conecte-se conosco


Economia

Ministro diz que licença do linhão Manaus-Boa Vista deve sair em abril

Publicado

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse hoje (13) que a licença de instalação do linhão de transmissão de energia entre Manaus e Boa Vista deve sair em abril.

“Estamos trabalhando com o cronograma para que a gente obtenha essa licença em abril”, disse à Agência Brasil. A ideia, segundo o ministro, é que Roraima faça parte do Sistema Interligado Nacional (SIN) em até dois anos, garantindo que a população do estado disponha de segurança energética. Hoje, o estado é abastecido por termelétricas.

Além da segurança energética, ressaltou o ministro, quando Roraima estiver interligada ao SIN o custo da energia deve ficar mais barato em todo o país. “Hoje, só o custo das termelétricas a diesel de Roraima custa à população brasileira cerca de R$ 2,4 bilhões por ano. E todos pagam”, ressaltou.

Em 2011, a concessão da interligação elétrica entre Manaus e Boa Vista foi licitada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e deveria ter entrado em operação em 2015. O sistema de transmissão, composto por duas linhas de transmissão em 500 kV (Lechuga – Equador e Equador – Boa Vista, localizadas nos estados do Amazonas e Roraima), tem como objetivo integrar a capital de Roraima ao SIN. A vencedora da licitação foi a Transnorte Energia.

ICMS

Após dar palestra no Sindicato da Habitação em São Paulo (Secovi), o ministro disse que o projeto de mudanças nas regras do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que consta da proposta de reforma tributária, deve ficar pronto até o final deste mês. Segundo ele, a proposta de reforma tributária deve ser encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro logo após o carnaval. Depois ela seguirá para apreciação no Congresso.

Segundo o ministro, os governadores não devem se preocupar com as mudanças que estão sendo propostas para o ICMS. “Os governadores não devem se preocupar com nada porque isso está sendo tratado de forma bastante transparente. Isso aí não é uma questão particular do ICMS nem dos combustíveis. Temos, sim, que adotar um processo tributário que permita que o combustível tenha preço justo ao consumidor e também temos que considerar as finanças e as expectativas de arrecadação de todos os entes, sejam eles a federação, os estados ou os municípios”.

Edição: Lílian Beraldo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo já desembolsou R$ 197 bilhões em auxílio emergencial

Publicado


.

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse nesta quinta-feira (17) que já foram transferidos R$ 197 bilhões em auxílio emergencial para 67,2 milhões de beneficiários do programa em todo o Brasil. Segundo ele, cerca de 45% dessas pessoas vivem nas regiões Norte e Nordeste do país. 

“Desses R$ 197 bilhões, R$ 68 bilhões foram para o Nordeste e R$ 21 bilhões para a Região Norte”, destacou, durante live semanal do presidente Jair Bolsonaro transmitida pelas redes sociais. Guimarães também lembrou que as primeiras cinco parcelas do auxílio emergencial, no valor de R$ 600, foram pagas a 45 milhões de pessoas e que integrantes do Bolsa Família já começaram a receber a sexta parcela, num valor menor, de R$ 300, que corresponde ao auxílio residual. 

Decreto do presidente publicado esta semana no Diário Oficial da União detalha as regras para a concessão do auxílio residual. As parcelas serão pagas apenas a quem já têm o auxílio emergencial, ou seja, trabalhadores que não são beneficiários do programa não poderão solicitar o auxílio residual.  

Instituído em abril para conter os efeitos da pandemia sobre a população mais pobre e os trabalhadores informais, o auxílio emergencial começou a ser pago com parcelas mensais de R$ 600 a R$ 1.200 (no caso das mães chefes de família) a cada beneficiário. Inicialmente projetado para durar três meses, o benefício foi estendido para um total de cinco parcelas. A partir de hoje, o auxílio residual passa a ser pago em até quatro parcelas mensais. 

Volta às aulas

Ainda durante a live, Bolsonaro voltou a defender o retorno das aulas presenciais no país e disse que já acionou o ministro da Educação para tratar do assunto. “Hoje, até mandei mensagem para o ministro Milton [Ribeiro], da Educação, para que se volte as aulas no Brasil”, afirmou.

Ontem (16), durante audiência pública com deputados e senadores, Milton Ribeiro disse que, se dependesse dele, as aulas presenciais nas escolas de todo o país “voltariam amanhã”, mas que ainda há riscos sanitários. O ministro informou também que a pasta está elaborando um protocolo de biossegurança para a retomada do funcionamento das escolas, com foco na educação básica. 

Edição: Paula Laboissière

Continue lendo

Economia

De Sepultura a Shaman: documentário aborda desafios da música durante a pandemia

Publicado


source
A tirania da minúscula coroa: Covid-19
Reprodução/Youtube

O capítulo traz depoimentos de nomes importantes do cenário brasileiro do rock n’roll

O mais novo capítulo da série “A tirania da minúscula coroa: Covid-19″, que foi pensada e nascida na quarentena, conta com grandes nomes do rock brasileiro  e aborda os principais desafios e alternativas encontradas para a música durante a pandemia de coronavírus.


O décimo episódio da série traz depoimentos de músicos renomados, como Andreas Kisser , guitarrista do  SepulturaFelipe Andreoli , baixista do  Angra , Karma e Almah e Alírio Netto, vocalista do  Shaman e Queen Extravaganz .

Ao longo do documentário, os artistas partilham suas próprias experiências no setor e como tiveram que se reinventar para continuar o trabalho. Andreas Kisser, por exemplo, conta que a banda havia acabado de lançar o novo álbum no início de fevereiro, e no mês seguinte partiriam para uma turnê mundial: “Dois dias antes da nossa viagem, tivemos que cancelar tudo. As coisas já estavam complicadas aqui no Brasil e no resto do mundo”, comenta.

Já o baixista do Angra, Karma e Almah, Felipe Andreoli, aponta que esse meio sofreu bastante com a pandemia: “todo mundo ficou sem emprego da noite para o dia”. O músico contou que aproveitou esse período para compor e produzir novas canções. “As pessoas dessa indústria precisaram se reinventar, buscar outras atividades relacionadas à música, mas que não precisem algomerar pessoas”, afirma.

Este capítulo contou com a orientação do jornalista Charley Gima, editor-chefe do Blog FuteRock, que trabalhou em conjunto na construção da narrativa. De acordo com Gima, o mercado de entretenimento e o da música foram muito abalados com toda essa situação. Ele acrescenta que o setor de shows, por exemplo, foi o primeiro a parar e, consequentemente, deve ser um dos últimos a voltar.

Juliano Sartori (diretor de produção) e Ricardo Sartori (diretor de arte) disseram que a proposta do documentário é justamente mostrar a mudança que a pandemia trouxe para a vida desses artistas que, antes, estavam com agendas movimentadas e, do dia para a noite, tiveram que se adaptar ao mundo virtual.

Para muitos deles, o “novo normal” partiu da ideia de se aventurar em lives e streaming de performances. “Esse é um dos capítulos mais ricos em termos de imagem e edição”, destacam os Sartoris.

A série completa é gratuita e está disponível no canal do Youtube da Via d’Idea.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana