conecte-se conosco


Opinião

LUCIANO VACARI – O povo tem pressa, e fome

Publicado

Tem coisas que todo mundo já espera. A cada quatro anos, por exemplo, tem 29 de fevereiro, Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, e sim, temos eleições no Brasil. Enfim, eventos que já estão no calendário mundial e que permitem e requerem um certo planejamento antecipado. E se tem eleições, também tem muitas promessas, críticas, planos de governo, medidas para salvar o mundo, PEC disso, pacotão daquilo, um apanhado de ações muito importantes, mas que trazem junto um apelo eleitoral delicado.

Recentemente estamos vendo o Congresso Nacional correr atrás para propor ou aprovar medidas que ajudem os brasileiros a superar o momento delicado que a economia vem passando, há uma crise global importante a destacar. Depois de dois anos de pandemia, a guerra entre Rússia e Ucrânia colocou mais gás à inflação mundial, sobretudo que incide sobre alimentos e combustíveis.

Mas mesmo com a taxa de desemprego em queda, atingindo recentemente o menor índice desde 2015, o poder de compra do cidadão está corroído e as famílias estão com dificuldades para suprir necessidades básicas. E é justamente nessas horas que a mão do Estado deve aparecer, trazendo políticas públicas e programas como forma de estimular a economia ou até mesmo garantir condições mínimas de vida.

Olhando por essa ótica, a aprovação do conjunto de medidas que visam redução de impostos para serviços e produtos essenciais, concessão de benefícios para grupos vulneráveis ou ampliação de programas assistenciais além de justa, é esperada e necessária.

O problema está no momento em que ocorre, na maneira e no fato de que nem sempre vem acompanhada de um planejamento de longo prazo.

A mais recente notícia é que, depois da aprovação da PEC kamikaze, como está sendo chamada a emenda constitucional que vai aumentar a concessão de benefícios, um outro projeto deve ser apresentado como forma de estimular a produção industrial no país. E aí está uma medida essencial, urgente, mas delicada.

A falta de estímulo à industrialização vai muito além da questão tributária, tem raiz lá na infraestrutura, ou melhor, na ausência dela. O Brasil precisa de projetos de longo prazo para resolver os problemas de logística, para ampliar suas matrizes energéticas e melhorar a qualificação da mão de obra.

O potencial produtivo brasileiro é imenso, a começar pelo agronegócio.

Apesar de sermos um dos maiores produtores de alimentos, fibras e energia do mundo, ainda verticalizamos muito pouco. Grande parte da produção é embarcada sem passar pela indústria, sem gerar emprego e sem arrecadar impostos.

Nossos grandes feitos não podem acontecer de quatro em quatro anos, precisam ser contínuos, produtivos e evolutivos. Temos pesquisa, mas não temos investimentos. Temos força de trabalho, mas não temos desenvolvimento. Temos obras, mas não temos soluções. Temos promessas, mas faltam projetos concretos.

Luciano Vacari é gestor de agronegócios e diretor da Neo Agro Consultoria e Comunicação

 

 

 

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opinião

DIRCEU CARDOSO – A defesa da democracia o país precisa e nunca teve

Publicado

O presidente Jair Bolsonaro chama a população para ir às ruas em 7 de setembro, data em que, no ano passado, fez grave pronunciamento contra membros do STF (Supremo Tribunal Federal). Foi o suficiente para seus adversários o acusarem de pretender “dar o golpe”. De outro lado, proliferam as cartas e manifestos de figurões – tanto da política quanto das diferentes classes econômicas, culturais e sociais – em defesa da democracia supostamente sob risco. Até alguns que reconhecidamente contribuíram para a chegada ao ponto problemático onde hoje nos encontramos começam a assinar tais documentos como se não tivessem nada a ver com a obra. A sociedade chega ao embate tarde e em má hora. Tarde porque, se tivesse acordado antes, não teríamos chegado ao atual  estado de polarização sem alternativas; em má hora porque o movimento poderá provocar  turbulência ao processo eleitoral já em andamento.
Defender a democracia tem sido o mote da política brasileira desde os primórdios. A própria República – resultada de um golpe militar contra o imperador – já era de inspiração democrática, embora o seu proclamador e primeiro presidente, marechal Deodoro da Fonseca, tenha sido obrigado a renunciar em razão de atos autoritários que rebelaram os militares. Não foi diferente com vários dos seus sucessores, que governaram com mãos de ferro. A democracia brasileira sempre foi um joguete nas mãos dos seus políticos, chegando a viver pelo menos dois períodos de exceção declarada, com Getúlio Vargas no poder de 1930 a 45 e os militares de 1964 a 85. Paradoxalmente, os governos de então afirmavam-se democráticos e preventivos contra a possibilidade de golpes da esquerda e do estabelecimento da ditadura do proletariado. Até os líderes da esquerda e adeptos do comunismo, todos, se disseram democratas.
A democracia que o saudoso professor Gofredo Silva Telles defendeu em 1977 em sua “Carta aos Brasileiros”, certamente não é a que os políticos pós-1985 construíram. O festejado mestre da São Francisco certamente não concordaria com a panaceia da democracia para resolver todos os males e nem com as estruturas que se montaram e – para a manutenção de grupos no poder a qualquer preço – criou a reeleição para cargos executivos e os esquemas de sangria dos cofres estatais para a compra de apoio político que resultou nos escândalos do Mensalão, Petrolão, Eletrolão e outros que emporcalharam a imagem do país mundo afora e levaram a o cárcere governantes, parlamentares, empresários e outros portadores de colarinhos brancos. .
Espera-se que a sociedade tardiamente desperta aos problemas hoje vividos pela democracia brasileira tenha o bom senso de atuar exclusivamente pela garantia democrática. Não penda para o  ativismo em favor de candidatos ou das ideologias em disputa. Dê seu aporte ao regime que permite a autodeterminação do povo e, se possível, atue em defesa do estabelecido na Constituição, inclusive pelo hoje faltante respeito entre os poderes constituídos. Precisamos garantir o Executivo executando, o Legislativo legislando e fiscalizando e o Judiciário judicando para modular as contendas sem, jamais, invadir a seara dos dois outros poderes. Se os três pilares do poder não tiverem funcionamento adequado, a única solução constitucional disponível é a intervenção dos militares que, a bem da verdade, tem dado todas as demonstrações de que atualmente não se interessam por essa prestação de serviço suplementar.
Senhora e senhoras, por Deus e pela Pátria, não assumam o ativismo político-ideológico. Aproveitem a mobilização que se inicia para discutir causas e não apenas efeitos ou, principalmente, indivíduos. Contamos com a sua força para manter a Nação em pé e altiva. Capaz de assimilar o desenvolvimento global, fazê-lo beneficiar os cidadãos e legar melhor futuro a todos os brasileiros, especialmente os nossos filhos, netos e sua prole. Quem tiver restrições a este ou àquele participante da cena política, não deve persegui-lo com o fito de inviabilizar sua caminhada. O melhor é trabalhar pela regularidade e estabilidade do regime democrático para que este, dentro de seus critérios e ordenamento jurídico, promova as devidas reparações. Quem errou tem de pagar, mas é preciso entender que voto não é peça condenatória e nem absolutória e a urna não é tribunal. Precisamos ter a eleição mais transparente e limpa que se consiga produzir para, a partir da sua representatividade e com o apoio da sociedade, fazer as correções que a nossa imperfeita democracia há muito vem requerendo…

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) [email protected]                                                                                                     

Continue lendo

Opinião

WILSON FUÁH – Os objetivos são essenciais

Publicado

Em prol do imediatismo, os valores legítimos da alma, tais como virtudes e as conquistas intelectuais, ficam esquecidos.

De acordo com as escalas de valores, os indivíduos seguem pelos caminhos de uma vida depressiva, pois ninguém está livre desses infortúnios, como: perda um emprego, privação de prestígio social, perda de um imóvel, dinheiro, carro, joias ou mesmo a perda do poder de compra de um objeto eleito como essencial.

As pessoas estão colocando no topo das suas escalas de valores os bens transitórios e assim ao atingi-los não sabem o que fazer com as conquistas, pois elas envelhecem muito rapidamente e ficam no canto do esquecimento.

A cada minuto a vida está virando as páginas, e por isso, é preciso respeitar os limites de cada ser e compreender que cada um faz o melhor que pode de acordo com o seu grau de evolução moral e intelectual, entender que não somos melhores ou piores que ninguém, apenas diferentes uns dos outros.

A tradição faz com que cada pessoa possa agregar a soma das experiências e estilos, mesmo que sejam momentâneos, fazendo com que cada um de nós sejamos apresentados: com uma “cara” ou uma “marca” e nisso cada pessoa é definida como qualificada ou desqualificada, quando na verdade foram criadas durante o crescimento individual e estão agregados nos pensamentos e que se identificam em todos os momentos das nossas vidas.

Somos apenas seres sobreviventes do que arriscamos, e assim, vamos tentando compartilhar sucessos e os prazeres das conquistas como forma de felicidade, mas por “bobeiras pessoais”, alguns desavisados apostam em prazeres individuais e pensam que a vida não tem energia própria.

O futuro não tem o poder de regeneração, e todos os momentos do passado o que passaram ficarão registrados na história da nossa vida, mas o importante é entender que os pequenos detalhes que às vezes passam despercebidos, são eles que podem assumir proporções gigantescas na lei de causa e efeito, e que na verdade são determinantes em nosso futuro e podem potencializar as diferenças para o sucesso e para o crescimento espiritual.

Saber lidar com as coisas do mundo das adversidades é descobrir o equilíbrio e crescer acima dos problemas, o importante é não inverter os valores da vida com intolerâncias desnecessárias, a paz é a consagração da nossa existência.

Econ. Wilson Carlos Soares Fuáh – É Especialista em   Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas. Fale com o Autor: [email protected]

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana