conecte-se conosco


Saúde

Kit único pode identificar patógenos causadores de infecções

Publicado

A disponibilização para laboratórios privados e hospitais públicos de um ‘kit’ único para identificação rápida de patógenos de relevância médica, como vírus, bactérias e fungos, poderá se tornar realidade já em 2021, facilitando identificar as causas de uma infecção. A estimativa é da pesquisadora Rosane Silva, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que desenvolve o projeto. Atualmente, para identificar o que provoca uma infecção, os ‘kits’ disponíveis no mercado são específicos para somente um microrganismo alvo.

Com financiamento da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Rosane Silva disse na semana passada à Agência Brasil que a ideia é que o ‘kit’ que vem sendo testado em equipamentos de última geração possa ser usado também em outras plataformas de baixo custo.

“A ideia é tornar acessível para que qualquer laboratório possa utilizar o ‘kit’, entre os quais laboratórios de hospitais públicos. A gente quer que seja o mais abrangente possível e aplicado em equipamentos de custo mais baixo”. Rosane pretende também fazer parcerias para oferecer serviços e treinamento de pessoal de hospitais públicos para melhor utilização dos ‘kits’. Calculou que o custo desse teste pode evoluir de R$ 300 a até R$ 4 mil, dependendo do equipamento utilizado. “Vai depender muito do quanto a gente pode adequar o equipamento para diferentes plataformas”, explicou.

Casos especiais

Rosane esclareceu que esse ‘kit’ não é indicado para uso rotineiro, mas para casos especiais, como descobrir o que provoca uma infecção em pacientes com septicemia, contaminação alimentar e infecções em próteses ortopédicas de difícil tratamento. Pode fazer ainda o monitoramento ambiental em solos e águas que estejam contaminados por bactérias resistentes a antibióticos, além de detectar infecções no tecido cardíaco, como endocardites, e em pacientes pediátricos, incluindo neonatos e prematuros. O ‘kit’ identifica a conduta terapêutica que deve ser adotada.

O resultado do ‘kit’ sai entre 48 horas e 72 horas, mas a pesquisadora pretende que ele seja dado o mais rápido possível. “Em menos de cinco dias”. A pesquisadora espera validar todos os testes em até 24 meses. Ela está adaptando o sistema para que possa ser usado por laboratórios mais distantes ou remotos e que não tenham muitos recursos. A fase atual de testes é a mais difícil, avaliou Rosane Silva, porque envolve amostras clínicas que necessitam da autorização prévia dos pacientes. De acordo com a pesquisadora, o ‘kit’ pode ser direcionado também para uma assinatura genômica dos ácidos nucleicos.

A detecção simultânea de microrganismos associados à saúde humana reduz as internações e, em consequência, diminui os custos hospitalares e a mortalidade. “Se você tem o mais breve possível a identificação do patógeno, isso permite ter o medicamento adequado para aquele tipo de patógeno. O paciente vai se recuperar mais rápido, com menos custos de internação”. Ao mesmo tempo, reduz a mortalidade porque o paciente usufrui dessa informação para ter o medicamento correto, em vez de ser submetido a testes de diferentes drogas que acabam depauperando a pessoa.

O financiamento da Faperj para realização do projeto alcançou R$ 690 mil e o da Capes, R$ 100 mil. A Universidade do Texas é parceira intelectual do projeto. Os resultados alcançados até agora geraram três artigos sobre o tema na revista científica PLOS One, e nos jornais ‘Microbiologyopen’ e Gene. (Alana Gandra)

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Pessoas que tiveram contato com infectado por Covid-19 são monitoradas

Publicado

 As 34 pessoas que tiveram contato mais próximo com o brasileiro que está infectado por coronavírus estão sendo monitoradas mais de perto pelos governos de São Paulo e pelo governo federal. Desse total, 30 pessoas são parentes que estiveram almoçando na casa do paciente na capital paulista no domingo (23), entre eles, duas crianças que são netas dele. As outras quatro são pessoas que estiveram próximas dele no voo que ele fez da Itália para o Brasil na última sexta-feira (21).

“Seguimos protocolos internacionais da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde. Os familiares já foram todos contatados e a orientação é para que estejam atentos aos sintomas e, quando tiverem sintomas, eles devem procurar um serviço de saúde. Também falamos para que eles evitem aglomerações. O homem está em isolamento domiciliar. Ele usa máscara e existe um protocolo para eliminação de resíduos domiciliares (lixo). Estão todos eles orientados. E os quatro pacientes do contato no voo [que estavam na mesma área que ele], foram todos orientados”, disse hoje (26) coordenadora de Vigilância em Saúde do Município de São Paulo, Solange Saboia.

De acordo com a diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde, Helena Sato, a esposa do homem que teve o caso confirmado para coronavírus está vivendo na mesma casa que ele, mas em ambiente separado. Toda a louça que ele utiliza é separada somente para ele. A esposa não apresenta sintomas da doença.
 
Nenhuma das pessoas que tiveram contato com o contaminado, chamadas de contactantes, apresentaram sintomas. Por isso elas não precisam estar em quarentena, segundo os protocolos que são seguidos mundialmente. Elas são apenas orientadas sobre os sintomas, procedimentos adequados e riscos. 

Casos suspeitos 

Segundo a Secretaria Estadual de São Paulo, há 11 casos suspeitos de coronavírus no estado que estão sendo analisados, sendo nove deles na capital, um em Lorena e outro em São Roque. Além de apresentar os sintomas respiratórios característicos da doença, essas pessoas têm histórico de viagem, sendo que um deles passou pela China e nove pela Itália, países onde foram registrados casos locais de transmissão do Covid-19. Um dos casos é de uma pessoa que teve contato com um caso suspeito.

Em entrevista na tarde desta quarta-feira, em São Paulo, o secretário executivo da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, Alberto Kanamura, disse que o único caso confirmado no estado até o momento é o desse homem de 61 anos, que esteve na Itália a trabalho e que mora na capital. Ele está em isolamento, em sua residência e seu estado de saúde é bom.

Teste de laboratório mostra resultado positivo para novo coronavírus Covid-19Teste de laboratório mostra resultado positivo para novo coronavírus Covid-19
Brasileiro infectado por coronavírus esteve na Itália a trabalho – Reuters©

Centro de Contingência

Após ter registrado o primeiro caso de coronavírus na capital paulista, o governo de São Paulo decidiu criar um centro de contingência para monitorar e coordenar ações contra a propagação do novo coronavírus. O centro será coordenado pelo infectologista David Uip.

O centro também terá profissionais do Instituto Butantan, médicos especialistas das redes pública e privada e terá a supervisão do Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Na primeira reunião do centro, nesta manhã, ficou acertado que os hospitais do estado que serão referência para o tratamento de casos graves serão o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, ambos na capital,  o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e o Hospital das Clínicas de Campinas, além do Hospital de Base de São José do Rio Preto e o Emílio Ribas do Guarujá. 

Essas unidades têm cerca de 4 mil leitos, sendo mil deles em Unidade de Terapia Intensiva. Os hospitais privados também poderão integrar a rede e disponibilizar leitos, caso haja necessidade.

Segundo Kanamura, apesar do registro do primeiro caso no Brasil, não há razão para alarde. “Não há razão para pânico, mas é preciso estar alerta porque essa situação pode mudar a qualquer momento”, disse ele. “Isso não quer dizer que essa é a pior doença. Essa é mais uma doença que vamos ter que enfrentar e vencer”.

Segundo o infectologista David Uip, neste momento, o Brasil passa por uma estação de verão, quando é menor a possibilidade da transmissão do vírus. “Vírus gosta de frio, não gosta de calor, mas não sabemos como o vírus vai se comportar no Brasil”, disse.

O que se sabe sobre a doença, disse Uip, é que cada infectado transmite para outras duas ou três pessoas. As pessoas mais vulneráveis em todo o mundo são as que têm mais de 60 anos, principalmente acima de 80 anos, embora haja casos registrados também em crianças. O período de incubação da doença é de 14 dias.

Primeiro caso na América do Sul

O primeiro caso de Covid-19 foi diagnosticado na terça-feira (25), em um paciente do Hospital Israelita Albert Einstein. O exame foi enviado para contraprova no Instituto Adolfo Lutz, laboratório de referência nacional para análise de amostras casos suspeitos, que confirmou o resultado. Esse paciente esteve na Itália, a trabalho. Quando começou a apresentar sintomas, como tosse, coriza e febre, procurou o hospital, que confirmou a suspeita.

Além dos sintomas como febre, dificuldade para respirar, tosse ou coriza é preciso observar outros aspectos epidemiológicos, como histórico de viagem em área com circulação do vírus ou mesmo contato próximo a algum caso suspeito ou confirmado laboratorialmente para Covid-19. As áreas consideradas de risco hoje, em que houve confirmação de transmissão de coronavírus, são Itália, Austrália, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Filipinas, Japão, Malásia, Vietnã, Singapura, Tailândia, Alemanha, França, Irã e Emirados Árabes Unidos.

“Quem é o caso suspeito? É a pessoa de qualquer idade que apresente febre, acompanhada por outros sintomas respiratórios que pode ser desde uma coriza nasal ou uma tosse”, disse Sato. Além disso, destacou ela, é observado se essa pessoa viajou recentemente. “[Além de apresentar sintomas, pessoas suspeitas são aquelas] que nos últimos 14 dias tenham vindo, além da China, desse conjunto de países que foi incluído [na lista feita pelo Ministério da Saúde]”.

Para prevenir a doença, o ideal é lavar as mãos constantemente com água e sabão ou álcool gel. Também é importante proteger o nariz e a boca quando espirrar.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Saúde

América Latina está alerta após confirmação de coronavírus no Brasil

Publicado

Após a confirmação do primeiro caso de contaminação pelo novo coronavírus (Covid-19) no Brasil, países da América Latina reforçam medidas de controle e alertam populações.

No Chile, foram registrados 260 casos suspeitos da doença até o momento, sem nenhuma confirmação. O ministro da Saúde chileno, Jaime Mañalich, informou que todas as pessoas com suspeita da doença estão em suas casas, em isolamento, e não poderão sair durante 14 dias.

Mañalich explicou que a vigilância epidemiológica foi reforçada nos centros de saúde e que foi decretado um alerta sanitário, que permite ao Ministério da Saúde tomar medidas como contratar recursos humanos, fortalecer a rede de laboratórios e realizar o isolamento de pacientes.

Ministério da Saúde confirma primeiro caso de coronavírus no BrasilMinistério da Saúde confirma primeiro caso de coronavírus no Brasil
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirma em entrevista o primeiro caso de um brasileiro infectado pelo novo coronavírus – José Cruz/Agência Brasil

O Chile tem aplicado protocolos rigorosos nos pontos de entrada no país. “Além do que já fizemos, a partir de sexta-feira (28) será obrigatório para todas as pessoas transportadas de avião para o Chile assinar uma declaração afirmando quais são os países em que estiveram no último mês”, anunciou o ministro.

Controles

No Peru, a ministra da Saúde, Elizabeth Hinostroza, anunciou que cinco hospitais de Lima estão preparados para isolar possíveis pacientes com coronavírus. Ela disse que não há casos confirmados da doença, mas que o país está preparado para a chegada do vírus.

A Colômbia, até o momento, descartou 13 casos suspeitos, e o Ministério da Saúde decidiu aumentar o nível de alerta de leve para moderado. De acordo com o ministério, “entre as medidas tomadas na área de vigilância e prevenção, há a expansão da triagem na imigração, ou seja, agora não apenas os passageiros serão perguntados se eles vêm da China ou se estiveram naquele país nos últimos 14 dias, mas também se eles estiverem nesse período na Coreia do Sul, Japão, Cingapura, Tailândia, Malásia, Emirados Árabes Unidos e Itália”.

Além disso, o Ministério da Saúde disse que as mensagens de prevenção serão intensificadas em todo o país, especificamente a campanha nacional de lavagem das mãos e higiene respiratória.

No Paraguai, o ministro da Saúde Pública, Julio Mazzoleni, disse que os protocolos de controle serão aplicados com severidade. Mazzoleni informou que está monitorando o segundo caso suspeito no país. Trata-se de um cidadão paraguaio que esteve na China e apresentou problemas respiratórios por 48 horas. Foi realizado um primeiro exame, que deu negativo, mas o teste será repetido nas próximas 48 horas.

Na Bolívia, os controles aeroportuários foram reforçados para as conexões aéreas com Lima, no Peru, e com São Paulo, já que são esses os principais elos do país com o mundo. “Essas são as nossas conexões para ir para à Ásia e à Europa”, disse Wilson Santamaría, vice-ministro da Segurança Pública. A Bolívia dispõe, segundo Santamaría, de modernos equipamentos de controle de temperatura dos passageiros.

Voos da Itália

Na Argentina, o Ministério da Saúde informou que os voos provenientes da Itália receberão especial atenção, com o objetivo de detectar, registrar e controlar precocemente pacientes com a possibilidade de apresentar doenças respiratórias agudas.

“Nesse sentido, e em relação aos países que relataram um aumento nos casos confirmados do vírus, como a Itália, e considerando que a Argentina possui voos diretos desse país, começaram a ser implementadas ações adicionais”, disse o comunicado.

Há pelo menos quatro cidadãos argentinos em rigoroso isolamento domiciliar, com suspeita da doença. De acordo com a imprensa argentina, eles devem passar por novos exames ainda hoje.

No Equador, há 15 hospitais preparados para tratar casos de contaminação pelo novo coronavírus. O Ministério da Saúde do país informou que há, ainda, outros estabelecimentos onde a quarentena poderá ser atendida. O país não tem registro de casos suspeitos até o momento, mas já possui os reagentes para fazer os testes de diagnóstico da doença.

Na Costa Rica, apesar de ainda não terem casos suspeitos registrados, o ministro da Saúde, Daniel Salas, disse que a chegada do novo coronavírus no país é uma questão de tempo.

No México, um comunicado oficial informa que não há casos suspeitos de contaminação até o momento.

Fiscalização

Em Cuba, as autoridades intensificaram a fiscalização sobre os viajantes que chegam nos portos e aeroportos do país. Os cidadãos que chegam da Ásia passam pelo escaner e pelo termômetro digital. Trabalhadores das áreas da saúde, turismo e imigração foram treinados para fazer as triagens e orientar a população. Até o momento, não há casos suspeitos na ilha.

O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, proibiu, ontem (25), a entrada de pessoas provenientes da Coreia do Sul e da Itália, na tentativa de impedir que o novo coronavírus se espalhe no país.

Em Honduras, na semana passada, foi registrado o primeiro caso suspeito de contaminação pelo novo vírus, mas a doença não foi confirmada.

No Panamá, o Ministério da Saúde, em parceria com o Aeroporto Internacional de Tocumen, habilitou uma área para evacuação temporária de passageiros com sintomas suspeitos da doença.

Na Guatemala, o presidente Alejandro Giammattei declarou alerta sanitário máximo para tentar impedir a entrada do vírus no país.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana