conecte-se conosco


Tecnologia

Maioria das empresas não está pronta para a Lei de Proteção de Dados

Publicado

source

Olhar Digital

proteção de dados arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Maioria das empresas não tem como atender à Lei de Proteção de Dados

A popularização da Internet, o aumento do controle de empresas de tecnologia sobre os dados pessoais e os consequentes escândalos de falta de segurança de privacidade e coleta, uso e compartilhamento inadequado dessas informações obrigaram os governos a criar leis específicas sobre o universo online.

No Brasil, houve a criação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), aprovada em agosto de 2018 pelo então presidente Michel Temer. A lei está prevista para entrar em vigor em agosto de 2020, porém, a maioria das empresas ainda não se considera pronta para atender às novas regras. É o que revelou uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (8) pela Serasa Experian.

Leia também: Apple oferece US$ 1 milhão para quem conseguir hackear iPhone

A LGPD regulamenta como organizações – empresas, bancos, órgãos e companhias públicas, entre outros – deverão coletar e tratar informações pessoais de clientes e usuários, estabelecendo direitos, exigências e procedimentos nessas atividades. Além dela, em julho passado o presidente Jair Bolsonaro (PSL) aprovou a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). O órgão federal deverá, entre outros papeis, garantir que as regras da LGPD sejam cumpridas por instituições públicas e privadas do país.

Leia Também:  Apple pode perder pódio para Xiaomi entre as maiores vendedoras de smartphones

O espaço de dois anos entre a aprovação e a data em que a lei deve entrar em vigor foi determinado para que as empresas possam adaptar suas estruturas e métodos de trabalho para cumprir com as novas exigências da legislação. Apesar do prazo, 85% das empresas brasileiras afirmam ainda não estar preparadas para garantir os direitos e deveres da LGPD, de acordo com o levantamento da Serasa .

A maioria pretende estar pronta em até um ano, diz o relatório, o que significa que as empresas acreditam que estarão atuando conforme as regras quando a lei começar a valer. A pesquisa foi realizada em março passado e entrevistou executivos de 508 companhias de 18 áreas de atividade, com diferentes portes e segmentos, em todas as regiões do país.

Com a chegada da lei, 72% das companhias com mais de cem funcionários pretendem contratar uma pessoa de mercado especializada, consultoria ou assessoria de modo a facilitar o cumprimento da legislação.

Mesmo com a adaptação, quase 73% das companhias entrevistas pela Serasa esperam que a LGPD cause algum impacto, ou um impacto muito significativo, na atual infraestrutura de tecnologia de informação.

Leia Também:  Fabricante chinesa pode ter criado o carregador de celular mais rápido do mundo

A partir do meio de 2020, qualquer instituição (pública ou privada) que armazenar dados de seus clientes ou usuários, mesmo  informações simples como nome e e-mail, deve seguir os procedimentos previstos na nova lei. Aqueles que desrespeitarem as exigências estarão sujeitas a uma multa de até R$ 50 milhões.

Na Europa há uma legislação semelhante, chamada Regulamento Geral de Proteção de Dados na União Europeia, ou GDPR, na sigla em inglês. A lei entrou em vigor em todo o bloco europeu em maio de 2018, também depois de dois anos da sua criação, em abril 2016, prazo dado para adaptação das instituições (públicas e privadas) no continente.

Leia também: Golpe do FGTS no Whatsapp e e-mail promete saque imediato e rouba dados

Da mesma forma, trata-se de uma série de novas exigências que visam proteger a privacidade de dados dos cidadãos europeus. A lei define como empresas que atuam no continente e órgãos públicos nos países europeus devem coletar, armazenar, usar e compartilhar dados pessoais da população. 

Fonte: Agência Brasil

Fonte: IG Tecnologia
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Tecnologia

Estudo revela o que acontece se um drone cair na sua cabeça

Publicado

source

Olhar Digital

drone arrow-options
Divulgação/University of Witchita

Estudo revela o que acontece se um drone cair na sua cabeça

Uma pesquisa conduzida pela Universidade do Alabama (ASSURE), Hunstville e a Universidade Estadual do Mississipi, Instituto Nacional de Pesquisa em Aviação da Universidade Estadual de Wichita e vários outros, analisou quais possíveis ferimentos decorrentes de colisões entre pequenos sistemas de aeronaves não tripulados, também popularmente conhecidos por drones, e pessoas.

O Estudo Fase II de Colisão de Terra da Assure, como foi chamado, analisou possíveis ferimentos que as pessoas sofreriam caso drones chocassem contra a cabeça das pessoas, mas não só, os pesquisadores queriam desenvolver uma metodologia de testes de segurança e fazer recomendações à FAA (Administração de Aviação Federal norte-americana) para a elaboração de regras. O presente estudo abrangente é o único baseado em ciências do gênero no mundo.

Leia também: Novo iPhone terá três câmeras e será lançado em setembro, diz site

Perigos de uma colisão

A Assure descobriu que os drones menores, em geral fabricados com plástico, são flexíveis e bastante possuem muita elasticidade. Segundo o pesquisador da Universidade David Arterburn, ao contrário do senso comum, eles tendem a absorver uma quantidade significativa da energia de impacto. “Um equívoco comum é que todo drone é uma rocha, então quando ele atinge você, vai te machucar como uma rocha; tanto a construção quanto a energia têm um papel na definição do potencial de ferimentos”, desmistificou Arterburn.

No total, foram 512 testes de impacto e simulações utilizando 16 veículos diferentes, incluindo drones populares (Phantom da DJI e o Mavic Pro) e vários objetos e cargas úteis, como baterias e blocos de madeira (em média pesando de 300 gramas a 6 kg). Todos os testes de impacto antropomórfico e simplificado de cabeça e pescoço foram realizados, assim como testes de impacto com substituto cadáver.

Leia Também:  Fabricante chinesa pode ter criado o carregador de celular mais rápido do mundo

A razão pela qual os vídeos do estudo se parecem com testes de colisões de automóveis é explicado, um dos objetivos da Assure é adaptar a metodologia comprovada ao voo comercial de drones. Em conjunto como as recomendações feitas à FAA, a organização também está buscando padrões globais de segurança.

Os ferimentos mais comuns foram lacerações, cortes e contusões. Arteburn disse que a ciência inexata das concussões impediu uma avaliação mais precisa do risco desse tipo de lesão. Houve apenas um incidente de lesões oculares graves, embora Assure reconheça que as lâminas rotativas em drones quad-copter onipresentes levarão a lesões oculares. Entre suas recomendações para a FAA, estão os protetores de rotor/lâmina para esses drones e o desenvolvimento de procedimentos de mitigação médica.

No geral, os resultados mostram que as fatalidades exigiram um grande impacto. Um tamanho de amostra maior do mundo real pode mudar a equação, mas as indicações são de que a morte acidental por drone deve ser bastante rara. O mais perigoso era ser atingido pelo veículo entre os braços do rotor, com o impacto contundente do corpo do drone causando o dano. Drones tendem a cair quando o controle é perdido e ser atingido por um drone de cabeça para baixo causou mais danos também.

Leia Também:  Saiba por que sistemas de GPS de todo o mundo podem parar no dia 6 deabril

A conclusao é que a orientação é importante, juntamente com a velocidade e o peso, o que ajudará a ilustrar as regras para drones sobrevoando multidões de pessoas – uma necessidade absoluta se a indústria de drones de consumo tiver alguma esperança de crescimento.

Mudanças no mercado de drones

Não é apenas o público que é curioso sobre a gravidade das colisões entre drones e humanos. Fabricantes de drones também estão bastante interessadas na questão. “As empresas estão realmente respondendo ao fato de que agora têm padrões claros e metodologia para testes que podem levar a mudanças de projeto que podem ser feitas para melhorar a segurança de seus produtos para o público”, explica Arterburn.

Com a popularidade das entregas realizadas por drones em ambientes urbanos e suburbanos, a indústria e as regras que regem esses veículos não tripulados afetarão diretamente às empresas. As informações obtidas no relatório da Assure já afetam diretamente o design de pequenos drones. Até recentemente, velocidade e carga eram os principais ‘ditadores’ do design – agora, a segurança parece estar tomando primazia.

Regulamentos que regem o tipo de cargas, pesos e configurações que os drones de entrega podem carregar parecem muito prováveis. O uso potencial de pára-quedas de drones pode reduzir o risco, mas muito mais testes em condições menos controladas serão necessários.

Leia também: Samsung deve lançar celular com bateria que carrega em menos de 30 minutos

Uma das principais descobertas dos testes do estudo foi que as cargas úteis dos drones tendem a ter uma construção mais rígida e mais massa, aumentando o potencial da lesão.

Via: Popular Mechanics

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Tecnologia

Novo iPhone terá três câmeras e será lançado em setembro, diz site

Publicado

source

IstoÉ Dinheiro

Tim Cook arrow-options
Divulgação

CEO da Apple, Tim Cook vai apresentar as novidades da empresa em evento marcado para setembro

A Apple está planejando o lançamento de um novo pacote de novidades, incluindo três modelos de iPhone e novas versões do iPad, MacBook e Apple Watch.

Cabo ‘pirata’ caseiro da Apple é capaz de hackear computadores; conheça

As informações são do site de notícias Bloomberg.com. O evento de apresentação dos novos produtos deve ocorrer até o fim de setembro . Logo depois, os lançamentos chegam às lojas para garantir o faturamento do último trimestre do ano.

Devem ser apresentados três modelos de iPhone, como vem sendo feito desde 2017. Os modelos chegarão para substituir as versões XS, XS Max e XR. A principal mudança será no sistema de câmera na parte de trás, com a adição de um terceiro sensor para capturar fotos e vídeos ultra-angulares.

A câmera extra permitirá que os usuários diminuam o zoom e capturem um campo de visão maior. Os modelos também terão um novo software de inteligência artificial para corrigir automaticamente as imagens.

Leia Também:  10 vezes em que Star Trek previu o futuro

Apple oferece US$ 1 milhão para quem conseguir hackear iPhone

A Apple também atualizou o sistema de identificação para desbloquear o aparelho de forma mais eficaz, inclusive quando ele estiver em uma superfície plana. Os novos modelos de iPhone também devem ser mais resistentes à água e poderão ficar submersos por até 30 minutos.

Segundo a Bloomberg, a parte frontal não deve sofrer muitas alterações e o tamanho dos aparelhos será igual aos da última geração. Todos os novos iPhones terão processadores A13 mais rápidos, com um novo componente no chip para lidar com algumas tarefas pesadas.

A reportagem também cita prováveis atualizações para dos principais acessórios de áudio da Apple, incluindo AirPods e o HomePod. 

Como a Apple está se preparando para lançar seus serviços de assinatura de vídeo  Apple TV +  e de games com o  Apple Arcade , novidades nessas áreas são esperadas em setembro.

Fonte: IG Tecnologia
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana