conecte-se conosco


Política Nacional

Metas ambientais estão alinhadas com setor energético, avaliam debatedores

Publicado

Os planos de expansão do setor de energia no Brasil estão alinhados com os compromissos assumidos pelo país para implantação do acordo de redução do aquecimento global, avaliaram nesta quarta-feira (30) representantes do setor energético em audiência pública na Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC), que teve como tema os biocombustíveis e a matriz elétrica nacional.

O Brasil assumiu perante a Organização das Nações Unidas (ONU) o compromisso de promover uma redução das suas emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005, em 2025. Além disso, indicou uma contribuição indicativa subsequente de redução de 43% abaixo dos níveis de emissão de 2005, em 2030.

Representante do Ministério de Minas e Energia, Luís Fernando Badanhan disse que o país projeta para 2027 uma queda no uso dos derivados de petróleo e o aumento das fontes renováveis na matriz energética, com o uso de energia solar e eólica, biogás, gás industrial e os derivados da cana-de-açúcar, as quais atingirão quase 20% da matriz.

— Em termos de combustíveis fósseis, temos no Brasil hoje 55,4%, que cairia para 50,6% em 2027. A gente tem uma posição favorável na questão energética em relação ao mundo. O Brasil tem hoje 43% de renováveis. Na matriz elétrica os números são melhores. Do ponto de vista de renováveis, destaque para a eólica, que subiria para 11,7% da matriz, em 2027, queda do óleo e carvão, e aumento da energia solar em 3,4% — afirmou.

Etanol

Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Ludmilla Cabral disse que a matriz energética do Brasil é um exemplo para o mundo de energia renovável. Segundo ela, o aumento de combustíveis renováveis na matriz torna-se fundamental para a consecução das metas do Acordo de Paris, com a expansão da bioletricidade e o aumento do volume de etanol nos carros.

— Nossa matriz é renovável e tem a perspectiva de se tornar cada vez mais. O ciclo de vida do etanol conseguir reduzir em até 90% das emissões de gases de estufa, absorvidos pela plantação, em comparação aos combustíveis fosseis. Desde 2015, quando o Acordo de Paris foi celebrado, até agosto deste ano reduzimos 240 milhões de toneladas de dióxido de carbono pelo uso do etanol como biocombustível. A colheita mecanizada no Centro-sul, que extingue a queima da cana, também contribuiu, além da bioletricidade fornecida pelo setor à rede — afirmou.

Eletrificação

Representante da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Henry Joseph Júnior disse que a indústria automobilística já trabalha em linha com as tecnologias a serem adotadas em 2025. Em sua avaliação, um dos caminhos para o alcance das metas apresentadas pelo Brasil seria a eletrificação em médio e longo prazo.

— Pensar na renovação da frota e na mudança do veículo que temos no mercado brasileiro é uma opção de maior custo, devido à introdução de um novo modelo de motorização e alteração em toda a cadeia produtiva. Temos a questão das baterias, ainda razoavelmente complicada. A tecnologia teria que ser importada, não temos esse conhecimento estabelecido no mercado, e tem a questão da infraestrutura a ser criada. O Brasil não é um país fácil do ponto de vista do estabelecimento de infraestrutura. E há o desafio ambiental com o descarte das baterias — afirmou.

Outro caminho, disse o representante da Anfavea, seria a intensificação do uso dos biocombustíveis, sobretudo o etanol e o biodiesel.

— Em curto prazo, seria a opção de menor custo, com infraestrutura já estabelecida, temos o domínio da fabricação do veículo híbrido flex, e utilizaríamos as potencialidades do país — afirmou.

Políticas falhas

Representante do Instituto Clima e Sociedade, Roberto Kishinami apontou a falta de políticas energéticas associadas a questões sociais, principalmente no que se refere à energia hidrelétrica.

— A oferta de energia renovável é colocada como alguma coisa antagônica em relação a populações diversas. O aparecimento do petróleo no Brasil é tardio, quando o mundo já discute a sua substituição. Gastamos cada vez mais energia para produzir o mesmo dólar. Em todos os países concorrentes esse número tem caído — afirmou.

Kishinami destacou que todos os países do mundo fazem um “esforço brutal” para produzir mais com menos energia, ao contrário do Brasil, que tem apresentado trajetória inversa.

— Os equipamentos que temos para uso doméstico, se comparados ao que existe em lugares avançados, são muito piores, gastam mais energia para produzir o mesmo resultado. Isso tem a ver com proteção a equipamentos ruins que causam prejuízos ao país inteiro — lamentou.

Energia solar

Representante da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) Rodrigo Lopes Sauaia disse que energia fotovoltaica tem avançado exponencialmente, e que 93% dos brasileiros querem gerar energia limpa e renovável em suas empresas e domicílios.

— A tecnologia está acelerando sua implantação no mundo graças à redução do preço da energia solar fotovoltaica, que agora se torna acessível à sociedade. Apesar disso, o Brasil não é uma liderança solar, está atrasado no uso da tecnologia, no vigésimo primeiro lugar no ranking. Ainda estamos começando em relação a países que não têm recurso solar, como Japão e Reino Unido — afirmou.

Sauaia ressaltou que a geração distribuída de energia no Brasil ainda não conta com um marco legal, o que traria segurança jurídica para o mercado, o consumidor e o investidor.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Moro pode migrar para União Brasil para acelerar campanha presidencial

Publicado


source
Moro pode migrar para o União Brasil e acelerar campanha presidencial
Reprodução

Moro pode migrar para o União Brasil e acelerar campanha presidencial

Dois meses e meio depois de filiar o  ex-ministro Sergio Moro para disputar a Presidência da República, o Podemos abriu conversas que poderão resultar na migração do seu pré-candidato para o União Brasil, partido formado pela fusão entre DEM e PSL.

A mudança está sendo negociada com a presidente da sigla do ex-juiz da Lava-Jato, a deputada Renata Abreu (SP), que tem visto correligionários de diferentes estados pularem para os palanques dos dois principais adversários de Moro: o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Integrantes do União Brasil admitem abertamente que sonham com o ingresso de Moro para encabeçar a chapa presidencial pela legenda recém criada, que aguarda apenas o aval do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para ser formalizada, o que deve ocorrer em fevereiro. Renata Abreu também não descarta o movimento, embora ressalte que as conversas estão em estágio inicial.

“Parlamentares do União Brasil pediram para avaliarmos esta possibilidade de o Moro migrar para o partido, mas não temos nada concreto”, afirmou Renata ao Globo.

Nos atuais termos do debate em curso, a própria Renata seria beneficiada. Para convencê-la a abrir mão do nome escolhido para representar seu partido na corrida ao do Planalto, representantes da União Brasil estariam dispostos a oferecer à deputada o posto de vice na chapa. As negociações foram reveladas pelo colunista Lauro Jardim.

Continue lendo

Política Nacional

Bolsonaro: ministros substitutos já estão “praticamente acertados”

Publicado


source
Bolsonaro: ministros substitutos já estão
Reprodução

Bolsonaro: ministros substitutos já estão “praticamente acertados”

presidente Jair Bolsonaro (PL) confirmou nesta terça-feira (18) que 12 ministros deverão deixar seu governo para concorrer e que já está “praticamente acertado” quem os substituirá. De acordo com o presidente, os ministros deverão deixar o cargo até o final de março.

Segundo Bolsonaro, cada ministro produziu um relatório do trabalho de cada pasta nos últimos três anos. A declaração foi dada à “Sidys TV”. A desincompatibilizaçao do cargo, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, deve ocorrer seis meses antes das eleições: neste ano, até 2 de abril.

“Cada ministro já fez um relatório do que foi feito nos últimos três anos. Nós vamos continuar trabalhando sem parar. No final de março, devemos ter 12 ministros que vão concorrer a cargos eletivos pelo Brasil e já está praticamente acertado quem os substituirá. E continuarão mantendo o mesmo ritmo”, disse Bolsonaro na entrevista.

O presidente admitiu ainda que alguns de seus auxiliares desejam concorrer ao mesmo cargo: o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Segundo Bolsonaro, ambos desejam se candidatar ao Senado pelo Rio Grande do Norte mas, caso isso ocorra, ficará “muito difícil”.

Leia Também

“Os dois ministros querem o Senado, né? Vamos ver se chegam num acordo. Se os dois disputarem, fica muito difícil. São dois quadros excepcionais do Rio Grande do Norte”, afirmou.

Ao comentar sobre as eleições presidenciais, Bolsonaro disse que a eleição não vai ser “difícil” para o povo brasileiro. Segundo ele, o pleito será uma comparação entre os quatro anos de seu mandato com os 14 dos governos do PT que, segundo o presidente, foram marcados por ilusões e corrupção.


“Não vai ser uma eleição difícil para o povo brasileiro. Vocês vão poder comparar praticamente quatro anos do meu governo com 14 do PT. Lá atrás, marcado por promessas, ilusões e um governo com muita corrupção e sem perspectiva de futuro. E o nosso, nós temos mostrado o que tem sido feito ao longo desse tempo. Então não acho que vai ser difícil a população escolher em outubro quem ela quer para comandar nosso país”, disse.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana