conecte-se conosco


Política Nacional

Líder do PSL se diz ‘apunhalado’ e admite votar contra governo

Publicado

source
homem falando em microfone arrow-options
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO) removeu cinco vice-líderes ligados a Bolsonaro

O líder do PSL , Delegado Waldir (GO), disse na manhã desta sexta-feira (18) que
o grupo ligado ao presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, vai divergir de
algumas pautas do governo no Congresso. Perguntado sobre uma possível retaliação caso
Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) assuma a liderança do partido na Câmara, ele disse que o
governo Jair Bolsonaro enfraqueceu a Polícia Federal.

“Antes de conhecer o presidente, antes de qualquer coisa, eu pessoalmente, outros deputados, nós temos nossas pautas. Nós somos defensores da família, da pátria, do
combate à corrupção. Nós vamos divergir do governo sim em alguns itens. Por exemplo,
o governo trabalhou pelo enfraquecimento da Polícia Federal, da Lava Jato . Não quer
uma CPI Lava-Toga”, disse Waldir.

Leia também: “Traição é o ‘modus operandi’ do governo Bolsonaro”, dispara Joice Hasselmann

O deputado acrescentou que o ministro da Justiça, Sergio Moro, sofre retaliações de
Bolsonaro. As declarações de Waldir foram dadas na portaria da sede nacional do PSL,
que realiza convenção nesta sexta-feira.

Leia Também:  Monarquistas e esqueletos dividem espaço em ato pró-Bolsonaro na Av. Paulista

Waldir diz que foi ” apunhalado ” e que não criou “essa crise”. Ele comparou ainda a
luta interna ao confronto entre Davi e Golias. Segundo ele, o governo tem um poder
pressão muito grande.

“Me senti traído. Sou companheiro dele ( Bolsonaro ) desde 2013 (…) Me vejo traído
pelo presidente da República, tentando me tirar da liderança e do comando do
diretório de Goiás”, disse.

Fonte: IG Política
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Justiça determina que Prefeitura de São Paulo mantenha serviços em centro LGBTI

Publicado

source
Fachada do Centro de Referência da Diversidade arrow-options
Reprodução/Google Street View

Centro vai manter funcionamento após decisão da Justiça

A juíza Maricy Maraldi, da 5.ª Vara de Fazenda Pública da Capital, determinou nesta quarta-feira (13) que a Prefeitura de São Paulo mantenha o funcionamento integral do Centro de Referência à Diversidade , que presta serviços à comunidade LGBTI . A magistrada concedeu liminar a pedido do Ministério Público do estado e, em caso de descumprimento, a multa é de R$ 5 mil por dia.

Segundo a juíza, o pedido foi deferido por conta do “perigo de dano aos direitos da população LGBT em situação de extrema vulnerabilidade”. Na decisão, Maricy registrou que o pedido da Promotoria visa proteger os interesses difusos e coletivos de tal população, de modo a assegurar que esses direitos não venham a sofrer redução ou descontinuidade.

Leia também: Escola é primeira dificuldade para inserção de pessoas trans no mercado

A petição inicial da Promotoria diz que, em junho, poucos dias antes da Parada do Orgulho LGBT , o prefeito Bruno Covas informou à direção do serviço do Centro de Referência à Diversidade – CRD, a intenção que ele tinha de interromper os serviços que vinham sendo prestados. O argumento era que esse tipo de serviço já era prestado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos.

Leia Também:  Comissões discutem hoje impacto econômico do sistema eSocial

Ao jornal O Estado de São Paulo , a Prefeitura disse que “o Centro de Referência e Defesa da Diversidade (CRD) está funcionando normalmente e esclarece que estão sendo realizadas tratativas para realocação do para a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC)”.

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Decisão do STF levou à soltura de oito condenados na Lava Jato de Curitiba

Publicado

source
Sessão do STF arrow-options
Nelson Jr./SCO/STF

STF mudou entendimento sobre prisão em segunda instância que tinha desde 2016

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de acabar com a prisão após condenação em segunda instância levou a soltura de oito condenados na Operação Lava-Jato do Paraná. Além do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-ministro José Dirceu , seis réus que cumpriam pena já deixaram a cadeia nesta semana.

Logo em seguida a decisão do STF na noite de quinta-feira, as defesas dos presos na operação protocolaram pedidos de soltura. Na lista de réus que passaram a responder os processo em liberdade estão Sérgio Cunha Mendes, ex-vice-presidente da Mendes Júnior; Alberto Vilaça, ex-diretor da empreiteira; Gerson Almada, ex-executivo da Engevix; o operador Fernando Moura e o ex-gerente da Petrobras Roberto Gonçalves, que foi solto nesta terça-feira.

Há ainda outros sete réus na operação que podem ser beneficiados pela decisão do Supremo e que estão presos no Paraná e em São Paulo. No entanto, em alguns casos a soltura pode não ser imediata, já que antes de tomar a decisão, os juízes costumam citar o Ministério Público, cujo prazo para se manifestar pode levar até cinco dias úteis.

Leia Também:  Projeto regulamenta proteção do trabalho afetado pela automação

Leia também: Mudanças na 2ª instância fazem STF perder confiança, diz ex-presidente da corte

Entre os condenados que podem deixar o Complexo Médico-Penal (CMP) de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, onde ficam os presos da Lava-Jato, estão o empresário Enivaldo Quadrado, o lobista João Augusto Henriques e o publicitário Ricardo Hoffmann.

Além deles, o ex-diretor da Petrobras , Renato Duque , segue preso na carceragem da Polícia Federal de Curitiba . A defesa de Duque já pediu sua soltura, mas pesa contra ele um mandado de prisão preventiva. O Ministério Público Federal ainda deve se manifestar sobre se mantém ou não o mandado. Duque já está preso há mais de quatro anos.

Leia também: Eduardo e Carlos Bolsonaro criticam decisão do STF: “pobre dos brasileiros”

E não foram só os presos que foram beneficiados. Réus que haviam progredido para o regime semiaberto como Delúbio Soares e João Vaccari Neto , ambos ex-tesoureiros do PT , e que usavam tornozeleira eletrônica, foram autorizados pela Justiça a retirar o equipamento.

Em São Paulo, há ainda outros três presos na penitenciária de Tremembé , conhecido como o presídio dos famosos, no interior paulista. Dentre esses, estão o empresário Márcio de Andrade Bonilho, Júlio Cesar dos Santos, sócio do ex-ministro José Dirceu, e Luiz Eduardo de Oliveira e Silva. Este último é irmão de Dirceu. Esses presos também já pediram liberdade à Justiça.

Leia Também:  Comissão altera regras de reembolso a segurados com deficiência

Fonte: IG Política
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana