conecte-se conosco


Tecnologia

Nintendo anuncia Switch Lite; mais barato, menor e somente portátil

Publicado

Olhar Digital

A Nintendo anunciou o Nintendo Switch Lite, uma versão com menos recursos que a versão padrão, e que foca na somente na portabilidade – ele não pode ser ligado à TV. O novo console chega ao mercado no dia 20 de setembro e estará disponível em três cores: amarelo, cinza e azul turquesa.

Leia também: Fifa 20, GTA… Os jogos mais usados por criminosos para ocultar malware e vírus

Switch Lite arrow-options
Divulgação

Switch Lite chega em setembro por US$ 200 e vai estar disponível em três cores: amarelo, cinza e azul turquesa

Ele é menor do que o Switch convencional – a tela tem 5,5 polegadas, enquanto o primeiro modelo tinha 6,2 polegadas. A resolução é a mesma: 720p, embora isso varie dependendo do jogo que está rodando.

Ao contrário do console padrão, o Switch Lite não oferece a opção de desacoplar os controles, conhecidos como joy-cons, para que games que usam o sensor de movimento sejam jogados. Para jogar títulos como Pokémon Let’s Go, por exemplo, que necessitam que o controle esteja na mão dos usuários, os consumidores devem adquirir um par de joy-cons a parte.

Leia Também:  7 coisas que seu smartphone pode fazer e você não sabia

Leia também: Atenção visual e laços mais estreitos: veja por que continuar no mundo dos games

Para saber quais jogos rodam perfeitamente na nova versão portátil do Nintendo Switch, as capas dos jogos serão atualizadas com um símbolo que destaca essa compatibilidade. Os jogos que não puderem ser totalmente aproveitados no novo modelo também devem vir com algum tipo de identificação, para que o consumidor não seja induzido ao erro.

Por conta desse foco em jogabilidade portátil, o console não possui o dock para ser conectado na TV. Além disso, foram removidas algumas funções como o sistema de vibração e o sistema de reconhecimento de movimento.

Além dos Joy-Con fixos, outra alteração do console é a substituição dos quatro botões D-Pad presentes em um dos controles por um direcional digital padrão.

No vídeo de apresentação, Yoshiaki Koizumi, um dos principais responsáveis pela concepção do Nintendo Switch, explica as vantagens do console e mostra que o Switch Lite funciona da mesma forma que o console original, inclusive no que diz respeito ao sistema multiplayer.

Leia Também:  Lançamento: Huawei e Xiaomiretornam ao Brasil com novos modelos

Como dito, o Nintendo Switch Lite chega em setembro. Seu preço, obviamente, será menor do que a versão convencional. Ele custará US$200 (aproximadamente R$754 em conversão direta). A Nintendo vende jogos oficialmente no Brasil, mas até agora não trouxe unidades do Switch para vender por aqui – resta saber se, com o novo modelo Lite, essa história vai mudar.

Leia também: Jogos de videogame: vale mais a pena comprar a versão digital ou física? 

Confira o vídeo de apresentação do console:

Via: MS Power User

Fonte: IG Tecnologia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Tecnologia

Seu smartphone te dá dores de cabeça? A culpa pode ser da tela OLED

Publicado

Olhar Digital

jovem com smartphone na mão arrow-options
Divulgação/Google

Simulação de níveis de brilho dos novos smartphones pode causar dores de cabeça, alerta oftalmologista

Se você adquirir um novo smartphone, há uma boa chance de que sua tela seja  OLED . Esse tipo de tecnologia é bastante usada na maioria dos novos iPhones (exceto o XR), no LG G8, em carros chefe da Samsung e nos modelos intermediários de empresas como a Motorola.

Elas oferecem muitas vantagens em relação às telas de LCD, como melhor contraste, cores mais vivas e telas mais finas. Mesmo assim, alguns usuários reclamam de dor de cabeça ao utilizá-las.

Veja mais: Adeus, vício: 7 ferramentas para controlar o tempo de uso do celular

A principal causa deste problema se dá ao fato de que, em alguns níveis de brilho, as telas OLED piscam, o que causa um desconforto no usuário que pode levar a dores de cabeça se ele ficar muito tempo exposto a isso. As telas com tecnologia OLED são compostas por pequenos ponto luminosos, os LEDs, com cada um emitindo luz com uma das cores primárias: vermelho, verde ou azul.

Ter muitas fontes diferentes de luz em uma tela, em vez de uma única luz de fundo que a ilumina por inteiro, significa que quando a tela está com brilho total há melhor contraste, e as partes pretas de uma imagem são bem mais escuras.

Para entender melhor como os benefícios dessa tecnologia, pense em como os fãs ficaram irritados com a última luta contra os caminhantes brancos em “A Longa Noite”, episódio da oitava temporada de  Game of Thrones .

A tela ficou escura quase o episódio inteiro, o que dificultou ver o que estava acontecendo. Mas uma boa tela OLED deixaria o episódio bem mais visível, porque o contraste seria muito maior quando comparado a uma tela LCD.

É justamente esse detalhe que torna os smartphones com tela OLED tão atraentes: com contraste elevado e pretos mais profundos, você obtém uma imagem melhor e mais realista . Mesmo com esses benefícios, a tecnologia está sendo responsável por deixar alguns usuários mais sensíveis com dores de cabeça.

Leia: Youtuber cria sua própria versão do novo iPhone: “Demorou cerca de 258 horas”

As telas OLED não possuem diferentes níveis de brilho. Quando alguém deseja diminuir o brilho em um telefone com OLED, a tela usa um método chamado de modulação por largura de pulso, que liga e desliga rapidamente os LEDs criar a ilusão de uma imagem mais escura.

Os telefones LCD não fazem isso. Em vez disso, eles usam um filtro que controla a quantidade de luz que pode passar pelo painel. Alguma luz, inevitavelmente, passará pelas áreas mais escuras da tela, tornando o preto mais acinzentado e deixando a imagem um tanto “lavada”. Mas também evita que a cintilação cause cansaço visual e dores de cabeça em algumas pessoas.

Leia Também:  Lançamento: Huawei e Xiaomiretornam ao Brasil com novos modelos

O Dr. Rai Maturi, oftalmologista e membro da Academia Americana de Oftalmologia, diz que a questão pode ser mais pronunciada entre os jovens do que nos velhos. Muitas pessoas mais velhas têm visão pior do que os jovens, ele diz, então, “as pessoas mais jovens podem discernir cintilação em uma frequência mais alta do que as pessoas mais velhas”. Maturi ainda afirmou que algumas pesquisas devem ser realizadas para determinar o papel que as telas piscantes de smartphones tem nas dores de cabeça de alguns usuários.

Dá para melhorar

Como uma forma de diminuir isso, os usuários podem aplicar um filtro para deixar a tela mais escura, mesmo que ela esteja no brilho máximo. Nos iPhone X, XS e XR, será necessário abrir as “Configurações” e navegar até “Geral > Acessibilidade > Acomodações de Exibição > Reduzir ponto branco”. O usuário deverá reduzir o ponto branco para 95% ou abaixo e verificar se o nível de brilho do telefone está acima de 50%. Isso deve ajudar a amenizar qualquer oscilação.

No caso do Android , o sistema não possui uma opção nativa para isso, mas o usuário pode baixar um aplicativo de terceiros para que seja colocado um “filtro” escuro sobre a tela. Para que a configuração seja feita de forma correta, deve-se certificar que o brilho esteja no máximo para que os ajustes tenham resultado.

Como um celular é hackeado? Conheça as técnicas e saiba se proteger

Se nenhuma dessas configurações der resultado e as dores de cabeça e incômodos continuarem, pode ser necessário procurar um especialista para que a causa e os tratamentos necessários sejam definidos.

Via:  One Zero

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Instagram sem likes: aspirantes na rede perdem, mas bem-estar aumenta

Publicado

Alcançar a fama de um “instragramer”, o influenciador que tem no Instagram sua principal vitrine, vai ficar mais difícil com a retirada do  número de curtidas que cada foto recebe na rede social. A avaliação é de Júnior César, da Brasilera Digital Agenciamento de Influenciadores Digitais.

Viih Tube arrow-options
Divulgação

Viih Tube tem 10 milhões de seguidores no Instagram

A agência é responsável pela carreira de jovens rostos conhecidos na internet como Camila Loures, 24, que tem 6 milhões de seguidores no aplicativo de fotos, Viih Tube, 18, com 10 milhões de seguidores só no Instagram e Gregory Kessey, 19, seguido por 2,3 milhões de usuários da plataforma.

“Para novos influenciadores, que têm no Instagram a sua principal rede , ficou um pouco mais complicado provar o engajamento. Quem está começando vai ter que dobrar o trabalho”, avalia César.

Segundo ele, quem já está consolidado não terá a vida muito alterada. “Basta manter o ‘analytics’ (relatórios de presença e comportamento de visitantes em uma página da internet) atualizado. Isso já era feito, por exemplo, com os Instagram Stories, que também não mostram o número de visitantes publicamente”, explica.

Leia Também:  7 coisas que seu smartphone pode fazer e você não sabia

Se por um lado, a decisão pode afetar os planos de alguns usuários da rede social , por outro será benéfica para diminuir a ansiedade de outros, na avaliação da psicóloga Karen Scavacini, do Instituto Vita Alere, que atua na prevenção e posvenção (quando se perdeu alguém) do suicídio.  “O número de influenciadores que monetizam com a rede social é bem menor do que de usuários que podem ser beneficiados”, argumenta Karen.

Ela avalia que redes sociais como o Instagram podem gerar ansiedade e alteração no sono. “Muitos jovens acordam à noite para conferir quantas curtidas receberam. Por isso, a medida provavelmente vai ajudar na saúde mental dos usuários da rede, estimulando um jeito mais saudável de se relacionar com ela”, pondera.

Karen explica, inclusive, a relação entre as redes sociais e o suicídio. “O suicídio sempre é multifatorial. A gente precisa montar um quebra-cabeças complexo para entendê-lo, mas dependendo de como um usuário se relaciona com a rede, ela pode sim, ser mais uma peça desse quebra-cabeças”, alerta.

Leia Também:  Robô jogador de basquete acerta 2 mil arremessos seguidos e entra no Guinness

Júnior César também vê fatores positivos na nova regra. “A preocupação agora vai ser mais com o conteúdo e menos com os números . Tinha muita gente na rede investindo em uma estética exacerbada e esquecendo o mundo real. Isso pode mudar e quem quiser se destacar deve apostar na criatividade”, aconselha.       

Sobre a mudança, o Instagram informa que se trata de um teste que começou no Canadá. “Não queremos que as pessoas sintam que estão em uma competição dentro do Instagram e nossa expectativa é entender se uma mudança desse tipo poderia ajudar as pessoas a focar menos nas curtidas e mais em contar suas histórias”, afirma a rede social por nota.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana