está infectado, inclusive pessoas sem sintomas.

A Índia tem mantido uma taxa de mortes relativamente baixa tendo em vista o tamanho de sua população, que soma 1,35 bilhão de habitantes.

Na América Latina, o Brasil tem o maior número de mortes em números absolutos, com 140 mil até agora. Em seguida vem México, com 76 mil, e o Peru, com 32 mil.

Por outro lado, a Argentina, com menos mortes (15 mil), tem enfrentado um crescimento acelerado dos casos, com mais de 700 mil notificações. É praticamente o mesmo patamar do México (726 mil) e do Peru (800 mil).

No Oriente Médio, o Irã foi duramente atingido pelo vírus no início da pandemia, e nas últimas semanas o país atingiu o maior número de novos casos diários desde o início de junho.

O vizinho Iraque tem registrado um aumento constante de casos.

covid por continente

BBC

Os casos também continuam aumentando na Indonésia e o país registrou mais de 10 mil mortes, o número mais alto no sudeste da Ásia.

A África registrou mais de 1,4 milhão de casos confirmados, embora não se sabia a real extensão da pandemia no continente.

As taxas de pessoas testadas são bastante baixas, o que pode distorcer estimativas oficiais. A África do Sul e o Egito registraram os maiores surtos registrados até agora no continente.

Short presentational grey line

BBC

Casos de covid-19 crescem novamente na Europa

Diversos países europeus estão enfrentando um novo aumento diário do número de casos em meio aos temores de uma nova onda severa do vírus.

Vários países europeus voltaram a adotar quarentenas e outras restrições em suas regiões mais afetadas, e há apelos renovados para que as pessoas usem máscaras e respeitem as regras de distanciamento social.

O padrão de aumento de infecções em seguida ao afrouxamento de restrições não se limita à Europa.

Israel impôs um novo lockdown nacional após registrar um número recorde de casos nos últimos dias.

Entre outros países que viram o ressurgimento do vírus estão Rússia, Peru, Coreia do Sul, Canadá e Austrália. Por outro lado, após a volta das medidas restritivas mais duras, alguns deles agora já registram queda dos casos novamente.

Na tabela abaixo, os países podem ser reordenados por mortes, taxa de mortalidade e total de casos. Nas barras coloridas à direita, os países cujos casos aumentaram para mais de 5.000 por dia são aqueles com barras pretas na data relevante.

Short presentational grey line

BBC

Número de casos nos EUA desacelera

Os Estados Unidos registraram mais de 7 milhões de pessoas infectadas, mais de um quinto do total ao redor do mundo (33 milhões). No país, a pandemia cresceu pela segunda vez em julho, depois passou a cair em agosto, e agora dá sinais de novo crescimento.

Com mais de 200 mil mortes, os Estados Unidos lideram também a lista do maior número de mortes.

covid nos eua

BBC

Projeções da Universidade de Washington apontam que mais de 370 mil pessoas podem morrer no país até o fim deste ano, mas essa cifra pode ser reduzida para 273 mil caso 95% dos habitantes passem a usar máscara.

A pandemia teve efeitos devastadores na economia americana, com uma queda do PIB (soma de todas as riquezas produzidas) de 33% no trimestre de abril a junho.

Short presentational grey line

BBC

Como a covid-19 se espalhou?

O vírus Sars-CoV-2, que causa a infecção respiratória covid-19, foi detectado inicialmente na cidade chinesa de Wuhan no fim de 2019.

O surto se espalhou rapidamente ao redor do mundo nos primeiros meses de 2020, e em 11 de março a OMS declarou a pandemia global.

O termo pandemia é adotado quando uma doença infecciosa passa facilmente de uma pessoa para outra em várias partes do mundo ao mesmo tempo.

A Europa e a América do Norte registraram suas primeiras grandes epidemias em abril, mas enquanto flexibilizavam as medidas de contenção, a América Latina e a Ásia começaram a ter novos picos de casos.

Governos ao redor do mundo foram forçados a limitar a circulação de pessoas e fechar o comércio, ambientes de trabalho e escolas em uma tentativa de desacelerar a propagação do vírus. A estratégia teve um impacto devastador na economia global.

Os danos às principais economias mundiais são quatro vezes piores do que a crise financeira global de 2009, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Enquanto isso, a ONU afirmou que até 265 milhões de pessoas podem morrer de fome até o final do ano devido ao impacto da covid-19 e suas consequências.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana