conecte-se conosco


Economia

Leilões vão conceder aeroportos para iniciativa privada em agosto

Publicado

Uma nova rodada de leilões a ser realizada em agosto vai escolher as empresas que vão administrar quinze aeroportos nas regiões Norte, Sudeste e Centro-Oeste. Para explicar como vai funcionar a disputa, o ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, é o entrevistado do programa A Voz do Brasil desta sexta-feira (10).

Na conversa o ministro vai explicar quais as vantagens de ter aeroportos administrados pela iniciativa privada, quais os requisitos para que empresas possam participar do certame e qual deve ser o montante de investimentos aplicados nos aeroportos.

O Plano Nacional de Logística (PNL) é outro tema a ser abordado durante a participação do ministro no programa. Ele vai detalhar como funciona o PNL

Durante a entrevista o ministro também deve falar sobre a fusão de duas empresas públicas: a  Empresa de Planejamento e Logística (EPL) e a Valec – Engenharia, Construções e Ferrovias. Ele vai explicar o porquê da fusão e as vantagens desse processo.

Assista ao vivo em A Voz do Brasil:

Edição: Claudia Felczak

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

No Rio, queda no preço dos postos é menor que a estimada pelo governo

Publicado

Procon-RJ realiza operação conjunta para coibir irregularidades em postos de combustíveis
Divulgação

Procon-RJ realiza operação conjunta para coibir irregularidades em postos de combustíveis

No primeiro dia em que passou a valer a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a gasolina e etanol no Rio , postos fluminenses diminuíram o valor dos  combustíveis nas bombas, mas alguns ainda abaixo do nível previsto pelo governo do Estado.

Anunciada pelo governador Cláudio Castro na última sexta-feira (1º), a alíquota passou de 32% – a maior do país – para 18%. A expectativa do governo era que com a medida o valor médio do litro da gasolina combustível ficasse em R$ 6,61, R$ 1,19 a menos do que a então média estadual de R$ 7,80. Já para o álcool, a previsão era que a redução fosse de R$ 0,79.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Alguns estabelecimentos, no entanto, corrigiram os valores muito abaixo do previsto nesta segunda-feira (4). Foi o caso de um posto na Rodovia Washington Luiz, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Por lá, o litro da gasolina era vendida por R$ 7,29, apenas R$ 0,30 a menos do que o preço praticado na última semana.

Em outro local, que recebe motoristas com uma faixa dizendo que “aqui é + barato”, a redução foi de R$ 0,33, saindo de R$ 6,66 para R$ 6,33. No mesmo posto, a diferença no preço do etanol foi de R$ 0,20, de R$ 5,33 na última sexta-feira para R$ 5,13 nesta segunda (4).

Maior procura por gasolina

Em outros postos, o reajuste ficou dentro da média prevista. Num posto do Maracanã, na Zona Norte, a redução da gasolina foi de R$ 0,90, caindo de R$ 7,39 para R$ 6,49. Já em São Cristóvão, às margens da Avenida Brasil, o litro do etanol caiu R$ 0,44, de R$ 5,40 para R$ 4,96, e a gasolina passou de R$ 7,29 para 6,04, uma diferença de R$ 1,25, o que impulsionou algum aumento na procura pelo combustível:

“Nas últimas semanas, as vendas de álcool eram o dobro (das de gasolina), mas já percebemos uma procura maior por gasolina – avalia o gerente do local, Paulo Barbosa: “O posto foi reabastecido na quinta-feira passada (30) e ontem de manhã, então o preço já veio reduzido.”

Postos multados

Reservatório cheio, inclusive, é uma das principais justificativas usadas por postos para não repassar imediatamente a redução aos consumidores. De acordo com o Procon-RJ, no entanto, isso não está sendo levado em conta durante as ações de fiscalização. A autarquia autuou 45 postos, e a previsão é que as multas neste primeiro dia totalizem R$ 500 mil.

Entre as principais infrações, os fiscais encontraram postos que não reduziram os preços, ou apenas baixaram parcialmente. Do total, 12 estabelecimentos alteraram os valores ao perceber a chegada dos fiscais.

Os postos têm 15 dias para se defender nos processos administrativos. Só depois dos recursos é que a multa é definida, entre R$ 818 e R$ 12 milhões, a depender do porte do estabelecimento e dos tipos de infração.

Apesar da média prevista pelo governo, de R$ 1,19 de redução – determinado a partir do preço médio do combustível no estado –, o valor varia de posto para posto. Segundo a autarquia, quando os fiscais percebem que a redução nos preços está muito baixa, os fiscais recolhem as notas fiscais do posto para análise, e o estabelecimento é autuado.

Para os consumidores, a redução vem em boa hora. Professor de história, Renato Rezende dá aula no Rio e em Macaé, no Norte do Estado, para onde vai uma vez na semana. Morador de Niterói, ele gasta cerca de R$ 1,2 mil por mês para abastecer o carro.

“Em Niterói está bem mais caro. Saí do trabalho e já fiquei de olho nos preços. Essa redução já faz a diferença”, diz.

Morador do Méier, na Zona Norte, o médico Angelo Salgado já percebeu uma economia de quase 30% no gasto mensal com gasolina:

“Encho o tanque a cada 15 dias, e da última vez gastei R$ 300 e hoje (ontem) deu R$ 220”, conta.

Impostos federais

Os preços dos combustíveis no estado já vinham baixando desde a última semana, após ser aprovado no Congresso e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro que os tributos federais Cide e PIS/Cofins fossem zerados até o fim do ano. A mudança aconteceu em meio ao projeto que determinou o teto do ICMS (imposto estadual), gerando reação dos estados, que entraram com ações no Supremo Tribunal Federal (STF).

Além do Rio e de São Paulo e Goiás, os primeiros a baixarem o ICMS, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Minas Gerais também anunciaram o reajuste na alíquota.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Economia

Apesar de queda no ICMS, preço do gás demora a cair para consumidor

Publicado

Preço do gás de cozinha demora a cair nas revendedoras, apesar de mudança no ICMS
Reprodução: ACidade ON

Preço do gás de cozinha demora a cair nas revendedoras, apesar de mudança no ICMS

Enquanto postos de combustível começaram a corrigir o preço de gasolina e etanol nas bombas, com a redução da alíquota do ICMS cobrada no Rio , o processo em revendedoras de gás de cozinha, o GLP, é mais lento. Nesta segunda-feira (4), quando passou a valer a mudança da base de cálculo para o imposto sobre o gás, poucos pontos de venda corrigiram o preço do botijão de 13kg.

Na última sexta-feira (1º), no mesmo dia em que o governador Cláudio Castro anunciou a redução da alíquota do ICMS para 18%, seguindo a determinação de lei federal sancionada no final de junho, foram publicadas duas portarias que mudavam o formato de cálculo do imposto para gasolina, gás de botijão e diesel.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

O novo modelo determina que o percentual do imposto sobre GLP no Rio, fixado em 12%, passe a incidir na média móvel do preço praticado aos consumidores nos 60 meses anteriores — seguindo documento publicado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) no dia anterior (dia 30). A regra anterior levava em consideração a média dos valores realizados nos 12 meses anteriores.

Com as sucessivas altas no barril do petróleo, o formato leva, na prática, à redução do valor pago em ICMS, porque dilui os altos preços dos últimos meses em um maior espaço de tempo.

Redução de R$ 2,66

Cálculos feitos pelo presidente da Associação Brasileira de Revendedoras de Gás (Abragás), José Luiz Rocha, mostram que a nova base de cálculo pode levar a uma redução de R$ 2,66 sobre o ICMS que incide sobre um botijão de 13 kg no Rio de Janeiro. Antes do decreto, o imposto chegava a R$ 10,97 por unidade, quando a base de cálculo era R$ 7,032 por quilo de GLP. O valor foi definido em resolução do Confaz em outubro de 2021, antes de os estados concordarem com o congelamento do ICMS.

Já com a alteração proposta por Castro, o valor do imposto fica em R$ 8,31 por botijão, tendo por base de cálculo a média móvel dos últimos 60 dias, fixada em julho em R$ 5,33 por quilo de gás. O valor será corrigido mensalmente até dezembro, quando encerra a vigência do decreto estadual.

Niterói já reduz

Em uma revenda em São Gonçalo, a redução nos preços começou nesta segunda-feira. O valor do botijão na portaria, que até semana passada custava R$ 97 no dinheiro, agora caiu para R$ 95, e uma vendedora afirmou que o valor da entrega deve ser recalculado nesta terça-feira (dia 5).

Em revendedoras na Zona Norte do Rio, ainda não houve alteração de preço nesta semana. Em um ponto de venda em Vila Isabel, a unidade é vendida a R$ 97 no dinheiro e R$ 100 no cartão, na portaria, e R$ 115 para entrega. A expectativa de funcionários do local é que logo seja anunciada uma redução próxima a R$ 2 em vendas no local.

Em uma revendedora no Rocha, em que o botijão é vendido a R$ 95 no dinheiro e no Pix e R$ 105 no crédito, na portaria, um funcionário informou que o novo carregamento que chegou nesta segunda-feira ainda veio com a antiga base de cálculo.

Demora para corrigir

Diferente da redução da alíquota do ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte público, a diminuição do valor do GLP não é imediata, de acordo com representantes do setor. O presidente da Abragás, José Luiz Rocha, afirma que, diante de um anúncio como esse, tanto revendedoras quanto distribuidoras ficam perdidos por um tempo.

“Temos a expectativa de que vai poder repassar essa (redução aos consumidores). No caso das distribuidoras, provavelmente estão comprometendo isso nos estoques que estão nos tanques. A margem (de lucro) é espremida. Temo que a revenda possa “pagar o pato” porque não tem poder de decisão”, comenta.

Por outro lado, Sérgio Bandeira de Mello, presidente do Sindicato Nacional das Distribuidoras de GLP, reforça que todas as empresas associadas estão empenhadas quanto à redução.

“Tem o compromisso absoluto das distribuidoras para toda a redução de custo que chegue ao consumidor final. Vão fazer todos os esforços respeitando a livre concorrência, cada um vai fazer em um formato diferente”, pontua, destacando que não há como saber quando cada distribuidora vai passar a aplicar, porque cada empresa tem autonomia sobre a decisão.

Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana