conecte-se conosco


Internacional

Macri faz balanço do governo a quatro dias de deixar Presidência

Publicado

Na próxima terça-feira (10), Mauricio Macri passará o comando da Argentina a Alberto Fernández, novo presidente do país. Na noite desta quinta-feira (5), em um pronunciamento em rede nacional de televisão, o presidente fez um balanço de sua administração e lamentou que os resultados das reformas econômicas não tenham chegado a tempo.

Mauricio Macri, que tentou a reeleição, perdeu a disputa para o peronista Alberto Fernández, que tem como vice a ex-presidente e senadora Cristina Kirchner. Fernández venceu as eleições em primeiro turno, com 48% dos votos, enquanto Macri obteve 40%.

“Queridos argentinos, pela primeira vez nestes quatro anos, usarei a rede nacional para falar com todos. Durante esses anos, muitas pessoas me pediram para fazer um pronunciamento informando sobre a situação do país. Eu acho que é mais construtivo fazê-lo hoje. É hora de balanços e construção. Acho bom tirarmos alguns minutos para ver claramente onde estamos hoje”, disse o presidente, ressaltando que o país vive agora um momento muito diferente do que vivia em 2015.

Em sua mensagem, que durou quase 40 minutos, Macri dividiu o balanço em 5 eixos: infraestrutura e economia; cultura de poder e qualidade democrática; desenvolvimento humano; economia; relação com o mundo; e segurança e narcotráfico.

“Houve muitos aspectos que não conseguimos resolver, mas valorizamos nossas instituições. Nossa imprensa é mais livre e nossa justiça é mais independente. Estamos mais seguros perante o narcotráfico. A política é mais decente. É a primeira vez que um governo não peronista termina seu mandato. Essa não é uma conquista do presidente, mas de todos os argentinos. É um avanço de nossa democracia. Especialmente em um contexto tão delicado para a Argentina”, afirmou.

Cultura de poder

Em relação ao que chamou de “cultura de poder”, Macri afirmou que, quando assumiu, há quatro anos, uma das primeiras coisas que a população lhe pediu foi a mudança no relacionamento do governo com o povo. 

“Me alegra e me orgulha que hoje possamos ser mais tolerantes e mais respeitosos com os que pensam diferente, que possamos ser melhores se nos escutamos e chegamos a acordos, se trabalhamos juntos. Temos que ter orgulho de ter transformado uma cultura de poder. Não há lugar para lideranças messiânicas”, disse.

Macri afirmou ainda que, em seu governo, não houve guerra contra o jornalismo ou contra quem pensasse diferente. “O uso da publicidade oficial como ferramenta para prejudicar a mídia acabou.”

O mandatário disse que a partir da semana que vem mostrará que se pode fazer oposição de uma maneira diferente, “sempre pensando no que é melhor para os argentinos”. 

Em relação à Justiça, Macri afirmou que agora funciona melhor e com mais rapidez do que há quatro anos e defendeu que os juízes ganharam independência durante o seu mandato.

“Nós, argentinos, sofremos por muitos anos as consequências da corrupção no Estado. Agora é mais difícil roubar o dinheiro dos argentinos. Em todos os governos haverá bandidos e ladrões. Mas o Estado trabalha melhor hoje do que em 2015”, afirmou. 

Economia

O presidente argentino se disse insatisfeito com os resultados de seu mandato no que se refere à inflação e à pobreza. O país tem para este ano a previsão de uma inflação que deve alcançar os 55% e cerca de 40% da população vivem na pobreza.

“No meio deste ano, parecia que estávamos fazendo a curva. A economia estava começando a acordar. Mas vieram os resultados das Paso [eleições primárias, que servem como uma grande pesquisa nacional, para definir os candidatos habilitados a participarem das eleições gerais]. O medo do futuro e a falta de um sólido esquema macroeconômico nos empurraram para trás.”

Nas Paso, Alberto Fernández recebeu 47% dos votos, contra 32% de Macri. Após o resultado dessa votação, realizada em agosto, o dólar disparou e o risco país aumentou. Naquele momento, Macri teve que lançar uma série de medidas para tentar aliviar o bolso dos argentinos, como o congelamento do preço dos combustíveis e o pagamento de bônus salariais para os trabalhadores. 

“Há um sentimento de que o Estado não tinha dívidas em 2015. Isso não é verdade. Devia U$ 240 bilhões. Agora, devemos mais, é verdade, cerca de U$ 310 bilhões, mas tem uma razão: nesses anos tivemos que pedir dinheiro emprestado [ao Fundo Monetário Internacional] e dois em cada três pesos foram usados para pagar os vencimentos da dívida, e o peso restante serviu para pagar o déficit deixado por governos anteriores. Recebemos um déficit fiscal muito alto. Quebramos a tendência e equilibramos os gastos estatais. Facilitamos a vida dos exportadores. Abrimos mais de duzentos mercados em todo o mundo. Exportamos mais 10 bilhões de dólares. É por isso que digo que estamos melhor preparados para crescer”, afirmou. 

Narcotráfico e segurança

Em relação à segurança, Macri afirmou que essa foi uma das prioridades de seu governo e uma das áreas em que mais obteve êxito. “Quisemos que as famílias argentinas voltassem a se sentir seguras em seus bairros, que o Estado recuperasse a autoridade sobre as fronteiras, sobre as zonas tomadas pelo narcotráfico, e isso nós conseguimos”.

O presidente argentino disse ainda que, quando assumiu, havia no país uma sensação de derrota contra o narcotráfico, como se fosse uma luta perdida. “As Forças de Segurança estavam desmotivadas e sem coordenação, e se havia perdido a cooperação com outros países. Depois de quatro anos, deixamos as Forças Federais ordenadas e profissionais, respeitadas pela sociedade, e que respeitam a lei, com o papel claro de servir à sociedade”, afirmou, ressaltando que nos últimos quatro anos os homicídios tiveram uma redução de 30%.

Em sua conclusão, Macri disse que o próximo presidente herdará um governo com informações detalhadas de cada política pública que impulsionou.

“Nos próximos dias, outro presidente assume e outra etapa começa. Faço isso [o pronunciamento e a divulgação de dados estatísticos] porque sei como a falta de informação dificulta e eu nunca faria nada para dificultar para o novo governo. Argentinos, vou acompanhá-los do lado da oposição. Continuaremos juntos com uma presença sólida no Congresso.”

Edição: Aline Leal

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Estados Unidos contabilizam 5,2 milhões de casos de covid-19

Publicado


.

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos relatou hoje (15) 5.285.546 casos de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, um aumento de 56.729 casos em relação à contagem anterior. O número de mortes aumentou em 1.229 chegando a 167.546.

O CDC relatou sua contagem de casos da doença respiratória até as 16 horas (horário do leste dos EUA) de 14 de agosto. O último relatório havia sido divulgado um dia antes.

Os Estados Unidos são o país com maior número de mortes e de casos de infecção confirmados.

Continue lendo

Internacional

Grupos antimáscaras provocam agressões na Europa e unem extremos políticos

Publicado


source

BBC News Brasil

antimáscar
EPA/FELIPE TRUEBA

Manifestante contrária ao uso de máscaras.

Enfermeiro em um hospital no norte da França, Fabien sofreu traumatismo craniano após ser violentamente agredido por pedir a um cliente de um café que usasse máscara.

Brigas por esse motivo vêm ocorrendo em comércios e transportes do país e têm causado preocupações quanto a movimentos radicais contra o uso do equipamento de proteção. Esses grupos vêm ganhando força nas redes sociais e também disseminam notícias falsas sobre a pandemia do novo coronavirus.

O enfermeiro que sofreu traumatismo craniano trabalhou por meses com pacientes de covid-19 e afirma ter visto pessoas morrerem da doença. Em entrevistas a TVs francesas, Fabien, que preferiu não revelar o sobrenome, disse que seu agressor entrou em um café com a mão sobre a boca dizendo que estava usando máscara.

O uso do equipamento de proteção é obrigatório para circular em restaurantes e bares na França e só pode ser retirado quando a pessoa estiver sentada à mesa, o que não era o caso desse cliente.

“Eu lhe disse que não era para rir da covid-19, que é uma doença perigosa e que pessoas morrem disso”, contou o enfermeiro. A discussão sobre o uso da máscara terminou com Fabien tomando um forte soco no rosto que o fez cair e bater a cabeça no chão, provocando hemorragia cerebral.

“Durante todo o confinamento, a população francesa aplaudiu os profissionais da área de saúde às 20 horas. Nós gostaríamos de ser respeitados. Para isso, é preciso agir para controlar a pandemia e uma forma de fazer isso é usar máscara”, ressalta o enfermeiro.

Uma pessoa já morreu na França por exigir que alguém utilizasse máscara: um motorista de ônibus em Bayonne, no sudoeste, faleceu em julho após ser agredido por um grupo de passageiros que se recusou a usar a proteção, obrigatória nos transportes e em todos os locais públicos fechados.

As tensões têm se multiplicado em diferentes localidades do país. Recentemente, um pai foi espancado com barras de ferro, na frente dos filhos, por vários homens em uma lavanderia automática na periferia de Paris após pedir a um deles para colocar uma máscara. Em Le Havre, na Normandia, uma jovem deu tapas e arrancou cabelos de uma funcionária dos correios que também cobrou o uso do equipamento.

As agressões e movimentos antimáscaras na França se ampliam ao mesmo tempo em que as autoridades vêm reforçando a obrigatoriedade do equipamento em diferentes locais. Após o fim do confinamento, em meados de maio, houve um relaxamento de parte da população, sobretudo a mais jovem, em relação às medidas de proteção contra a pandemia.

Desde o início de agosto, mais de 300 cidades, como Paris, tornaram obrigatório o uso de máscaras também em algumas áreas públicas ao ar livre, como parques e ruas de comércio movimentadas.

Movimentos antimáscaras começaram a aparecer em manifestações contra o confinamento nos Estados Unidos e depois se espalharam por países como Alemanha, Canadá, Reino Unido e França, onde começam a se expandir nas redes sociais e já reúnem algumas milhares de pessoas.

Franceses que integram grupos antimáscaras no Facebook publicam selfies sem o equipamento em lojas, contam, como se fosse uma competição, que conseguiram ficar tantos minutos sem o item de proteção em um comércio antes que alguém interviesse ou divulgam fotos com outros acessórios que cobrem o rosto, mas são totalmente ineficazes para combater a pandemia de covid-19.

A multa pela não utilização de máscaras é de 135 euros (cerca de R$ 900).

máscaras na frança
EPA

Mais de 300 cidades, como Paris, tornaram obrigatório o uso de máscaras em algumas áreas públicas ao ar livre.


Argumentos

Os militantes contra o uso de máscaras têm um ponto em comum: eles reivindicam seu direito à liberdade e se recusam a usar o que chamam de “focinheiras.” Para eles, as pessoas que respeitam as regras são “carneirinhos” que precisariam ser despertados para a realidade. As autoridades, ao tornar o uso obrigatório, visariam controlar a população com um pensamento único que deve ser acatado por todos, alegam.

“Quando a máscara é imposta, somos privados do nosso corpo, do nosso livre arbítrio”, diz Angélique, que integra um desses grupos nas redes sociais. “Não à escravização e à ditadura sanitária”, diz outro internauta.

Para o sociólogo David Le Breton, a recusa de alguns de usar máscara é um novo sinal do individualismo crescente. “O paradoxo é que a liberdade defendida pelos antimáscaras é, na realidade, a liberdade de contaminar os outros. É o produto de um desengajamento cívico, uma das marcas do individualismo contemporâneo”, afirma.

Vários opositores também contestam a eficácia das máscaras para conter a propagação do novo coronavírus, considerando que elas são “inúteis” ou supostamente perigosas. Inúmeras informações falsas sobre esses equipamentos de proteção individual circulam nesses grupos.

“A máscara nos priva da maior parte do nosso oxigênio. Por isso, ela pode nos matar”, afirma Maxime Nicolle, uma figura conhecida do movimento dos coletes amarelos, protestos que surgiram no final de 2018 na França, muitos deles violentos, com reivindicações sociais.

A informação de que as máscaras podem provocar a morte é falsa, desmentida com veemência por médicos e pesquisadores. Nicolle, que utiliza o pseudônimo FlyRider, é bastante ativo nas redes sociais contra a utilização do equipamento de proteção e outras medidas adotadas para lutar contra a pandemia, que ele estima ser uma “farsa”.

Parte dos militantes antimáscaras, os mais radicais, é adepta de teorias conspiratórias, mais difundidas nos meios de extrema direita e entre os que se dizem antissistema e contra as vacinas.

“Quando você coloca uma máscara, você se torna intelectualmente vulnerável, perde a identidade e se torna uma presa ideal para as potências ocultas e transumanistas (movimento para transformar a condição humana a partir do uso da ciência e da tecnologia) que querem te destruir em nome da nova ordem mundial”, alega um internauta desses grupos.

“Primeiro são as máscaras e em seguida as vacinas que terão um nano chip controlado pela 5G” diz outra militante francesa.

“O movimento antimáscara é heterogêneo, formado por pessoas que não têm a mesma preocupação em relação ao item de proteção e nem o mesmo discurso contra o seu uso”, diz Tristan Mendès France, especialista em culturas digitais.

“Há adeptos de teorias do complô, independentemente de sua tonalidade ideológica, e pessoas que têm uma agenda ideológica, mais ligada à extrema-direita, que são contra o governo e o presidente Emmanuel Macron”, completa Mendès France.

“Os antimáscaras estão mais presentes entre os eleitores de partidos de extrema direita ou de extrema esquerda. Há, nessa atitude, uma maneira de desobedecer a um governo que eles não aprovam ou de expressar uma relação de desconfiança mais ampla em relação ao Estado e à autoridade em geral”, afirma Jocelyn Raude, professor de psicologia social na Escola de Altos Estudos em Saúde Pública da França.

Entre os grupos de defensores do professor Didier Raoult – infectologista francês que fez polêmicos estudos sobre a hidroxicloroquina, medicamento que segundo Raoult seria eficaz no tratamento da covid-19 – há inúmeras pessoas contra o uso obrigatório de máscaras e também contra as vacinas. O virologista atraiu muitos adeptos de teorias do complô. Uma pesquisa do Instituto Jean-Jaurès sobre o perfil dos “fãs” de Raoult revelou que 20% deles votaram, na última eleição presidencial, em 2017, em François Fillon, candidato mais radical da direita tradicional (partido que governou o país diversas vezes), 18% votou em Jean-Luc Mélénchon, da França Insubmissa, o mais votado da extrema esquerda, e 17% optou por Marine Le Pen, da extrema direita.

Protesto antimáscara
EPA/FELIPE TRUEBA

‘Não é sobre a máscara, é sobre controle’, diz cartaz de manifestante na Alemanha no último dia 1, em que pessoas se reuniram para protestar contra medidas regulatórias.

“É um sintoma do descrédito da palavra científica e da palavra das autoridades. Hoje, são as máscaras. Amanhã, serão as vacinas”, prossegue.

Na Alemanha, uma manifestação de antimáscaras com partidos de extrema direita, como o AfD (Alternativa para a Alemanha), e movimentos de extrema esquerda reuniu 15 mil pessoas, segundo a polícia.

Sinais confusos do governo sobre as máscaras

Para alguns, o discurso contraditório do governo francês em relação ao uso das máscaras contribuiu para alimentar confusões e rejeição em relação ao equipamento.

No início do confinamento no país, em março, o governo dizia que elas não eram necessárias para a população e deveriam ser reservadas apenas ao pessoal de saúde. Muitos interpretaram isso como uma maneira de driblar a falta do produto, que começou a ser atenuada apenas em meados de maio.

O primeiro-ministro da época, Edouard Philippe, chegou a dizer que as máscaras “não serviam para nada” no caso de pessoas não contaminadas. Depois, o governo mudou radicalmente seu discurso. Com o aumento recente do número de casos na França, que levou o governo a dizer, na terça-feira (11/8), que “a epidemia evolui na má direção”, o objetivo agora é ampliar ao máximo seu uso em áreas públicas ao ar livre, afirmou o novo premiê, Jean Castex.

Apesar de boa parte dos franceses achar que o governo “mentiu” em relação às máscaras, segundo pesquisas, a grande maioria (85%) apoia sua utilização em locais fechados e também abertos (64%).

O movimento antimáscaras no país ainda é algo marginal, mas vem se expandido e tenta se estruturar com diferentes ações, como petições contra a obrigatoriedade do uso do item, iniciativas de boicote de lojas e apelos para a desobediência civil. Manifestações também estariam previstas, mas não há data definida e não se sabe se elas atraíram um número expressivo de participantes.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana