conecte-se conosco


Carros e Motos

Marcas de carros investem em scooteres e patinetes elétricos. Veja exemplos

Publicado


Volkswagen elétrico
Divulgação

Eis um dos patinetes elétricos criados por marcas de automóveis: o VW Streetmate. Repare no suporte para o celular

A busca por mobilidade e custo-benefício giram em torno dos veículos de duas rodas. Entre os quais scooteres, as bicicletas e os patinetes elétricos. Com isso em mente, as fabricantes de carros e motos já iniciaram as suas apostas nesse novo segmento de mercado.

LEIA MAIS: Conheça 5 apps de mobilidade no Brasil que valem a pena hoje em dia

Entre as marcas de motos, a Ducati acaba de lançar uma edição especial do scooter elétrico CUx, em parceria com a Vmoto. Indo para as fabricantes de carros, a Volkswagen anunciou novos projetos de patinetes elétricos com a chinesa Niu, uma start-up de veículos elétricos sediada em Changzou.

Batizado de Streetmate, a novidade foi apresentada pela marca alemã no ano passado como um conceito, movido por um motor de 2 kW e com autonomia para 35 km. Espera-se que chegará às lojas na China até o fim do ano.

Patinete e scooter elétrico do grupo BMW


patinete elétrico
Divulgação

Outro patinete elétrico, desta vez que pode oferecer mais praticidade que o da VW: o BMW X2City

No início do ano, a BMW lançou a nova geração do X2City, outro patinete elétrico, que pode chegar a 20 km/h e ser utilizado nas ciclovias europeias. A novidade já atende à nova legislação da Europa para esse tipo de veículo, por isso exige um impulso inicial de até 6 km/h para o motor elétrico entrar em funcionamento.

Leia Também:  Strasse oferece VW Passat Oettinger no Brasil

Há também um pedal na plataforma que precisa ser pressionado algumas vezes para que a velocidade aumente, mesmo que tenha limites pré-estabelecidos de velocidade e autonomia para até 30 km.

LEIA MAIS: Veja quais são os 5 scooteres novos mais baratos do Brasil

De acordo com a BMW,  uma carga completa no patinete leva cerca de duas horas e meia. E o veículo ainda oferece uma tomada USB para carregar o celular e conexão Bluetooth para futuros aplicativos. Já à venda na Alemanha, exige, tal como para as bicicletas elétricas , seguro e pode ser conduzido por quem tenha habilitação para pilotar ciclomotores. O preço é de 2.399 euros (cerca de R$ 10 mil).

A Mini, que também é do grupo BMW, também já apresentou um conceito de scooter elétrico. Batizado de E Scooter Concept, traz as mesmas linhas arredondadas e o estilo contemporâneo da linha de automóveis da marca.

O motor é instalado na roda traseira e funciona a partir de baterias de íons de lítio compactas, que são recarregadas em tomadas de energia domésticas convencionais, com a ajuda de um cabo de carregamento integrado à parte traseira da motocicleta. Ao abrir o compartimento do cabo — semelhante à tampa do tanque de combustível dos carros da marca — ela se ilumina e o plugue pode ser puxado para fora até uma distância de 5 metros.

Leia Também:  Fazer carro no México é até 44% mais barato do que no Brasil, aponta estudo

LEIA MAIS: Audi RS4 ou bike elétrica? Pusemos as duas lado a lado para encarar o trânsito

Migrando para os equipamentos, o painel tem forma arredondada e é inspirado no mostrador central dos Mini, com capacidade de acomodar um celular. Ao encaixá-lo nele, o motor é acionado automaticamente. Enquanto a motocicleta estiver em movimento, o aparelho pode ser usado como navegador GPS, tocador de música ou telefone, conforme a necessidade do piloto.

Uma interface sem fio Bluetooth pode ser conectada a um capacete especial, que vem equipado com microfone e fones de ouvido. Por fim, as luzes indicadoras da carga da bateria e de acendimento dos faróis e dos piscas estão posicionados nas bordas do painel, em alusão aos botões no volante multifuncional dos Mini. Ou seja, entre os scooteres, as bicicletas e os patinetes elétricos , cada vez mais tecnologia chega agregada à boa mobilidade.

Fonte: IG Carros
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Carros e Motos

Mercedes de R$ 1,7 milhão tem 5 unidades vendidas no Brasil

Publicado


Mercedes AMG GTR Pro arrow-options
Divulgação

Mercedes-Benz AMG GTR Pro tem itens exclusivos baseados nos carros de corrida da marca alemã sediada em Stuttgart

A restrita lista dos supercarros mais caros do Brasil recebe mais um integrante: o Mercedes AMG GTR Pro, que tem 5 unidades vendidas o País, cada uma pelo equivalente a R$ 1,7 milhão. Ao todo, apenas 750 serão fabricadas. O modelo tem produção limitada e é considerado o mais rápido feito pela marca alemã com itens e acertos exclusivos para se aproximar dos carros de corrida.

LEIA MAIS: Veja quais são os 5 carros mais caros do Brasil hoje em dia

Estamos falando de um superesportivo com motor V8 4.0 biturbo, de 577 cv e 71,3 kgfm de torque, números para acelerar de 0 a 100 km/h em 3,5 segundos, diz a fabricante. Para conter todo esse ímpeto esportivo, o Mercedes AMG GTR Pro vem com freios de fibra de cerâmica que ficam parcialmente à mostra atrás das enormes rodas de aro 20.

Além disso, tanto a parte estrutural quando a aerodinâmica receberam mudancas em relação do AMG GTR convencional. Há defletores de ar e aerofólio de carbono, além de difusores na traseira para ajudar a manter o supercarro o mais grudado no chão possível. Para melhorar o arrefecimento do motor e dos freios, foram adotadas novas entradas de ar.

Muda também a suspensão, com ajustes manuais tanto das molas quanto dos amortecedores, seguindo o acerto adotado no AMG GT4 de competição. Para completar, instalaram novas barras estabilizadoras e vetorização de torque por frenagem, o que ajuda a tornar o carro ainda mais equilibrado nas curvas.

Leia Também:  Veja como é um motor Milwaukee Eight por dentro depois de desmontado

 LEIA MAIS: Aceleramos na pista o superesportivo Mercedes-AMG GT R de R$ 1,2 milhão

 Como não poderia deixar de ser em um superesportivo que deverá ser usado tanto nas ruas quanto nas pistas,  ao volante do Mercedes AMG GTR Pro é possível escolher por quatro modos de condução: básico, avançado pro e mestre, com variações em diversos ajustes, inclusive na atuação dos controles eletrônicos de estabilidade e tração.

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Carros e Motos

Jeep Compass fica mais completo e caro na linha 2020

Publicado

Motor Show

Jeep Compass vinho arrow-options
Divulgação

Jeep Compass na versão S ficará R$ 8 mil mais caro e chegará nos R$ 195.990 como preço sugerido

Os novos equipamentos do série são a principal novidade da linha 2020 do Jeep Compass. É o que apontam materiais internos do fabricante a que a MOTOR SHOW teve acesso.

LEIA MAIS:  Por que o Jeep Compass é um dos carros mais desejados do Brasil?

O material não fala em mudanças mecânicas ou estéticas para o Jeep Compass, que segue disponível em cinco versões (Sport, Longitude, Limited, Trailhawk e S) e com os motores 2.0 flex de 166 cv (com câmbio automático de seis marchas e tração 4×2) e 2.0 turbodiesel de 170 cv (com câmbio automático de nove marchas e tração 4×4).

Segundo o material, aparentemente voltado para a área de vendas, a versão Sport Flex (R$ 116.990) terá a adição de chave presencial, acendimento automático dos faróis e sensor de chuva. As configurações Longitude Flex (R$ 132.990) e Diesel (R$ 161.990) ganhará o retrovisor eletrocrômico além dos sensores de chuva e crepuscular. E a oferta do Park Assist no pacote Premium de opcionais do SUV médio .

Leia Também:  Vêm aí uma nova leva de SUVs no mercado, mas com jeito de cupê esportivo

LEIA MAIS: Jeep Compass x Kia Sportage: acompanhe essa briga boa de titãs

Nas Limited Flex (R$ 149.990) e Diesel (R$ 181.990), o SUV compacto passará a sair de fábrica com o banco do motorista com ajuste elétrico. Mesmo item que será de série também na configuração Trailhawk (R$ 181.990). Já a versão de topo S (R$ 195.990) agora terá teto solar panorâmico.

Em relação aos preços, o reajuste da maior parte das versões do Jeep Compass será de R$ 5 mil. Com exceção das configurações Sport Flex e Limited Flex e da topo de linha S.

Confira os preços do Compass 2020 e os reajustes em relação à linha 2019:
Sport Flex: R$ 116.990 (R$ 3 mil)
Longitude Flex: R$ 132.990 (R$ 5 mil)
Longitude Diesel: R$ 161.990 (R$ 5 mil)
Limited Flex: R$ 149.990 (R$ 3 mil)
Limited Diesel: R$ 181.990 (R$ 5 mil)
Trailhawk: R$ 181.990 (R$ 5 mil)
S: R$195.990 (R$ 8 mil)

Fonte: IG Carros
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana