conecte-se conosco


Tribunal de Justiça MT

Núcleo da Justiça Restaurativa realiza círculos de paz para rede de ensino em Campo Novo do Parecis

Publicado

O Núcleo Gestor da Justiça Restaurativa (NugJur) do Tribunal de Justiça de Mato Grosso tem percorrido várias comarcas do interior para a realização de Círculos de Construção de Paz e de Práticas Restaurativas. O trabalho é destinado a equipes da educação, alunos e alunas da rede pública de ensino e profissionais de várias áreas, com a apresentação das práticas restaurativas, ferramenta adequada para solução de conflitos, fomento do diálogo e cultura da pacificação social. A Comarca de Campo Novo do Parecis recebeu a equipe do NugJur, onde foram realizados seis círculos em dois dias (9 e 10 de junho).
 
De acordo com a juíza Cláudia Anffe Nunes da Cunha, coordenadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) da Comarca de Campo Novo do Parecis, atualmente os conflitos escolares estão sendo uma constante preocupação. “As queixas sobre bullying, desrespeito a professores e outros colegas, dificuldades no convívio escolar são frequentes e dificultam sobremaneira o aprendizado e relacionamento”, diz a magistrada.
 
Nesse contexto, segundo a magistrada, os círculos de paz são essenciais para iniciar esses diálogos, humanizar os problemas pessoais, permitir o lugar de fala e a escuta, o que faz com que os próprios alunos e alunas acabem conhecendo um pouco mais da vida, sentimento e contexto de seus colegas.
 
Muitas vezes acabam compreendendo o comportamento do outro, unindo mais a turma e até mesmo permitindo aproximação daqueles com quem têm conflito. No mesmo sentido com relação aos demais profissionais, que acabam obtendo respostas para determinados comportamentos e podem buscar um caminho melhor para resolução do conflito. Essencialmente, o círculo de paz é uma ferramenta extremamente necessária e reflexiva para o contexto escolar”, complementa a juíza.
Para a juíza, as ações realizadas pelo NugJur nas comarcas são essenciais para difundir as ferramentas de resolução consensual de conflitos, com profissionais capacitados e estrutura. Possibilita também que as comarcas do interior tenham acesso aos círculos de paz e cursos para formação de facilitadores, podendo utilizar de forma efetiva as ferramentas adequadas para a busca da paz.
 
“Os resultados com certeza podem ser mais efetivos na medida em que forma profissionais capacitados para utilização dos círculos de paz, de acordo com a realidade local e com profissionais próximos para atender as demandas. Projetos como o que se pretende iniciar em Campo Novo do Parecis, dos círculos de paz nas escolas, são exemplos de resultados mais efetivos com as ações do NugJur que proporcionou aos diretores, professores, coordenadores, e outros membros dos mais diversos setores da sociedade terem conhecimento dos círculos de paz. Isso causou grande impacto e um importante feedback dos envolvidos que demonstraram interesse e satisfação de ter a ferramenta à disposição. Portanto, resta indubitável a importância de sua utilização nos meios conflituosos a fim de buscar a paz de forma efetiva”, afirma a magistrada.
 
O gestor do Cejusc da Comarca de Tangará da Serra, José Nivaldo de Lima, foi um dos facilitadores e diz que os círculos de construção de paz proporcionam empoderamento de todos os participantes, onde todos compartilham experiências e vivências.
 
“É uma ferramenta de pacificação que contribui muito para melhorar o relacionamento entre as pessoas e superou expectativas. Os próprios participantes relataram que o círculo vai ao encontro do que a educação está passando, que é o retorno das crianças às aulas, após a pandemia, onde estão agitadas, com uso excessivo de tecnologia e conversam muito pouco, ficando distantes da realidade.”
 
De acordo com José Nivaldo de Lima, os círculos oportunizam os participantes a estar frente a frente, compartilharem suas experiências e conhecer a melhor experiência de vida. “As pessoas passam a ter empatia um pelo outro, o que tem reflexo direto com grupo, seja na sala de aula, entre professores e professoras ou alunos e alunas. É um trabalho de humanização. As pessoas acabam lembrando, antes de qualquer coisa, que somos seres humanos e valorizando esse lado humano resgata-se o bom relacionamento. O círculo é sobre todos os presentes. A igualdade, valorização, empatia, respeito. O que enriquece o círculo é esse espaço igualitário”, afirma.
 
Também participaram as facilitadoras do NugJur, Roseli Barreto Coelho, Sandra Maria da Costa Félix e a facilitadora da Secretaria de Educação de Campo Novo do Parecis, Thais Cunha de Oliveira.
 
Esta matéria possui recursos de texto alternativo para promover a inclusão das pessoas com deficiência visual.
 
Primeira imagem: foto horizontal onde aparecem os alunos que aprticiparam do círculo de paz. Eles estão em pé, de mãos dadas e o foco da imagem é das mãos, com close para o centro do círculo, onde no chão estão objetos utilizados na dinâmica, como bonecos, cartazes, que estão em cima de um tapete.  
Segunda imagem: foto onde o primeiro plano com os objetos no centro do círculo de paz desfocados e ao fundo aparecem somente os pés dos estudantes. 
Terceira imagem: facilitadores designados pelo NugJur. São quatro mulheres e um homem. Eles estão em pé, abraçados, um ao lado do outro.
 
Dani Cunha/Fotos: NugJur e Prefeitura de Campo Novo do Parecis
Coordenadoria de Comunicação da Presidência do TJMT
 
 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tribunal de Justiça MT

Poder Judiciário apoia o 1º Arraiá do Serviço do Acolhimento de Alto Taquari

Publicado

As crianças e adolescentes que se encontram no Serviço do Acolhimento de Alto Taquari (a 479 km ao sul de Cuiabá) terão um dia pra lá de especial com direito a brincadeiras, quadrilha, comidas típicas e muita animação no 1º Arraiá do Serviço do Acolhimento de Alto Taquari. O Poder Judiciário é um dos apoiadores da festa, que acontece neste sábado (25.06), às 16h, no bairro Gabriela, e irá reunir aproximadamente 100 pessoas entre crianças, adolescentes, colaboradores do Serviço de Acolhimento, Fórum da cidade, Assistência Social e seus familiares.
 
Segundo a Juíza da Vara Única de Alto Taquari, Marina Dantas Pereira, a ideia da festa junina partiu de uma assessora dela como uma oportunidade de confraternização com as oito crianças e adolescentes que estão no Serviço de Acolhimento.
 
“A Grazi trouxe a ideia de fazer a festa junina e todo mundo adorou, principalmente as crianças e adolescentes. Inicialmente era para ser algo mais simples, mas a gente foi conseguindo doações, parcerias e agora vamos fechar a rua em frente ao Lar para realizar o arraiá”, conta.
 
A supervisora do Serviço de Acolhimento a Criança e Adolescente, Lesley Any Batista Ferreira, detalha que uma parte da comida virá da Prefeitura Municipal, outra dos participantes, além de algumas doações. “A comunidade em geral está envolvida, comerciantes, advogados, Ministério Público, doaram dinheiro, brinquedos, comida para que seja um dia especial. A tenda, mesas e cadeiras virão do Grupo Conviver e o som um servidor do Fórum levará”.
 
No cardápio do Arraiá muitas comidas típicas como cachorro quente, cri cri, canjica, pipoca, caldo de costela, bolo de milho, algodão doce e refrigerantes. Além de brincadeiras como pescaria gratuita, dinâmicas, quadrilha e música. “Essa a primeira vez que vamos realizar uma festa desse tamanho, as crianças e adolescentes estão bastante empolgadas. Elas estão ajudando a fazer a decoração e ainda poderão convidar dois amigos para participar. Muitos não veem a hora de começar. Será uma festa familiar, sem bebida alcoólica, mas com muita diversão”, ressalta.
 
#Paratodosverem Esta matéria possui recursos de texto alternativo para promover a inclusão das pessoas com deficiência visual. Descrição de imagem: arte colorida retratando o convite, com símbolos juninos como milho, balão de São João, fogueira e bandeirinhas.
 
 
Larissa Klein
Assessoria de Imprensa CGJ
 
 

Continue lendo

Tribunal de Justiça MT

Processo Judicial Eletrônico supera em junho a marca de 3 milhões de movimentos processuais

Publicado

O Poder Judiciário de Mato Grosso caminha para encerrar o mês de junho superando a marca de 3 milhões de movimentos no Processo Judicial Eletrônico (PJe)s. Faltando uma semana para o encerramento do mês, foram registrados 25.103 casos novos enquanto foram baixados 35.578, mantendo a tendência de redução dos casos pendentes, que totaliza 837,8 mil casos.
 
Com esse resultado, a Justiça estadual anota no primeiro semestre de 2022, de janeiro a junho, 219.286 recebidos e, em contrapartida, baixou 238.167 peças. A redução do número de casos pendentes é o sinal do caminho percorrido pelo Judiciário mato-grossense na busca pela maior eficiência com uso da tecnologia, da melhoria das rotinas e da capacidade dos colaboradores. Independente da situação, e até diante de dificuldades, como as provocadas pela pandemia, o Judiciário mato-grossense continua produzindo.
 
Para suportar essa carga de feitos, a Alta Administração da Justiça, sob o comandado da desembargadora Maria Helena Póvoas, tem investido na capacidade tecnológica da plataforma digital do PJe que está preparada, com a mais recente atualização, para dar efetividade à Justiça 4.0. Essa modernização permitiu ao sistema atuar de forma mais leve, mais rápido e também, de acordo com a Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI), do Tribunal de Justiça, com a automatização de diversos serviços que têm, como propósito, facilitar a vida dos usuários, especialmente dos magistrados e magistradas, servidores e servidoras.
 
A direção do Judiciário tem claro que os investimentos no PJe tem possibilitado a cada dia atingir mais agilidade na tramitação dos processos. Além da celeridade, o PJe representa transparência, facilidades para advogados e partes, economicidade e compromisso com a sustentabilidade. “É um trabalho fenomenal, nos bastidores ou na frente do serviço, que necessita diariamente de cuidado e determinação de todos os atores envolvidos direta e indiretamente nesse serviço”, frisou o coordenador de TI, Thomás Augusto Caetano.
 
Álvaro Marinho
Coordenadoria de Comunicação da Presidência TJMT
 
 

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana