conecte-se conosco


Nacional

Mais mulheres vão comandar bases da ONU

Publicado

IstoÉ

minas
Divulgação

As minas terrestres mudam de lugar com as tempestades de areia. Qualquer descuido pode ser fatal. Ensinamos as crianças sobre esse perigo

Mais sorridente que seus colegas homens e com jeito de professora — que aliás é —, a tenente-coronel Andréa Firmo, 50 anos, quando criança ia para cama embalada por seu pai, um militar que lhe cantarolava a “Canção da Infantaria”. A filha seguiu seus passos, mas não virou infante, já que quando vestiu a farda não era permitido que mulheres se tornassem combatentes. Mesmo assim, ela foi à guerra. Primeira observadora mulher do Exército Brasileiro em uma missão de paz das Nações Unidas, também se tornou a primeira a comandar uma base da ONU. Ela ficou 379 dias no Saara Ocidental, na África, vivendo em um acampamento batido por tempestades de areia e cercado por minas terrestres. Junto com militares de dezoito nacionalidades, sua missão era monitorar o cessar-fogo entre o Marrocos e a Frente Polisário, que disputam a antiga colônia do Saara Espanhol desde 1975. Uma interrupção nos combates está em vigor desde 1991. No Brasil há três meses, ela quer tentar uma promoção a coronel e avisa que já se voluntariou para novas missões.

Qual foi a sua missão no Saara Ocidental?
De início, fui designada para ser observadora militar em uma missão da ONU que existe há 27 anos. A Minurso [Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental] auxilia na manutenção do acordo de paz entre Marrocos e o povo saarauí, de etnia berbere, que está organizado em torno da Frente Polisário, grupo que resistiu à ocupação marroquina após a Espanha abandonar sua ex-colônia africana. Antes do cessar-fogo, em 1991, houve uma guerra que durou quinze anos. Os observadores estão lá para monitorar e relatar qualquer atividade contrária ao acordo de paz.

Mulheres militares brasileiras já participaram de outras missões da ONU?
Sim, mas fui a primeira observadora do Exército em uma missão de paz das Nações Unidas e a comandar uma base. Também fui a primeira das Forças Armadas brasileiras naquela região. É preciso lembrar que a Minurso é mais tranquila e um caminho para chegar a um patamar mais difícil, como é o da frente do Congo, onde estão as meninas do Uruguai. Assim que me qualifiquei no deserto, identificaram em mim a possibilidade de substituir o treinador do quartel. Nunca imaginei que fosse ter esse tipo de encargo tão de repente. Eles perceberam meu potencial para comandar uma base por causa da minha atividade educacional. Sou professora de inglês e sempre tento respeitar a individualidade e as diversidades culturais. Por um mês treinei as duas primeiras oficiais muçulmanas enviadas à Minurso. Elas são jordanianas. A major Suzanne é engenheira e a major Tagrid, enfermeira-chefe. Quando a missão acabou, me comprometi a passar essa mensagem para frente, para as mulheres brasileiras que virão. Ainda tem muita coisa para fazer.

Mesmo que não seja uma área de conflito aberto, o lugar é hostil. Em algum momento a sua unidade esteve sob risco? Como vocês se defenderiam?
Os observadores e a base da ONU são protegidos pelo anfitrião. Como eu estava além do muro que separa o lado marroquino da Frente Polisário, quem nos defendia eram os seus soldados. Tivemos alguns momentos de tensão durante uma manifestação, mas foi só aquilo. Os saarauís solicitaram a entrada na nossa base, que ficava no vilarejo de Tifariti, para reclamar de violações do acordo de paz. Eles queriam que entregássemos um documento ao secretário-geral da ONU [o português António Guterres]. Como não sabíamos o que iria acontecer, nos posicionamos em pontos chaves, como na torre de observação. Caso houvesse conflito, havia um esquema de defesa. Felizmente, deu tudo certo.

Leia Também:  Órgão do MPF diz que combate à corrupção não pode ‘quebrar princípios’

Como era o contato do pessoal da ONU com os civis?
Eu estava a oeste do berm, o muro de areia e pedra que corta o Saara Ocidental de norte a sul, delimitando os saarauís para o fundo do deserto. O lado oeste é mais rico, já que o exército do rei do Marrocos envia tudo que é necessário para criar algum conforto. O povo de lá tem restrições, é verdade, mas as condições ainda assim são muito melhores, se comparadas com as do lado que eu estava, onde quase tudo foi destruído pela guerra. Algumas construções até foram permitidas pelos marroquinos para que a vida da população residente não ficasse ainda pior, mas muitos habitantes emigraram para o campo de refugiados de Rabouni, na província argelina de Tindouf, que faz fronteira com o Saara Ocidental. Mesmo com todo esse sofrimento e privações, o povo saarauí é muito dócil com os militares da ONU. Eles vêm de uma tradicional cultura de pacíficos pastores de ovelhas e criadores de dromedários.

Como foi o seu treinamento no local?
Minha missão durou um ano e 14 dias, iniciando em abril de 2018. Fiz minha qualificação em Mijek, no deserto, durante três semanas. Liderei uma equipe com militares de dezoito nacionalidades. Cada exército ofereceu um treinamento e tivemos uma qualificação para líder de patrulha que durou quatro semanas. Nesse período, tivemos que aprender a lidar com calor, cobras, escorpiões e navegar em caminhonetes por trilhas difíceis, repletas de areia e pedras que escondem minas explosivas enterradas.

Como é lidar com a ameaça das minas terrestres?
As minas foram usadas pelos dois lados antes do cessar-fogo. Algumas destroem carros, outras matam ou ferem as pessoas que pisam nelas. Toda vez que encontrávamos uma, era preciso marcá-la e acionar uma equipe para explodi-la em segurança. Pior é que essas armadilhas mudam de lugar por causa das tempestades de areia e as raras chuvas, que as deslocam pelas dunas. Qualquer descuido pode ser fatal. E como sou professora, tenho essa bandeira de tentar mudar a vida das pessoas. Com isso em mente, empregamos alguns colegas para falar com as crianças do entorno da base sobre o grande risco das minas.

Soldados e civis foram mortos nesse período?
Entre nosso pessoal, ninguém, mas tivemos mortes. Moradores da região tiveram dois carros explodidos por minas em dezembro do ano passado, após entrarem em trilhas que não haviam sido demarcadas pela ONU. Em outro episódio, em fevereiro, um polisário ateou fogo ao próprio corpo depois de ser impedido de cruzar um posto de checagem. Foi um ato de desespero. Ele queria comprar comida. Só quem é da ONU ou tem passaporte marroquino pode cruzar essas barreiras militares. Esse incidente preocupou as autoridades saarauís. Infelizmente, presenciei uma morte. Uma nômade foi picada na mão por uma cobra. Era uma víbora-cornuda que estava enrodilhada numa trouxa de roupas em sua tenda. Ela pediu evacuação médica na nossa base, mas por causa de uma tempestade areia, o helicóptero que veio da Argélia teve dificuldade para pousar em segurança. Tentamos de tudo, mas não deu. Uma picada daquelas mata um adulto em menos de 24 horas.

Leia Também:  Kajuru anuncia troca de partido: “Querem que eu seja inimigo de Bolsonaro”

Como a população via a presença de mulheres estrangeiras de uniforme?
O secretário-geral da ONU queria mulheres em missões de paz. Até poderia ter alguma resistência, ainda mais com uma mulher comandando uma base, já que o país é muçulmano. Mas a recepção foi sensacional. As mulheres militares falam com o lado mais frágil desse conflito, que são as mulheres civis. Uma vez uma nativa se aproximou carregando um bebê de quatro meses no colo. Ela queria falar comigo, pois achava que eu a entenderia. Percebi na hora que o bebê estava desidratado. Pedi um diagnóstico ao médico da base. Conseguimos uma remoção de helicóptero para Tindouf, o local mais próximo com instalações médicas que aceita os polisários, já que ainda há uma guerra com os marroquinos. É um voo de duas horas que não pode ser feito após o anoitecer, pois poderíamos ser confundidos com inimigos e alvejados.

A sra. acha que pode voltar para outra missão?
É uma aspiração, mas gostaria de atuar em um nível mais estratégico. A missão me deu uma visão interessante. Se a ONU necessitar de profissionais com experiência de comando, vão pedir para todos os países selecionarem voluntários. Eu já manifestei a minha vontade e disponibilidade. Abriu o precedente. A partir de agora, outras mulheres de outros países vão comandar bases da ONU. Isso aconteceu porque apostaram na capacidade de uma militar brasileira fazer isso. Foi uma baita responsabilidade. Precisei de ajuda e fui auxiliada.

Sua carreira começou no Colégio Militar de Santa Maria (RS). O que seus alunos achariam
Muitos dos meus alunos foram para a Academia Militar das Agulhas Negras. Anos depois, encontrei alguns na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, que é quase como um curso de mestrado dentro do Exército. Mesmo após 28 anos, ainda nos encontramos pelos quartéis. Minha intenção agora é atuar na Escola de Comando e Estado-Maior, no Rio de Janeiro, onde moro. Ano que vem começo a tentar a promoção para coronel.

Será que veremos estrelas de general de brigada em seus ombros no futuro?
Infelizmente, para mim não. Os cargos que permitem o generalato para mulheres são os de médico e engenheiro militares. Tudo no Exército é muito estudado, mas estamos chegando lá aos poucos.

E sua família, filhos e marido? O que acharam?
Tive todo o apoio do meu marido, que é oficial da Polícia Militar, e dos meus três filhos. Sem eles, jamais conseguiria. As crianças “viajaram” na minha “aventura”. A Isabela tem 17 anos, a Rafaela, 13, e o Igor, 8. As mais velhas sabiam que eu inventava algumas coisas para deixar tudo mais interessante para o pequeno. Descobri que o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry escapou de um acidente de avião em Tarfaya, quando voava pelo correio aéreo. Pode parecer bobeira, mas a imaginação fluiu quando contei essa história para o meu filho. Falei para ele sobre “O Pequeno Príncipe”. Sem o contato pela internet, teria sido muito difícil suportar. 

Fonte: IG Nacional
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Nacional

Pronunciamento de Macron sobre Amazônia irrita apoiadores de Bolsonaro

Publicado

source
Emmanuel Macron arrow-options
Reprodução/Twitter/emmanuelmacron

Emmanuel Macron

Neste sábado (24), o presidente francês, Emmanuel Macron, pediu a “mobilização de todas as potências” em prol da Amazônia . Segundo ele, essa parceria entre os países é importante para combater o desmatamento e investir no reflorestamento. O pronunciamento foi feito antes da reunião anual da cúpula G7, que acontece neste fim de semana em Biarritz, litoral da França.

LEIA MAIS: Forças Armadas iniciam combate ao fogo na Amazônia neste sábado

O pronunciamento do presidente foi motivo de polêmica entre os apoiadores de Bolsonaro, que logo colocaram a hashtag #MacronLiar ( Macron mentiroso) nos Trending Topics do Twitter. “Vai cuidar do que lhe pertence! O Brasil cuida bem da floresta”, publicou um usuário, junto de uma foto da Catedral de Notre Dame em chamas. “Covarde, que não quer ajudar, só criticar”, disse outro. Confira mais tweets abaixo:

A cúpula G7 é composta pelas sete economias mais avançadas do mundo: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. “A Amazônia é nosso bem comum. Estamos todos envolvidos, e a França está provavelmente mais do que outros que estarão nessa mesa, porque nós somos amazonenses. A Guiana Francesa está na Amazônia”, afirmou Macron.

Leia Também:  Brexit vira verbo e é usado em piadas nas redes sociais

LEIA MAIS: Macron pede “mobilização de potências” durante o G7

No discurso, destacou que a Amazônia “é um tesouro de biodiversidade e um tesouro para o nosso clima, graças ao oxigênio que ela emite e ao carbono que ela captura”. O presidente da França comprometeu-se a defender o oceano e as florestas. “Temos que responder a isso de maneira concreta. Nestes assuntos, o tempo não é mais para palavras, e sim para ações”, disse Macron .

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Nacional

Forças Armadas iniciam combate às queimadas na Amazônia neste sábado

Publicado

source
Queimadas na Amazônia arrow-options
Fernando Frazão/ABr

Queimadas na Amazônia subiram 82% neste ano

O governo federal anunciou que as ações das Forças Armadas para o combate às queimadas que destroem a floresta amazônica . vão começar na tarde deste sábado. Dois aviões, cada um deles com capacidade de transportar 12 mil litros de uma mistura de água e produtos químicos, já estão em Porto Velho (RO).

Além de Rondônia, Roraima e Tocantins, estados onde o presidente Jair Bolsonaro já autorizou o emprego da Garantia da Lei e da Ordem (GLO), há uma solicitação do Pará, segundo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Há a expectativa de que pedidos semelhantes dos governos do Acre e de Mato Grosso cheguem nos próximos dias.

Não há previsão de envio de homens das Forças Armadas de outros estados para a Amazônia Legal. O efetivo a ser usado é aquele que já atua na Região Norte. Para as ações nas proximidades de Porto Velho, há a possibilidade de emprego de 400 homens, segundo o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva. Em um primeiro momento, 30 bombeiros da Força Nacional de Segurança se deslocaram de Brasília a Porto Velho, em apoio. Uma entrevista coletiva na manhã deste sábado reuniu Azevedo e Silva, Salles e o tenente brigadeiro Raul Botelho, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Leia Também:  Deputado do PSL dá soco em homem e segurança ameaça sacar arma na UERJ; assista

— Não vamos levar tropa efetiva daqui para lá. Em Porto Velho, tem sede da Brigada de Infantaria de Selva, com cerca de 700 homens. Dependendo do planejamento, pode-se usar cerca de 400 homens. É suficiente – disse o ministro da Defesa. — É importante a adesão dos governos estaduais, senão vamos ficar limitados às áreas federais, que são as Unidades de Conservação e e as terras indígenas.

Ainda segundo Azevedo e Silva, além dos Estados Unidos, Chile e Equador já se dispuseram a ajudar nas ações, mas ainda não houve movimentos concretos. Ele disse que a conversa entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente dos EUA, Donald Trump, ficou no nível da “intenção”.

A previsão é que a primeira ação de combate ao foco sob a coordenação das Forças Armadas aconteça às 16h30m deste sábado, com o uso de uma aeronave do modelo C-130. Ao todo, seis aviões e um helicóptero foram deslocados para Rondônia. Também foram levadas para o centro da crise 18 pessoas para cuidar da comunicação social. O chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, disse que “a área de comunicação é muito importante nesse momento que estamos vivendo”.

Leia Também:  PF prende traficante internacional de drogas durante Operação Aplique

Azevedo e Silva acrescentou que está “combinado” com o Ministério da Economia o desbloqueio dos R$ 20 milhões que estão previstos no orçamento da pasta este ano para ações da GLO. Segundo ele, a sinalização foi dada em uma reunião na sexta-feira, pelo secretário-executivo da Economia, Waldery Rodrigues.

— Está combinado. Estou numa fase em que só acredito quando abrir o cofre e ver. Com o Paulo Guedes (o acerto). Ontem, na reunião com o presidente da República, estava o secretário Waldery, e ele falou isso, que o mais fácil era descontingenciar — disse Azevedo e Silva.

Ricardo Salles afirmou que há um saldo de pouco mais de R$ 1 bilhão no Fundo Amazônia , e que os recursos estão sendo usados também pelo Ministério do Meio Ambiente nas ações contra as queimadas. Salles negou que o governo tenha demorado a agir para conter os focos de incêndio.

— As queimadas ocorrem justamente agora no período seco, questão de 30 dias para trás. Foi nesse momento quente e seco que se iniciaram as queimadas (em maior volume). Portanto, a resposta dada às queimadas foi absolutamente tempestiva.

Fonte: IG Nacional
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana