conecte-se conosco


Política MT

“Não podemos aceitar que há dois anos da eleição, haja política dentro de Secretarias”, diz presidente da AL

Publicado

Max Russi se reuniu com governador e Casa Civil e apresentou demandas dos deputados

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Max Russi (PSB), num balanço da reunião com o governador Mauro Mendes (DEM), durante a manhã e parte da tarde desta quinta-feira (25), avaliou o encontro como positivo.

“Foi uma reunião bastante produtiva, de pedidos, encaminhamentos, um resultado bastante positivo. Falamos da questão das vacinas, da covid, uma pauta que preocupa a população, a liberação para os estados para fazer a compra. O governador disse que não está conseguindo comprar, tem dinheiro, mas não consegue fornecedor”, observou o presidente da ALMT.

Conforme Russi, Mendes esteve com o ministro da Saúde, que deu garantias do envio de mais vacinas para o Estado. “Ele esteve com o ministro, que fez um compromisso de mandar mais vacinas para Mato Grosso, no mês de março, e a expectativa é vacinar a metade da população até o meio do ano. O governador explanou isso para os deputados”.

Sobre a reclamação da maior parte dos deputados, de se sentir desprestigiado por alguns secretários de Estado, o presidente do Parlamento mato-grossense disse que “é legítimo o deputado participar. Não podemos aceitar que há dois anos da eleição, haja política dentro das pastas. Isso é o que a lei fala e os deputados são vigilantes quanto a isso. O trabalho dos deputados é legítimo. Vamos estar fiscalizando isso e não aceitaremos que isso venha a acontecer”, declarou.

Segundo Russi, “o secretário, muitas vezes vai em regiões, em pauta, e muitas vezes nem comunicava o deputado, mas isso ficou bem encaminhado com o chefe da Casa Civil. Foi uma tônica fortalecida na reunião de hoje”, disse.

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Júlio Campos critica desapego à fidelidade partidária e diz que sistema político virou “uma bagunça”

Publicado

O ex-governador Júlio Campos (DEM) criticou o que classificou de ‘bagunça’ de partidos no Brasil, afirmando que ahá desencontros de toda ordem. “Ninguém mais egue seus partidos”, disse ele em entrevista ao Programa Opinião, da TV Vila Real

.
Júlio recordou que “para derrotar o Paulo Maluf, em 85, o TSE encerrou a fidelidade partidária. Hoje são mais de 30 legendas, nenhuma ideologicamente consolidada, uma aglomeração de interesses, de vaidades”, disparou.

“De grupos que querem apenas interesses empresariais, comerciais e politicamente nada. Os partidos tiveram a oportunidade de preparar candidatos, de renovar, vem recursos para isso, para a busca de novas ideologias, para efetivamente, preparar candidatos, mas hoje temos candidatos que não sabem o que é o mandato que estão disputando”, argumentou o ex-governador de Mato Grosso.

Para Júlio Campos, os partidos não investem pouco em formação, “eles não estão investindo nada. Não é um pouco, é quase nada. Essa tal da janela partidária é a maior barbaridade que tem. O cidadão elege pelo partido, fica três anos no mandato, quando chega em março, no ano de eleição, ele pode ir para outro partido, é uma promiscuidade sem tamanho”, criticou.

“Enquanto não tiver uma reforma partidária ideológica no Brasil, nunca vamos voltar a ter aqueles partidos consolidados do passado, sempre vai ter essa anarquia que é hoje, que tem até partidos de aluguel. Gente que é presidente de partido, que anda com o partido numa pasta e quando chega o horário eleitoral fala assim, olha, eu tenho dez segundos”, completou.

Continue lendo

Política MT

MT libera comércio até às 22h e bebidas alcoólicas em bares e toque de recolheré às 23 horas

Publicado

Os serviços de delivery continuam autorizados a funcionar até 23h59 [Foto – Marcos Vergueiro]

O Governo de Mato Grosso atualizou as medidas restritivas contra o avanço da covid-19 no estado. As novas regras foram assinadas nesta sexta-feira (16) pelo governador Mauro Mendes e pelo secretário-chefe da Casa Civil Mauro Carvalho, e passam a valer imediatamente.

Entre as principais mudanças, está o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais, que passa a ser das 5h às 22h, de segunda a sábado. Anteriormente, era permitido das 5h às 20h.

Nos domingos, fica mantido o horário de 5h às 12h, com exceção dos restaurantes, inclusive os de shopping centers, que poderão funcionar até 15h.

Outra alteração é em relação ao funcionamento de restaurantes e similares nas modalidades take-away (pegue e leve) e drive-thru, que poderá funcionar até 22h45. A regra anterior permitia até 20h45. Os serviços de delivery continuam autorizados a funcionar até 23h59.

Já o toque de recolher passa a valer a partir das 23h, e não mais após às 21h. Também passa a ser permitido o consumo de bebidas alcoólicas nos locais de venda, desde que restrito aos clientes sentados à mesa e respeitados os limites de capacidade e horário.

Todas essas medidas terão que ser aplicadas em todo o estado, mesmo se a classificação de risco do município indicar normas mais brandas. As restrições terão validade enquanto a taxa estadual de ocupação de UTIs for superior a 85%.

Já as demais restrições serão recomendadas aos municípios com base na tabela de classificação de risco, em sintonia com as normas gerais. As forças de Segurança irão atuar de forma a impedir qualquer tipo de aglomeração em todas as regiões.

 

 

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana