conecte-se conosco


Política Nacional

Novo episódio do ‘racha’! Presidente do PSL vai demitir advogada de Bolsonaro

Publicado

source
BolsoBivar arrow-options
Reprodução/Facebook

Relação entre o presidente e o líder do partido se deteriorou nos últimos dias

Em meio à crise com o presidente Jair Bolsonaro , o presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, decidiu romper o contrato com a advogada eleitoral Karina Kufa . A aliados, Bivar justificou ter havido “quebra de confiança” e sustentou que a demissão é inevitável. Na noite de terça-feira, a legenda convocou uma reunião emergencial na Câmara com deputados e senadores para avaliar os desgastes após a declaração de Bolsonaro a um apoiador para “ esquecer o PSL ” e para não divulgar vídeo sobre Bivar porque ele estaria “queimado”.

Leia também: Ioga, disciplina e celibato: conheça o monge indiano que diz ter 123 anos

Contratada pelo PSL , Karina Kufa ganhou a confiança de Bolsonaro pelo seu trabalho durante a campanha presidencial. Ela era responsável pela legenda no âmbito nacional junto ao ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência Gustavo Bebianno, que presidia o partido. Karina assumiu o controle jurídico da legenda após a demissão de Bebianno em fevereiro. Nos últimos meses, além de Karina, Bolsonaro passou a se aconselhar com o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga. Os dois se conhecem há anos.

O incômodo de Bivar com a advogada Karina Kufa foi um dos assuntos discutidos na reunião de ontem, na Câmara. Sem a presença de Bivar, o encontro ocorreu sob os comandos do vice-presidente da legenda, Antonio Rueda, e do líder do PSL na Câmara, delegado Waldir (PSL-SP), que faz parte do grupo de apoiadores de Bivar. O grupo de Bivar cogita nomes como o de Luciana Lóssio para substituir Karina Kufa. Na saída do encontro, Waldir afirmou que a bancada quer conversar com Bolsonaro, mas deixou claro que ninguém havia formalizado o convite ao presidente da República.

Leia Também:  Sargentos, cabos e soldados criticam novas carreira e Previdência de militares

A tumultuada reunião acabou sem consenso. Na avaliação de apoiadores de Bivar, a declaração de Bolsonaro vitimizou o presidente da legenda, que se limitou a dizer que não sabia a razão do ataque. Na reunião, chegou a ser pedido que deputados assinassem um manifesto em apoio a Bivar. A ala bolsonarista se recusou, porém a maioria dos presentes se solidarizou com Bivar e considerou “desnecessária” a declaração de Bolsonaro.

Apoio a Bolsonaro

O deputado federal Bibo Nunes (PSL-RS) afirmou ter ficado decepcionado com os colegas ao perceber que o número de apoiadores de Bolsonaro reduziu. O cálculo do partido é de que apenas 11 sairiam caso o presidente deixe a legenda. Na reunião, Bibo Nunes,  Luiz Phillippe Bragança e Orleans e Coronel Chrisóstomo se comprometeram a seguir com o presidente Jair Bolsonaro para outra legenda independentemente dos recursos do fundo eleitoral.

Leia também: Caso bizarro no Rio: corpo de jovem é encontrado em avançado estado de decomposição no quintal da casa do namorado

“Fiquei decepcionado com a posição de alguns colegas que mostraram que o que conta é ficar ao lado do poder financeiro do partido. Assim como Bolsonaro eu também não posso ficar refém do dinheiro público para fazer política séria”, afirmou Bibo.

Polêmica, a reunião teve dedo em riste e confusão. Segundo fontes, o deputado federal Luiz Phillippe Bragança e Orleans (SP) pediu que o colega Nelson Barbudo (MS) baixasse o tom de voz. Houve gritos para que ele também tirasse a barba e o chapéu. Nelson Barbudo revidou. O deputado Felipe Francischini (PR) também se exaltou ao bater boca com Bibo Nunes. Nessa hora, Bibo disse que seria melhor seguir “cada um para um lado, sem cinismos”.

Leia Também:  Situação de violência contra brasileiras no exterior é tema de debate

Novo partido

A alternativa para que deputados e senadores possa migrar de legenda sem perder o mandato é criar um novo partido, como a UDN, que está prestes a ser criada. Mas essa saída é vista como menos provável, uma vez que levaria um tempo maior até ser viabilizada. Mesmo assim, o caminho está sendo pavimentado, e o partido seria batizado de Conservadores. Aliados do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) estão, inclusive, finalizando o estatuto dessa nova legenda.

Leia também: Gari cai dentro de caminhão de lixo e tem pernas arrancadas por compactador

De acordo com a minuta com as premissas a serem adotadas, a sigla terá como princípios a “moralidade cristã, a vida a partir da concepção, a liberdade e a propriedade privada”. O texto defende ainda o direito à legítima defesa individual, combate à sexualização precoce de crianças e à apologia da ideologia de gênero e defesa do legado da “moralidade cristã e da civilização ocidental”. Filiados estarão proibidos de fazer alianças com partidos da “esquerda bolivariana”.

Outra possibilidade é Bolsonaro migrar para outra legenda. Algumas delas já começam a se movimentar na tentativa de atrair o presidente. A ideia seria desembarcar num partido menor para promover uma reforma interna. Siglas como o Patriota e a UDN — esta em vias de ser criada — são as opções mais prováveis no momento.

Fonte: IG Política
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Reúso da água em municípios com poucas chuvas está na pauta da CDR

Publicado

Em reunião na quarta-feira (23), a Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) deverá analisar substitutivo ao Projeto de Lei (PL) 724/2019, que incentiva o reúso da água em municípios localizados em regiões com baixo índice de chuvas. A reunião tem início às 9h na sala 13 da ala Alexandre Costa.

O projeto é do senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) e tem como relator o senador Plínio Valério (PSDB-AM), cujo voto é pela aprovação do substitutivo do senador Marcelo de Castro (MDB-PI), aprovado na Comissão de Meio Ambiente (CMA) em 11 de setembro.

O texto a ser analisado na CDR determina que o plano diretor dos municípios localizados em região de baixo índice de chuvas conterá diretrizes para racionalização do uso e economia de água, bem como para a utilização de água de reúso em edificações destinadas ao funcionamento de plantas industriais e de prédios comerciais.

O texto também estabelece que serão consideradas regiões de baixa precipitação pluviométrica aquelas que apresentem precipitação pluviométrica média anual igual ou inferior a 800 mm. O substitutivo incluiu ainda no Estatuto das Cidades (Lei 10.257, de 2001) a previsão de que os municípios incluam normas de direito urbanístico e ambiental em seus planos diretores.

Leia Também:  Comissão discutirá método de ensino ‘Sathya Sai Educare’

O projeto será alisado em caráter terminativo. Se aprovado, seguirá direto para a Câmara, caso não haja recurso de senadores para apreciação da matéria em Plenário.

Turismo de aventura

Também em caráter terminativo, a CDR deverá analisar ainda o PL 5141/2019, que institui o estado do Tocantins como Rota Nacional do Turismo de Aventura, Ecológico, Rural, de Sol e Praia Doce, de Vivência, Cultural, Religioso e Gastronômico.

Entre os objetivos da rota nacional estão o de desenvolver o potencial turístico regional e local; fomentar o empreendedorismo e a inovação das atividades turísticas; fortalecer e fomentar os setores ligados ao turismo; promover o crescimento econômico local, sustentável e inclusivo; e valorizar os atrativos naturais e culturais.

Da senadora Kátia Abreu (PDT-TO), o projeto é relatado pelo senador Weverton (PDT-MA), favorável à proposta, com emendas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado
Continue lendo

Política Nacional

Profissionais pedem mudanças no Mais Médicos na sessão pelo Dia do Médico

Publicado

Durante a sessão especial realizada em Plenário nesta sexta-feira (18), profissionais presentes pediram mudanças na Medida Provisória 890/2019 que cria o programa Médicos pelo Brasil, que substituiu o Mais Médicos. Na visão de representantes da categoria, a MP pode facilitar a atuação de profissionais com má formação acadêmica. Pelo texto, que aguarda votação na Câmara dos Deputados, o Ministério da Saúde pretende incentivar médicos a atuar em regiões remotas. A comemoração em homenagem ao Dia do Médico (18 de outubro) em Plenário foi requerida pelos senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Izalci Lucas (PSDB-DF).

O vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Sérgio Tamura, disse que o programa está sendo alterado com emendas que flexibilizam a contratação de profissionais sem a formação recomendada, muitos deles com diplomas obtidos em outros países.

— O relator acatou as emendas que destruíram o texto original. A flexibilização do Revalida e a contratação direta dos médicos por meio de consórcio entre outros, configuram série ameaça à saúde da nossa população. Todos os médicos formados no exterior independente da faculdade que tenham feito são bem-vindos, mas necessitam de ser submetidos ao exame do Revalida nos moldes que são hoje — argumentou Tamura

Leia Também:  Sancionada lei que define distribuição de recursos do leilão excedente do pré-sal

O representante da Academia Nacional de Medicina, José Camargo, disse que os cerca de 475 mil médicos em atuação no Brasil estão mal distribuídos entre as regiões.

— Se um indivíduo doente de pulmão precisar de um transplante viver no sul do Brasil, ele tem quase 100% de chance de vir a ser transplantado. Se ele viver no Sudeste já reduz, se ele morar no Nordeste reduz muito e, se ele for um habitante do Norte do Brasil, ele só será transplantado se ele tiver recursos para sair de lá — declarou o senador Jayme Campos (DEM-MT).

O senador Izalci Lucas lembrou a importância da união entre medicina tradicional com as formas alternativas de tratamento.

— Também é preciso marcar que a arte dos médicos é variada. Parte dos médicos pode se dedicar a diversas técnicas que vêm a desenvolver novas tecnologias na detecção das doenças e terapias para, juntos, propiciar aos pacientes um pronto restabelecimento e uma melhor qualidade de vida. A comemoração do Dia do Médico é um evento importante para nós pois denota o reconhecimento de uma profissão e de um profissional que se dedica ao bem comum um bem precioso que a saúde — afirmou Izalci.

Leia Também:  Sargentos, cabos e soldados criticam novas carreira e Previdência de militares

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana