conecte-se conosco


Direitos Humanos

Mulheres com câncer ganham micropigmentação de sobrancelhas

Publicado


Para resgatar a autoestima de mulheres com câncer, a 2ª edição da Tattoo Week vai promover uma ação de doação de micropigmentação de sobrancelhas para 30 mulheres que se inscreverem pelo site. Muitas mulheres que se submetem à quimioterapia perdem as sobrancelhas e a técnica de micropigmentação ajuda a devolver os traços.

Podem se inscrever mulheres de menor renda que terminaram as sessões de quimioterapia há 40 dias ou mais e que tenham autorização médica para o procedimento. A Tattoo Week vai sortear os 30 procedimentos gratuitos entre as mulheres que se cadastrarem.

A iniciativa é uma parceria da organização do evento com o Instituto Brasil + Social, através do Projeto Driblando o câncer, no Outubro Rosa, mês de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e mais recentemente sobre o câncer de colo do útero.

Em entrevista à Agência Brasil, a CEO da Tattoo Week, Esther Gawendo, disse que podem se inscrever mulheres de todo o Brasil, já que foi feito acordo com tatuadores de diversas partes do país. “Em primeiro lugar, [a ação] quer devolver a autoestima das mulheres que venceram essa grande batalha contra o câncer. Nosso objetivo também é mostrar que dentro da tatuagem podem ser empregadas outras técnicas”, disse ela.

O evento

A Tatoo Week, maior evento de tatuagem do mundo, acontece de forma híbrida neste ano. Para evitar aglomerações, o público só poderá acompanhar o evento pelo Youtube da Tattoo Week, mas haverá também uma programação presencial, com a participação de jurados, na Casa de Cultura Black Princess, em Pinheiros, na capital paulista.

O evento acontece entre de 29 a 31 de outubro, das 12h as 22h e apenas será permitida a entrada de pessoas com comprovante de imunização completa, há mais de 15 dias, contra a covid-19.

Na edição deste ano, um dos destaques é a tatuagem cosmética e reparadora. Também haverá cursos gratuitos e entrevistas com médicos, que vão falar sobre câncer de mama e câncer de próstata.

“Há uma parte educacional, com cursos gratuitos de marketing, finanças e fotografia para os profissionais da área [tatuagem, piercing e pigmentação] não só para os inscritos como também para os que estiverem acompanhando por meio do YouTube. Temos também uma parte de cursos de primeiros socorros que serão transmitidos gratuitamente pelo YouTube”, disse Esther.

Mais informações sobre o evento podem ser encontradas no site da Tattoo Week.

Edição: Denise Griesinger

Fonte:

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Humanos

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Publicado


Uma missão a Roraima composta por representantes da ONU Mulheres, do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), acompanhados do embaixador do Grão-Ducado de Luxemburgo no Brasil, Carlo Krieger, vai marcar, nesta segunda-feira (29), o início dos trabalhos do Programa Conjunto Empoderamento Econômico de Mulheres Refugiadas e Migrantes no Brasil. A visita ao estado do Norte do país vai até dia 1º de dezembro.

O programa é financiado pelo governo de Luxemburgo e está sendo implementado pelas três agências da ONU. Apesar da visita dos representantes e do embaixador marcar o início do projeto, o programa começou em setembro e vai até dezembro de 2023, priorizando a integração socioeconômica de mulheres refugiadas e migrantes vindas da Venezuela. 

Segundo a assessoria da ONU Mulheres, o objetivo geral do programa é garantir que políticas e estratégias de empresas e instituições públicas e privadas fortaleçam os direitos econômicos e as oportunidades de desenvolvimento para venezuelanas refugiadas e migrantes. Para alcançar esse objetivo, a iniciativa é feita em três frentes. 

A primeira trabalha com empresas, instituições e governos nos temas e ações ligadas a trabalho decente, proteção social e empreendedorismo. A segunda aborda mulheres refugiadas e migrantes, para que tenham acesso a capacitações e a oportunidades para participar de processos de tomada de decisões ligadas ao mercado laboral e ao empreendedorismo. E a terceira frente trabalha com refugiadas e migrantes, para que tenham conhecimento e acesso a serviços de resposta à violência baseada em gênero. 

Resultados esperados

Entre os resultados, o programa espera que mais empresas do setor privado ofereçam oportunidades de treinamento e de emprego para mulheres venezuelanas e que as iniciativas de integração socioeconômica de pessoas refugiadas e migrantes no Brasil sejam mais sensíveis às questões de gênero – não apenas nos estados onde o programa terá ações, mas em todo o país. 

“Refugiadas e migrantes venezuelanas costumam enfrentar múltiplas formas de discriminação direcionadas a elas como mulheres relacionadas à sua etnia, condição social e econômica, idioma, etc. Nosso programa visa apoiar a integração socioeconômica dessas mulheres para que elas tenham igualdade de oportunidades e de acesso a tomadas de decisão, empregabilidade, atendimentos de saúde, educação e demais serviços no Brasil”, disse a representante da ONU Mulheres no Brasil, Anastasia Divinskaya. 

Segundo a representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant, o programa é importante pois o enfrentamento da violência baseada no gênero é um dos pilares da atuação do Fundo de População das Nações Unidas na assistência humanitária. “Para que as mulheres refugiadas e migrantes possam alcançar a independência financeira, a eliminação da violência é um condicionante importante”, disse. 

Parte importante das ações que serão realizadas por meio do programa ocorre a partir do processo de interiorização – quando venezuelanas e venezuelanos são levados voluntariamente de Roraima para outros estados do Brasil. Segundo fontes oficiais, são mais de 62 mil pessoas interiorizadas.  

“Centenas de milhares de pessoas venezuelanas refugiadas e migrantes procuram no Brasil proteção e meios de subsistência. A pandemia trouxe desafios ainda mais profundos a esta população”, disse José Egas, representante do ACNUR no Brasil. Segundo Egas, o governo de Luxemburgo foi um dos primeiros a “estender a mão” na resposta emergencial à Venezuela. 

O governo de Luxemburgo disse que, entre as prioridades da cooperação internacional com as agências da ONU, está a continuidade em apoiar ações de empoderamento econômico de mulheres e de resposta ao fluxo migratório no Brasil. . “Estamos felizes em dar apoio, ouvir e saber que podemos trabalhar de forma conjunta nessa resposta. Encorajamos o trabalho das três agências, sob a liderança de ONU Mulheres”, disse o embaixador Carlos Krieger.

Edição: Fábio Massalli

Fonte:

Continue lendo

Direitos Humanos

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Publicado


O Congresso terá uma cor especial na noite desta sexta-feira (26). É porque a Casa estará iluminada de amarelo em alusão à campanha internacional 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher.

A ação é uma das atividades previstas pela campanha dos “16 Dias de Ativismo”, pelo fim da violência contra as mulheres. O início da campanha foi marcado por uma sessão solene no Congresso, realizada na última quinta-feira (26).

A data criada em 1999, por decisão da Assembleia-Geral das Nações Unidas foi escolhida em memória do assassinato de três irmãs, Patria, Minerva e María Teresa Mirabal, em 1960, na República Dominicana. Elas lutavam contra a ditadura do general Rafael Trujillo. O crime causou indignação mundial.

*Com informações da Agência Senado

Edição: Claudia Felczak

Fonte:

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana