conecte-se conosco


Economia

Negros são maioria entre desocupados e trabalhadores informais no país

Publicado

Pretos e pardos que compõem a população negra do país são maioria entre trabalhadores desocupados (64,2%) ou subutilizados (66,1%), segundo informativo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, divulgado hoje (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento apresentado no mês em que se comemora o Dia da Consciência Negra (20/11) reúne dados de diversas pesquisas, como a Síntese dos Indicadores Sociais, o Censo e, principalmente, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio – Contínua (Pnad Contínua) de 2018.

Atualmente, os negros representam 55,8% da população brasileira e 54,9% da força de trabalho.

A informalidade também atinge mais esse contingente. Enquanto 34,6% de pessoas brancas se encontram em condições informais de trabalho, a informalidade atinge 47,3% de pretos e pardos.

Rendimento

No que diz respeito a ocupação de cargos gerenciais, os negros são a minoria (29,9%). Pela divisão de trabalhadores por por níveis de rendimento, apenas 11,9% dos maiores salários gerenciais são pagos a trabalhadores pretos e pardos, enquanto essa população ocupa 45,3% dos postos com menor remuneração.

Para o analista de indicadores sociais do IBGE, João Hallak, o cenário tem reflexos nos rendimentos mensais. Os negros representam 75,2% da parcela da população com os menores ganhos e apenas 27,7% dos 10% da população que tem os maiores rendimentos registrados pelo instituto. Ao considerar o gênero na análise, as mulheres pretas ou pardas recebem, em média, apenas 44% dos rendimentos dos homens brancos. Já os homens negros ganham 56,1% dos rendimentos de um homem branco.

Segundo Hallak, a população branca recebe maiores rendimentos independentemente do nível de instrução. “Até entre quem possui nível superior completo, a população de cor ou raça branca recebe 45% a mais do que a renda média da população preta ou parda com o mesmo nível de formação”, disse.

De acordo com o analista do IBGE, a desigualdade é influenciada pelo tipo de formação superior, mais ou menos valorizadas pelo mercado. “Um exemplo verificado pelos censos é que na formação em medicina a gente percebe mais participação da população branca como médicos, ocupando cargos de maior remuneração. Enquanto na formação de enfermagem, ainda na área médica, a gente tem maior participação relativa da população preta ou parda”, citou.

Condições de moradia

A desigualdade no mercado de trabalho tem reflexos também sobre as condições de moradia. Enquanto 27,9% das pessoas brancas vivem em domicílios sem ao menos um serviço de saneamento – coleta de esgoto e de lixo e fornecimento de água -, a proporção sobe para 44,5% entre pretos e pardos.

Claudio Crespo, pesquisador do IBGE, alertou que o dado impacta ainda as condições de saúde. “Quando a gente analisa demais características e correlaciona com os rendimentos da população preta ou parda menor do que da população branca, isso reflete as condições de moradia, de vida, de saúde com maior vulnerabilidade as quais a população preta ou parda está submetida”.

Ao analisar a população das duas maiores cidades do país – São Paulo e Rio de Janeiro, pesquisadores revelaram que na capital paulista 18,7% das pessoas pretas ou pardas e 7,3% das brancas vivem em aglomerados subnormais. No Rio de Janeiro, essa proporção sobe para 30,5% dos negros e 14,3% dos brancos. De acordo com Crespo, a desigualdade tem relação com a forma como os espaços das cidades foram ocupados.

Leia Também:  Com impasse na reforma e boatos da saída de Guedes, bolsa cai e  dólar sobe

“O modelo de urbanização brasileiro tem raízes históricas, questões relacionadas à posse da terra, e é reflexo também do processo mais recente de urbanização. As cidades do Rio e de São Paulo são expressões dessa desigualdade”, disse o pesquisador.

No indicador de adensamento domiciliar excessivo, quando mais de três pessoas dividem um mesmo dormitório, a proporção é de 7% dos pretos ou pardos e 3,6% dos brancos.

Os dados ainda mostram que em relação ao acesso a internet por pessoas entre de 15 a 29 anos, 92,5% são brancos e 84,3% negros. A proporção sobre o uso do microcomputador para acessar a rede mundial, é de 61,6% entre brancos e 39,6% entre pretos e pardos.

Pobreza

Enquanto 15,4% dos brancos do país estão na faixa da pobreza, 32,9% dos negros compõem a parcela de brasileiros que vivem com  até US$ 5,50 por dia. Na linha da extrema pobreza, com rendimento de até US$ 1,90 por dia, estão 3,6% dos bancos e 8,8% dos pretos e pardos.

Segundo o IBGE, o informativo destaca a desigualdade entre a população negra – pretos e pardos – e branca. Juntos, esses grupos somam 99% da população brasileira. Amarelos e indígenas não têm representação estatística suficiente para serem considerados nesta análise amostral.
 

Edição: Carolina Gonçalves

Fonte: EBC Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Bolsa de valores de São Paulo bate recorde e fecha acima de 110 mil pontos

Publicado

source
painel da bolsa de valores arrow-options
Getty Images

Ibovespa fecha acima de 110 mil pontos pela primeira vez em sua história

Agência Brasil

Depois de quase um mês de turbulências e oscilações, a Bolsa de São Paulo encerrou acima de 110 mil pontos pela primeira vez na história.

O índice Ibovespa, da B3, fechou esta quarta-feira (4) aos 110.063 pontos , com alta de 1,02%. A última vez que o indicador tinha fechado em nível recorde tinha sido em 7 de novembro , quando atingiu 109.581 pontos.

Após denúncia de jornal, IBGE afirma que vai revisar dados do PIB

 Desde o leilão do excedente da cessão onerosa da Petrobras , no qual o governo não conseguiu vender dois campos, o Ibovespa passou a acumular quedas.

Em 19 de novembro , o índice fechou em 105.864 pontos. Na semana passada, o indicador voltou a subir , com alguns dias de pequenas quedas.

Produção industrial avança e cresce 0,8% em outubro, diz IBGE

Dólar

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 4,202, com queda de R$ 0,004 (-0,09%) . Esse foi o terceiro dia seguido de queda da moeda norte-americana, que acumula baixas depois de fechar em R$ 4,241 na última sexta -feira (29).

Leia Também:  Até 2022, com automação industrial, 133 mi de novos postos de emprego serão criados no mundo

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Economia

iG lança plataforma para comparar planos de celular e internet no mercado

Publicado

source

O ambiente pode ser de recuperação econômica, mas o brasileiro sabe que é preciso estar sempre atento aos gastos e que cortar despesas sempre e onde puder é imperativo. Para tornar esse processo mais orgânico e simples, o iG lança uma plataforma que facilita a pesquisa e comparação de planos para celular, TV por assinatura, internet e combos, esse produto tão comum nos dias de hoje.

iG Compara Planos arrow-options
Reprodução

Interface do iG Compara Planos

O iG Compara Planos  ( www.ig.com.br/compara ) é resultado de uma parceria entre o portal e o site Melhor Plano e não há relação com qualquer operadora ou pacote, tampouco a venda do que quer que seja. O serviço consiste na comparação dos produtos com a finalidade de prover ao consumidor a opção de escolher o plano que melhor se ajusta ao seu perfil.

Leia também: Já está na hora de comprar um celular compatível com o 5G?

A ferramenta é bastante intuitiva e o leitor do iG pode criar seus próprios filtros. Por exemplo, é possível buscar o plano de celular com melhor pacote de internet por até R$ 60 por mês. Há filtros ainda para planos controle e pós-pago, com a capacidade de internet como principal critério e por aí vai. É possível, ainda, orientar a busca dentro dos planos de uma mesma operadora.

Leia Também:  Até 2022, com automação industrial, 133 mi de novos postos de emprego serão criados no mundo

O leitor pode comparar quanto uma empresa está cobrando por um plano de 12 gigas de internet em São Paulo e quanto é cobrado em Salvador, São Luís ou qualquer outra cidade brasileira.

Você no controle

A ideia que move o  iG Compara Planos é aumentar a capacidade de seu leitor de fazer um bom negócio e economizar em decisões imperiosas para sua rotina como o pacote de internet, de celular ou de TV a cabo.

A plataforma mostra os planos em ordem do menor preço. Em alguns casos é possível notar uma grande diferença de custo entre ofertas semelhantes. É possível observar elencados nos comparativos se há a oferta de aplicativos ilimitados e ligações interurbanas. Estes são elementos que podem encarecer a conta para além do plano contratado.

Leia também: 5 dicas para fazer uma decoração vintage na sua casa

Além do celular

A ferramenta também oportuniza a comparação de planos de internet de banda larga em qualquer região do País, bem como pacotes de TV por assinatura, telefonia fixa e combos que agregam todos esses produtos.

Leia Também:  Mutirão fiscal de débitos já fez 22,3 mil negociações, com mais de R$ 11,7 milhões arrecadados

Comece a usar o iG Compara Planos  para ter a palavra final nos pacotes e planos que fazem a diferença na sua vida.

Fonte: IG Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana