conecte-se conosco


Economia

Negociação: EUA dizem que não houve troca de favores com a China

Publicado

source
Donald Trump arrow-options
Joyce N. Boghosian/White House

Donald Trump minimizou o temor com guerra comercial e disse que investimentos estão fortes nos EUA

A China não fez concessões aos Estados Unidos depois que o presidente Donald Trump adiou a imposição de tarifas sobre algumas importações chinesas até meados de dezembro, disseram autoridades americanas nesta quarta-feira (14).

Dólar volta a subir com desaceleração da economia global

Eles acrescentaram que reuniões visando o fim daguerra comercial entre os dois países continuam e que o mercado deve ser paciente. Em entrevista à CNBC, o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross , disse que “isso não foi um  quid pro quo  “, usando uma frase em latim que significa uma troca de favores .

Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, recuou de seu prazo para a imposição de tarifas de 10% sobre milhares de importações chinesas , incluindo produtos de tecnologia, como laptops e celulares, roupas e calçados, estendendo o prazo de 1° de setembro para 15 de dezembro para alguns itens.

Entenda: Como o acirramento da guerra comercial entre EUA e China afeta o Brasil

Leia Também:  IBGE eleva estimativa da safra de grãos para 2019

Na semana passada, em resposta à decisão de Trump de impor tarifas extras de 10% sobre cerca de US$ 300 bilhões de produtos importados da China, o governo chinês desvalorizou o yuan para a menor cotação em uma década e derrubou os mercados globais.

Os EUA reagiram e classificaram a China como manipulador de câmbio  pela 1ª vez em 25 anos. Já na última sexta-feira, o presidente americano minimizou o temor com guerra comercial e diz que investimentos estão fortes nos EUA.

Fonte: IG Economia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Economia

Acordo entre EUA e China não vai afetar relação com Brasil, diz cônsul

Publicado

O cônsul-geral da China no Rio de Janeiro, Li Yang, disse hoje (13) que o acordo comercial entre China e Estados Unidos anunciado pelo presidente americano, Donald Trump, não vai afetar a relação bilateral sino-brasileira.

“Pessoalmente, eu não acho que a negociação entre a China e os Estados Unidos vai ter uma relação com o Brasil. Tenho toda a confiança no relacionamento entre Brasil e China em todas as áreas”, disse o cônsul, após participar do seminário O Futuro da Parceria Estratégica Global China-Brasil, na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.

O acordo entre China e Estados Unidos prevê que Pequim compre grandes quantidades de produtos agropecuários americanos. Para Li Yang, o pacto comercial entre americanos e chineses não vai afetar a importação de soja e carne brasileiros pelo país asiático.

Na avaliação do diplomata, no caso da indústria de carne, as exportações brasileiras para a China não são maiores por questões ligadas à logística e ao sistema de refrigeração do produto: “Podemos investir para melhorar a condição dos frigoríficos”.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Economia
Continue lendo

Economia

FGTS poderá distribuir mais que 50% dos lucros, esclarece governo

Publicado

Os trabalhadores poderão receber mais de 50% do lucro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), informou hoje (13) a Presidência da República. Segundo a Secretaria Especial de Comunicação Social, o percentual de distribuição a ser definido todos os anos pelo Conselho Curador do FGTS dependerá das condições financeiras do fundo. 

Ontem (12), o presidente Jair Bolsonaro tinha vetado a distribuição de 100% do lucro do FGTS aos trabalhadores. O ponto tinha sido incluído pela equipe econômica na própria medida provisória que criou novas opções de saques para o FGTS, mas, o Ministério do Desenvolvimento Regional pediu que a medida fosse vetada para não prejudicar os recursos para o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. 

De acordo com a Secretaria Especial de Comunicação Social, a sanção da medida provisória revogou a legislação anterior, em vigor desde 2017, que previa a distribuição de metade dos lucros do FGTS aos trabalhadores. Pela nova legislação, caberá ao Conselho Curador definir o percentual de distribuição todos os anos, sem o teto de 50%. 

Leia Também:  Desemprego de longo prazo cresce 42,4% entre 2015 e 2019

O veto não anula a distribuição de 100% do lucro de R$ 12,2 bilhões do fundo em 2018, repassada para as contas do FGTS no fim de agosto. Isso porque a distribuição ocorreu durante a vigência da medida provisória.

Edição: Aline Leal
Tags: FGTS

Fonte: EBC Economia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana