conecte-se conosco


Política MT

Mauro cita compromisso de MT com meio ambiente e promete punição aos responsáveis por queimadas

Publicado

Governador recebeu o ministro do Meio Ambiente e sobrevoou áreas atingidas pelas queimadas nos estado [F-Mayke Toscano]

O governador Mauro Mendes (DEM), afirmou no final da tarde de quarta-feira (21), durante a visita do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que “aqui na baixada cuiabana é a irresponsabilidade da atividade humana que causou esse gigantesco número de queimadas”. Segundo ele, as queimadas estão aumentando “pela irresponsabilidade de algumas pessoas e, principalmente, pelo longo período de estiagem registrado na região”.

O ministro Ricardo Salles decidiu vir ao Estado depois que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que Ongs estariam por trás dos incêndios na região amazônica com o intuito de prejudicar a imagem do governo. “É possível que tenha pessoas por trás dessas ações, porque o fogo não começa de maneira espontânea. Agora, se essas pessoas são cidadãos comuns, se são produtores, se são ligados a ONGs, só uma investigação poderá levar a esse resultado”, disse o governador.

Conforme o democrata, no caso de Mato Grosso “temos feito o nosso papel, assumindo as nossas responsabilidades. Inauguramos recentemente o melhor sistema em tempo real para detectar desmate ilegal no Estado. Na questão das queimadas estamos primeiro combatendo os incêndios, que tem origem nas mais diversas naturezas e depois vamos fazer o trabalho de responsabilização. Nosso foco é cumprir a legislação”, destacou.

Leia Também:  Prefeito de Rondonópolis presta depoimento à CPI nesta terça-feira (9)

Mendes não vê a questão das queimadas como forma de atingir o governo. “Não é para atingir o governo lá fora, porque se alguém está fazendo isso, além de ser um crime ambiental, é um crime contra o País, porque isso é ruim não só para a nossa imagem, é ruim para a nossa saúde, é ruim sob todos os aspectos. Se alguém está fazendo isso é um brasileiro que merece uma pena muito forte porque está jogando contra o País e todos os brasileiros”, afirmou.

Segundo o governador, “nenhum país do mundo produz tanto alimento e respeita o meio ambiente como o Brasil e, particularmente, Mato Grosso. Isso precisa ser dito para o mundo. Nós temos uma consciência ambiental e vamos mostrar isso. Em Mato Grosso estamos fazendo o dever de casa. Eu fui eleito para cuidar de Mato Grosso e aqui no Estado nós vamos tomar todas as medidas para preservar o meio ambiente, para combater qualquer desmatamento ilegal. Não vamos compactuar com nada à margem da lei para combater aqueles que insistirem em transgredir”, completou.

Leia Também:  Ex-presidente da Câmara de Cuiabá é multado pelo TCE

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

TCE nega recurso e mantém multa a ex-secretário de Fazenda por rombo de R$ 36 milhões

Publicado


O ex-secretário Seneri Paludo, multado por irregularidades na Conta Única do Estado

O Tribunal de Contas de Mato Grosso manteve a punição do ex-secretário estadual de Fazenda, Seneri Kernbeis Paludo, multado em 6 UPFs por pagamentos feitos com recursos da Conta Única do Tesouro Estadual utilizando meios não eletrônicos, em desacordo com os princípios do interesse público e da isonomia. Isso porque foram negados Recursos Ordinários interpostos por Seneri Kernbeis Paludo, Wellington João Geraldes, Nelson Corrêa Viana e Cynthia Cândida Correa, mantendo-se inalterados os termos do Acórdão 96/2018-PC. A decisão, referente ao processo nº 21.472-8/2016 foi relatada pela conselheira interina Jaqueline Jacobsen na sessão plenária extraordinária do desta quarta-feira (16).

Na Auditoria de Conformidade (Processo nº 223719/2016) foram inspecionadas as movimentações financeiras ocorridas na Conta Única do Tesouro do Estado de Mato Grosso, bem como em outras 16 contas de arrecadação e 10 contas especiais no mês de setembro de 2016. Nessas contas, foram verificadas diferenças entre o saldo bancário e o saldo contábil na ordem de R$ 36.061.779,03.

Leia Também:  Juíza compartilha provas sobre desvio de R$ 7 milhões investigado na operação Seven com a Receita Federal

Continue lendo

Política MT

Ex-presidente da Câmara e empresa terão que devolver R$ 106 mil aos cofres públicos de Cuiabá

Publicado

Além de restituir os cofres públicos, Justino Malheiros ainda terá que pagar multa

O ex-presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Justino Malheiros (PV), terá que restituir aos cofres públicos municipais a quantia de 106.666,00, em solidariedade com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli. O valor deve ser corrigido monetariamente pelo IPCA desde 21/12/2018, data do pagamento, acrescido de aplicação de multa de 10% sobre o valor atualizado do dano ao erário.

Malheiros ainda terá que pagar multa de 20 UPFs, sendo 10 UPFs por ausência de estudo técnico e de viabilidade econômica e projeto básico, projeto de infraestrutura e mensuração irregular do valor para manutenção, na adesão da Ata de Registro de Preços 19/2017 da Assembleia Legislativa; e 10 UPFs em razão da ausência de preços praticados pela Administração Pública e ampla pesquisa de mercado para definir pela vantajosidade da contratação.

A decisão ocorreu no julgamento da Representação de Natureza Interna (Processo nº 83810/2019) proposta pela Secex de Contratações Públicas em face da Câmara Municipal de Cuiabá, do ex-gestor e da empresa contratada, durante sessão extraordinária do Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso, nesta quarta-feira (16/10). Por unanimidade, os membros acompanharam voto da relatora, conselheira interina Jaqueline Jacobsen, pela restituição ao erário, aplicação de multas, determinações e recomendações.

Leia Também:  “Ninguém suporta mais essa novela”, diz secretário sobre VLT. Decisão do Governo deve sair nos próximos dias

De acordo com os autos, a Câmara Municipal de Cuiabá, então presidida por Justino Malheiros Neto, aderiu à Ata de Registro de Preços 19/2017, da Assembleia Legislativa, cujo objeto foi o registro de preço para contratação de empresa especializada no fornecimento de solução integrada de controle, automação e supervisão predial. Essa adesão resultou no Contrato 15/2018, firmado com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli.

Ao analisar o contrato, foram detectados pela equipe técnica três irregularidades, todas de natureza grave. A ausência de elaboração de um projeto específico pela Câmara Municipal de Cuiabá, no qual fosse demonstrada a viabilidade técnica e econômica para a
aquisição das câmeras e softwares de monitoramento e inclusão de outros itens necessários para a execução do projeto, além da constatação de que não houve a comparação com preços praticados por outros órgãos públicos, dificultando a mensuração da compatibilidade ou não, com os valores praticados no mercado, renderam as multas aos ex-gestores.

Quanto à restituição ao erário, a equipe técnica constatou que os equipamentos foram contratados com sobrepreço, por R$ 402.157,34 e, desse total, apenas R$ 149.164,00 é devido. “Considerando que já houve o pagamento de R$ 255.824,00 à contratada deverá ser restituído ao erário o montante de R$ 106.660,00”, ressaltou a relatora no voto.

Leia Também:  Reunião no dia 14 de agosto em Brasília pode definir situação do Incra em Rondonópolis

A conselheira relatora determinou à atual gestão que promova a realização de termo supressivo do Contrato 15/2018, fixando como valor contratual a quantia de R$ 149.164,00; e recomendou que a gestão respeite os ditames da Resolução de Consulta 20/2016 – TCE-MT, para as futuras licitações, no que tange à composição do Projeto Básico ou Termo de Referência.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana