conecte-se conosco


Internacional

Ministros do G20 pedem à Rússia o fim da guerra na Ucrânia

Publicado

Representantes de cada país do G20
Reprodução: commons – 18/04/2022

Representantes de cada país do G20

O segundo dia de reuniões dos ministros das Relações Exteriores do G20 nesta sexta-feira (8) foi marcado por uma série de apelos internacionais para que a Rússia ponha fim à guerra na Ucrânia.

Os representantes, que estão reunidos em Bali, na Indonésia, também tiveram um intenso debate sobre a crise alimentar, especialmente, no que tange a exportação dos grãos produzidos em território ucraniano.

A anfitriã do evento, Retno Marsudi, deu o tom do que seriam as discussões do dia. “É nossa responsabilidade colocar fim à guerra mais cedo ou mais tarde e resolver nossas divergências nas mesas de negociações, não no campo de batalha”, disse Marsudi aos presentes.

Por sua vez, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, afirmou que as reuniões dessa sexta “fizeram sentir um forte coro de todo o mundo, não só dos Estados Unidos, mas de todo o mundo sobre a necessidade de por fim à agressão na Ucrânia”.

Durante a reunião a portas fechadas sobre a crise alimentar, Blinken ainda teria se dirigido diretamente ao seu homólogo russo, Sergei Lavrov, e questionado sobre o bloqueio nos portos dos grãos ucranianos.

“Aos nossos colegas russos: a Ucrânia não está no país de vocês, os grãos deles não são de vocês. Então, por que vocês estão bloqueando isso nos portos? Vocês têm que deixar os grãos saírem”, disse a Lavrov segundo um funcionário do governo dos EUA. Não houve resposta do russo.

Ainda conforme fontes diplomáticas, durante essa reunião, o representante do Kremlin se ausentou em falas de dois países: de Annalena Baerbock, ministra da Alemanha, e de Dmytro Kuleba, chanceler ucraniano convidado ao evento.

O enviado de Kiev acusou Moscou de estar fazendo os “jogos da fome” com todos os países. “A Rússia está essencialmente jogando os ‘jogos da fome’ com o mundo ao bloquear os portos ucranianos com uma mão e culpar a Ucrânia pela crise com a outra. A Rússia vê a dependência de outros países em qualquer tipo de recurso como fraqueza e um convite para usar essa dependência como uma arma para ganhar”, pontuou.

Baerbock seguiu o mesmo discurso dos aliados ocidentais e culpou a Rússia pela crise global de alimentos. No entanto, Lavrov não ouviu as acusações por ter se retirado da sala.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, adotou a mesma linha e disse que a invasão russa na Ucrânia “destruiu a nossa confiança” em Moscou em um momento que o mundo precisa enfrentar diversas crises, como a alimentar e das mudanças climáticas.

“Diferentemente de outras organizações dedicadas a um único tema, o G20 cobre todas as principais questões do nosso tempo e é ainda mais precioso porque se tornou uma câmara do multilateralismo. Esse é o único modo da comunidade internacional enfrentar de maneira eficiente uma vasta gama de desafios. E é por isso que não podemos ignorar a invasão russa”, pontuou ainda.

“O preço dos alimentos, combustíveis e muitos outros bens está subindo em uma velocidade assustadora. Milhões de pessoas estão enfrentando a fome porque a Rússia não permite que os grãos ucranianos saiam de sua costa. A mediação da ONU para liberar os grãos está dando alguma esperança e agradecemos a Turquia por sua ajuda. Pedimos ainda à Rússia para não obstaculizar um possível acordo”, acrescentou Di Maio.

Pouco depois da série de reuniões, Lavrov anunciou que estava indo embora de Bali porque afirmou que a Rússia não é responsável pela crise de alimentos que atinge o mundo.

“Se o Ocidente não quer que haja diálogo aqui, mas quer que a Ucrânia derrote a Rússia no campo de batalha, porque essas foram as opiniões emitidas, então talvez não haja nada sobre o que falar com o Ocidente”, disse aos jornalistas.

Questionada por jornalistas, Baerbock, por sua vez, respondeu exatamente o oposto sobre a saída antecipada do chanceler russo.

“A saída mostra ainda mais claramente que [a Rússia] não está interessada na cooperação internacional e ao debate com outros parceiros. Essa não é a nossa guerra, uma guerra desejada por nós”, acrescentou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Ex-ministro Andrea Matarazzo se candidata a vaga no Senado da Itália

Publicado

Empresário e ex-ministro Andrea Matarazzo
Matheus Valadão Lopes

Empresário e ex-ministro Andrea Matarazzo

O ex-ministro Andrea Matarazzo lançou sua candidatura ao Senado na Itália. As informações são do Estadão . O político e empresário foi embaixador do Brasil em Roma entre os anos 2001 e 2002 e agora visa tornar-se representante da América do Sul no Senado italiano.

Segundo a reportagem, a eleição para a vaga foi antecipada após Mario Draghi renunciar ao cargo de primeiro-ministro. Após a decisão, o presidente italiano, Sergio Mattarella, dissolveu o Parlamento e antecipou o pleito para o dia 25 de setembro. 

A comunidade italiana no Brasil, no entanto, poderá votar em um representante pelo correio a partir do dia 21 de agosto. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Internacional

Rússia ordena prisão de repórter que protestou ao vivo contra a guerra

Publicado

Jornalista Russa protesta contra a guerra
Reprodução

Jornalista Russa protesta contra a guerra

O tribunal de Basmanny, em Moscou, ordenou a  prisão domiciliar da jornalista russa Marina Ovsyannikova até o dia 9 de outubro, informou o portal Novaya Gazeta Europa nesta quinta-feira (11).

A repórter, mundialmente famosa por ter protestado em um dos maiores telejornais noturnos da Rússia contra a guerra na Ucrânia, foi presa nesta quarta-feira (10) e sua casa foi alvo de uma operação de busca e apreensão.

Agora, segundo o advogado, ela foi acusada de “difusão de notícias falsas”, o que pode acarretar uma pena de até 15 anos de detenção desde o início da invasão russa. Basicamente, o governo de Moscou considera uma mentira qualquer publicação que vá contra à linha oficial sobre o conflito. Isso inclui até mesmo protestar contra a guerra.

Ovsyannikova já foi considerada culpada por “desacreditar” as forças armadas russas durante uma audiência de um processo de outro político que criticou o conflito. Até agora, a justiça determinou o pagamento de uma multa de 50 mil rublos, mas a repórter ainda pode ser condenada à prisão.

A jornalista havia deixado a Rússia após o protesto na TV, passando alguns meses trabalhando na Alemanha. Mas, retornou por conta de uma disputa judicial com o marido pela guarda dos filhos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana