conecte-se conosco


Saúde

Morre liderança indígena do Alto Xingu

Publicado


.

Morreu nesta quarta-feira (5), em Goiânia, o cacique Aritana Yawalapiti, uma das principais lideranças indígenas da região do Alto Xingu (MT). Aos 71 anos, o cacique morreu por causa da covid-19, após ficar internado por 15 dias.

De acordo com o Instituto Socioambiental (ISA), Aritana era um “grande líder” e referência para o Parque Indígena do Xingu, também conhecido como Território Indígena do Xingu (TIX).

“Desce criança, foi moldado para ser um chefe alto xinguano, com influência em todas as etnias do Alto Xingu. Era poliglota, falava pelo menos quatro línguas diferentes e sempre foi um grande mediador das relações de contato do mundo do branco com os xinguanos, com um estilo diplomático de ser”, registra o texto.

Segundo levantamento do Comitê Nacional de Vida e Memória Indígena da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil [http://emergenciaindigena.apib.info/dados_covid19/}, mais de 630 indígenas morreram e 23 mil foram infectados pelo novo coronavírus até o final do mês passado. No período, a taxa de mortalidade por 100 mil habitantes entre os indígenas era mais de 50% acima da taxa do conjunto da população.

Hoje o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou determinação para que o governo federal adote medidas para a contenção da covid-19 entre as comunidades indígenas.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

O que é a inteligência contextual e por que ela é buscada para cargos de liderança

Publicado


source

BBC News Brasil

undefined
Margarita Rodríguez – BBC News Mundo

Uma entrevista de emprego remota
Getty Images
A pandemia está nos confrontando com novos desafios de trabalho, mas os princípios da boa liderança não parecem mudar

Talvez sem perceber, o professor Tarun Khanna da Universidade de Harvard me deu a primeira lição sobre o que é inteligência contextual antes de começar formalmente a entrevista, quando estávamos falando sobre a situação que causou a pandemia.

Assim que se conectou ao Zoom, ele me cumprimentou em espanhol com um sorriso, mas logo esclareceu que, apesar de falar vários idiomas, ele só conseguia ler espanhol – a repórter é da BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

“A crise atual está nos fazendo voltar a uma ideia básica”, disse ele.

“Temos que ter humildade suficiente para saber os limites de nossa própria expertise e não assumir que o conhecimento técnico é o mais importante para fazer algo funcionar.”

“Acho que isso é extremamente importante hoje em dia porque a forma como a pandemia da covid-19 será enfrentada será muito semelhante em diferentes países: distanciamento social, máscaras, vacinas e tratamentos quando estiverem prontos.”

Pessoas com máscaras

NurPhoto via Getty Images
O novo coronavírus destacou a necessidade de entender o contexto de um lugar antes de implementar estratégias que atendam a princípios universais

“Os princípios universais são os mesmos. Mas a maneira como você os faz funcionar no local vai ser muito diferente.”

Conhecer o entorno é fundamental.

O contexto

Para mostrar o que queria dizer, apelou para seu conhecimento contextual.

“Você vem da América Latina. Sua cultura é como as culturas asiáticas: as pessoas são muito próximas, e nossas famílias têm laços muito próximos.”

“Vocês gostam de se abraçar”, ele me disse.

“Sim, claro”, respondi, fazendo-o ver como é difícil para pessoas como eu ficarem sempre alertas à regra dos dois metros.

Professor Tarun Khanna

Cortesia: Harvard Business School
O professor Tarun Khanna estudou empreendedorismo para o desenvolvimento social e econômico em mercados emergentes

Em outras culturas, refletiu ele, como a nórdica ou mesmo a britânica, a proximidade física é muito menor porque há a noção de espaço pessoal e individualidade.

“Eu cresci em cidades densamente povoadas: Mumbai, Nova Delhi e Bangalore”, disse ele em relação à Índia, um país dramaticamente afetado pelo novo coronavírus.

“Nessas cidades é muito difícil estabelecer distanciamento social.”

Como em outros países, onde existem locais com grande população, vivendo em espaços confinados e na pobreza, essas condições devem ser levadas em conta antes de colocar em prática qualquer estratégia que surja de modelos analíticos e ferramentas para reduzir infecções.

Por exemplo, na forma como os testes de covid-19 têm sido feitos em alguns países em desenvolvimento, “eles caíram na mesma armadilha de não respeitar a ideia de que você deve estar ciente das condições locais quando tenta implementar algo”.

Uma definição

Desde 1993, Khanna é professor na Harvard Business School, onde ministrou cursos sobre estratégia, governança corporativa e negócios internacionais.

Ele é o autor de Trust: Creating the Foundation for Entrepreneurship in Developing Countries (“Confiança: a criação da base para o empreendedorismo em países em desenvolvimento”), entre outros livros e artigos acadêmicos.

Um deles era intitulado: “Contextual Intelligence” e foi publicado em 2014 na Harvard Business Review, uma revista da Harvard Business School.

Pessoas com máscaras

Getty Images
Conhecer os pontos de vista de pessoas muito diferentes de você e ver como elas abordam certos problemas ajuda a enriquecer sua visão da realidade

Ele definiu este tipo de inteligência como “a capacidade de compreender os limites do nosso conhecimento e de adaptar esse conhecimento a um ambiente diferente daquele em que foi desenvolvido”.

No texto, o professor alertou que até que esse tipo de inteligência seja desenvolvido “o índice de falência das empresas transnacionais continuará alto”.

Não é um termo novo, há referências acadêmicas à expressão de meados dos anos 80.

Novas situações

Em 2008, Joseph Nye, professor da Escola de Governança da Universidade de Harvard e um dos pioneiros da teoria do soft power, definiu esse termo como: “uma habilidade intuitiva que ajuda um líder a alinhar táticas com objetivos para criar estratégias inteligentes em novas situações”.

Profesor Joseph Nye

Rick Friedman/Corbis via Getty Images
Joseph Nye criou, junto com Robert Keohane, a teoria do neoliberalismo nas relações internacionais, que expôs em seu livro “Power and Interdependence”.

Assim ele descreveu a questão no artigo “Good leadership is deciding how to decide” (“Boa liderança é decidir como decidir”), publicado no jornal Financial Times.

Existe outra chave para a inteligência contextual: a capacidade de interpretar novas realidades.

Mas há mais: este tipo de inteligência se constrói com a ajuda de capacidades analíticas, mas também com o conhecimento que adquirimos com nossas próprias experiências.

“Em algumas situações, ‘habilidades de rua’ são muito mais importantes para o sucesso do que ‘habilidades de escola'”, escreveu o influente internacionalista.

Adaptação

Nesse sentido, Khanna me fez ver como era difícil aconselhar um executivo de alto escalão de um gigante da tecnologia que expressasse seu desejo de entrar em outros mercados sem perder de vista a inteligência contextual.

É que as restrições às viagens e as medidas de distanciamento social dificultam a forma como o conhecimento de um determinado contexto é adquirido.

“Dar uma resposta prática a isso é um grande desafio para mim, porque a maneira como gosto do meu trabalho é viajar: ir para Medellín ou Joanesburgo, fazer amigos lá, conversar com as pessoas, aprender a língua. Então você entende como funciona um negócio. Mas como fazer agora? É um desafio para todos”, disse ele.

Apesar de não achar que tem a resposta, ele explorou as opções existentes para se adaptar à nova realidade: por exemplo, criar grupos de foco e reuni-los em uma plataforma de vídeo para conhecer seus pontos de vista.

É essencial, explicou, que sejam ouvidas tanto as vozes daqueles que se especializam nesse mercado quanto as de outros atores dessa sociedade.

Tela dividida com rostos

Getty Images
Devido às restrições impostas pela pandemia, as reuniões virtuais são importantes para continuar estimulando a troca de ideias e conhecimentos

“Mesmo que seu negócio seja tecnológico, em última análise, sua tecnologia só funcionará para mudar as coisas em uma sociedade se atrair as pessoas na rua. Para fazer isso, você deve pedir a opinião, não apenas de tecnólogos, especialistas em finanças e funcionários do governo, mas também de ativistas sociais, adolescentes, jornalistas.”

A ideia é ter uma visão mais completa possível por meio de amostras representativas da população e aproveitar os recursos que existem em meio a essas circunstâncias.

Ampliar as conversas do grupo de foco “é algo que tem funcionado para mim nos últimos meses”, diz ele.

É que não se trata apenas de perceber quão bom é o nosso entendimento da nova realidade, mas quão bem estamos nos adaptando a ela.

Lentes

Getty Images
“Temos que desenvolver lentes muito amplas para ver a sociedade”, diz o professor Khanna

Múltiplas lentes de pensamento

“Como podemos desenvolver inteligência contextual e até melhorá-la?” perguntei-lhe.

Após uma explicação interessante sobre nossas expectativas ao ingressar no sistema de ensino superior, no qual tendemos a nos especializar, ele me levou – acho que sem perceber de novo – a uma reflexão: por que você quer desenvolver sua inteligência contextual?

E embora, como explicará posteriormente, seja algo que os empregadores procuram em candidatos a cargos de liderança dentro das organizações, a resposta pode ser tão direta quanto: entender melhor a nossa realidade, independentemente do que façamos, e obter o melhor decisões.

“Quando eu era criança, eles sempre me disseram: ‘É preciso estudar algo prático para ser engenheiro, médico, contador. Não seja filósofo ou coisa parecida’. Não sei se o mesmo acontecia no seu país”, disse ele rindo.

Ele seguiu o conselho e estudou matemática nos Estados Unidos. “Algo que me permitisse, por exemplo, desenvolver programas de computador e ganhar a vida.”

“Mas descobri que os problemas mais difíceis na sociedade não são aqueles relacionados à ciência pura, os problemas mais complexos têm a ver com o comportamento humano e a mudança de opinião das pessoas”, refletiu.

Como resolver as mudanças climáticas ou como enfrentar futuras pandemias são dois exemplos e, em ambos os casos, é preciso pensar em comportamentos e atitudes.

Pessoas andando sobre uma ilustração de um cérebro

Getty Images
A inteligência contextual não se limita a conhecer e diagnosticar o ambiente, mas se adapta às novas circunstâncias que surgem.

É exatamente disso que trata uma das aulas que ele dá em Harvard, que incentiva os alunos a lidarem com problemas complexos por meio de “múltiplas lentes de pensamento”.

“É claro que a ciência vai nos ajudar a enfrentar os problemas”, disse ele, “mas também temos que desenvolver essas lentes muito amplas para ver a sociedade”.

E ao fazer isso, você está desenvolvendo inteligência contextual.

Pense em direções diferentes

“Acho que a coisa mais difícil de desenvolver é essa sensibilidade em relação às atitudes, às formas de pensar, e não acho que haja um atalho para isso. Acho que a melhor coisa a fazer é se expor a tipos de pessoas muito diferentes.”

“Idealmente, você deve ser capaz de encontrar pessoas de quem gosta, fazer coisas diferentes e desenvolver uma visão conjunta sobre como resolver os problemas.”

E ele me contou sobre outra aula que dá em Harvard e que se tornou muito popular, na qual ele busca explorar como um problema social é resolvido por pessoas de diferentes disciplinas: a análise que um arquiteto faz vai ser muito diferente da que ele faz um médico, um artista ou um matemático.

“Forçamos os alunos a pensar em direções diferentes” e a considerar com quem eles podem se conectar para fazer as propostas funcionarem.

Aviões de papel

Getty Images
Tanto a inteligência emocional quanto a contextual são fundamentais no desenvolvimento de um líder.

Não devemos deixar de ser práticos e, como sociedade, devemos respeitar os diferentes estilos de aprendizagem.

A chave, insistiu, é “expor-se a diferentes formas de pensar, que podem ser dadas por diferentes áreas profissionais, origens ou nacionalidades, gênero, situação socioeconômica”.

Se você vai começar um negócio

É por isso que uma de suas recomendações ao iniciar um negócio em um país em desenvolvimento é conversar com as pessoas das áreas mais pobres.

“Normalmente ninguém lhes pergunta nada porque as pessoas simplesmente os ignoram”, refletiu.

“Eu digo a essas pessoas: ‘Ok, você quer fazer este produto. Então, sente-se e veja como as pessoas reagem a ele.'”

“Às vezes, um dispositivo médico que poderia ser muito útil para uma pessoa pobre, não será usado por ela porque ela pensará que provavelmente é muito caro e não tocará nele, mesmo que seja barato.”

“Você realmente tem que romper com esse tipo de desamparo, desamparo aprendido.”

“Na Índia, vi pessoas pobres em frente a um hospital que foi construído para elas e não entrando porque não podiam acreditar que é para elas.”

E isso requer inteligência contextual: você tem que saber que essa mentalidade existe e pensar em como mudá-la. “É um problema difícil, mas muito importante”.

Ao procurar um emprego

Questionado sobre se os responsáveis ​​pela contratação estão prestando mais atenção à inteligência contextual, o especialista observou:

“Sim, eles estão fazendo isso nos níveis seniores. Já participei de conselhos de grandes empresas que estão em processo de contratação de alguém para um cargo C-Suite (termo que é agrupado com gerentes seniores, como CEO, diretor de operações, finanças ou informações) e muita atenção é dada aos julgamentos.”

Um empregador e um candidato

Getty Images
Muitos anos antes de estourar a nova pandemia de coronavírus, a inteligência contextual era um requisito para líderes e executivos em muitas organizações

Para fazer um julgamento muito bom, você precisa de um alto grau de orientação contextual e isso é importante em circunstâncias difíceis e ambíguas, por exemplo, quando não há informações suficientes.

E nessas situações de incerteza dentro de uma organização, é importante que a inteligência contextual seja aliada à inteligência emocional:

“Sem sensibilidade às necessidades dos outros, a análise cognitiva pura e a vasta experiência podem ser insuficientes para uma liderança eficaz”, escreveu Nye.

No caso do pessoal operacional e de nível médio, Khanna diz acreditar que menos atenção é dada a esse tipo de inteligência porque os empregadores muitas vezes procuram por habilidades mensuráveis.

Por exemplo: se você está procurando um desenvolvedor de software, mede a eficiência e a velocidade do software que esse candidato desenvolve.

A busca por inteligência contextual em candidatos a cargos de gestão e liderança não é algo novo, é uma habilidade muito valorizada nas organizações há anos.

Fluência em mais de uma cultura

Na verdade, em seu artigo, Khanna disse que uma das maneiras pelas quais as empresas podem adquirir inteligência contextual é contratando “pessoas que são ‘fluentes’ em mais de uma cultura”.

Em uma palestra que proferiu em 2013 na Chatham House, intitulada “Do US Presidents Matter?” (“Os presidentes dos Estados Unidos importam?”), Nye disse que inteligência contextual significa entender a cultura e estar ciente de que quando você muda de uma empresa para outra ou de um país para outro, a cultura também muda.

É também sobre “entender a distribuição de poder, entender as necessidades daqueles que o seguem”. “Mas para entender seu relacionamento com eles, essa parte do contexto, você tem que entender a si mesmo.”

“É aí que entra a inteligência emocional. Inteligência emocional significa ser capaz de entender suas próprias emoções, suas limitações e suas habilidades, e como você pode usar isso para se conectar com outras pessoas e fazer com que elas o sigam.”

Talvez o desejo de cultivar a inteligência contextual deva ir além da expectativa de um trabalho.

Com sua experiência de ensino, Khanna destaca o valor de se envolver em pequenos projetos que atraem nossa atenção, não apenas pelo potencial educacional que eles têm, mas porque podemos conhecer mentores e eles podem até nos encorajar a sermos mentores de outra pessoa de outra cultura, de outro contexto.

“Se eu tivesse que reescrever aquele artigo novamente, não falaria apenas sobre a mentalidade da inteligência contextual, mas sobre a mentalidade para desenvolver essa mentalidade.”

“Você precisa querer tê-la”, concluiu.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Cientista russo defende lançamento da vacina em “tempos de guerra”

Publicado


source
A Sputnik V é vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Rússia
Foto: Divulgação/SputinikV

A Sputnik V é vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Rússia

Alexander Gintsburg, chefe do Instituto Gamaleia, que produziu a vacina russa Sputnik V, disse, em entrevista à Reuters, que o ritmo de seu desenvolvimento foi necessário nas condições “de tempos de guerra” de uma pandemia, mas que não se está pulando etapas.

As declarações aceleram o passo de uma corrida global já frenética para acabar com a pandemia por meio de um imunizante contra o novo coronavírus. No Brasil, a Rússia negocia a sua vacina  com os estados do Paraná e da Bahia,  realizando vacinações públicas em massa.

De acordo com a reportagem da Reuters, alguns cientistas, incluindo cidadãos russos, temem que o país esteja priorizando o prestígio nacional em detrimento da segurança e de provas científicas robustas. Os pesquisadores do Instituto Gamaleia têm rejeitado a hipótese.

“As pessoas estão morrendo exatamente como em uma guerra”, disse Gintsburg, segurando um modelo de cristal do coronavírus na mão. “Mas este ritmo acelerado não é sinônimo, como parte da mídia insinuou, de pular etapas. De jeito nenhum”, complementou.

O chefe do laboratório disse ainda que sua equipe recebeu um cronograma apertado para produzir uma vacina, mas que todas as diretrizes para testar a segurança e a eficiência da Sputnik V foram seguidas.

Com o plano de publicar os resultados provisórios nos 42 primeiros dias de monitoramento dos voluntários, a Rússia poderia se tornar o primeiro país do mundo a anunciar qualquer dado de um teste de estágio avançado.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana