conecte-se conosco


Esportes

Jogadores e clubes brasileiros se posicionam contra o racismo

Publicado


.

A luta contra a discriminação racial começou a semana repercutindo com força no mundo do futebol. A revelação do Vasco Talles Magno publicou no Twitter: “Não adianta não ser racista, temos que ser antirracistas”. A frase é da ativista política norte-americana Angela Davis. O lateral do Fluminense Igor Julião também tratou do tema nas redes sociais e indagou: “Já parou de tratar as religiões de matrizes africanas de forma pejorativa, tem consumido música, filmes, livros e etc de artistas negros. Já separou um tempo para estudar e entender a influência africana em nosso país”.

Para Marcelo Carvalho, fundador do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, há uma nova geração que se posiciona e dialoga com a sociedade e com as comunidades de onde muitos vieram. “Eles percebem que não adianta ser rico e famoso, porque o racismo vai continuar a persegui-los, seja nos campos brasileiros ou europeus”, afirma, lembrando que as redes sociais, além de trazer informações com maior velocidade, formam um coro de protesto que pensa fora das quatro linhas: “Uma voz puxa a outra. Eles vão se encorajando e passam a não ter mais medo de uma possível represália do sistema. É um movimento que, caso não seja silenciado, pode crescer e se aprofundar para falar de outras lutas políticas e sociais do país”.

Os clubes de futebol também se manifestaram contra o racismo. Houve inclusive uma corrente virtual na qual cada um citava o nome de três jogadores históricos negros. O Grêmio, por exemplo, afirmou: “Racismo não é opinião ou preferência política, racismo é crime! Bruno Cortez, Airton Pavilhão e Roger Machado”.

O São Paulo respondeu com “Leônidas da Silva, Kátia Cilene e Mineiro”.

Já o Corinthians fez um vídeo e colocou na internet: “O racismo mata e destrói famílias no Brasil e no mundo. Não se cale. Nós nos importamos com essas vidas”.

Edição: Fábio Lisboa

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Esportes

Debate aborda desafios do futebol feminino nacional pós-pandemia

Publicado


.

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, confirmou no início dessa semana o retorno da Série A1 do Brasileiro Feminino para o dia 26 de agosto. Sem jogos desde o dia 15 de março, muitas das 16 equipes que fazem parte da competição tiveram mudanças significativas nos planteis, e várias ainda nem tem previsão do reinício dos treinamentos. Ou seja, a tendência é que a volta dos jogos seja marcada por muitas dificuldades na principal competição do futebol feminino do país. Esse cenário de incertezas será o tema do encontro “O futuro do Futebol Feminino Pós-Pandemia”, promovido pelo Museu do Futebol de São Paulo no próximo sábado (11). A iniciativa vai ser transmitida a partir das 20h pelos perfis das redes sociais do Museu.

Nomes de destaque da modalidade estarão presentes ao bate-papo. Uma delas é a Aline Pellegrino, diretora de futebol feminino da Federação Paulista de Futebol. “Momento importante e relevante para as pessoas entenderem um pouco mais aquilo que vamos enfrentar nos próximos meses. Teremos cenários nos quais algumas equipes enfrentarão dificuldades maiores, e outros cenários com times passando por problemas um pouco menores. Mas, sem dúvida, vai ser uma realidade que exigirá muita atenção de todos”, disse à Agência Brasil a ex-jogadora da seleção brasileira.

Também farão parte do debate Emily Lima (ex-técnica da seleção brasileira e atual comandante da seleção equatoriana), Duda Luizelli (coordenadora técnica de futebol feminino do Internacional), Solange Bastos (ex-jogadora da seleção brasileira e atual auxiliar técnica do Bahia) e Amanda Storck (gerente de futebol feminino do Fluminense). A mediação será da jornalista Elaine Trevisan.

Na sequência, às 21h30, dentro do programa Cinema na Rede, está prevista a exibição de dois curtas-metragens dirigidos por Cristiano Fukuyama, Luiz Nascimento e Edson de Lima.

Edição: Fábio Lisboa

Continue lendo

Esportes

Nova realidade financeira tira Valinhos da elite da Superliga feminina

Publicado


.

O Valinhos, equipe do interior de São Paulo, informou à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) que não terá condições de continuar na elite da Superliga feminina para a temporada 2020/2021. O time, mesmo tendo sido rebaixado dentro de quadra, com apenas quatro vitórias em 22 jogos, havia sido convidado pela CBV para seguir na Série A após o Itajaí, que tinha conseguido o acesso na quadra, confirmar que não vai participar da primeira divisão.

O prazo para essas confirmações encerrou-se no dia três de julho. A alegação do time paulista é de que ele não conseguiu apresentar as garantias financeiras necessárias para conseguir fazer um bom campeonato. “Por dificuldades herdadas de anos anteriores, quitação de algumas situações e pela dificuldade em conseguir novos patrocínios em tempo hábil por caso da pandemia do covid-19 e para não fugirmos da nossa missão de manter o vôlei vivo na cidade, preferimos colocar os pés no chão e trabalhar com o que já conseguimos para fazer um bom campeonato na Superliga B e voltar com mais força no próximo ano”, comentou à Agência Brasil o diretor adjunto de modalidades, Rafael Enderle.

Edição: Fábio Lisboa

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana