conecte-se conosco


Política MT

Justiça recebe parecer do MPE e autoriza deputada a atuar como assistente da acusação no caso dos grampos ilegais

Publicado

Alvo da grampolândia, Janaina Riva atuará como assistente do MPE

O juiz Marcos Faleiros, da 11º Vara Militar de Cuiabá, autorizou nesta terça-feira (6), que a deputada estadual Janaina Riva (MDB) possa atuar como assistente de acusação na ação penal que apura o esquema de interceptações telefônicas ilegais em Mato Grosso, conhecido como “Grampolândia Pantaneira”. A parlamentar foi alvo de grampos.

A decisão de Faleiros atende a um parecer favorável do Ministério Público Estadual (MPE), assinado pelo promotor de Justiça Allan Sidney do Ó Souza, e encaminhado para a Justiça Militar no dia 26 de julho, após um pedido da própria parlamentar. Janaina Riva vai receber todo o processo e deve estudar o caso. Na prática, a deputada atuará como assistente do MPE.

De acordo com depoimento dos militares que são réus no caso, Janaína foi grampeada de forma ilegal. Durante reinterrogatório, o cabo da PM Gerson Correa Júnior – réu confesso na ação penal – revelou que Janaina foi grampeada pelo sistema conhecido como “barriga de aluguel”, que se consiste na inserção de números de pessoas comuns na lista de alvos de investigações policiais, a pedido do promotor de Justiça Marco Aurélio de Castro, à época chefe do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do MPE.

Leia Também:  Deputados começam analisar PLDO/2020

Gerson revelou ainda que a parlamentar já havia sido interceptada ilegalmente, antes da Grampolândia Pantaneira, a pedido do Ministério Público, na Operação Metástase.
O cabo cita que Janaina Riva teve três telefones grampeados e mostrou uma planilha com os números. Para legitimar fraudulentamente esses dados, foi expedida posteriormente a ordem de serviço. Na ordem de serviço, segundo Gerson não consta como objeto a família de Riva, somente o ex-deputado José Riva, ou seja, toda a família do ex-deputado teria sido grampeada ilegalmente.

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

“Ele deveria ter tido a mesma intenção com a Santa Casa”, rebate Governo após Emanuel pedir para assumir escola

Publicado

Chefe da Casa Civil Mauro Carvalho criticou sugestão do prefeito de Cuiabá, que requereu a cessão da escola Nilo Póvoas

Questionado sobre a posição do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), de pedir por meio de um artigo publicado no site da Prefeitura da Capital, a cessão da Escola Estadual Nilo Póvoas, o secretário-chefe da Casa Civil do governo, Mauro Carvalho, disse no Jornal do Meio Dia, nesta quarta-feira (22), que o gestor cuiabano está querendo polêmica e que a posição governamental é não entrar nesse jogo.

“O prefeito Emanuel Pinheiro é um apaixonado. Um apaixonado pela política de confronto, uma política de discussões pesadas e não vamos entrar nesse jogo. Nossa política, na gestão do governador Mauro Mendes, é uma política da transparência, de honestidade e eficiência”, disse.

Conforme o chefe da Casa Civil, o prefeito deveria ter tido essa intenção quando do fechamento da Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá. “Ele deveria ter dito a mesma intenção com a Santa Casa de Cuiabá. A Santa Casa ficou com suas portas fechadas mais de 60 dias e ele não teve a iniciativa de assumir”, argumentou.

Leia Também:  Ex-secretária de Educação é condenada por simular licitações para obras

Segundo Mauro Carvalho, ao contrário, quem assumiu a Santa Casa foi o Governo do Estado. “Nós assumimos a Santa Casa, então, temos que ter uma postura única na política, uma conduta única e é isso que o governador Mauro Mendes tem determinado a toda a sua equipe”.

Segundo ele, a desativação da Escola Estadual Nilo Póvoas faz parte de um processo de reordenação da rede estadual de ensino. Para resumir e colocar um ponto final no assunto, o chefe da Casa Civil adiantou que “a escola vai ser transformada em um novo espaço, será um Centro de Referência Inclusiva”.

Mauro Carvalho adiantou que foram destinados cerca de R$ 3 milhões para o início da reforma na escola e que o atual nome será mantido. Além disso, explicou, os estudantes da Escola Nilo Póvoas serão remanejados para a Escola Estadual Antônio Epaminondas, no bairro Lixeira.

A Secretaria de Educação do Estado (Seduc) anunciou no início de janeiro que a Escola Estadual Nilo Póvoas, que completa 50 anos em 2020, será desativada por conta da pequena quantidade de alunos, menos de 150, quando sua capacidade é para cerca de mil estudantes.

Leia Também:  Cuiabá lança alvará automático e deve alavancar setor da construção civil; documento será emitido em até 48 horas

Continue lendo

Política MT

Em MT, 500 mil eleitores podem não conseguir votar na eleição suplementar ao Senado

Publicado

O presidente do TRE, desembargador Gilberto Giraldelli: prazo para o cadastro biométrico vai até 21 de fevereiro

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Gilberto Giraldelli, revelou na manhã desta quarta-feira (22), que 500 mil eleitores mato-grossenses correm o risco de não poderem votar na eleição suplementar ao Senado que acontece no próximo dia 26 de abril, porque não realizaram o cadastro biométrico.

Por esse motivo, o prazo para que os eleitores possam fazer a biometria vai até o dia 21 de fevereiro. “Temos um número de 500 mil eleitores com títulos cassados. Talvez por estarem desacreditados, muitos não fizeram ainda o cadastramento eleitoral. Nós temos feito várias e várias campanhas aqui para chamar a atenção da população para a necessidade de vir fazer a sua regularização eleitoral”, afirmou.

Para regularizar o título, o eleitor deve acessar o site do TRE-MT e verificar os locais disponíveis na Justiça Eleitoral.

A realização da eleição em 26 de abril foi estabelecida após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinar que eleições suplementares ocorram no prazo de até 90 dias. A vaga foi aberta após a cassação da senadora Selma Arruda (Podemos) pelo TSE por abuso de poder econômico e uso de caixa 2 nas eleições de 2018.

Leia Também:  Juiz bloqueia 30% das receitas do Sintep para custeio do transporte dos alunos no período de reposição das aulas

Nesta manhã, o TRE também definiu que os partidos realizem as convenções para escolha de nomes e coligações entre 10 e 12 de março. Depois da escolha dos nomes, os registros de candidatura deverão ser feitos em 17 de março junto ao TRE.

Até 17 de março fica proibida a realização de pesquisas, assim como a veiculação de propaganda eleitoral. O que significa que as propagandas, até as realizadas pela internet, estão autorizadas a partir de 18 de março.  Já a propaganda eleitoral gratuita na televisão e rádio irá começar em 20 de março e termina em 25 de abril. O prazo para a prestação de contas da campanha junto ao TRE termina no dia 30 de abril. A diplomação do senador e seus suplentes eleitos ocorrerá no dia 21 de maio.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana