conecte-se conosco


Direitos Humanos

Ministra destaca coragem de enfermeiras que flagraram estupro em parto

Publicado

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Cristiane Britto, visitou hoje (21) a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti e o Hospital da Mulher Heloneida Studart, onde o anestesista Giovanni Quintella Bezerra estuprou uma mulher grávida durante o parto, no último dia 10.

O crime foi registrado em vídeo pela equipe de enfermagem do próprio hospital, o que levou à prisão em flagrante do médico, que responde por estupro de vulnerável. Ao deixar a delegacia, a ministra destacou a coragem da equipe que denunciou o crime e a importância de mais profissionais atentarem às violações contra mulheres.

“O exemplo é o olhar atento de uma equipe médica e a coragem que, principalmente, a equipe de enfermagem teve. Eles não se calaram e preferiram denunciar”, afirmou Cristiane. “Fica um alerta para todas as equipes médicas nos hospitais de todo o Brasil, [para] que, na mínima suspeita, não hesitem, e denunciem.”

A ministra esteve no hospital entre as 10h e as 12h e disse que a visita tinha o objetivo de prestar acolhimento e valorizar os profissionais. “Vi ali uma estrutura que funciona muito bem, vi uma equipe com atendimento humanizado, que agiu no dever de proteger a vida humana e de se defender da violação dos direitos humanos que aconteceu naquele local.”

Por volta das 12h, a ministra chegou à delegacia especializada, onde o caso está sendo investigado. Após a visita, ela também elogiou o trabalho policial. “Vi que realmente estão dando o melhor de si. A equipe está de parabéns.”

O anestesista virou réu na última sexta-feira (15), por decisão do juiz Luís Gustavo Vasques, da 2ª Vara Criminal de São João de Meriti, que recebeu denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Flagrante

O processo contra Quintella começou com a gravação do crime. O comportamento do médico em procedimentos anteriores chamou a atenção das enfermeiras, que perceberam que ele sedava as pacientes além do necessário. As enfermeiras posicionaram uma câmera dentro de um armário na sala de parto e conseguiram registrar o momento em que Quintella cometeu a violência sexual.

De posse das imagens, as enfermeiras comunicaram os fatos à chefia do hospital, que acionou a Polícia Civil. A delegada titular da Deam, Bárbara Lomba, efetuou a prisão do anestesista ainda dentro da unidade. Desde o último dia 12, ele está preso na Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó.

A Polícia Civil ainda investiga a possibilidade de Quintella ter cometido o mesmo crime contra outras mulheres, o que inclui duas possíveis vítimas que tiveram filhos no mesmo dia do flagrante.

Edição: Nádia Franco

Fonte:

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Direitos Humanos

Jogo do Vasco tem ação em prol do reconhecimento de paternidade

Publicado

Na partida de hoje (12) contra o Tombense, pela Série B do Campeonato Brasileiro de Futebol, em São Januário, os jogadores do Vasco entraram em campo com camisas onde, no lugar de seus nomes, estava escrito “XXXXX”.

A ação, em parceria com a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, teve o objetivo de conscientizar a sociedade para o problema da falta do nome do pai na certidão de nascimento de milhares de crianças brasileiras, na véspera do Dia dos Pais.

Na volta para o segundo tempo, os jogadores vestiram camisas com o nome dos seus pais ou de figuras paternas e a logomarca do projeto Minha Origem, Nossa História, da Defensoria Pública, que busca incentivar a parentalidade responsável, com o reconhecimento voluntário da paternidade, a aproximação afetiva entre pais e filhos, e atendimento individualizado e sigiloso.

A coordenadora do Núcleo de DNA da Defensoria, Andréia Cardoso, explica que o projeto Minha Origem, Nossa História, foi criado em 2021 e já atendeu cerca de 500 pessoas, com aproximadamente 300 famílias e 80% de reconhecimento das paternidades.

“Essas famílias são atendidas, é realizado o exame de DNA. Nós fazemos uma oficina de parentalidade, entregamos o resultado. Nós temos alcançado uma média de 80% de êxito no registro das crianças. Então a gente tem alcançado a meta que a gente estabeleceu, nosso projeto está crescendo muito. Estamos aqui hoje nessa parceria com Vasco e a tendência é crescer.

Mutirão

Também em parceria com o Vasco da Gama, a defensoria fará dois mutirões para os torcedores que desejam reconhecer a paternidade. O atendimento inclui o reconhecimento voluntário de paternidade biológica, tirar dúvidas, agendar o exame de DNA e participar de oficina de educação em direitos sobre parentalidade responsável.

O primeiro mutirão será no dia 27 de agosto, no estádio de São Januário, e outro está marcado para 3 de setembro, na Cidade de Deus. Para ser atendido, será necessário inscrição prévia pelo link.

Segundo a defensoria, uma pesquisa da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil (Arpen), divulgada no mês passado, revelou que dos 1.313.088 bebês nascidos no Brasil no primeiro semestre deste ano, 86.610 não têm o nome do pai na certidão de nascimento. Nos últimos cinco anos, houve um crescimento de 1,2% nos registros monoparentais no país.

Edição: Claudia Felczak

Fonte:

Continue lendo

Direitos Humanos

Mães de Blumenau tentam reaver a guarda de filhos enviados à adoção

Publicado

Há semanas, onze mães se revezam em manifestação em frente ao Fórum de Blumenau (SC), com a esperança de sensibilizar a Justiça a reverter decisões judiciais que tiraram delas a guarda dos seus filhos, encaminhados a abrigos municipais ou entregues a famílias substitutas.

Segundo a Defensoria Pública de Santa Catarina, só na cidade, ao menos 15 crianças foram retiradas do convívio familiar nos últimos meses. A principal justificativa tem sido de que as mães não têm condições socioeconômicas para criá-las em segurança.

Algumas das crianças estão há meses em abrigos municipais, sem contato com qualquer parente. Outras já foram entregues ou estão tendo os primeiros contatos, de aproximação, com potenciais famílias substitutas.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estabelece que a inserção de uma criança em outra família é uma medida excepcional, que pode ser feita mediante a concessão da guarda, tutela ou adoção à família substituta. Neste último caso, a família biológica é destituída do poder familiar.

O ECA também determina que o Poder Público deve priorizar a permanência ou a reintegração da criança ou adolescente no seio de sua família biológica. Se necessário, os responsáveis deverão ser incluídos em serviços e programas de proteção, apoio e promoção.

Além disso, as condições das crianças ou adolescentes inseridos em programas de acolhimento familiar ou institucional devem ser reavaliadas a cada três meses para verificar a possibilidade de reintegração à família biológica.

Inconsistências

Em comum, as mães acusam servidores da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semudes) responsáveis por elaborar os relatórios psicossociais que subsidiam as decisões judiciais de não levar em conta que elas enfrentaram dificuldades momentâneas, mas que nunca se sentiram incapazes de criar seus filhos.

“Há situações distintas, mas a maioria dessas mães é pobre, não recebe ajuda dos pais das crianças e, em algum momento, viu suas condições socioeconômicas se deteriorar – principalmente devido às consequências da pandemia da covid-19”, disse à Agência Brasil a coordenadora da Comissão de Direitos Humanos da OAB, a advogada e professora universitária Lenice Kelner.

“Algumas são ou foram dependentes químicas, mas, independentemente disso, todas dizem que não querem dar seus filhos para adoção; que têm parentes que podem ajudá-las e acusam a assistência social municipal de desfavorecê-las em seus relatórios”, acrescenta Lenice.

Mãe de três crianças, a especialista financeira Adrieli do Nascimento, 28 anos, é uma dessas mulheres. Seu filho mais novo, hoje com três anos, foi levado de casa há cerca de um ano, após o pai das crianças, de quem ela já estava separada, denunciar que ela tinha abandonado o garoto na casa da avó materna.

“Foi pura vingança. Eu trabalhava fora e pagava uma babá para ficar com meus filhos. Quando não podia deixá-los com ela, era minha mãe quem tomava conta deles. Fora isso, meus filhos sempre estiveram comigo”, garantiu Adrieli, questionando o teor das informações que os assistentes sociais forneceram ao Ministério Público estadual, órgão responsável por acompanhar os procedimentos de suspensão e destituição do poder familiar e, com base nestes, se manifestar perante a Justiça.

“Estiveram [os assistentes sociais] na nossa casa umas duas vezes. Viram que as crianças estavam comigo; que moro perto da minha mãe; que ela me ajuda, mas mesmo provando que temos condições de cuidar do meu filho, recomendaram que ele fosse levado para um abrigo”, acrescentou Adrieli.

Ela garante que tanto a babá com quem deixava os filhos, como o próprio pai das crianças, seu ex-marido, foram ouvidos no curso do processo e afirmaram que ela é uma boa mãe e que o melhor para o seu filho seria continuar junto dela e dos irmãos – hoje, com 9 e 7 anos.

“Não tenho contato com meu filho mais novo há uns três meses. Não me dão qualquer informação sobre como ele está e só sei que, recentemente, o encaminharam para uma família substituta”, queixou-se. “Não entendo por que fazer isso. Como é que me julgam capaz de cuidar dos meus dois filhos mais velhos, que continuam comigo, mas não do mais novo? Que bem pode fazer para ele estar longe da mãe, da família dele? Colocaram no relatório que eu não tive pré-natal, mas tenho todos os documentos das consultas em que estive durante a gestação”, contou Adrieli, cuja mãe, a fim de reaver o neto, chegou a pedir à Justiça o direito de ficar com o menino.

“A Justiça não aceitou, alegando que ela não tem vínculos com o meu filho, mesmo ela sendo avó, morando perto e de termos fotos e vídeos provando que eles convivem desde que ele era recém-nascido. Parece que ninguém quer ver a realidade, as provas”, lamenta a especialista financeira que, após perder a guarda do filho mais novo, passou a trabalhar de casa, por medo de que algo parecido aconteça com seus outros dois filhos. “Estou traumatizada.”

Gravidade

À medida que foram se reunindo, as 11 mães passaram a buscar ajuda para tentar reaver seus filhos. Além da Defensoria Pública, procuraram a Comissão de Direitos Humanos da seccional municipal da OAB. Segundo Lenice Kelner, a entidade decidiu acompanhar o caso há algumas semanas, após receber cartas e mensagens com os relatos individualizados dessas mães.

Uma das mensagens enviadas à comissão a que a Agência Brasil teve acesso foi assinada por Carla Cristina de Melo. Solteira, ela afirma que seus filhos foram “retirados da minha casa” em 24 de fevereiro e levados para um abrigo.

“Não deixaram que fôssemos lá e o processo não respeitou as provas que apresentamos”, mesmo seu advogado “fazendo o que pôde” para demonstrar que ela desejava e tinha condições de criar seus filhos. “O estado não nos ajuda [pois] é mais fácil tirar os filhos de suas mães, prejudicando-os e violando meus direitos como mãe”, com base em um “relatório cheio de mentiras”.

“São denúncias graves. Feitas não por uma ou duas mães, mas por 11 mães que relatam fatos muito parecidos”, destaca a coordenadora da comissão da OAB, que afirma já ter participado de ao menos uma reunião com o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Alexandre Matias, que teria alegado que o trabalho dos servidores da pasta é técnico, motivado por denúncias, e retrata fielmente a situação das crianças que a rede de assistência social tenta proteger.

“Também estivemos com a juíza da Vara da Infância e Juventude de Blumenau [Simone Faria Locks], que nos assegurou que as decisões judiciais são cuidadosas. Segundo ela, se as crianças foram retiradas do seio familiar é porque houve denúncias e a Semudes reuniu provas de que as mães ou compactuam com violências contra essas crianças, ou não mandam os filhos para a escola, ou algo semelhante. Ou seja, há um impasse. Porque as mães afirmam que os relatórios da Semudes são muito pesados, chegando a apontar que por elas [as mães] serem pobres, não têm condições de criar seus filhos”, acrescenta Lenice.

Para a representante da OAB, as condições das famílias das 15 crianças e de outras que eventualmente estejam em situação parecida deveriam ser reavaliadas, levando em conta que o abrigamento ou mesmo a inserção de crianças e adolescentes em famílias substitutas é uma medida excepcional, que só deve ser aplicada em último caso.

Explosão

Para o defensor público de Blumenau Albert Silva Lima o trabalho “açodado” da Semudes vem induzindo a Justiça a decretar medidas extremas e desnecessárias.

“Muitas dessas mães enfrentaram uma condição de maior vulnerabilidade momentânea, como um desemprego ou uma situação de violência doméstica, e a superaram, mas uma vez acusadas de negligentes, não conseguiram mais manter ou reaver seus filhos.”

Lima também considera que as consequências socioeconômicas da pandemia de covid-19 deixaram uma maior parcela da população vulnerável e que situações semelhantes às vividas pelo grupo de mães de Blumenau podem estar ocorrendo em outras cidades catarinenses, já que, segundo ele, o número de adoções “explodiu” em todo o estado, nos últimos anos.

Informações divulgas no site do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) dão conta de que, somente em Blumenau, 45 crianças e adolescentes foram legalmente adotadas entre março e outubro de 2020. À época, a marca foi citada como um “êxito” pela juíza da Vara da Infância e Juventude da comarca, Simone Faria Locks, que declarou que, a partir do início da pandemia, “o trabalho com as equipes de assistentes sociais foi intenso, as ações de destituição do poder familiar não pararam, audiências foram feitas pela plataforma do Tribunal e as crianças foram encaminhadas para adoção”.

Em maio de 2021, o número de adoções na cidade já chegava a 60. Na ocasião, a juíza Simone acrescentou que, com o necessário isolamento social, houve um aumento nos casos de violência, ocasionando um acréscimo expressivo nas ações de destituição familiar e, consequentemente, do total de acolhimentos registrados no município.

Além disso, um relatório que o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente divulgou em 2018 aponta que, já em 2016, quando 3.488 crianças e adolescentes foram encaminhadas a uma das unidades de acolhimento institucional então em funcionamento no estado, a acusação de negligência por parte dos responsáveis era a principal causa para a destituição do poder familiar.

“Vulnerabilidade social não é motivo para retirar um filho de uma mãe. Ainda assim, temos muito mais encaminhamentos de crianças para famílias substitutas do que casos de reintegração familiar. Sendo que o Estatuto da Criança e do Adolescente [ECA] estabelece que a prioridade deve ser a reintegração familiar. Só em último caso, como medida excepcional, uma criança deve ser encaminhada a uma família substituta”, critica o defensor público Albert Silva Lima.

Respostas

Procurados pela Agência Brasil, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina e o Ministério Público estadual informaram que estão legalmente impedidos de tornar público detalhes de processos específicos que, por envolverem crianças e adolescentes, correm em segredo de Justiça.

A Semudes acrescentou que o serviço de acolhimento institucional, em abrigos, ou em famílias acolhedoras “são organizados em consonância com os princípios, diretrizes e orientações do ECA” e de orientações técnicas específicas. A pasta também garante que todos os casos envolvendo crianças ou adolescentes em acolhimento são acompanhados judicialmente, e que as decisões cabem ao Poder Judiciário.

Edição: Denise Griesinger

Fonte:

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana