conecte-se conosco


Política Nacional

Mato Grosso será o único estado a escolher um senador

Publicado


Os eleitores de Mato Grosso serão os únicos do país que não vão escolher apenas prefeitos e vereadores nas eleições de 15 de novembro. O estado também terá eleição para o Senado. A vaga foi deixada pela ex-senadora Selma Arruda, que teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelos crimes de caixa dois e abuso de poder econômico na campanha de 2018.

Em abril deste ano, a Comissão Diretora do Senado declarou a perda de mandato da senadora. Por decisão da Justiça Eleitoral, inicialmente a eleição para a vaga ocorreria em abril, mas foi adiada por causa da pandemia novo coronavírus (covid-19) e remarcada para coincidir com o pleito municipal.

Na disputa pelo Senado, 11 candidatos foram oficializados pelo TSE, entre eles o atual ocupante interino da vaga, o senador Carlos Fávaro (PSD), que nas eleições de 2018 foi o terceiro mais votado. À época da cassação de Selma Arruda o primeiro suplente e segundo suplente à vaga, respectivamente, Gilberto Possamai e Clerie Fabiana Mendes, não puderam assumir a cadeira no Senado porque também foram cassados. Possamai ficará inelegível por oito anos, assim como Selma Arruda. 

O mandato do eleito em 15 de novembro irá até 2026.

Edição: Fernando Fraga

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Paes e Crivella intensificam ataques na reta final do 2º turno

Publicado


source
Campanha de Eduardo Paes acusa Crivella de espalhar fake news
Reprodução

Campanha de Eduardo Paes acusa Crivella de espalhar fake news

Mesmo em uma campanha que pesquisas de intenção de voto apontam não ser das mais acirradas, com larga vantagem para o primeiro colocado, o segundo turno da disputa pela prefeitura do Rio vem sendo marcado por ataques, seja por meio de declarações, panfletos, em debates ou no horário eleitoral .

O acirramento chegou também ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ): o candidato do DEM, Eduardo Paes , já moveu 53 ações contra o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), que postula a reeleição; o atual ocupante do cargo, por sua vez, acionou o adversário judicialmente 38 vezes.

No ápice do confronto, Crivella fez uma falsa acusação ao afirmar que Paes, se eleito, entregaria a Secretaria de Educação para o PSOL, o que, nas palavras dele, incentivaria a pedofilia nas escolas.

Um material distribuído nas ruas vincula o ex-prefeito ao aborto, à legalização das drogas e à distribuição de um ” kit gay ” nas escolas.

Na Justiça Eleitoral, Paes afirma que a propaganda é “sabidamente inverídica e difamatória” e tem o objetivo de “ludibriar os eleitores” — o ex-prefeito também foi às redes sociais contestar a divulgação.

Continue lendo

Política Nacional

Queiroz admite que houve “rachadinha”, mas tenta livrar Flávio Bolsonaro

Publicado


source
Fabrício Queiroz ao lado de Flávio Bolsonaro
Reprodução

Fabrício Queiroz ao lado de Flávio Bolsonaro

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro , Fabrício Queiroz , confessou que havia um esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) . Em contrapartida, Queiroz alegou que o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não se envolveu com o crime.

A alegação foi feita por escrito e consta em uma petição anexada ao processo que corre no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

“Tal acordo [ rachadinha ] teria sido realizado sem consulta ou anuência do então deputado estadual nem de seu Chefe de Gabinete”, alega o documento segundo informações da CNN Brasil.

Os promotores do caso não acreditam na alegação, uma vez que as informações não coincidem com a evolução de patrimônio de Flávio Bolsonaro e da esposa Fernanda Antunes Bolsonaro .

Uma ex-assessora de Flávio admitiu que era uma funcionária fantasma e que nunca trabalhou de fato na Alerj. Luiza Sousa Paes disse que recebia o salário, mas devolvia acima de 90% da quantia para Queiroz.

O salário de Luiza era de R$ 5 mil. Ela ficava com R$ 700 e devolvia o restante das quantias, incluindo vale-alimentação, 13º, férias e a restituição do Imposto de Renda.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana