conecte-se conosco


Política Nacional

Maia e líderes dizem que deputados é que vão garantir votos para reforma da Previdência

Publicado

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Coletiva de imprensa sobre a Reforma da Previdência. Presidente da Câmara, dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Rodrigo Maia (C) e líderes de partidos da Maioria

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, destacou em entrevista coletiva nesta quarta-feira (12) que a Câmara assumiu a responsabilidade pela aprovação da reforma da Previdência (PEC 6/19) e permitiu que os avanços no texto fossem construídos com diálogo.

Segundo Maia, quem vai garantir os 308 votos necessários para aprovar proposta de emenda à Constituição são os deputados e deputadas.

Maia concedeu a entrevista no início da noite acompanhado dos líderes de partidos da Maioria; do relator da reforma, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP); e do presidente da comissão especial que analisa a proposta, deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

A reunião para apresentação do parecer de Moreira está marcada para esta quinta-feira (13) às 9h30.

“Esses avanços estão sendo construídos no Parlamento e falando com a sociedade. É importante que isso fique claro e que a gente consiga dar uma demonstração forte de responsabilidade e de equilíbrio para a sociedade”, disse Maia.

Para o presidente da Câmara, nos momentos mais difíceis do País, as soluções sempre partem do Congresso Nacional. “Não será diferente agora: quem está dando a solução, quem está garantindo a maioria de 3/5 para votar a reforma da Previdência são deputados e deputadas", afirmou.

Leia Também:  Cancelado debate sobre aposentadorias especiais na reforma da Previdência

“Precisamos construir consensos e harmonia nas relações políticas entre os poderes Executivo e Legislativo, com o Supremo como o guardião das nossas relações”, completou.

Outras reformas Na coletiva, Rodrigo Maia destacou a necessidade de reorganização das despesas públicas e voltou a dizer que a reforma da Previdência é a primeira etapa desse processo.

“A política só irá se reencontrar com a sociedade se tiver a coragem de enfrentar a discussão das despesas da do estado brasileiro, começando pela Previdência e caminhando para as reformas tributária e administrativa”. Ele criticou, por exemplo, o avanço rápido das carreiras de estado. “Todos chegam muito rápido ao teto e a disputa agora é pelo extratexto”, disse.

Governadores Rodrigo Maia reafirmou a intenção de manter estados e municípios no texto da reforma da Previdência, mas cobrou maior participação dos governadores para aprovação da proposta.

Conforme anunciado mais cedo, o mais provável, segundo o presidente, é que uma emenda em Plenário reinsira os entes federados na reforma, em caso de acordo sobre o texto da proposta. “Precisamos que os governadores sinalizem, de forma clara, que são a favor da reforma da previdência”, disse.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

Fonte: Agência Câmara Notícias
Leia Também:  Deputados do Rio aprovam projeto de lei que dá porte de arma a eles mesmos
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Senado aprova ampliação da posse de armas em propriedades rurais

Publicado

O plenário do Senado aprovou na noite de hoje (26), em votação simbólica, o projeto de lei (PL 3.715/2019) que estende a posse de armas na zona rural para toda a área da propriedade, e não apenas para a sede.  O projeto segue agora para a Câmara dos Deputados.

A proposta aprovada, de autoria do senador Marcos Rogério (DEM-RO) e relatada pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), havia sido apreciada horas antes na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde não houve manifestações divergentes.

Logo após a aprovação do texto, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) destacou que o projeto aborda apenas as propriedades rurais, e não urbanas. “É necessário que na propriedade rural as pessoas, os proprietários, tenham sua arma para sua defesa pessoal. Dentro de casa e dentro da sua propriedade. Estamos chamando aqui de posse estendida. Não estamos tratando do porte de arma na rua, na zona urbana, que é coisa completamente distinta”.

Ontem (25) o presidente Jair Bolsonaro revogou decreto sobre compra, porte e posse de armas de fogo e editou outros três sobre o mesmo tema.

Leia Também:  Debate na CMA destaca liderança do Brasil na preservação ambiental

Redução de idade

Em seguida, o Senado votou outro projeto, relatado por Sérgio Petecão (PSD-AC) em 2017. O projeto reduz de 25 para 21 anos a idade mínima para posse de arma de fogo em propriedade rural. O Projeto de Lei do Senado nº 224/2017 foi aprovado por 38 votos a 4. Além disso, os senadores alteraram o texto e retiraram a limitação de apenas uma arma por proprietário.

Alguns parlamentares questionaram o pouco tempo para analisar o projeto detalhadamente, uma vez que ele foi incluído na pauta pouco antes da sessão pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Ele atendeu um pedido de Petecão, que argumentou que seu relatório estava pronto para ser votado antes mesmo do projeto de Marcos Rogério. O projeto foi discutido e aprovado em cerca de meia hora.

Texto ampliado às 22h55

Edição: Nélio Andrade

Fonte: EBC Política
Continue lendo

Política Nacional

Uso do dinheiro do pré-sal para construção de gasodutos divide opiniões entre deputados

Publicado

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Homenagem ao Dia Nacional do Exército. Dep. Joaquim Passarinho (PSD-PA)
Joaquim Passarinho: gasodutos deveriam ser financiados pelo BNDES

Na discussão do Projeto de Lei 10985/18, que cria o Fundo de Expansão dos Gasodutos de Transporte e de Escoamento da Produção (Brasduto), causou divergência entre os deputados o dispositivo que destina para esse fundo parte do dinheiro do pré-sal. Pelo texto aprovado, 20% da venda do petróleo que cabe à União nos contratos de exploração do pré-sal sob o regime de partilha deverão ser usados nos gasodutos.

Para o deputado Joaquim Passarinho (PA), vice-líder do PSD, os recursos para a construção de gasodutos deveriam ser financiados por fontes como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Essas obras são importantes, mas precisamos que seja financiado pelo banco de fomento e não com dinheiro do pré-sal e sem garantia de retorno do recurso”, afirmou.

Segundo ele, o BNDES tem verbas suficientes para financiar esses empreendimentos.

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Homenagem ao Dia Nacional do Exército. Dep. Carlos Zarattini (PT-SP)
Carlos Zarattini: dinheiro estatal investido volta totalmente, gera rendimentos

Por outro lado, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), vice-líder da Minoria, disse que o texto garantirá desenvolvimento sem prejudicar o pré-sal. “Estamos tratando de infraestrutura, de um Brasil que precisa de gasodutos, ferrovias e portos. Podemos votar tranquilos”, declarou.

Leia Também:  Projeto obriga o governo a divulgar cumprimento de metas de plano de ação

O deputado Carlos Zarattini (PT-DF) também apoiou a aprovação do texto. “Quem vai construir gasoduto para Goiás e Tocantins se não for por financiamento estatal? Esse recurso volta totalmente, gera rendimentos”, sustentou.

Já o líder do PDT, deputado André Figueiredo (CE), questionou se, após construídos, os gasodutos não seriam destinados à iniciativa privada a custo mínimo.

Emenda Uma emenda de autoria de André Figueiredo, aprovada pelo Plenário, estabeleceu uma redivisão dos recursos da venda do pré-sal da seguinte maneira: 30% continuarão com o Fundo Social; 20% irão para o Brasduto e 50% serão repartidos entre estados e municípios (30%) e União (20%) para aplicação em educação e saúde. Essa aplicação seguirá a proporção definida pela Lei 12.858/13, de 75% para educação e 25% para saúde.

Fonte: Agência Câmara Notícias
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana