conecte-se conosco


Mulher

Mais de 50 mil mulheres foram agredidas fisicamente em 2022

Publicado

Ceperj reeditou cartilha amiga da mulher para combate à violência doméstica
Fundação CEPERJ

Ceperj reeditou cartilha amiga da mulher para combate à violência doméstica

O Agosto Lilás é o mês de conscientização e combate à violência contra mulher e os dados levantados no primeiro semestre deste ano são alarmantes. Por isso, a Comissão de Valorização da Mulher, que é vinculada à Presidência da Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro (CEPERJ), reeditou a cartilha amiga da mulher de enfrentamento à violência doméstica e familiar, que tem por finalidade educar e conscientizar sobre o tema, além de propor ações de valorização às mulheres.

“Nosso objetivo com a reedição da cartilha neste mês é oferecer informações e alertar as mulheres sobre seus direitos para que possam romper com o ciclo de violência que sofrem. Queremos que não só elas, mas todos tenham acesso à cartilha para que sejam multiplicadores e possam colaborar na detecção e diminuição de casos de violência doméstica e familiar, ajudando a salvar a vida de inúmeras mulheres”, explica Gabriel Lopes, presidente da Fundação Ceperj.


Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre universo feminino!


A iniciativa, que ocorre por meio da Comissão de Valorização da Mulher da Fundação Ceperj, aponta a Lei Maria da Penha, que entrou em vigor em setembro de 2006, como um marco no país, mostrando às mulheres como agir em prol dos seus direitos, além de informar os principais dados sobre violência doméstica, entre eles um panorama dos seis primeiros meses deste ano.

De acordo com dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, analisados e compilados pelo Centro de Estatísticas, Estudos e Pesquisas (CEEP), da Fundação Ceperj, 51.198 mulheres foram agredidas fisicamente, apenas no primeiro semestre de 2022.

violência doméstica
Fundação CEPERJ

Local onde ocorre a violência

Só até 21 de junho deste ano, somaram-se 40.025 denúncias e 200.914 violações de direitos humanos nas duas categorias referentes à mulher: “Outras violências contra a mulher” e “violência doméstica e familiar contra a mulher”. Dessas violações, 85.668 aconteceram na casa na qual residem a vítima e o suspeito.

A presidente da Comissão da Mulher, Noelma Faria, conta que a violência pode ser prevenida. Segundo ela, existe um ciclo já estudado capaz de ajudar a mulher a ficar atenta para tomar as iniciativas cabíveis. Tudo é descrito com detalhes na cartilha.

“O ciclo é composto por três fases, de forma resumida, a primeira é a criação de tensão, o homem demonstra nervosismo, aumenta o tom de voz e faz xingamentos ao se dirigir à mulher; a segunda é a explosão, onde em decorrência da raiva desproporcional, ele ataca a vítima com ameaças e agressões; a terceira fase é a lua de mel, o homem se mostra arrependido, presenteia a mulher, pede desculpas e diz que não irá mais ser agressivo, porém, geralmente, o arrependimento é apenas momentâneo”, explica Noelma Faria.

Quanto ao tipo de delito, verificou-se que 186.709 comprometeram a integridade da vítima, das quais à integridade psíquica aparece em primeiro lugar, com 129.682 violações, e à integridade física em segundo lugar, com 51.198 violações.

A cartilha destaca ainda os tipos mais comuns de violência doméstica, entre elas a violência sexual, física, psicológica, patrimonial e moral.

violência doméstica
Fundação CEPERJ

Violência por tipo de delito

“É importante que todos entendam que as agressões às mulheres não são somente de natureza física. A violência doméstica abrange diversas situações, inclusive, foram identificados casos de violência sanitária durante a pandemia de Covid-19, onde os maridos proibiam as esposas de utilizarem materiais de higiene com a intenção delas contraírem a doença”, explica Daniele Oliveira, advogada e membro da Comissão de Valorização da Mulher da Fundação Ceperj.

A advogada criminalista, Gisela França, que também integra a Comissão, destaca que mulheres em situação de violência doméstica precisam criar um plano de proteção.

“Essas mulheres precisam informar a situação a pessoas de confiança, pensar no transporte que vão utilizar, caso precisem sair de suas casas com urgência, ter os telefones dos serviços de proteção à mulher salvos com nomes falsos, evitar correr para locais com objetos que possam servir como arma e proteger a cabeça o máximo possível”, diz Gisela França.

Acompanhe também perfil geral do Portal iG no Telegram !

Para quem tem filhos ela alerta que é importante ficar longe das crianças para que não sejam atingidas. “Caso essa mulher consiga fugir deve levar as crianças e se elas conseguirem fugir sozinhas é preciso orientá-las a pedir ajuda aos vizinhos, familiares e amigos. Se porventura a mulher estiver machucada, deverá ir para o hospital, senão, buscar um local acolhedor para se abrigar, como uma instituição religiosa, uma escola ou alguma loja até que se acalme e possa buscar a delegacia”, completa.

A cartilha aponta ainda que “para tornarmos efetiva a Lei Maria da Penha será necessário compreendermos a gravidade dessa violência e os motivos do silêncio da mulher, que inibe os registros e gera mais e mais vítimas e mortes”.


violência doméstica
Fundação CEPERJ

Violações de direitos

“Muitas mulheres, por falta de conhecimento ou vergonha, acabam não denunciando. São inúmeros fatores que fazem a mulher desistir, como o medo do agressor, dos julgamentos da sociedade em geral e o sentimento de culpa. Para além disso, tem a parte financeira, já que, em alguns casos, essa mulher é dependente econômica desse agressor e tem receio dos filhos sofrerem por alguma falta de recursos, fazendo com que elas não cheguem às autoridades”, diz Simone Aguiar, psicóloga e advogada, da Comissão de Valorização da Mulher.

Ela ressalta ainda que as agressões podem causar problemas como depressão, ansiedade e até pensamentos suicidas. Também afeta o corpo provocando alterações no sono, distúrbios alimentares, abuso de álcool e outras substâncias.

“Os traumas podem ser diversos. Hoje estamos no mundo com a depressão que faz com que essa pessoa fique paralisada, fora os problemas físicos. Às vezes, numa consulta ginecológica ela vai falar do seu corpo e não consegue porque ela tem dor e essa dor é na alma, então, muitas vezes, essa mulher não consegue nem conviver mais em sociedade, ela se esconde”, completa Simone.

violência doméstica
Fundação CEPERJ

Perfil socioeconômico

De acordo com dados do Ministério da Mulher no que se refere à relação entre suspeito e a vítima, detectou-se em primeiro lugar companheiro (36.131), em segundo marido (34.368) e em terceiro, ex-companheiro (23.672).

“A mulher deve denunciar, ainda que o agressor seja o seu pai, irmão, primo, avô, ex-marido ou namorado, companheiro, primo ou tio. Empurrar, arranhar, dar chutes, socos, enforcar, puxar cabelo, queimar, são práticas que não devem jamais acontecer e caso ocorram trata-se de crime!”, revela um trecho da cartilha.

O texto traz ainda os contatos dos principais órgãos públicos responsáveis pelo enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher, entre eles: Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (CEDIM), 2334-9508; Central de Atendimento à Mulher, 180; Polícia Militar, 190.

Fonte: IG Mulher

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mulher

Pesquisa mapeia impactos na saúde mental e vida profissional de mães

Publicado

Pesquisa Mommys e Saúde Mental aponta para esgotamento mental e físico de mães
Reprodução: Alto Astral

Pesquisa Mommys e Saúde Mental aponta para esgotamento mental e físico de mães

As mulheres que são mães estão emocionalmente e fisicamente desgastadas, além de fazerem parte de um forte cenário maior de insegurança profissional. É o que apontam os dados da edição de 2022 da Pesquisa Mommys e Saúde Mental. Os dados indicam ainda um aumento no desgaste derivado do aumento de acúmulo de tarefas domésticas e de cuidados com os filhos, o que diminui o tempo de dedicação a atividades de autocuidado.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

O levantamento foi realizado pela rede de apoio materna Mommys, uma comunidade que conta com mais de 9 mil mulheres de todo Brasil. Os dados foram coletados em julho deste ano como uma maneira de explorar os desafios impostos às mulheres em decorrência da maternidade.

Na pesquisa, 74% das mulheres afirmaram que não têm doenças físicas ou mentais, um número menor do que o registrado em 2021, que era 81%. E 62,7% das mulheres dizem que têm com frequência uma sensação de vazio. Cansaço e sobrecarga estão entre os sentimentos mais citados.

O cansaço está atrelado à realização de tarefas domésticas sem contribuição de outra pessoa. Cerca de 34% das mulheres se encarregam do serviço doméstico sozinhas e quase 85% apontam que as tarefas de casa são as mais executadas – perdendo apenas para o acompanhamento dos filhos aos tratamentos médicos (92,4%). Além disso, 80,3% delas fazem as compras.

“Essa pesquisa mostra a normalização do estado de exaustão das mães, que são socialmente cobradas a ‘dar conta de tudo’. A carga, o sentimento de obrigação e o não ter tempo para si mesma foram normalizados, tanto pelas famílias e amigos, quanto pelas próprias mulheres que não percebem que o languishing [a sensação de vazio e definhamento] é um sinal de alerta”, aponta Mariana Bicalho, community builder do Mommys.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Diante dos sinais de esgotamento, não há tempo para olhar para si própria. Apenas 30,6% das mulheres têm um hobby. Em 2021, o índice era 33,6%. Houve queda também no nível de mães que praticam atividade física regularmente: se em 2021 o número era de 45,7%, em 2022 foi para 35,6%.

O sentimento de solidão é frequente, sendo que 31,6% das mães se sentem sozinhas entre três a cinco vezes por semana e 15%, seis vezes ou mais. Cerca de 90% gostariam de sair regularmente com as amigas, sendo que 60% fazem isso, no máximo, duas vezes ao ano.

Insegurança profissional

A pesquisa aponta para um aumento positivo com relação a remuneração, com apenas 9,3% das mães não possuindo nenhum tipo de remuneração. Por outro lado, houve queda de 15,6% para 13,1% no volume de mães com renda acima de R$ 10 mil. Também houve aumento nos seguintes casos, em comparação a 2021:

Mulheres que recebem 1 salário mínimo: cresceu de 33,8% para 34,6% Mulheres que recebem 2 salários mínimos: cresceu de 11% para 15,3% Mulheres com renda de mais de R$ 5 mil: cresceu de 26,2% para 27,8%

Mesmo assim, há um forte cenário de insegurança profissional, já que apenas 31,8% das mães trabalham com carteira assinada, enquanto 28% têm registro de pessoa jurídica. A informalidade atingiu 22,3% contra 19,2% do ano passado.

“Enquanto se dedicam tanto às suas famílias, muitas mães deixam o mercado de trabalho e perdem a autonomia. Se a escolha foi dela e ela tem apoio emocional e financeiro para seguir, esse não será um problema, no entanto, o que vemos, é uma realidade diferente e, quando elas decidem retomar suas atividades profissionais e sociais, não têm mais as mesmas condições e oportunidades”, complementa Mariana.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

Mulher

Ex-Rock in Rio, Roberta Coelho agora se aventura nos e-Sports

Publicado

Roberta Coelho e o time feminino de CS:GO do MIBR
Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Roberta Coelho e o time feminino de CS:GO do MIBR


Os jogos eletrônicos transformaram a vida dos jovens brasileiros no início dos anos 2000. As tardes de milhares de adolescentes eram preenchidas por partidas intermináveis de Halo, Tibia, Perfect World, Diablo e World of Warcraft. No entanto, nenhum jogo movimentou esse público com tanta força como Counter Strike. 

Em 2003, nasce o primeiro time de CS do Brasil: a equipe Made in Brazil, formada originalmente pelo empresário Paulo Velloso. Com quase duas décadas de história, o MIBR passou por altos e baixos, e, ainda hoje, continua sendo um dos times de e-sport mais populares em todo o Brasil.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

A verdadeira transformação do time chegou só em 2021, com a contratação da primeira CEO da história da empresa, a economista e ex-CFO do Rock in Rio, Roberta Coelho.

Vida profissional

Carioca de nascença, mas residente da capital paulista durante a maior parte da infância, Roberta Coelho iniciou sua vida profissional no mercado financeiro, mas logo adentrou o universo corporativo. Durante 10 anos, a economista trabalhou na multinacional italiana Pacorini, referência internacional na logística de café, cacau e metais.

O talento de Roberta na comunicação com outras empresas a garantiu a vaga de diretora comercial na multinacional. “Comecei como gerente e saí como CFO da empresa. Nessa época, comecei a pensar que por mais que eu adorasse números, eu também gostava de me comunicar. Nasci dos números, mas amava negociar com os bancos. Eu adorava ir lá fazer as vendas e tudo mais, e surgiu o convite para a diretoria comercial”, declara.

filhos
Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Roberta Coelho e seus filhos Guilherme, na esquerda, e Maria, na direita

Na mesma época, a profissional se tornou mãe. Aos 28, deu à luz Maria, e, aos 30, Guilherme. Mesmo com as novas demandas da maternidade, Coelho continuou investindo em sua carreira profissional. “Eu sempre adorei trabalhar. Sempre fui atrás de cargos que me traziam felicidade. Na vida, cada um tem o que acha importante, e, para mim, o trabalho com certeza é uma dessas coisas”.

Rock in Rio e Greenpeople

Em 2011, outra mudança revirou a vida de Roberta: o convite para o cargo de CFO do Rock in Rio. “Meu desafio era abrir o capital do Rock in Rio. Toda parte de profissionalização da área financeira passou muito pela minha mão. Eu abri o escritório do Rock in Rio em Nova York, em Las Vegas e em Los Angeles. Vivi super intensamente aquela história toda de festival”.

Depois de alguns anos no cargo, a economista começou a ter algumas dúvidas sobre seu futuro profissional: “Eu queria mais do que só ficar atrás de um computador”. Na época, Roberta recebeu uma proposta de emprego da empresa de sucos Greenpeople, mas estava incerta sobre qual caminho seguir. “Demorei 3 meses considerando aquela proposta, e então, decidi sair do Rock In Rio. Daí, demorei outros três meses para ver que não era para ter saído”.

“Esse momento foi uma experiência muito importante na minha vida. Foi quando eu realmente encarei o fracasso. Eu senti que tomei a decisão errada e vi que tinha fracassado nas minhas escolhas. Sou muito grata à Greenpeople por esse momento, foi de muito aprendizado”.

No período, a economista decidiu tirar um ano sabático: “Prometi que ia ficar longe da área financeira. Não durou muito tempo”. Um mês depois de sair da Greenpeople, ela estava de volta ao Rock in Rio, mas na liderança da área de novos negócios.


Roberta permaneceu quase uma década trabalhando para o Rock in Rio
Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Roberta permaneceu quase uma década trabalhando para o Rock in Rio

“Fiquei responsável por todos os conteúdos não-musicais do festival. Na época, criamos o Digital Stage, que foi um palco exclusivo de influenciadores. Também desenvolvemos o Amazônia Live, que  foi o projeto socioambiental do Rock in Rio”. O maior projeto de Roberta, no entanto, nasceu em 2017: o espaço de games do festival, a Game XP.

“Fizemos uma pesquisa para entender um conteúdo que conversasse bastante com música, e chegamos a conclusão que os games tinham tudo a ver. Daí, criamos um bairro de games dentro do Rock in Rio usando as arenas olímpicas, e o batizamos de Game XP.”

A seção do evento oferecia disputas de jogos entre celebridades, stands de marcas, 1,4 mil metros quadrados de projeção e talk shows, além de uma grande arena de e-sports com campeonatos diversos. “Foi um sucesso. As filas para entrar nas arenas eram bizarras. As pessoas todas queriam ir lá ver curiosidade, já que a gente fez a maior tela de games do mundo”.

Depois do Rock in Rio, a Game XP se expandiu e se tornou um evento por si só durante duas edições seguidas. “Foi minha primeira experiência com o universo dos games”, declara Roberta. A pandemia, no entanto, pausou o crescimento do evento, já que a edição de 2020 foi cancelada devido ao coronavírus.

Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

“Minha geração não pode fechar os olhos para o potencial dos games”, afirma a economista

Depois de conhecer os games em 2017, Coelho mergulhou de vez nesse universo em 2021, quando foi convidada para se tornar CEO do MIBR.

MIBR

Quase duas décadas antes da chegada de Roberta, o MIBR já era conhecido internacionalmente pela performance de seus jogadores nos e-sports. Fundada em 2003 pelo empresário Paulo Velloso, a Made In Brazil é a equipe de Counter Strike mais antiga do país.

Na época, o time conquistou dezenas de títulos importantes, como o mundial da Electronic Sports World Cup (ESWC) em 2006 e o primeiro lugar na Dreamhack Winter em 2007. 

Com quase duas décadas de existência, MIBR é uma das principais empresas de e-sports do país
Foto: Divulgação/MIBR

Com quase duas décadas de existência, MIBR é uma das principais empresas de e-sports do país

Mesmo com muitas conquistas, a empresa encerrou suas atividades em 2012. O retorno só ocorreu em 2018, quando a empresa de jogos digitais Immortals Gaming Club (IGC) adquiriu os direitos da marca, que retornou às competições ainda no mesmo ano.

Até a chegada de Roberta, em setembro de 2021, o MIBR não contava com um CEO. As decisões do time eram coordenadas pela própria IGC.

“Cheguei aqui com o objetivo de fazer a organização crescer cada vez mais. Atualmente, o MIBR é uma organização global. Nossos times jogam em campeonatos internacionais durante o ano todo”.

Atualmente, o MIBR conta com sete times profissionais: CS:GO masculino, CS:GO feminino, CS:GO academy, Valorant masculino, Valorant feminino, Free Fire e Rainbow Six.

“Quero não apenas expandir a organização, mas também trazer a história da comunidade. A MIBR tem uma legião de fãs que eu sou apaixonada, e quanto mais experiência a gente puder entregar para esses fãs de todas as formas, melhor”.

Como uma das principais empresas do ramo de esportes eletrônicos no Brasil, o MIBR é destaque na presença feminina nos games. Dos sete times presentes na empresa, dois são totalmente femininos.

O time feminino de CS:GO da MIBR já conquistou o primeiro lugar em diversos campeonatos, como a Grrrls League 2021: Split #2, Grrrls League 2021: Split #1, e a WESG 2021 Female Latin America.

Perguntada sobre a participação da empresa na representatividade feminina nos esportes eletrônicos, Roberta afirma que o tema é uma de suas prioridades como CEO. “A MIBR vai continuar investindo no cenário feminino. Eu tenho para mim que se a gente não não começar a investir e se movimentar como organização, esse cenário não vai mudar”.

Sete times e dezenas de jogadores formam o MIBR no país
Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Sete times e dezenas de jogadores formam o MIBR no país

Por mais que os times femininos estejam crescendo, a profissional afirma que deseja mostrar que mulheres também podem torcer. “Os torcedores, em sua grande maioria, não são mulheres, e, por isso, um dos nossos desafios é aumentar a nossa audiência feminina. Quando investimos em mulheres, acabamos inspirando outras. Queremos trazer a ‘mulherada’ para torcer”.

Para o futuro, a economista busca por uma maior presença feminina e por uma expansão internacional da empresa: “Minhas expectativas são que o MIBR cresça, seja em nossos investimentos no universo feminino ou em um maior impacto como referência global no mundo dos games”, finaliza. 

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana