conecte-se conosco


Internacional

Juan Guaidó afirma que presidirá sessão na Assembleia Nacional

Publicado

Ainda não se sabe o que acontecerá hoje (7) na Assembleia Nacional venezuelana. O deputado e autoproclamado presidente interino do país, Juan Guaidó, afirmou que comparecerá ao Congresso e presidirá a sessão. “Sabemos que arriscaremos a pele. A república está em jogo”, disse Guaidó.

No entanto, não se sabe se será novamente impedido de entrar no local pois agentes da Guarda Nacional Bolivariana fazem a guarda nos arredores da Assembleia. No último domingo (5), em um dia conturbado, opositores de Maduro, inclusive Guaidó, foram impedidos de entrar no palácio legislativo. Do lado de dentro do edifício, apoiadores de Maduro aprovaram, em uma sessão relâmpago e sem quórum, a eleição de Luis Parra para presidir o órgão.

Enquanto isso, do lado de fora, Juan Guaidó foi reeleito com 100 votos de deputados, mais do que os 84 necessários para a sua recondução.

Maduro afirmou, em rede nacional, que reconhece a eleição de Luis Parra e que Guaidó é um “fantoche do imperialismo americano”.

Luis Parra foi expulso do partido de oposição a Maduro, o Primeiro Justiça, no final do ano passado por denúncias de corrupção.

Nna manhã desta terça-feira, Guaidó foi à sede do Partido Ação Democrática, de onde seguirá para a Assembleia Nacional. Conforme anunciou ontem (6), ele pretende presidir a sessão de hoje na casa legislativa.

Em um comunicado emitido nesta segunda-feira, a Procuradoria da Assembleia Nacional afirmou que “no dia 5 de janeiro, foram cumpridas todas as formalidades exigidas na Constituição e Regulamento Interno para a eleição da Junta Diretiva pelo período de 2020”. O órgão reconhece Guaidó como presidente da Assembleia Nacional.

O texto diz ainda que o regime de Maduro, com auxílio de forças militares, impediu o acesso ao palácio legislativo e empregou táticas de agressão e intimidação.

Edição: Denise Griesinger
publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Internacional

Guerra: Zelensky diz que confronto terá fim com libertação da Crimeia

Publicado

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky
Ansa

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky , afirmou que a guerra iniciada pela Rússia só terminará com a “libertação” da Crimeia, anexada unilateralmente por Moscou em 2014.

“Essa guerra russa contra a Ucrânia, contra toda a Europa livre, começou com a Crimeia e deverá terminar com a Crimeia, com a sua libertação. Hoje é impossível dizer quando isso acontecerá, mas sei que voltaremos a ter a Crimeia ucraniana”, disse em seu discurso diário.

O mandatário ainda afirmou que o “mundo errou em não responder com toda a força os primeiros passos agressivos da Rússia em 2014”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Internacional

Justiça dos EUA determina que Trump deve declarar imposto de renda

Publicado

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos
Reprodução Documentário ‘Unprecedented’

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos

A Corte de Apelação do Distrito de Columbia impôs uma nova derrota contra o  ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump nesta terça-feira (9) e determinou que ele deve entregar as declarações de imposto de renda para o Comitê sobre Uso de Fundos da Câmara dos Representantes.

A decisão rejeitou o pedido da defesa de que o ex-mandatário tinha que apresentar os documentos por “perseguição política” e determinou que ele faça o envio imediatamente dos seus registros pessoais e de suas empresas.

“Embora seja possível que o Congresso tente ameaçar o presidente em exercício com um pedido invasivo enquanto ele está no cargo, todo presidente assume sabendo que estará sujeito às mesmas leis que todos os outros cidadãos ao deixar o cargo. Isso é uma característica da nossa república democrática, não uma falha”, diz o juiz na fase final do texto.

Trump poderá recorrer à Suprema Corte sobre a decisão, mas é difícil que o plenário aceite a apelação por já ter analisado pedidos semelhantes. No ano passado, o Supremo determinou que ele entregasse as declarações para a Procuradoria de Nova York.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana