conecte-se conosco


Política MT

Mauro garante que redução de despesas já possibilitou repasses à Saúde e realização de obras em vários municípios

Publicado

Governador destacou economia significativa em gastos com viagens aéreas, por exemplo, que passaram a ser feitas em voos comerciais

O governador Mauro Mendes (DEM) destacou durante entrevista á rádio Capital FM na última segunda-feira (5), que as medidas adotadas para reduzir despesas e controlar os gastos públicos já resultaram em uma economia significativa que possibilitou a realização de obras e a regularização dos repasses para a Saúde a vários municípios. “Gastávamos, por exemplo, R$ 11 milhões, com internet na Educação. Hoje, pagamos R$ 3 milhões. Na saúde, a atenção básica, que é cuidar dos postinhos de Saúde, tinha 11 meses de atraso. Em 2018, foi pago apenas o mês de janeiro. A média e alta complexidade estava com 6 meses de atraso”, lembrou.

“Este ano, estamos em dia. Na atenção básica, pagamos todos os meses. E aquele atrasado do ano passado, em alguns programas, conseguimos atualizar”, completou.

Outro ponto de economia destacado pelo governador foi com relação ao corte de gastos como em viagens áreas que passaram a ser feitas em voos comerciais ao invés de jatinhos particulares como era no governo anterior. Segundo o democrata, somente nesse item, a economia já é de R$ 900 mil

Leia Também:  Max Russi busca melhorias para a cultura, esporte e segurança pública de Tangará da Serra

“O governo anterior gastou, no primeiro quadrimestre em 2018, mais de R$ 1 milhão só de voo no gabinete e na Casa Militar. Eu gastei pouco mais de R$ 100 mil, porque não estou indo para Brasília de jatinho, estou indo em voo de carreira”, comparou.

Com relação a infraestrutura, Mauro Mendes garante que mais de 100 obras foram retomadas no Estado. “As licitações do Governo, por exemplo, já começaram a ter briga, porque as pessoas já perceberam que o Governo está pagando em dia. Este ano, tenho certeza, vamos entregar obras que estavam paradas há cinco ou seis anos”, garantiu.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

CPI convoca promotor do MP para dar explicações sobre sonegação de ICMS e quer acesso à delação de empresário

Publicado

Novas convocações foram aprovadas por membros da CPI, que ainda esperam ouvir o ex-governador Silval Barbosa

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal aprovou três novas convocações na investigação sobre sonegação de impostos na comercialização de combustíveis durante reunião na tarde desta quinta-feira (10).

O presidente do Instituto de Pesos e Medidas de Mato Grosso (Ipem-MT), Bento Francisco Bezerra, falará sobre a fiscalização e controle de qualidade dos combustíveis no estado. O promotor Luiz Alberto Segalla Bevilacqua será ouvido para prestar informações a respeito de sonegação de impostos no ramo de combustíveis e do crime organizado.

Completa a lista o diretor do Instituto de Ciências Exatas e da Terra (ICET) da UFMT, professor Martinho da Costa Araújo. Ele será perguntado sobre a Central Analítica de Combustíveis (CEANC), instalada em 2007 no departamento de Química da universidade.

No encontro, os deputados também discutiram o andamento dos trabalhos com a equipe técnica. Um roteiro a ser seguido por cada uma das sub-relatorias da CPI foi apresentado. O objetivo é facilitar a elaboração do relatório final da comissão e dar diretrizes para as ações que serão realizadas.

O presidente da CPI, deputado Wilson Santos (PSDB), avalia que os trabalhos deverão ser prorrogados. “Nós queremos construir legislações que reduzam ao máximo a sonegação”, adianta o parlamentar. Ele garante ainda que a oitiva do ex-governador Silval Barbosa será marcada, apesar da suspensão aprovada em reunião passada.

Santos também indicou que a CPI espera acesso à delação do empresário Wagner Florêncio Pimentel, assassinado em março e apontado pelo Ministério Público como chefe de uma quadrilha descoberta durante a Operação Crédito Podre.  As informações devem contribuir na investigação sobre o agronegócio. “Ele entrega muitas pessoas para quem ele trabalhava e os praticantes do assassinato também já denunciaram algumas pessoas”, diz o deputado.

Com a saída do deputado estadual Max Russi (PSB) da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal, o deputado Valmir Moretto (Republicanos) passa a integrar a comissão. Ele ficará responsável pela sub-relatoria do agronegócio, enquanto Wilson Santos cuidará da parte de incentivos fiscais, Janaina Riva (MDB) ficará com o setor dos frigoríficos, Nininho (PSD) comandará a investigação do segmento da mineração e Carlos Avallone (PSDB) será o sub-relator do setor de combustíveis.

Leia Também:  Max Russi busca melhorias para a cultura, esporte e segurança pública de Tangará da Serra
Continue lendo

Política MT

Ex-presidente do Indea tem aposentadoria penhorada por desvio de R$ 1,5 milhão

Publicado

Décio Coutinho é acusado de superfaturamento em compra de passagens aéreas e terrestres para órgão público

Condenado a pagar multa civil devido ao desvio de mais de R$ 1,5 milhão do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), por meio de irregularidades na execução de um contrato para fornecimento de passagens aéreas e terrestres e hospedagem para servidores, o ex-presidente do órgão, Décio Coutinho, teve 20% de sua aposentadoria bloqueados pela Justiça. A decisão é do juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública.

Foi o próprio Coutinho quem ofereceu a proposta aceita pelo magistrado, sugerindo que a Justiça faça o desconto mensal, em folha de pagamento, de 20% do valor bruto recebido na aposentadoria. O Ministério Público do Estado (MPE) se manifestou favorável ao desconto na folha de pagamento da aposentadoria.

“In casu, o executado propôs o desconto de 20 % (vinte por cento) do valor bruto da sua aposentadoria, fato que demonstra que a medida a ser adotada não importa em prejuízo à sua subsistência, bem como de sua família”, diz trecho da decisão. Diante disso, o magistrado autorizou a cobrança da multa por meio de desconto mensal do provento recebido pelo condenado.

Em 2003, quando era presidente do Indea, Décio Coutinho foi acusado de improbidade administrativa por devido diversas irregularidades na execução do contrato de prestação de serviço firmado entre o Indea e a Agência de Viagens Universal Ltda após a realização de processo licitatório para contratação de empresa especializada para fornecimento de passagens aéreas e terrestres, nacionais e internacionais e reserva de hotéis, sendo estimado em 35 passagens aéreas e 164 passagens rodoviárias.

Conforme denúncia do o MP, o contrato foi aditivado por 7 vezes, resultando no desvio de mais de R$1,1 milhão. Na época, Décio foi condenado a pagar multa de 10 vezes a remuneração que recebia na época dos fatos, que era R$ 15 mil.

Leia Também:  CCJR aprova proposta que beneficia surdos e deficientes auditivos
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana